Digestivo nº 97 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
72040 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Curitiba
>>> O Leitor Apaixonado, livro de Ruy Castro
>>> Carta de um jovem contestador
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Breve História do Cinismo Ingênuo
>>> Minha cartomante não curte o Facebook
>>> Geza Vermes, biógrafo de Jesus Cristo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os olhos brancos de Deus
>>> Alívios diamantinos
Mais Recentes
>>> Flamengo - o Vermelho e o Negro de Ruy Castro pela Ediouro (2005)
>>> The Importance of Being Earnest + 2 Cds de Oscar Wilde pela Macmillan Readers (2020)
>>> A Roupa e a Moda - Uma História Concisa de James Laver pela Companhia das Letras (1996)
>>> Photoshop para Fotografia Digital - Guia sem Mistério de Scott Kelby pela Ciência Moderna (2005)
>>> Supernatural: o Livro dos Monstros, Espíritos, Demônios e Ghouls de Alexander H. Irvine pela Gryphus (2010)
>>> Maria da Glória - A Princesa Brasileira Que Se Tornou Rainha de Portugal de Isabel Stilwell pela Octávio (2012)
>>> Nunca é Tarde para Mudar de Mônica de Castro pela Academia (2018)
>>> A Senhora - Gracia Nasi e a Saga dos Judeus no Século XVI de Catharine Clément pela 34 (2001)
>>> 1968 o Ano Que Não Terminou de Zuenir Ventura pela Objetiva (2013)
>>> Superação da Lógica Classificatória e Excludente da Avaliação 2ªed. de Celso Dos S. Vasconcellos pela Libertad (1998)
>>> A Prática Educativa Como Ensinar de Antoni Zabala pela Artmed (1998)
>>> Masculino e Feminino no Imaginário Católico de Zaíra Ary pela Annablume (2000)
>>> A Bíblia A História de Deus e de Todos Nós de Roma Downey / Mark Burnett pela Sextante (2014)
>>> O sujeito da educação - Estudos Foucaultianos de Tomaz Tadeu Da Silva pela Vozes (2002)
>>> A Reencarnação Segundo a Bíblia e a Ciência de José Reis Chaves pela Martin Claret (1998)
>>> Fundamentos de Filosofia de Manuel Garcia Morente pela Mestre Jou
>>> Fundamentos de Matemática Elementar Volume 2 Logaritmos de Gelson Iezzi / Osvaldo Dolce / Carlos Murakami pela Atual (2004)
>>> As Estruturas da História de Christopher Lloyd pela Jorge Zahar (1995)
>>> Introdução à Filosofia História e Sistemas de Roberto Rossi pela Loyola (1996)
>>> A Felicidade Paradoxal de Gilles Lipovetsky pela Companhia das Letras (2007)
>>> Consiência e Cosmos de Menas Kafatos / Thalia Kafatou pela Teosófica (1994)
>>> Matemática Temas e Metas Volume 3 Sistemas Lineares e Combinatória de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1986)
>>> Matemática Temas e Metas Volume 2 Trigonometria e Progressões de Antonio dos Santos Machado pela Atual (1986)
>>> Aventuras no marxismo de Marshall Berman pela Companhia Das Letras (2001)
>>> Cartas do Cárcere 4ªed. de Antonio Gramsci pela Civilização Brasileira (1991)
>>> Resumo dos cursos do collège de france 1970-1982 de Michel Foucault pela Jorge Zahar (1997)
>>> Socialismo - Impasses e Perspectivas de César Benjamin e outros pela Scrita (1992)
>>> Revolting Rymes N1 - de Roald Dahl pela Puffin Books (2015)
>>> O Avesso do Trabalho de Ricardo Antunes/ Maria A. Moraes Silva (Orgs.) pela Expressão Popular (2004)
>>> Odisseia de Homero de Ana Maria Machado pela Atica (2015)
>>> Iracema -Lenda do Ceara de Jose de Alencar pela Sol-no final do livro traz questionario e respostas - coleção vestibular (2010)
>>> Divinas desventuras outras historias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das letrinhas (2009)
>>> Aurelio Mirim -Dicionario ilustrado da letra N a R- de Aurelio Buarque pela Positivo (2015)
>>> Dubliners de James Joyce pela Penguin (1996)
>>> As Chaves Perdidas da Maçonaria de Manly P. Hale pela Madras (2006)
>>> Metamorphosis and Other Stories - de Franz Kafka pela Penguim (1996)
>>> O Homem em busca de Deus de Varios editores internacionais pela Watch tower (2010)
>>> Os Irmãos Sagrados - de R.Waingarten pela Lubavitch (2012)
>>> Almanaque Ilustrado Símbolos de Mark O'Connell & Raje Airey pela Escala (2017)
>>> Francisco Valdomiro Lorenz - Uma Obra com Vida de Waldomiro Lorenz pela Parma (2000)
>>> O Retorno à Origem de Lex Hixon pela Cultrix (1992)
>>> Episódio da Vida de Tibério de Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2011)
>>> Férias Pagãs - Na Trilha dos Antigos Turistas Romanos de Tony Perrottet pela Rocco (2006)
>>> A Luz que Cura Oração Pelos Doentes de Agnes Sanford pela Loyola (1985)
>>> Doze Passos Para os Cristãos Jornada Espiritual Com Amor-Exigente de Pe Haroldo J Rahm pela Loyola (2000)
>>> A Águia e a Galinha de Leonardo Boff pela Vozes (1997)
>>> Ele andou entre nós Evidências do Jesus Histórico de Josh Mcdowell pela Candeia (1998)
>>> Contabilidade de Custos de Osni Moura Ribeiro pela Saraiva (2013)
>>> Cachaça artesanal. Do alambique à mesa de Atenéia Feijó & Engels Maciel pela Senac Nacional (2001)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 4/9/2002
Digestivo nº 97
Julio Daio Borges

+ de 7600 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Imprensa >>> A cultura é o ópio do povo
Estranhos os caminhos que as publicações percorrem nas bancas. Muitos meses depois, ainda é possível encontrar "O Nó Górdio" - ano 1, número 1. Detalhe importante: de dezembro do ano passado. Tudo bem que a grande filosofia só é digna desse nome quando se torna extemporânea. Mas também não precisa exagerar. Mais de um semestre (!). O exame, no entanto, do periódico (nascente) ainda vale. Capa, página 3, página 5: e se alguém disser que a melhor coisa da revista toda é o seu "editorial"? Estará cometendo alguma heresia? Ainda mais com outros textos de luminares como Hegel, Heidegger e Merleau-Ponty? Do primeiro, publicaram uma "carta"; tão tortuosa que lembra seus escritos sobre Direito. Do segundo, "esboços"; vendidos com concisos e "diretos", mas encharcados de nomenclatura insossa. Do último, "notas"; colhidas por alunos, sobre o seu "conceito" de "natureza". É por essas e por outras que as pessoas de bem fogem correndo da disciplina fundada por Sócrates, Platão e Aristóteles. A impressão que se tem é que os atuais "filósofos" querem preservar a sua ciência de qualquer intervenção do público, tornando-a impenetrável. Estão conseguindo. O problema é que quando se lê verdadeiros filósofos - e não esses "intermediários" -, numa tradução decente (é lógico), a forma de expressão é clara e cristalina. Pior: há coisas realmente importantes e que fazem pensar (!). Como é que pode? Afinal, a filosofia não era apenas a burocracia elevada ao status de linguagem? Era e não era. Hoje parece ainda mais fácil se perder entre tanto jargão, mas, em realidade, sempre foi assim. Voltando ao referido "editorial" - que se salva junto com Hannah Arendt e outros poucos -, a idéia é afugentar os interessados. Quanto menos gente, menor o número de "chatos" produzindo ruindo e interferindo na comunicação. Até que faz sentido, mas não para uma publicação que se pretende vender em banca. Era o caso até de perguntar, aos patrocinadores da publicação, se eles querem efetivamente "divulgar" suas marcas e seus produtos ou se preferem ficar dentro da caverna vendo sombras. [Comente esta Nota]
>>> O Nó Górdio
 



Música >>> Está no ar; nas ondas do rádio
"Revolução! Revolução! Revolução!" ― é o que pede entre palmas a platéia de uma banda perdida lá pelos idos de 1986. Estamos falando do "Érre Pê Ême", segundo o encarte do ultimamente relançado "Rádio Pirata Ao Vivo". Alguém ainda se lembra o que foi esse disco no tempo em que o Brasil venceu a inflação (e até carne faltou no pedaço)? Foi provavelmente o mais próximo que conseguimos chegar da Beatlemania, com direito a Globo Repórter, "rebeldia" juvenil, explosão hormonal em massa, histeria coletiva, que ecoam, que ecoam... que ecoam até hoje (!). Até hoje? Bom, pelo menos é o que pensam Paulo Ricardo, Fernando Deluqui, Luiz Schiavon, P.A., Guto Graça Mello (que produziu) e a MTV (que lançou): "RPM 2002". [É mole?] É mole mas sobe nas paradas, com vem demonstrando não os sucessos reciclados, como "Revoluções Por Minuto", "Alvorada Voraz" (com uma letra "atualizada" e infame), "London, London" (Caetano até desistiu dela), "A Cruz e a Espada", "Exagerado" (Cazuza revirando na tumba [o clichê aqui é válido]), "Louras Geladas", "Rádio Pirata" e "Olhar 43" ― mas sim a melosa e derradeira "Onde Está o Meu Amor?" (Paulo Ricardo certamente aprendeu alguma coisa em sua fase de cantor e compositor brega). Falando sério, agora: não é má vontade, mas é que eles já voltaram tantas e tantas vezes... (!). Talvez seja uma nova modalidade no show business nacional: ficar indo e voltando, como fazem, por exemplo, os Rolling Stones, há 40 anos. Falando mais sério ainda: quem hoje ouve RPM que não seja um nostálgico assumido, um entusiasta de hits "mela-cueca", ou então um desinformado crônico? E é certo ― também ― que considerações desse tipo não têm por que ofender os RPMs, afinal, quem sobrevive a tantos sucessos e fracassos: ou tem a auto-estima elevada a patamares inabaláveis e inatingíveis; ou então é a própria encarnação do cinismo e da falta de caráter. Qualquer que seja o caso, o RPM está aí para quem quiser ouvir (de novo); e para quem não quiser, também. [Comente esta Nota]
>>> RPM 2002 - Universal
 



Literatura >>> Miragem
Cacto. O nome é espinhoso; a capa, de um vermelho berrante. A recomendação, muito obsequiosa, de um certo Tarso. Tarso de Melo, é o editor; junto com Eduardo Sterzi. Parecem homens de boa vontade. As controvérsias porém afloram logo: a apresentação anuncia uma entrevista com Augusto de Campos, uma avaliação crítica sobre a sua obra, etc.; pois, segundo se lê, trata-se de "um dos maiores poetas do Brasil" (mas e o Haroldo?). Vamos às páginas. De fato, abre Augusto: "faça / o que / faça // o que / quer / que // quei / ram / que // faça / não / faça // faça / o que / quer". Fazer o quê? Próximo. Um que valha à pena. Bilíngüe não. Heine, para nos salvar: "Oh, que dama fácil, a felicidade! / Mal se acosta num lugar, ela já sai... / Afaga teu cabelo, cheia de vaidade, / Beija-te às pressas, bate as asas e se vai. // Dona Infelicidade, ao contrário, / Te prende ao coração a ferro e corda / Para ir embora, diz não ter horário, / Senta-se contigo à cama e borda.". Mais um ótimo comentário do tradutor (Marcelo Backes). Bem, melhorou. Ou não: brincadeiras com a forma; palavrões; jogos de palavras. Opa, o Tasso de novo. Ecos de Ferreira Gullar (que abandonou esse negócio de concretismo há muitos anos). Vários nomes, várias línguas - difícil se concentrar em algum(a). "Mosaico", "fotografia", "caligrafia" - sem novidades no front. Tem de haver pelo menos mais um. O poeta não pode ser mero encaixador de palavras. Voltam as ruas (Rodrigo Petronio): "- E aí tru, rolô a fita? / - Só. Cola na goma e a gente racha. / - Cê dá um cavalo? / - Na boa. / - Ixe, mó güela". Dante em tradução de Eduardo Sterzi. Também Joyce. Mais um "Fim do Poema" (será que essas coisas nunca acabam?). Notas de pé de página. Tradução, de novo (reinventada, de novo). Encerra com um "Sinal de Menos". No deserto, o cacto costuma ter água dentro. Nem sempre. [Comente esta Nota]
>>> Cacto | Tarso de Melo | Eduardo Sterzi
 



Gastronomia >>> O Conselheiro ainda come (e bebe)
Discreto e sóbrio, na rua Bela Cintra, entre as alamedas Jaú e Franca, o Folha de Uva remonta a uma tradição de mais de um século no Brasil. Fundado e dirigido por Samir Cauerk e Fernando Camasmie, originalmente como uma rôtisserie, foi buscar inspiração no Rio de Janeiro do início do século XX. Lá, o avô de Samir, Elias "Hallab" Cauerk, abriu as portas do primeiro restaurante árabe brasileiro, o Oriente-Ocidente, depois simplesmente Hallab, em homenagem ao seu proprietário. Por essas e por outras, o Folha de Uva não se entregou à pasteurização típica das cadeias de shopping center; nem fez a sua cozinha inacessível a meros mortais (leia-se: não praticou preços exorbitantes). Pelo contrário: preservou aqueles princípios fundamentais e, ao mesmo tempo, manteve a vocação genuína do velho Hallab, que acolhia a todos os clientes indistintamente (abonados ou não). Simples e despretensioso, em pouco mais de dez anos de funcionamento, o Folha de Uva já conquistou o prêmio "melhor prato do Brasil servido em restaurante", conferido por Josimar Mello. Mereceu essa distinção, o realmente irrepreensível Fatti de Carneiro (pernil, coalhada, hortelã, snoubar, grão-de-bico e manteiga), uma especialidade de Samir Cauerk. Levam também a sua assinatura, o Bacalhau Mourisco (assado em lascas, azeite, cebola, alho e salada de grão-de-bico) e a sopa Chich Barak (capeletes recheados com carne de kafta, cozidos na coalhada em altas temperaturas). Entre as entradas, os destaques são as saladas, as pastas e as coalhadas, além do irresistível Quibe Naye (quibe cru). Dentre as sobremesas, destacam-se o M'Hallabye (manjar de leite e água de flor de laranjeira com calda de damascos), o Becklewa, o Burma e o Ataif. Como se não bastasse o banquete gastronômico, o cliente ainda pode desfrutar do Arguile (cachimbo árabe) e da Raks Sharki (a popular dança do ventre, às quintas-feiras). Não é à toa que os proprietários reconhecem: no Folha de Uva, o Macktub se impõe para bem. [Comente esta Nota]
>>> Folha de Uva - Rua Bela Cintra, 1435 - Tel.: 3062-2564
 



Cinema >>> Cinema de crueldade
Em Carta Capital (que completa um ano de periodicidade semanal: "Parabéns, Carta Capital!"), Ana Paula Sousa assina uma excelente reportagem sobre a "Cosmética da Fome". Corruptela da "Estética da Fome" de Glauber Rocha, serve para classificar a cinematográfica exaltação da periferia, dos morros da favela - ultimamente vista em tela grande. Ana Paula chama, além da inventora da expressão (a pesquisadora Ivana Bentes), gente do mais alto gabarito para opinar: Eduardo Coutinho e Carlos Riechenbach. O assunto todo logicamente surge por conta do lançamento de "Cidade de Deus", em circuito nacional esta semana. Longa assinado por Fernando Meirelles, vem dividindo a crítica por conta de ser, ao mesmo tempo, estilização e denúncia. Graças a ele, muitos outros, no mesmo gênero, são invocados: "O Invasor" (de Beto Brant), "Uma Onda no Ar" (de Helvécio Ratton, recentemente exibido no Festival de Gramado), "Carandiru" (preparado por Hector Babenco) e até "Pulp Fiction" (de Quentin Tarantino). A querela não é nova: os artistas querem conscientizar a sociedade; a sociedade só se deixa atingir por produtos de massa; os artistas embalam com pele de cordeiro o lobo - e "nessa", a coisa pode não colar. De um lado, os que acusam Meirelles de banalizar a violência e a realidade do tráfico; de outro, os que vêm bradando em coro: "gênio!", "divisor de águas!", "marco!" e louvores similares. "Cidade de Deus" vai ser o filme obrigatório de 2002, com relação ao qual todo mundo vai ter de se posicionar. É melhor preparar então o colete à prova de balas, pois o tiroteio ideológico vai começar. [Comente esta Nota]
>>> Cidade de Deus
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/8/2002
01h14min
Cidade de Deus é um filme com estilo. Não dá pra negar q o cara (Meirelles) teve a ambição e juntou cacife o suficiente pra fazer um filme desses. Sua responsabilidade é enorme e o resultado é um filme q traz a realidade de certa parcela da população para dentro das casas decoradas e limpas da classe média. Mortes e mais morte é o que se vê em 2 horas de filme... A montagem é rápida, dialogando com a TV, e a violência diversas vezes soa como gratuita, a la Tarantino, como o Julio bem escreveu... Não se pode condenar ou mitificar o diretor por ter feito esse filme. O importante é levantar questões e discuti-las, mesmo q sejam em forma de crítica ou elogios. Mas q sejam embasados com argumentos inteligentes e estejam abertos para contra-argumentos. O conhecimento nasce do choque, sem ele, não há crescimento cultural ou crítico...
[Leia outros Comentários de Lucas]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HAUFF & AUVERMANN AUKTION 61 - 3168
DIVERSOS
GESCGAFTSFUHRER
(2010)
R$ 15,00



O MUNDO TEM DE SER DESSE JEITO?
FERNANDO VAZ
FTD
(1996)
R$ 11,00



CONFISSÕES DE UM CONQUISTADOR DE CRIADAS
HERNANI DE IRAJÁ
PALLAS
(1981)
R$ 12,00



SETE PICOS
DICK BASS E FRANK WELLS
MARCO ZERO
(1995)
R$ 8,89



AS ALIANÇAS E COLIGAÇÕES PARTIDÁRIAS
UFMG
UFMG
(2005)
R$ 6,90



A DOUTRINA DOS 20%
RYAN TATE
ELSEVIER
(2012)
R$ 34,90



LITERATURA COMENTADA - RUBEM BRAGA
PAULO ELIAS E OUTROS...
ABRIL EDUCAÇÃO
(1980)
R$ 7,00



SOLDADO DA TERRA 1 - VOL.413 - ARGONAUTA
GORDON R. DICKSON
LIVROS DO BRASIL
(1991)
R$ 23,18



TUDO QUE É
JAMES SALTER
COMPANHIA DAS LETRAS
(2015)
R$ 42,00



A MORTE E A MORTE DE QUINCA BERRO DAGUA
JORGE AMADO
RECORD
(1981)
R$ 5,00





busca | avançada
72040 visitas/dia
2,1 milhões/mês