Digestivo nº 297 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Treehouse
>>> Música em 2004
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Jornalismo em tempos instáveis
>>> Rasgos de memória
>>> História da leitura (II): o códice medieval
>>> Rufo, 80 II
>>> Jeitos de trabalhar
>>> The GigaOM Show
>>> BoicotaSP
Mais Recentes
>>> Le Voyageur et son Ombre de Nietzsche pela Mediations (1979)
>>> Avenidas da Saúde de Dr Haroldo Shryock pela Casa Publicadora Brasileira (1963)
>>> Livro Anne Whit An E Lucy Maud Bordando com as Estrelas de Lucy Maud Montgomery pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Flâneur - um Passeio Pelos Paradoxos de Paris de Edmund White pela Companhia das Letras (2001)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias - Coleção o Globo de Manuel Antônio de Almeida pela O Globo (1997)
>>> O mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (2000)
>>> Veneno Digital de Walcyr Carrasco pela Ática (2017)
>>> Uma Longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2015)
>>> Um Olhar Sobre a Ciência: Desenvolvimento, Aplicações e Políticas de Eloi de Souza Garcia pela Interciência (2003)
>>> O Verão e a Cidade - Os Diários de Carrie de Candance Bushnell pela Galera Record (2011)
>>> O Cotidiano de um Deficiente de Patricia Vaitsman dos Santos pela Interciência (2001)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Ano Inesquecível de Babi Dewet, Bruna Vieira, Paula Pimenta e Thalita Rebouças pela Gutenberg (2015)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela José Olympio (1978)
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Record (1983)
>>> A Linguagem e Seu Funcionamento - as Formas do Discurso de Eni Puccinelli Orlandi pela Brasiliense (1983)
>>> A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata de Mary Ann Shaffer e Annie Barrows pela Rocco (2009)
>>> Poesia Que Transforma de Bráulio Bessa pela Sextante (2018)
>>> O Livro de Ouro da Mitologia de Thomas Bulfinch pela Harper Collins (2018)
>>> Memórias /quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> Memórias /quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> Memórias /quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> Memórias /quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> Memórias /quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> Memórias /quase Esquecidas: Aqueles Olhos - Vol 1 de Alduisio M. de Souza pela Literatura Brasileira (2001)
>>> A Gênese de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Guerra Não Tem Rosto de Mulher de Svetlana Aleksiévitch pela Companhia das Letras (2016)
>>> Mais Coisas Que Toda Garota Deve Saber de Antônio Carlos Vilela pela Melhoramentos (2006)
>>> Engenharia genética - O Sétimo dia da criação de Fátima Oliveira pela Moderna (1995)
>>> O Ladrão de sonhos e outras historias de Ivan Angelo pela Atica (1999)
>>> Necronomicon: the Best Weird Tales of de H. P. Lovecraft pela Gollancz (2008)
>>> Um Dia "Daqueles": Uma Lição de Vida Para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> A Cidadela do Caos de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1990)
>>> O Calabouço da Morte de Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1984)
>>> O Feiticeiro da Montanha de Fogo de Steve Jackson; Ian Livinstone pela Marques Saraiva (1991)
>>> Rostos da Portugalidade de Luís Machado pela Vega (2010)
>>> LIVRO NOVO! A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Principis (2021)
>>> A Nave Espacial Traveller de Steve Jackson pela Marques Saraiva (1982)
>>> Norse Mythology de Neil Gaiman pela W. W. Norton & Company (2017)
>>> A Mão e a Luva de Machado de Assis pela Prazer de Ler (2016)
>>> Buda: na Floresta de Uruvella -vol. VI de Osamu Tezuka pela Conrad (2005)
>>> Buda. Em Busca da Iluminação. Vol. IV de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> Literatura Ao Sul de Luis Augusto Fischer pela Universidade de Passo Fundo (2009)
>>> Buda. a Outra Margem do Rio. Vol. III de Osamu Tezuka pela Conrad do Brasil (2005)
>>> O Cavaleiro da Esperança de Jorge Amado pela Record (1987)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Globo (2015)
>>> Passagens da Antiguidade ao Feudalismo de Perry Anderson pela Brasiliense (1987)
>>> O Não Me Deixes - Suas Histórias e Sua Cozinha de Rachel de Queiroz pela Arx (2004)
>>> George Sand de René Doumic pela Perrin (1922)
>>> Sybil de Flora Rheta Schreiber pela Círculo do Livro
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 22/9/2006
Digestivo nº 297
Julio Daio Borges

+ de 2800 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Internet >>> Ecos Falsos
Enganou-se quem achou que, no Brasil, não havia podcast sobre música independente. Há; e mais de um. Fora o Trama Virtual, cujo podcast é recente, e seria uma aposta inclusive óbvia (além da televisão), o Estação Independente, do Rio, vem peneirando novas bandas há uns tantos programas. Como o próprio pessoal do Djangos, uma das últimas atrações, observou: sem comunicação, uma cena não acontece; e se os fanzines acabaram (a Mosh “renasce” agora), os podcasts de música podem vir a ter um papel central. Em formato parecido com o do Morning Becomes Eclectic, a dupla de apresentadores cariocas alterna conversas descontraídas com performances ao vivo e em estúdio. Ainda que haja muito barulho nas emissões – pois barulhento é o rock em estado bruto –, pode-se concluir que não só de Los Hermanos a cena se alimenta hoje. A comparação, descontando essa, é com aquele momento, nos anos 90, em que desabrocharam selos como o Banguela e em que emergiram produtores como Carlos Eduardo Miranda. E a nostalgia, como era de se esperar, ainda remonta a Chico Science e a Tom Capone. Os anos 80 não são mais “a” referência (uma vez que os Titãs perderam a identidade; o Barão insiste em sobreviver apenas comercialmente; e os Paralamas se reduzem a... João Barone?). Os convidados do Estação Independente produzem freneticamente, mas não têm, igualmente, resposta para o processo de desmontagem das gravadoras. Para o fim do esquema de divulgação nas FMs; para o clipe que, numa MTV quase 100% comportamental, perdeu sua função. O próprio CD circula silenciosamente, nas conversas, como uma alma penada – ainda que os próprios músicos se sintam constrangidos em, declaradamente, apelar para a “pirataria” (leia-se: para o download de música). Nesse contexto, é louvável o trabalho do Estação Independente. Afinal de contas, por mais que o iTunes seja a luz no fim do túnel, a indústria fonográfica, como um buraco negro, pode continuar sugando tudo. Inclusive a música. [Comente esta Nota]
>>> Estação Independente
 



Além do Mais >>> Usando frases com eu
No dia-a-dia, o exercício de engolir sapos (não, necessariamente, sapos barbudos), além de requerer algum esforço extra, pode se revelar um “tiro que (futuramente) sai pela culatra”. Engolir sapos, por defesa ou por hábito, não resolve o problema na raiz, geralmente o posterga. É o que afirmam Lisa Frankfort e Patrick Fanning no livrinho Pare de Concordar e Comece a Responder, pela editora Landscape. Seja no trabalho, seja na família ou na vida social, o volume é um manual bem-humorado para situações de conflito aparentemente sem saída, mas que podem ser contornadas (nem sempre, claro, resolvidas) de melhor forma. O típico engolidor de sapos prefere evitar o embate, normalmente achando que dizer “sim” pode sair mais barato do que dizer “não”. Frankfort e Fanning tentam mostrar que, a longo prazo, além de sair mais caro, existem outras maneiras de aprimorar a comunicação (entre o “sim” e o “não”) em benefício próprio. Sendo assertivo. É o grande conselho de Pare de Concordar e Comece a Responder. Assertividade, os autores afirmam, não é passividade mas também não é agressão. É expressão. Até porque, na maioria dos casos, os sapos continuam aparecendo (para serem engolidos) já que o “engolidor” não demonstrou sua discordância em nenhum momento anterior. Os capítulos estão agrupados em seqüência conforme o nível de “dificuldade”. Das definições básicas (você sabia, engolidor de sapos, que tem “direitos pessoais” e inalienáveis?) até a “resposta a críticos”, o trato com “pessoas difíceis”, terminando com “estratégias especiais” e “situações especiais”. Pare de Concordar e Comece a Responder não é nenhum tratado em matéria de psicologia; não é nenhuma obra de Freud. Contudo, pode ser útil, por ser bastante prático, e pode ser divertido, num tempo em que as relações interpessoais são, sempre em algum âmbito, ásperas. Como Manuel Bandeira fez (poeticamente), vamos todos limar o cacto. [Comente esta Nota]
>>> Pare de Concordar e Comece a Responder
 



Literatura >>> Milagres não existem
Logicamente, quando se pensa em “autores novos”, a tendência é evocar uma geração surgida junto com a internet e, hoje, com idade em torno de 30 anos. Jeanette Rozsas é uma autora nova que está aí para desfazer esse e outros mal-entendidos. Jeanette tem uma trajetória que, além de diferente das atuais receitas de bolo, é interessante. Embora conviva fraternalmente com autores novos da Geração 00, Jeanette Rozsas começou a escrever só depois dos 50 anos. Tudo bem, era advogada e escreveu, desde muito antes, até por obrigação de ofício. Mas a literatura de Jeanette Rozsas nasceu fora dos escritórios, fóruns e “peças” em geral: floresceu em oficinas literárias. Na aurora da World Wide Web, enquanto seus colegas de literatura brasileira contemporânea lidavam com o HTML e seus mistérios, Jeanette estabelecia o grupo Contares, junto a amigas afeiçoadas, como ela, à palavra escrita. Reunindo-se sempre, a turma do Contares adquiriu o hábito saudável de convocar, em ocasiões especiais, jornalistas, críticos e escritores – extraindo ao máximo ensinamentos de profissionais tarimbados, ou do mercado, ou apenas mais habituados ao desafio do papel em branco. Pois o Contares frutificou: rendeu um primeiro livro de mesmo nome; um segundo (Outros Contares); e até uma edição temática (Contares conta o Natal). Jeanette, com a experiência entre capas, foi abrindo asas e encarando vôos solo: montou um currículo só com premiações em concursos literários do Brasil e do exterior, para, paralelamente, publicar seu primeiro livro de contos, Feito em silêncio (Vertente, 1996). Ainda ligada à carreira de advogada, venceu o concurso da Associação de Magistrados Brasileiros (em 1998), no Rio, e transformou o texto premiado no pocket Autobiografia de um Crápula (2003). No ano passado, trouxe à luz Qual é mesmo o caminho de Swann? (7Letras), uma coleção de contos novos elogiados até por Luiz Ruffato (um dos descobridores da Geração 90); e, neste ano, desbravando o universo dos livros em áudio, viu dramatizado seu policial As Sete Sombras do Gato (Audiolivro). Jeanette Rozsas, apesar de ter rodado o mundo (literário e o outro), com seus escritos debaixo do braço, é modesta e estaria felicíssima em ser apenas indicada para o último Jabuti. Será que precisa? Jeanette Rozsas conseguiu sozinha o que a maioria, reclamando em conjunto, não conseguiu ainda. [Comente esta Nota]
>>> As Sete Sombras do Gato | Qual é mesmo o caminho de Swann? | Autobiografia de um Crápula
 



Música >>> A prova dos nove dessa inequação
No meio da montanha de CDs que chegam e que soam, aparentemente, “igual”, ninguém pode reclamar que Kléber Albuquerque não tenha personalidade. Abrindo seu Desvio numa evocação nordestina de Alceu Valença, tasca logo uma guitarra distorcida e lembra, ainda, Zeca Baleiro em “Heavy Metal do Senhor”. “Brasa” não passa despercebida de todo. Se sobreviver ao manifesto roqueiro, o ouvinte será brindado com um reggae, “Maluca”. Então presta, pela primeira vez, atenção à “poética” de Albuquerque. Não leva, sugestivamente, o primeiro prêmio em matéria de originalidade – “procurando pedra pra tropeçar” e “ensinando Shiva a dançar” – mas, do mesmo jeito que usa bem os ritmos, Kléber usa bem as palavras (mesmo que as frases feitas). Simpático, passa no teste da segunda faixa (acreditem: pouca gente passa...). A terceira justifica que o resenhista deveria, mesmo, ter insistindo. Pela flauta e pelo flautim. A quarta, “Inquietação”, emenda verborragia mas embala num choro agradável. A quinta mistura “moda de viola” com objetos voadores não-identificados. A sexta, “Estrada”, num clima infantil e circense, aposta em minimalismo e... semiótica? “Desvio”, a própria, tem até bandolim. “A Liberdade!” volta para os riffs da primeira faixa, conversa com Caetano Veloso e... Paulo Miklos! “Copacabana” (Caymmi?), “Só mais um blues”, “Essa mulher” (Elis?), “A melhor parte” e “A canção do cãozinho Esaú” encerram o volume. Kléber Albuquerque, concluindo, não vem para dar continuidade à tal “linha evolutiva da música popular brasileira”. Contudo, Desvio não merece ser descartado. Kléber tem repertório; Kléber tem formação – e a verve está lá... O que falta? Um produtor; uma produção? Analisado com microscópio, o disco não sobrevive bem ao teste do tempo, porém ouvi-lo não é um sacrifício – e terminamos, de algum modo, torcendo por ele. Desvio, de Kléber Albuquerque, é um mistério sem solução. Talvez a prova de fogo seja, coincidentemente, sua turnê agora no Crowne Plaza. Desvio de trajetória ou pouso no lugar-comum? [Comente esta Nota]
>>> Desvio
 



Internet >>> A peça que faltava no seu projeto
Se a internet brasileira está meio parada sob muitos aspectos (em comparação com a Web 2.0 de fora), os freelancers não podem reclamar da atenção que vêm recebendo ultimamente. Numa economia que definitivamente não é a de pleno emprego, inclusive para profissionais de comunicação (principalmente os que não apóiam o governo), a tendência é que o mercado de trabalho encolha e que grande parcela da população economicamente ativa seja empurrada para a informalidade e para a atuação como “frila”. Pensando exatamente nessas pessoas, que estão sempre juntando uma porção de “jobs” para – em matéria de remuneração – chegar a um salário, Mauro Amaral fundou, e viu crescer, o Carreira Solo. Também Ceila Santos recebeu bastante feedback em seu blog Freelancer: o profissional que rala – onde narra, justamente, seu dia-a-dia... entre “frilas”! Como se não bastasse a discussão de idéias do último e os depoimentos do primeiro, esse universo ganhou agora mais um endereço: Freela.com.br, de Gustavo Carneiro e Gabriel Pereira, recheado de currículos e portfolios de profissionais freelancers. Muito bem organizado, além de abrigar entrevistas e até trabalhos de frilas, o site quer ser um grande banco de dados – tanto para quem procura um profissional freelancer quanto para quem procura um job. Mauro Amaral e o Carreira Solo já reagiram com uma resposta à altura: vagas.carreirasolo.org. As empresas de RH, mormente as de recolocação profissional, haviam percebido, há muito, que quem está sem emprego, naturalmente, passa muitas horas na internet. E montaram sites inteiros em que os desempregados se perdem em páginas e mais páginas de conselhos e, às vezes, até de ofertas interessantes. Chegou, portanto, o momento das publicações sobre o assunto chacoalharem um pouco a paisagem. Que Mauro Amaral continue com suas entrevistas antológicas; que Ceila Santos continue com seus desabafos bastante humanos; e que Gustavo Carneiro e Gabriel Pereira inspirem outras categorias a, igualmente, se organizar... [Comente esta Nota]
>>> Freela.com.br
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Palestras
* Encontro dos velejadores da regata de volta ao mundo
Murilo Novaes e Hector Etchesbaster
(Qua., 27/09, 19h00, MP)

>>> Autógrafos
* Políticos do Brasil - Fernando Rodrigues
(Seg., 25/09, 19h30, CN)
* Universo da Depressão - Elisabeth Sene-Costa
(Qua., 27/09, 18h30, CN)
* O Operador - Lucas Figueiredo
(Qui., 28/09, 18h30, CN)
* Deus na Aldeia - Paula Montero
(Qui., 28/09, 19h00, CN)
* A Pedagogia Waldorf: 50 anos no Brasil
Elvira Nadai e Lúcia Tulchinski
(Qui., 28/09, 19h00, MP)
* Infotenimento - Fábia Angélica Dejavite
(Sáb., 30/09, 11h00, CN)

>>> Shows
* Maracatu, partido-alto, frevo e afoxé - Nenê trio
(Qui., 28/09, 19h30, MP)
* Show para a capital paulista - Sandra Melo
(Sáb., 30/09, 17h00, MP)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** Livraria Cultura Market Place Shopping Center (MP): Av. Chucri Zaidan, nº 902
**** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/9/2006
17h58min
Vejo com bons olhos os novos autores, surgidos em escolas, grupos literarios. Hoje fui convidado como jurado de um concurso de poesias de uma escola de São José do Rio Preto (já fui tambem jurado de uma escola na cidade de Mirassol). Na ARPE, Associação Rio-pretense de Escritores, temos um grupo de jovens autores fazendo poesias, crônicas... e o que noto é que não há um orgão de imprensa especializado em difundiur os novos, em analisár, e isto é uma incopetência da nova geração do meio de comunicação...
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Anda a Sua Carreira
José Carlos Figueiredo
Infinito
(2000)
R$ 12,00



O Pequeno Médium
Roberto de Carvalho
Benvirá
(2018)
R$ 9,28



Terapeutica Clinica III - Primeira Parte Aparato Respiratório
Alfredo Jose Bandoni Cesar Cardini Juan Jos...
El Ateneo
(1942)
R$ 42,64



L'Impero Romano 1/2
Santo Mazzarino
Laterza
(2006)
R$ 200,00



Gli Esercizi Di S. Ignazio
P. Gennaro Gamboni
Pontificio
(1956)
R$ 49,16



Montaigne os Imortais do Pensamento Universal
Montaigne
Waldré
R$ 12,00



O Princípio Dilbert 2a Edição
Scott Adams
Ediouro
(1997)
R$ 16,00



Técnica Cirúrgica Vol. 3 Tomo 1 Abdome
Alfredo Monteiro
Scientifica
(1943)
R$ 29,18



Psicologia e Profissão Em São Paulo Ensaios 16
Sylvia Leses de Mello
Atica
(1983)
R$ 5,00



Os três monges
Luis Carlos Carneiro
Lake
(1997)
R$ 10,00





busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês