Digestivo nº 55 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
>>> Discurso de Isaac B. Singer
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
Mais Recentes
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
>>> Da anulação ex officio do ato administrativo de João Antunes dos Santos Neto pela Fórum (2004)
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Conexões de Varios Autores pela Abril (2016)
>>> A Quarta Vítima de Théo Iemma pela Scortecci (2005)
>>> Crianças da Noite de Juliano Sasseron pela Novo Século (2011)
>>> Macunaíma de Mário de Andrade pela Ciranda Cultural (2016)
>>> Noite na Taverna de Álvares de Azevedo pela Avenida (2005)
>>> Financiamento de campanhas eleitorais de Denise Goulart Schlickmann pela Juruá (2007)
>>> Terra de Sombras de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Os Degraus do Pentágono de Norman Mailer pela Expressão e Cultura (1968)
>>> Infinito de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Serena de Ian McEwan pela Cia das Letras (2012)
>>> Comentáros à Lei de Responsabilidade Fiscal de Ives Gandra da Silva Martins & Carlos Valder do Nascimento & Organizadores pela Saraiva (2009)
>>> Estrela da Noite de Alyson Noel pela Intrínseca (2013)
>>> Reflexo de Antonio José pela Grafica da Bahia (1979)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda L. Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Procedimento Administrativo nos Tribunais de Contas e Câmaras Municipais de Rodrigo Valgas dos Santos pela Del Rey (2006)
>>> Vito Grandam de Ziraldo pela Melhoramentos (2005)
>>> Lei Eleitoral Comentada (lei 9. 504, de 30 de Setembro de 1997) de Renato Ventura Ribeiro pela Quartier Latin (2006)
>>> Manual de Direito Civil - Vol 3 Contratos e Declarações Unilaterais de Roberto Senise Lisboa pela Revista dos Tribunais (2005)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 7/11/2001
Digestivo nº 55
Julio Daio Borges

+ de 3400 Acessos
+ 6 Comentário(s)




Imprensa >>> Mas isso eu não sei se ele é
Podem falar o que quiserem, mas Fernando Henrique Cardoso vai ficar como grande personalidade do nosso tempo. Tanto é fato que, como o Brasil, FHC é uma fonte inesgotável de paradoxos. Os jornalistas contaram por quantos minutos ele foi aplaudido de pé na Assembléia Nacional da França, e quantas vezes foi interrompido em seu discurso, mas há menos de um ano da eleição presidencial de 2002, Fernando Henrique Cardoso não tem um único nome para sucedê-lo no cargo mais alto da Nação. Todos criticam a atual política-econômica, os juros escorchantes, a subserviência às regras impostas pelo FMI, mas quem neste momento ousa atacar o homem que falou com proficiência o francês, citando Tocqueville, Montesquieu e Camus, e que terminou elogiado por Lionel Jospin, Jacques Chirac e Alain de Tourraine? Por mais à esquerda que se esteja: qual é o Lula (ou similar) que dá um show equivalente (sem gaguejar)? Um dia, certamente, vamos sentir saudades desse tempo. Ah, vamos. Intelectuais ainda clamam por um Governo menos dedicado às “elites” (daqui e de lá). Outros, mais sagazes, apontam para o horário nobre da televisão e indagam provocativos: “Vocês (em 1968) não queriam o povo no poder? Pois então, aí está.” Essa é a grande ameaça: com FHC, ainda há a possibilidade do diálogo, a conversa estabelecida com um mínimo de educação, a garantia de uma representatividade perante o mundo – eleito, porém, qualquer um desses “líderes de massa”, o que restará das nossas instituições? Não que elas sejam inabaláveis, ou acima de qualquer suspeita hoje, mas com a queda de FHC, ficamos à mercê da barbárie, literalmente. O choque de civilizações, no Brasil, é outro. Aliás, é esse o discurso que o Presidente deveria fazer, inclusive dentro de seu próprio País, se é que pretende levar adiante princípios e idéias que, dependendo de quem vier, serão esquecidos ou soterrados, como os túneis de uma certa prefeitura. [Comente esta Nota]
>>> O Discurso
 



Música >>> Inútil Paisagem
Sebastião Maia morreu meio de supetão e, brigado com a mídia, alguns de seus últimos discos não receberam a cobertura necessária. Foram relançados em CD, pela Paradoxx, e merecem ser redescobertos. Um deles é o álbum Bossa Nova, com músicas naquele estilo que todos sabem. Logicamente que não dá para fugir de Antônio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes, mas Tim Maia procurou revisitar compositores e standards esquecidos, quando resolveu homenagear o gênero. Acontece que a sua voz extremamente grave, com notas longas, estendidas, condenaram-no à caricatura de “organista” solitário, que anima casamentos, bares e hotéis decadentes. Ele ressurge em releituras exemplares, de um fraseado (e de um inglês, quando é o caso) irretocável, cercado por instrumentistas corretíssimos, com bateria de Wilson das Neves e arranjos de Almir Chediak – mas não vai adiantar. Seus discos continuarão exibidos numa prateleira periférica de alguma loja mais popular. Pelo menos por causa de Folha de Papel (Sérgio Ricardo), Eu e a Brisa (Johnny Alf), e A Rã (João Donato e Caetano Veloso), Sebastião Maia já deveria ser alçado ao panteão dos grandes intérpretes de MPB pós-João Gilberto. Enquanto isso não acontece, não custa procurá-lo nas casas especializadas. A capa e o encarte (e até o preço) podem enganar, mas a música, não. [Comente esta Nota]
>>> Clique Music
 



Literatura >>> Mastigar minhas relações
O que uma roteirista de bem-sucedidas séries televisivas como “Comédias da Vida Privada” e “Os Normais” viria buscar na literatura? É a pergunta que salta, quando se depara com O Efeito Urano, livro de Fernanda Young, na coleção 5 Dedos de Prosa. Apesar de um certo comercialismo que paira sobre os escritores de lançamentos monotemáticos (como esse), a autora parece ter levado a tarefa a sério. Ainda que encerre, em sua prosa, o ritmo atropelado de uma obra escrita sob encomenda, a narradora consegue envolver o leitor na maior parte das páginas. Conta a história de Cristiana, casada com Guido, vivendo uma união estável. Eis que surge Helena, a mulher fatal, que seduz a primeira, passando por cima do segundo. Cristiana desmancha um casamento hetero para entrar num homo, mas Helena pula fora, apaixonando-se por outra moça, e deixando a amiga na rua da amargura. O Efeito Urano tem, no fim, gosto de manifesto feminista, embora combata, em certas frases, as reivindicações das protagonistas. Sente-se também a influência do vocabulário desbocado de Patrícia Melo, onde palavrão e escatologia sexual são como ponto. Só não tem crime. É necessário reconhecer, porém, o esforço de Fernanda Young em decantar o relacionamento entre duas mulheres, expondo-o ao grande público sem os estereótipos e preconceitos todos. Os voyeurs (homens) vão adorar. As minúcias estão lá. Por enquanto, não se pode falar numa escritora, contudo. O Efeito Urano é, no máximo, literatura fast-food. Mas se a autora não desse tanta bola para a tevê, talvez pudesse almejar aquele “algo mais”. Enfim, para quê esperar décadas ou séculos, de glória literária, se o ibope está ali na esquina, acenando? [Comente esta Nota]
>>> O Efeito Urano - Fernanda Young - 142 págs. - Ed. Objetiva
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
A história do Obará, Recanto da Bahia, se confunde com a de seu proprietário, que há 30 anos veio de Pernambuco para São Paulo. O restaurante, que antes se chamava Oxalá, virou ponto de referência na rua Maria Antônia, e é o único que traz certas especialidades da culinária baiana: o Abará, como entrada, não pode ser encontrado em qualquer outro lugar da cidade; a Moqueca de Cajú, como prato principal, exótica e saborosa, não tem equivalentes em outro cardápio; as Batidas, “para equipar” (como diz o barman), são invenções da casa, ou foram transmitidas de pai para filho (atenção para os nomes: Umbigo de Freira, Gogó de Ema, Atrás do Saco). É a própria Família Silva quem administra o local, recebendo os clientes com muita presteza e uma atenção fora do normal. A decoração é simples e o visitante sente-se transportado para algum canto do Nordeste, desde a música até a sobremesa (pudim de côco ou aipim). Completando a ambientação, frutas raras, nas mais variadas formas, desde sucos até licores, até compotas. Os garçons são todos “filhos da terra”, naturais de lá mesmo, – e o melhor de tudo –, têm anos de praça, entendem do riscado. Vale reforçar que a comida baiana não é para qualquer um. É preciso ter estomago forte para encarar um vatapá, um bobó, um caruru ou um sarapatel sem se balançar ou pedir, literalmente, água. Acontece que a experiência é indescritível. Pessoal, intransferível. E nada como se aventurar com quem, há décadas, sabe do que está falando. [Comente esta Nota]
>>> Obará - Rua Maria Antonia, 72 - Tel.: 256-8062
 



Cinema >>> Mas falem de mim
Queridinhos da América, o filme, não é tão bobinho quanto parece. Ou melhor: talvez o seja, mas só no final. Conta a história de dois superstars cinematográficos (vividos por John Cusack e Catherine Zeta-Jones) que se separam e que têm de participar de uma “première” juntos, depois de brigas pela imprensa. Segue uma tendência hollywoodiana de mostrar os “bastidores”, elogiando subliminarmente todo aquele “pessoal” que cuida da produção (no caso, Billy Crystal e Julia Roberts) sem receber quaisquer créditos adicionais pelos abacaxis que descasca. Nesse aspecto, é louvável: retrata ironicamente (mas com fundamento) o dia-a-dia inútil e desinteressante dessa ralé em que se converteu a classe “artística” no mundo inteiro. O Brasil, com suas revistas de fofocas e seus programas sobre “celebridades”, daria um prato cheio para os realizadores de America’s Sweethearts. O longa se constrói a partir das trapalhadas que os dois queridinhos aprontam, com suas exigências infantilóides e seus caprichos adolescentes. Não à toa, enfatiza igualmente o lado canalha dos “assessores de imprensa” que, na primeira oportunidade, revelam aquele segredo mais picante, ou transformam aquele fato banal em uma crise de proporções supranacionais. O mal do filme, obviamente, é que ele acaba “bem”: com todos os bonzinhos se confraternizando e com todos os corações solitários encontrando um lugar ao sol. O destaque de “performance” fica por conta de Christopher Walken, que faz um diretor metido a maluco, mas de quem dependem os grandes estúdios, provavelmente inspirado em Kubrick (o único que ainda desfrutava desse tipo de “regalia”). O negócio é ir ver sem grandes expectativas, e preparando-se sempre para aquelas reflexões não mais elevadas que as nascidas sob o prisma de uma sessão da tarde. [Comente esta Nota]
>>> America's Sweethearts
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/11/2001
12h40min
Se não me engano, a Fernanda Young escreveu dois livros antes de ir pra tevê. Pode não ser pra todos os gostos, mas a garota, além de bonita, sabe escrever.
[Leia outros Comentários de Fabio]
7/11/2001
08h56min
Julio, Sobre o texto (FHC),é isso mesmo, infelizmente. O Brasil, se algum dia entender, será muito lá na frente... De novo, parabéns! Luciano Bossi
[Leia outros Comentários de Luciano Bossi]
7/11/2001
12h05min
Julio, FHC será sim lembrado. E com saudades. Claro que ele cometeu seus erros. Óbvio que um PhD não significa, necessariamente, competência e, muito menos, ética ou boa índole. Isto nem se discute. Mas é inegável que nosso presidente faz o governo à sua imagem e semelhança. Dá e mantêm suas opiniões, traça e segue seus caminhos. E tem uma equipe que o acompanha. Quantos "homens públicos" neste país são capazes de tanto???? E nem vou falar na Dna Ruth. Seria covardia compará-la a qualquer outra "primeira dama". Do passado ou candidata a. Sim sentirei saudades de FHC e Dna Ruth. Abraços, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
22/11/2001
01h11min
A respeito do texto "mas isso eu nao sei se ele e", qual o problema que o presidente foi aplaudido la fora? Falou frances sim e dai? Fiquei contente de ver o presidente do Brasil ser aplaudido tao fortemente. Fiquei contente de ver as vitorias que o Brasil tem conseguido junto a OMC. Fiquei contente de ver o presidente tao cuidadoso com as palavras e falando em outra lingua para uma plateia arrogante que pensa que no Brasil so tem violencia e cobra na rua. Pior foi o outro que uma vez na Espanha, comecou arranhando um espanhol ridiculo, e teve que terminar em ingles pois nao tinha outro jeito mesmo. O FHC foi eleito pelo povo, fomos la obrigados mas fomos, foi feriado, votamos e ele ganhou. Pior o outro, que numa eleicao bastante suspeita,uma vez que naquele pais ninguem e obrigado a votar, foi eleito por uma classe de gente que ninguem sabe exatamente quem sao que o elegeram de modo bem suspeito, repito, e depois se gabam de ser uma nacao democratica, nacao essa que um trabalhador tem que trabalhar 7 anos na mesma empresa para conseguir tirar 30 dias de ferias. No seu primeiro discurso sabendo que o mundo inteiro estava ouvindo o que ele dizia, disse que o importava mesmo eram os interesses americanos, num "isolacionismo" sem fim, numa arrogancia sem tamanho e que depois teve que se humilhar pela primeira vez na historia e "pedir" ajuda de outros paises (em aspas porque no dicionario deles nao existe a palavra "por favor" em relacao a sua "brilhante" politica externa") porque os filhos de Ala com pouco dinheiro conseguiram matar mais de 6 mil pessoas inocentes, no olho da aguia. Eles nao sabem nada de outros paises, nao sabem nada de nada de outras culturas e nem querem saber, se duvidar nao sabem nem apontar no mapa onde e o Mexico. E depois disso tudo uma certa mulher da CNN, acha uma foto numa casa que ninguem sabe bem onde e, nem ela mesma, e afirma ser de Foz do Iguacu. Gente, vamos nos dar ao luxo de termos um pouquinho de orgulho de ser brasileiro?
[Leia outros Comentários de Marli]
1/12/2001
01h07min
FHC para uso externo quebra o galho. Internamente vem planejadamente destruindo a Nação pela sua dubiedade e tibieza. Por um dessas ironias do destino fui obrigado a votar nele por se tratar do menos pio. O brasil não precisa de chanceler. A turma do Itamarati é muito boa. O Brasil necessita e com urgência é de um chefe de Estado. de um homem que decida, resolva e principalmente seja leal para com seu povo e tenha coragem moral. Astrolindo Bello
[Leia outros Comentários de Astrolindo Belo ]
6/1/2002
16h54min
O Astrolino tem toda a razão!
[Leia outros Comentários de Cauê Astrolino]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTORIAS PARA LER SEM PRESSA
MAMEDE M. JAROUCHE; ANDRÉS SANDOVAL
GLOBO
(2008)
R$ 10,00



ARMAMENTO E MILITARISMO
DIETER SENGHAAS
SIGLO VEINTUNO
(1974)
R$ 15,82



COMÉRCIO UM MUNDO DE NEGÓCIOS
LUIZ RATTO
SENAC
(2004)
R$ 7,00



OBRAS COMPLETAS DE FERNANDO PESSOA-POEMAS DE ALBERTO CAEIRO
FERNANDO PESSOA
ATICA
R$ 8,00



DO GROTESCO E DO SUBLIME
VICTOR HUGO
PERSPECTIVA
(2004)
R$ 15,00



LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL - GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA AS PREFE
AMIR ANTÔNIO KHAIR
BNDES
(2001)
R$ 9,82



ANTIGUIDADES DE LOS JUDÍOS - TOMO 3
FLAVIO JOSEFO
CLIE
(1986)
R$ 90,00



CRIANDO CLIENTES
DAVID H. BANGS, JR
NOBEL
(1997)
R$ 12,00



VOCÊ PODE ENTEDER A BÍBLIA !
WATCH TOWE BIBLE AND TRACT SOCIETY
WATCH TOWE BIBLE AND TRACT SOC
(2016)
R$ 6,00



O NOVIÇO
MARTINS PENA
EDIOURO
(1999)
R$ 8,64





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês