Digestivo nº 67 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caminho para a Saúde
>>> Romance breve
>>> Prefeito dará a carros bela vista da universidade
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> A revista Bizz
>>> Cheech & Chong reloaded
>>> A Istambul de Orhan Pamuk
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> Considerações sobre a leitura
>>> cheiro de sossego
Mais Recentes
>>> Livro Infanto Juvenis Biografia Caçadas de Pedrinho O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Livro Auto Ajuda Gente Que Faz de Luiz Fernando Garcia pela Gente (2006)
>>> Luís de Camões Redondilhas Canções Sonetos de Luís de Camões pela Real Gabinete Portugues de Leitura (1980)
>>> Pioneiros da Cultura do Café na Era da Independência de Gilberto Ferrez pela Imprensa Nacional (1978)
>>> Coleção Completa Folha Grandes Mestres da Pintura 20 Livros Vincent Van Gogh + Paul Cézanne + Monet + Goya + Picasso de Van Gogh; Picasso; Monet pela Folha de São Paulo (2007)
>>> Livro Literatura Estrangeira Os Sofrimentos do Jovem Werther Clássicos Volume 7 de J. W. Goethe pela Abril Coleções (2010)
>>> O legado de Humboldt de Saul Bellow pela Nova Fronteira (1977)
>>> Direito Civil dos Contratos e das Declarações Unilaterais da Vontade - vol. 3 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2003)
>>> Livro Administração Aprenda a Operar no Mercado de Ações de Dr. Alexandre Elder pela Campus (2006)
>>> L'Anomalie de Herve Le Tellier pela Gallimard (2020)
>>> Operação Cavalo De Tróia: Jerusalém - Vol. 1 de J.J. Benítez pela Mercuryo (1995)
>>> Livro Infanto Juvenis O Picapau Amarelo Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Livro Literatura Crime e Castigo Clássicos Volume 1 de Fiódor Dostoiévski pela Abril Coleções (2010)
>>> All You Can Do Is All You Can Do But All You Can Do Is Enough! de A.L. Williams pela Ivy Books (1989)
>>> Obras escolhidas 4 Período da terceira guerra civil revolucionária de Mao Tsetung pela Alfa Omega (1979)
>>> Introdução à Leitura d'Os Maias de Carlos Reis pela Coimbra (1997)
>>> Modèles et Innovations - Études de Littérature Portugaise et Brésilienne de Anne-Marie Quint pela Sorbonne Psn (1995)
>>> Livro Infanto Juvenis Histórias Diversas Viagem Ao Céu de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Disney Horror de Vários pela Abril (2012)
>>> Livro Administração A Execução Premium The Execution Premium A Obtenção de Vantagem Competitiva Através do Vínculo da Estratégia Com as Operações do Negócio de Robert S. Kaplan pela Elsevier (2008)
>>> A Aurora Nascente de Jacob Boehme pela Paulus (1998)
>>> Luchino Visconti - O Fogo da Paixão de Laurence Schifano pela Nova Fronteira (1990)
>>> Livro Literatura Estrangeira Crime e Castigo Clássicos Volume 2 de Fiódor Dostoiévski pela Abril Coleções (2010)
>>> Les Antimodernes - De Joseph de Maistre à Roland Barthes de Antoine Compagnon pela Gallimard (2005)
>>> Livro Infanto Juvenis O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Brasiliense
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 6/2/2002
Digestivo nº 67
Julio Daio Borges
+ de 4100 Acessos
+ 5 Comentário(s)




Imprensa >>> Cinco Anos Esta Noite
Em homenagem ao qüinqüênio da morte de Paulo Francis, ocorrida em fevereiro de 1997, o GNT reprisou o especial “Eu, Francis”, produzido em setembro de 1998. A partir das intervenções do jornalista no programa Manhattan Connection, o próprio conta passagens importantes de sua vida, matando por instantes as saudades dos que sentem sua falta até hoje. A parte mais reveladora do programa, porém, é o retrato que Sônia Nolasco (sua companheira por 22 anos) traça do homenageado, tomando por base hábitos, costumes e preferências pessoais. Por trás dos escritos e da personagem que Paulo Francis forjava nos jornais, nas revistas e na televisão, surge, enfim, o homem comum (como no título de Anthony Burgess). Alguém que acordava para ler os jornais (no caso, o New York Times), tomava o seu café da manhã (no caso, torradas com salada de frutas), seguia para o trabalho (no caso, a redação da TV Globo), almoçava com colegas (no caso, Elio Gaspari), voltava para casa no fim da tarde (quando encontrava a esposa, conversava sobre o dia e lia em sua companhia), tinha uma atividade noturna (no caso, escrever livros ou assistir LDs de ópera) e se deitava. Sem mistérios, sem segredos. Nada de extraordinário no seu acervo, nada de mirabolante nas suas relações, nada de surpreendente na sua casa. Por quê, então, o admirávamos tanto? Transcorrido o lustro, em que a angústia da influência (de Harold Bloom) se dissipa, encontramo-nos diante de um caso em que o todo não corresponde à soma das partes. É possível pensar na sua coluna como ritual iniciático, que todo aspirante a jornalista encarava para ampliar os limites da consciência e da percepção. Ou, talvez, na sua verve, como um ato de coragem (a mesma que faltava a todos nós). Ou, ainda, na beleza de estilo, rico e inimitável, tal qual uma mistura de... Paulo Francis, com... Franz Paul Trannin Heilborn. Quem sabe, mais interessante do que entendê-lo nesta hora, seja evocá-lo, como marca indelével, dos bons tempos de nossa formação. E só. [Comente esta Nota]
>>> Um guia para ter cultura
 



Música >>> Gigante pela própria natureza
A Kuarup relançou, em 2001, uma das mais importantes obras escritas para violão no Brasil: os Estudos, os Prelúdios, os Choros e a Suíte Popular de Heitor Villa-Lobos, na interpretação dos irmãos Sérgio e Odair Assad. Ou seja, tudo o que o compositor de “O Trenzinho do Caipira” fez para violonistas solo, num dos registros mais célebres de que se tem notícia. Inicialmente um projeto patrocinado pela Coca-Cola, agora acessível ao grande público, permite que se conheça as gravações feitas em 1978 – as mesmas que notabilizaram o Duo Assad no mundo e que antes não haviam chegado ao formato CD. Reza a lenda que Heitor Villa-Lobos se formou, no violão, sob a influência de seresteiros e chorões como Ernesto de Nazareth e Sátiro Bilhar (tendo este último, inclusive, inspirado a Fuga da primeira das “Bachianas Brasileiras”). O maestro, no entanto, sentia enorme dificuldade em admiti-lo em sociedade, quando jovem, pois o violão era considerado “vulgar”. Nesse ambiente, o violoncelo acabou consagrado como o instrumento de sua predileção, embora o encontro com Andrés Segóvia, na Paris de 1924, o tenha marcado para sempre (a ponto de dedicar-lhe, posteriormente, os 12 Estudos e o Concerto para Violão e Pequena Orquestra). Coincidentemente, décadas depois, Sérgio e Odair Assad estudariam sete anos com Monina Tavora, ex-pupila do mesmíssimo Segóvia. Eis porque a sua versão da “Obra Completa” tende a ser, de antemão, extremamente fiel às intenções do compositor. O disco se inicia pelos 5 Prelúdios, numa seqüência virtuosística de 23 faixas, que se encerra nos Choros nº 1. Os irmãos Assad se alternam a cada peça. Sugere-se, aos não-iniciados, que principiem pela Suíte Popular Brasileira, em cinco movimentos, plena em mazurcas, valsas e, logicamente, chorinhos. Para além da questão de gosto, paira o valor histórico. Os brasileiros deveriam conhecer esses registros tanto quanto (ou mais que) o próprio Hino Nacional. [Comente esta Nota]
>>> Villa-Lobos - A Obra Completa para Violão Solo
 



Teatro >>> Gênero, Número e Grau
Há tempos não se via uma peça tão badalada quanto a adaptação do livro de José Saramago, “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, em cartaz no Teatro do Sesc Vila Mariana. Só pela acolhida de crítica e de público, o espetáculo já teria méritos inquestionáveis. Mas ele vai além: tem a direção do irrepreensível José Possi Neto; tem a atuação sólida de Walderez de Barros; e tem a revelação de um nome que trabalha pelo desenvolvimento da arte de encenar, Celso Frateschi, no papel de Diabo. A transposição do texto original foi bastante feliz, no sentido de que procurou manter o essencial, sem sacrificar a escrita (que privilegia o uso da segunda pessoa), e sem simplificar a discussão que, em alguns momentos, envolve conceitos filosóficos ou, no mínimo, psicológicos. As duas horas de duração exigem concentração e silêncio do espectador, e é gratificante constatar que, apesar dessa disciplina (necessária), as pessoas voltam a lotar a sala, no fim de semana seguinte. Ou seja: ao contrário do que pregam os apocalípticos dos meios de comunicação, ainda existem interessados em temas inteligentes e aprofundados (que provocam estranhamento e não apenas “entretêm” a audiência). A história é aquela do Jesus Nazareno, que todos já conhecem. Com algumas modificações. Modificações radicais, que custaram muito caro ao autor. A idéia é humanizar as figuras bíblicas, de modo a incutir-lhes aspectos tão comuns à civilização, mas tão propositalmente ignorados em mitos sagrados. Assim, Jesus cede, por exemplo, aos prazeres da carne; Deus revela sua ânsia de poder; e o Diabo, num lance de esperteza (muito à brasileira, aliás), sai-se melhor que os demais. Antes de se pensar em “sacrilégio”, no entanto, é preciso lembrar que – a rigor – não se fala de religião, e sim de inconsciente coletivo (no máximo). Que a temporada continue vitoriosa para todos os envolvidos na realização. [Comente esta Nota]
>>> O Evangelho Segundo Jesus Cristo
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
Quanta diferença. Enquanto a maioria dos donos de restaurante vê o seu negócio como uma mina de ganhos fáceis e imediatos, Frédéric Serre e Luci Haddad entregam-se de corpo e alma ao “Crêpe de France” – que se converte, portanto, em uma iniciativa humanista, mais do que num projeto meramente gastronômico. Tudo começou quando a artista plástica e designer, com larga experiência em turismo na Maison de la France, encontrou o chef nascido em Valence, certificado pela Académie de Grenoble em Cuisine Classique. Corria o ano de 1997, e a decisão comum foi de montar uma crêperie no Brasil. Depois de uma viagem de pesquisa e peregrinação pela França, a dupla retorna a São Paulo, instalando-se na Vila Uberabinha, num local calmo e sossegado, evocando a tranqüilidade do interior da Bretanha. Não por acaso, acontece da rua se chamar Marcos Lopes, a mesma que hoje liga a Afonso Bráz à Hélio Pelegrino, o mesmo que ontem foi o primeiro restaurateur da metrópole. Ninguém desconfiava que dentro daquela casinha discreta, que se estende para dentro do quarteirão, Frédéric e Luci fariam um verdadeiro trabalho de formação – desde os garçons até a clientela, de modo que todos hoje conhecem a História e as histórias por trás das Galettes de Sarrasin, das Crêpes de Froment e do Cidre Bretão. As primeiras são o que nós, brasileiros, vulgarmente chamamos de “crepe salgado”; em seguida, obviamente, os “crepes doces”; e, por fim, a bebida que é tradicional e que deve obrigatoriamente acompanhar a refeição, como no costume bretão: o vinho espumante, feito de suco de maçã, servido numa canequinha simpática e extremamente convidativa. Acontece, porém, que as nossas noções (adquiridas a partir do “crepe brasileiro”, que não passa de uma panqueca) são insuficientes para descrever toda a riqueza de ingredientes e recheios que compõe os pratos do “Crêpe de France”. A experiência de se estar lá, entre os “embaixadores da Bretanha” (assim reconhecidos pela própria), é inesquecível e não deve ser postergada. É como um sonho bom, que se torna realidade. Vida longa ao “Crêpe de France”. Vive la Bretagne. [Comente esta Nota]
>>> Crêpe de France - Rua Marcos Lopes, 271 – Tel.: 3044-0679
 



Cinema >>> So much that was good but is gone
Como Era Verde Meu Vale. O que sugere um título desses? Decerto que não um filme em preto-e-branco. Mas é justamente o caso: uma produção sem cores que, no entanto, irradia um colorido esfuziante. De sentimentos, nobres sentimentos. Família. União. Autoridade. Resignação. Palavras hoje acompanhadas de uma dúzia de preconceitos cada. É démodé e quadrado, por exemplo, defender uma “família” bem-constituída (com pai e mãe). É simplesmente impraticável, em plena era do individualismo e do consumo, alcançar algum tipo de “união”. É retrô, com laivos de conservadorismo (reaça), respeitar qualquer que seja a “autoridade”. E é sinônimo de tolice e comodismo, entender que a melhor saída, muitas vezes, vem através da “resignação”. Por isso, um DVD como How Green Way My Valley tem hoje tanta importância. Para mostrar que esses valores são válidos e não “atrasados” ou “caretas”, como se costuma pensar. Crescemos com a ilusão, ou a desilusão, de que o ser humano é auto-suficiente em seus sentimentos; de que sozinho e investido de poder (qual seja) consegue tudo; de que não deve nada a ninguém, principalmente respeito àqueles que o precederam; e de que a vida é puro livre-arbítrio, tendo o destino (ou o que for) papel alegórico em toda a história. Acontece que essas crenças (sim, crenças) não nos bastam e quando nos deparamos com uma sociedade regida por princípios contrários aos nossos – com problemas também, mas inspirando simpatia e aspirações mais elevadas – é tempo de se pensar se o nosso modelo não está... ultrapassado. Isso mesmo: ultrapassado. Bem, se o discurso “pseudomoralizante” incomoda, o argumento estético deve convencer os mais refratários: assista-se Como Era Verde Meu Vale pela beleza. Só por ela, ele já vale. Ah, se vale. [Comente esta Nota]
>>> How Green Was My Valley
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/2/2002
14h08min
Julio, Ficou lindo o texto do nosso restaurante. Eu fiquei emocionada, quase chorei. Você pegou o espírito da coisa, e escreveu de uma maneira sublime. Obrigada. Um forte abraço. Luci e Frédéric
[Leia outros Comentários de LUCI HADDAD]
4/2/2002
15h51min
É fácil fazer uma peça sobre assuntos de inspiração cristã. No teatro, no cinema ou na literatura, muitos autores divagam faceiramente, invertem o teor da mensagem, fazem o diabo, porque no fundo sabem que jamais serão perturbados. O cristão é, em essência, um cordeiro que segue fagueiro e feliz para a imolação. Em Brasília, em uma peça teatral, uma mulher, vestida de freira, se masturbava com uma cruz de madeira. Gerald Thomaz, no dia 25/12/2001, na data do aniversário do Menino Jesus, escreveu um artigo vergonhoso no JB, pedindo que os cristãos imitassem o que foi solicitado por um professor holandês, que pediu a seus alunos, como dever de casa, fazerem uma experiência homossexual e relatar o caso. Os alunos deveriam não só lamber os pênis dos colegas, como engolir o sêmen. Invariável e inexoravelmente, os cristãos são agredidos em todos os cantos do planeta, e não têm nenhum direito de reclamar. Até quando irão agüentar tais humilhações? O Governador Roriz chamou um cidadão de "crioulo petista" e foi o fim-de-mundo. Escrever livros ou fazer filmes ou peças teatrais que escandalizam os cristãos, ah! isso pode! Uma dica aos saramágicos e aos valentes autores de temas "cristãos": por que não mudam um pouco de assunto, e filmem ou façam uma peça de teatro sobre Maomé, discorrendo "livremente" sobre a vida do Profeta? Tal obra esses covardes jamais farão, por medo da cimitarra islâmica. O autor de "Versos satânicos" que o diga! (*) Saramágico: penúltima magia: tirou um Nobel da cartola.
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
4/2/2002
16h08min
Acho que jamais se deveria citar algo preconceituoso sobre os cristãos ou sobre qualquer outro grupo religioso. Realmente é de muito mal gosto. Mas acho também de muito mal gosto frases como "criolo petista" ou qualquer forma de discriminação. Voltando ao desrespeito aos cristãos, o que me diz respeito porque sou cristã, digo aos que se incomodam com a existência destes que sua crítica destrutiva mostra raiva, uma raiva de si mesmo, que é como um grito de socorro. Minha mensagem para eles : o seu medo é do Amor.
[Leia outros Comentários de LUCI HADDAD]
6/2/2002
10h59min
Julio, Consigo entender que "O Evangelho Segundo Jesus Cristo" tenha afetado a Igreja, como instituição. Afinal, o Jesus do livro não é aquele que ela (Igreja) pensa possuir. Não é o Mito. O Perfeito. Porém, não consigo entender a revolta das pessoas. Dos cristãos. Pois o livro é lindo e em nenhum momento denigre a imagem do Nazareno. Muito pelo contrário, aproxima de nós, pessoas, a pessoa que Ele certamente foi. Dá-Lhe pai, mãe, irmãos, uma mulher para amar. Dúvidas, alegrias. Deixa-nos perceber a dimensão do medo que Ele deve ter sentido ao Se perceber tão normal e tão especial. Mostra a carga que caiu sobre Ele por causa da missão que sabia ser sua, mas não tinha a certeza de poder cumprir. O livro, para mim, despertou uma ternura muito grande por esta pessoa que foi Ele. Me permitiu amá-Lo como eu já não conseguia desde o tempo em que, ainda criança, não sabia associar o Cristo da cruz com aquele menininho alegre deitado no presépio de Natal. O livro é sobre Ele e sobre Nós. Sobre as pessoas. Será que fui eu que não entendi nada??? Beijos,Ana
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
7/2/2002
14h56min
Creio que Saramago conseguiu transmitir-nos uma mensagem acerca de uma das verdades que cercam o Cristo. É imperioso que em termos de religiosidade/espiritualidade tenhamos uma postura de tolerância em relação a opiniões divergentes.Pois como diria Fernando Sabino em seu "Tabuleiro de Damas" ..."A realidade esconde-se por trás das verdades".Querer se intitular o "dono" da verdade seria um posicionamento incoerente em um campo que muito pouco nos foi revelado.
[Leia outros Comentários de VITORIO B. NETO]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Revista Vida Simples: para quem quer viver mais e melhor. Setembro, Edição 96
Vários Colaboradores
Abril
(2010)



Dawn - Tsumetai Te vol 01
Shinshu Ueda
Sampa
(2004)



Calunga Verdades do Espírito
Luiz Gasparetto
Vida & Consciência



Minhas Primeiras Notas ao Violão
Othon Gomes da Rocha Filho
Irmãos Vitale
(1966)



Onze Minutos - Portuguese
Paulo Coelho
Rocco
(2003)



Respire! Você Está Vivo!
Thich Nhat Hanh
Vozes
(2008)



Bíblia Sagrada Novo Testamento Edição Pastoral
Paulus
Paulus
(2005)



Monet
David Spence
Ciranda Cultural
(2010)



Hellen: Minha Amada Imortal
Varios Autores
Dpl
(2005)



O Lazer no Brasil
Renato Requixa
Brasiliense
(1977)





busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês