Digestivo nº 334 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
59908 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O INVISÍVEL
>>> The Daily Zen Podcast
>>> O soldado absoluto
>>> Carta aos Amigos
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Eat the Rich
>>> The myth maker
>>> 19 de Dezembro #digestivo10anos
>>> O Blog da Livraria Cultura
>>> O século da canção
Mais Recentes
>>> A estória do sol e do rinoceronte de Ondjaki pela Pallas (2022)
>>> Teologia para pentecostais : uma teologia sistemática expandida- Vol.2 de Walter Brunelli pela Acadêmico (2016)
>>> Teologia para pentecostais : uma teologia sistemática expandida- Vol.2 de Walter Brunelli pela Acadêmico (2016)
>>> Candomble De Keto de Babalorixá Ominarê pela Pallas (2006)
>>> De bem com a vida de Odé Kileuy pela Pallas (2022)
>>> Logunedé: santo menino que velho respeita de Nei Lopes pela Pallas (2006)
>>> Rezas que o povo reza de Nivio Ramos Sales pela Pallas (2006)
>>> Plantas que curam e cortam feitiços de Maria Helena Farelli pela Pallas (2022)
>>> Comida de santo de Maria Helena Fareli pela Pallas (2022)
>>> Oxum: a mãe da água doce de Luis Felipe de LIma pela Pallas (2007)
>>> Um quilombo no Leblon de Luciana Sandroni pela Pallas (2022)
>>> Edith e a velha sentada de Lázaro Ramos pela Pallas (2021)
>>> Neguinho aí de Luis Pimentel pela Pallas (2009)
>>> Saber Do Negro de Joel Rufino dos Santos pela Pallas (2015)
>>> Regeneração e Vida de Públio Carísio de Paula pela Minas (2003)
>>> Coleção Explorando o Ensino - Geografia: Ensiono Fundamental de Coord. Marísia Margarida e Santiago Buitoni pela Ministério Da Educação (2010)
>>> Retrato no Espelho de Teresa Noronha pela Ed. do Brasil
>>> Nova Visão de Francisco Cândido Xavier e Outro pela Ide (1987)
>>> O Mistério de Marie Rogêt de Edgar Allan Poe pela Ftd (1990)
>>> Os ibejis e o carnaval de Helena Theodoro pela Pallas (2019)
>>> Saber Atual: A álgebra moderna de M. Queysanne e A. Delachet pela Difusão Européia do Livro
>>> Errar é humano... Perdoar é canino! de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2010)
>>> 365 dias com a Bíblia - um texto para cada dia de Seleção de Paulo Sérgio Bazaglia pela Paulinas (1992)
>>> Cachorros do Céu de Wilson Bueno pela Planeta (2005)
>>> Denúncia Espontânea Em Direito Tributário de Antonio Sebastião Paloni pela Ágá Juris e Distribuidora (2000)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 6/7/2007
Digestivo nº 334
Julio Daio Borges

+ de 2000 Acessos




Literatura >>> Alguns poemas traduzidos, de Manuel Bandeira
Hoje quando poetastros desejam fazer as brincadeiras que Manuel Bandeira fazia, em poesia, esquecem-se de um dado fundamental, conforme lembra o professor João Adolfo Hansen, com deferência, sempre que fala nele: “Bandeira era cultíssimo”. Podia, então, brincar à vontade com a língua, podia até se dar ao luxo de ser o “São João Batista do Modernismo”, segundo Mário de Andrade, escarnecendo do “lirismo funcionário público” e mesmo da sua débil condição física. Hoje, para falar dos “poetas” contemporâneos, poder-se-ia adaptar termos como “escatologia funcionária pública”, “violência (gratuita) funcionária pública” e o “semi-analfabetismo funcionário publiquíssimo”. E a incultura, claro – que, além de orgulhosa e ostensiva, seria o produto mais bem distribuído hoje, de Norte a Sul do Brasil. Não é exagero concluir, portanto, que Bandeira nos humilha, aqui no século XXI, com sua cultura – e um bom exemplo, atualmente nas livrarias, é a edição Alguns poemas traduzidos, com organização de Leonardo Fróes. Bandeira, fora tudo o que escreveu, em poesia e em prosa, realizou traduções, até para consumo próprio, que se tornaram célebres – a ponto de virarem livro e, oportunamente, chegarem até nós, os “incultíssimos”. Desde Goethe até Bashô, nosso São João Batista do Modernismo parece ter especial predileção por Hölderlin (sobre quem se debruça nove vezes) e, obviamente, por “modernos” como o espanhol García Lorca (duas vezes) e o nicaragüense Rubén Darío (duas vezes também). Entre as poetisas, Emily Dickinson recebe sua especial atenção (cinco vezes) e ainda Juana Inés de la Cruz (duas). O volume faz parte da coleção Sabor Literário, da editora José Olympio, e pode ser lido, como se diz, numa sentada (ou até numa deitada). Bandeira, embora galhofeiro e de feições um pouco cômicas, não era só cultíssimo, mas, também, seriíssimo, em matéria de poesia. [3 Comentário(s)]
>>> Alguns poemas traduzidos
 



Música >>> Orquestra de Câmara do Estado de Mato Grosso
Ariano Suassuna quando viu em 2006 classificou, na sua aula-espetáculo seguinte, de “emocionante”. E não tem outra palavra para definir a primeira sensação depois de assistir a uma apresentação da Orquestra de Câmara do Estado de Mato Grosso, sob direção e regência de Leandro Carvalho. A mágica aconteceu de novo, em fins de junho, no Itaú Cultural, onde o próprio Leandro voltava, igualmente emocionado – pois foi no palco do instituto e centro cultural que fez suas primeiras apresentações solo, contando com o inestimável apoio do projeto Rumos Música, nos anos subseqüentes (o que permitiu seu desenvolvimento e a passagem pela capital de suas turnês). Leandro e a Orquestra gravaram, em São Paulo, seu primeiro DVD ao vivo, com o solista Roberto Corrêa à viola de cocho e à viola caipira (coincidentemente o primeiro convidado do grupo, quando foi fundado em Mato Grosso, em 2005). Leandro, como violonista, já tinha um currículo impecável, que começou sob orientação de Turíbio Santos, passou pela gravação com Baden Powell em estúdio, consolidou-se com o resgate de obras como as de Levino da Conceição e João Pacífico, em CD, e incluiu excursões como as com o Britton String Quintet (do violoncelista David Gardner, hoje músico da Orquestra). Mas Leandro Carvalho queria mais – queria pôr em prática seus estudos em regência orquestral, feitos na Holanda, e realizou esse sonho fundando, justamente, a Orquestra de Câmara do Estado de Mato Grosso, que mistura instrumentos clássicos com populares, da cultura local, como a interessante viola de cocho, a bruaca e o ganzá. De Grieg a Stravinski, de Villa-Lobos a Piazzolla, Leandro e a Orquestra aproximaram, ainda por cima, o nosso País da América Latina e os grandes compositores brasileiros da tradição da música universal. Leandro Carvalho está hoje para o chamado Brasil Central assim como John Neschling esteve um dia para a Osesp. Só não se sabe, ainda, qual milagre foi maior. [Comente esta Nota]
>>> Orquestra de Câmara do Estado de Mato Grosso
 



Artes >>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
No final de 2007, serão quatro anos que o Chakras Espaço Gastronômico e Cultural mantém, além do restaurante – que é referência incontestável nesta nossa capital –, a IQ Art Gallery, realizando exposições que já tiveram, entre seus artistas, gente como Antonio Peticov, Ivald Granato, Gregório Gruber, Rubens Gerchman e Antonio Cabral. Em novembro de 2003, mais precisamente, quem inaugurava o espaço era o artista plástico Sérgio Gregório, diretamente inspirado nos 450 anos de São Paulo. Assim, neste segundo semestre de 2007, o mesmo Gregório volta à galeria do Chakras para homenagear novamente São Paulo, com a grande mostra Cores Paulistas. A idéia do projeto que compreende quatro exposições – com aberturas de julho a outubro – é homenagear, através das cores, as quatro principais etnias formadoras da megalópole. Cores Paulistas abre, no próximo dia 11 (quarta-feira), com o Vermelho (homenageando a população indígena); depois, no dia 8 de agosto, passa ao Branco (uma referência à chegada dos europeus); em seguida, no dia 12 de setembro, volta-se para o Preto (povos africanos); e, finalmente, no dia 17 de outubro, encerra com o Amarelo (referência a imigração oriental no século XX). E para fechar com chave de ouro esse ciclo de quatro meses, o Chakras já anuncia uma grande festa, no dia 21 de novembro, celebrando, claro, os quatro anos da IQ Art Gallery. Miguel e Fabiana Reis, os proprietários do Centro Gastronômico e Cultural, sempre entenderam que o Chakras deveria ser, mais do que uma experiência gustativa, uma grande festa para os sentidos. Felizmente, eles vêm mantendo esse propósito e ampliando, cada vez mais, os espaços para as artes, nesta capital onde decidiram sediar suas atividades. [2 Comentário(s)]
>>> Chakras
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Noites de Autógrafos
* Divisões Perigosas - Políticas Raciais no Brasil Contemporâneo
Peter Fry, Yvonne Maggie, Simone Monteiro e Ricardo Ventura Santos
(Ter., 03/07, 19h30, VL)
* História dos Estados Unidos - Leandro Kamal, Sean Purdy, Luiz Estevam Fernandes e Marcus Vinícius de Morais
(Qua., 04/07, 19h30, CN)

>>> Shows
* Luciana Mello
(Sex., 06/07, 19h30, CN)
* Traditional Jazz Band
(Sex., 06/07, 20h00, VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** Livraria Cultura Market Place Shopping Center (MP): Av. Chucri Zaidan, nº 902
**** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Chiquinha Gonzaga uma História de Vida
Edinha Diniz
Rosa dos Tempos
(1999)



História da Educação (2ª edição revista)
Paulo Ghiraldelli Jr.
Cortez
(2001)



A Última Música
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2012)



Passaporte para o Mundo
Nely Caixeta Clayton Netz e Ricardo Galuppo
Nobel
(2006)



Governança Avançada de TI - Na prática
Ricardo Mansur
Brasport
(2009)



Ipsis ( Litteris 7
Cristiano Mascaro e Outros
Ipsis
(2010)



Civilizações Estraterrenas
Issac Asimov
Nova Fronteira
(1979)



Ninguém Morre Duas Vezes
Luiz Lopes Coelho
De mão em mão
(2012)



Furto Roubo Receptação
João Roberto Parizatto
Led
(1997)



Crônicas Despaginadas (lacrado)
Eloi de Souza Garcia
Interciência
(2005)





busca | avançada
59908 visitas/dia
1,9 milhão/mês