Digestivo nº 79 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Brotas apresenta 2º Festival de Música Cristã
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Making it new
>>> Nick Carr sobre The Shallows
>>> O bom e velho formato site
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> A metade da vida
>>> A última discoteca básica
>>> van Gogh: Os livros amarelos
>>> A terra do nunca
>>> O maior banco digital do mundo é brasileiro (2023)
>>> Digestivo empreendedor
Mais Recentes
>>> Do Sonho às Coisas de J. C. Mariátegui pela Boitempo (2005)
>>> A Turma do Pererê: O Mais Brasileiro de Ziraldo Alves Pinto pela Nova Didática (2000)
>>> Relatos de Belcebú a su Nieto - Libro Tercero de G. Gurdjieff pela Hachette (1984)
>>> Relatos de Belcebú a su Nieto - Libro Segundo de G. Gurdjieff pela Hachette (1985)
>>> Curso de desenho e pintura - A arte de ver: luz e movimento de Varios pela Globo (1996)
>>> Uma obsessão indecente de Coleen McCullough pela Difel (1981)
>>> O Canto Da Praça de Ana María Machado pela Atica (2002)
>>> O Minotauro de Monteiro Lobato pela Pé Da Letra (2018)
>>> O flautista De Hamelin de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural (2014)
>>> Mahamudra Tantra de Geshe Kelsang Gyatso pela Tharpa Brasil (2006)
>>> Sherlock Holmes As Aventuras de Sherlock Holmes 586 de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Não é caso para rir de Joseph Heller & Speed Vogel pela Rocco (1987)
>>> Venha Ver o Pôr do Sol e Outros Contos de Lygia Fagundes Telles pela Atica (2003)
>>> Curso de desenho e pintura - Aquarela: Impacto da cor de Varios pela Globo (1996)
>>> Histórias à Brasileira 2 586 de Ana Maria Machado pela Companhia das Letrinhas (2020)
>>> As Mentiras Que Os Homens Contam de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2000)
>>> O moleiro e seus amigos de Eliane silva pela Prazer de Ler (2012)
>>> Sintaxe Da Linguagem Visual de Donis A. Dondis pela Martins Fontes (2015)
>>> Pragas e epidemias histórias de doenças infecciosas 586 de Antonio Carlos de Castro Toledo Jr. pela Folium (2006)
>>> Livro Capa Dura Literatura Estrangeira O Grande Amigo de Deus de Taylor Caldwell pela Circulo do Livro (2023)
>>> As Flores Do Mar de André Moura, Eduardo Bordoni E Fábio Muniz pela Nova Didática (2002)
>>> Para Sempre 586 de Kim Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Sherlock Holmes O Signo Dos Quatro 586 de Arthur Conan Doyle pela Principis (2020)
>>> O zollógico em festa de Evan bessa pela Imeph (2009)
>>> A Voz do Monte de Richard Simonetti pela Feb (2010)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 1/5/2002
Digestivo nº 79
Julio Daio Borges
+ de 5900 Acessos




Imprensa >>> Direita, volver
E o mundo se espantou com a vitória de Jean-Marie Le Pen no primeiro turno das eleições presidenciais na França. Para começar, como disse Alfredo Valladão, em entrevista a CartaCapital: não foi Le Pen quem ganhou, foi Lionel Jospin quem perdeu. Outro paradoxo que salta aos olhos: se a esquerda foi mesmo sepultada, com a queda do Muro de Berlim e com o desmonte da União Soviética, o que vem a ser esse uivo, quase em uníssono, quando um candidato de direita ameaça tomar o poder na França? Existe ainda uma confusão muito grande entre o que vem a ser a “nova ordem neoliberal” e os anseios do que se costumava configurar como um “programa de direita”. Afinal, se o neoliberalismo é soberano hoje em dia, como é que a imprensa do mundo inteiro, de repente, se insurge contra um representante do “direitismo francês”? Trocando em miúdos: embora a “ordem neoliberal” tenha sido amplamente adotada, ela não foi combatida por essa atual “esquerda unida”, quando da sua implantação; já a direita, pelo visto, não se identifica “tanto assim” com o neoliberalismo (como provam conservadores como Le Pen) – mas, dentre os males apontados pela “imprensa esquerdizante”, a ela (a direita) permanece como o “mal maior”, a ser combatido a ferro e fogo. [Parece complicado? E é mesmo.] Resumindo a ópera: Le Pen não leva certamente no segundo turno, na França; Chirac será reeleito em massa e baterá recordes. Fica, no entanto, o alerta: mais do que a “direita” (que a “esquerda” tanto teme), deve-se combater esse sistema eleitoral mundial absurdo que, de uma hora para outra, pode apontar um representante que simplesmente não representa a maioria. (Representa apenas a minoria que efetivamente votou.) E isso também vale para o Brasil. [Comente esta Nota]
>>> O medo do novo ganhou a eleição
 



Música >>> Tocar e carregar o piano
Viva Música! Tudo começou em 1994, quando a jornalista Heloísa Fischer resolveu lançar, no Rio de Janeiro, uma revista mensal sobre música clássica. Foram 30 edições, de 1994 a 1997, que cresceram e se multiplicaram, resultando num programa de rádio, num site com atualizações diárias e no mais completo guia de música erudita feita e tocada no Brasil: o guia “VivaMúsica!”. A versão 2002 (a quarta desde 1998), recheada de comentários elogiosos (incluindo detalhes sobre a parceria com a Unesco), é um prato cheio não só para profissionais da música, mas também para melômanos e curiosos por esse universo rico que, ao contrário do que se pensa, encontra-se em processo de franca expansão no País. Para quem duvida, o anuário “VivaMúsica!” apresenta uma retrospectiva da vitoriosa temporada 2001, os destaques, mês a mês, da temporada 2002, e – numa iniciativa digna de quem não se acomoda sobre os louros da glória – lança o manifesto “Mobilização já!”, que culminará, em 2004, com o Ano da Música Clássica no Brasil. Além dessa atitude positivista e altruísta, o que faz do guia “VivaMúsica!” a referência fundamental no meio são seus cadastros, que abrangem desde as salas de concerto (com detalhados mapas) até as sociedades musicais; desde as orquestras até os festivais; desde as instituições de ensino, os centros de documentação e acervos até os concursos e os agentes. São mais de 300 páginas para se ter à mão, desfrutando de um belo projeto gráfico e de textos saborosos. A Heloísa Fischer, diretora-editorial do “VivaMúsica!”, um forte e retumbante “bravo!”. [Comente esta Nota]
>>> VivaMúsica! - Guia 2002 - Manifesto
 



Literatura >>> Avassalador
Presença da prefeita. Discurso do ministro. Autoridades. Escritores. O que é a Bienal do Livro senão uma festa para quem movimenta as engrenagens da indústria editorial? Interessante observar como, logo na abertura, tudo corria bem, dentro dos conformes, já que sem a incômoda presença dessa abstração para quem, supostamente, se objetiva toda a festa: o público. Machado dividia o Brasil em dois: um oficial e um real. Ambos os Brasis continuam existindo, sendo que o “primeiro” continua organizando solenidades e acontecimentos onde o “segundo”, se não é convidado, entra apenas como “detalhe”, sem consulta prévia, tendo suas vontades e seus desejos todos adivinhados. Mas é importante que os nossos escrevinhadores estejam na mídia, embora ainda não saibam lidar com ela. Nesse sentido, uma das iniciativas mais louváveis desta 17ª edição do evento é o dito Salão de Idéias, em que escritores, jornalistas e artistas vão falar de suas vivências e influências – mostrando que a literatura não é coisa de dinossauros ou do homem de Neandertal, perfeitamente conciliável, inclusive, com as necessidades do dia-a-dia e da chamada “vida moderna”. O Centro de Exposições Imigrantes, onde a Bienal foi montada, é de uma vastidão admirável, provando que ainda é possível encher 45 mil m² com livros e com gente interessada neles. O gigantismo começa já no estacionamento, o qual se deve atravessar de trenzinho, e termina na praça de alimentação, ao fundo, depois que todos os estandes já se foram. Se a leitura fosse uma coisa mais presente e os escrevinhadores pessoas menos ausentes, não precisaríamos de tudo isso. Mas já que temos a 17ª Bienal do Livro, desfrutá-la é quase um imperativo. [Comente esta Nota]
>>> Bienal do Livro
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
A rua Graúna tem se convertido numa das mais pródigas de São Paulo em termos de bares. Há 20 dias foi inaugurado mais um: o Nicola. Apesar de tomado por vips, beldades e jovens viçosos, a proposta é repetir a tradição do Café Nicola, de Lisboa, fundado em 1784 e freqüentado por tipos como Pessoa, Eça e Bocage. As instalações da versão brasileira combinam a decoração moderna (cores claras, muita iluminação e detalhes em madeira) com o desenho do sobrado de 1954, mantido e recuperado especialmente para a ocasião. Ao contrário do modelo que prega mesas abarrotadas, pouco espaço entre as cadeiras e garçons se desviando da clientela, o Nicola escolheu ser amplo, dando-se ao luxo, inclusive, de dispor de um belo jardim ao fundo, para quem quiser se arejar. A culinária (sim, há culinária) tem por base pratos típicos da região do Alentejo; entre os destaques estão o Bife a Marrari e, obviamente, o Bife a Nicola – além, é claro, dos seculares bolinhos de bacalhau português e dos respeitáveis vinhos. Quem chega é convenientemente recebido por manobristas, tendo diante de si uma escada suave, que conduz à entrada do bar, e um pinheiro (que poderia ser ornamental) de quarenta anos de idade, preservado junto à fachada. Embora sirva almoços e jantares aos sábados e domingos, o Nicola é mais indicado para o fim de tarde e para quem quer seguir noite adentro. A disputa com a concorrência vai ser acirrada. E todos, principalmente os clientes, tendem a ganhar. [Comente esta Nota]
>>> Nicola - Rua Graúna, 87 - Moema - Tel.: 5094-1777
 



Televisão >>> Always in all ways
Existe um princípio de anarquia em Lubitsch (segundo Sérgio Augusto, o diretor mais unanimemente admirado do cinema). Diariamente, às 22 horas, o Telecine Classic exibe um dos nove filmes que escolheu para compor um painel do realizador alemão. As produções são da década de 30 e 40, mas o cinismo e a irreverência das personagens são do tempo presente. No que se refere ao branco-e-preto, porém, não estamos acostumados a topar com o excesso de modos e, em menos de um minuto, com a mais absoluta falta deles. Não se pode confiar no que se vê, afinal, o roteiro promove reviravoltas incessantes, conduzindo as emoções do espectador como se numa montanha-russa permanente. Em alguns casos, o acompanhamento musical serve para nos despertar de um possível transe, mostrando que nada ali deve ser levado tão a sério. A ausência de moral dos protagonistas, que têm quase sempre objetivos bem mesquinhos, choca um pouco no começo; mas, tal como as vítimas no longa, somos também seduzidos por eles, e terminamos torcendo para que inclusive os “maus” acabem bem. Eis o poder da obra-de-arte: subverter as nossas crenças mais firmes e certeiras. Há também uma quantidade invulgar de charme em cada cena, de modo que é quase natural os homens saírem apaixonados pela mocinha; e as mulheres, pelo galã. O virtuosismo de Lubitsch está igualmente na maneira como faz cada diálogo acontecer, acomodando todos os gêneros dentro de um só gênero: a comédia-musical-romântica (invenção nada moderna, portanto). Enfim, todas as razões estão aí, para que não se perca esse ciclo. Até porque, como poucos filmes hoje, ele permite que se termine com um sorriso estampado no rosto. [Comente esta Nota]
>>> Nove noites com o toque malicioso de Lubitsch
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cuidado Com o Homem Nu Que Lhe Oferece a Camisa
Harvey Mackay
Best Seller
(1990)



Como distinguir o amigo do bajulador
Plutarco
Martins Fontes
(2011)



Deadpool - The Good, The Bad And the Ugly Volume 3
Posehn - Duggan - Koblish - Shalvey
Marvel



A Vida É Sonho
Calderón
Hedra
(2010)



Livro Didático Moderna Plus Biologia 3 Aprova Enem
Gilberto Rodrigues Martho
Moderna
(2015)



/Almanaque do Chico Bento Nº 88
Mauricio de Souza
Globo
(2005)



Livro Administração Escolhas e Desafios para uma Liderança A Vida Profissional do Ex-Reitor da USP e da UMC
Maria Beatriz Lobo e Roberto Lobo
Labrador
(2018)



Princípio básico da felicidade
Masaharu Taniguchi
Seicho NO IE
(2012)



Livro Retocolite Ulcerativa Inespecífica Estado atual do tratamento no século XXI
Vários Autores
Doc
(2013)



História - Questões e Debates
Ufpr
Apah
(1982)





busca | avançada
49036 visitas/dia
1,8 milhão/mês