Era uma vez Eike Batista (e o Brasil emergente) | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
Mais Recentes
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Galera Junior (2015)
>>> Alimentação sem Carne de Eric Slywitch pela Alaúde (2016)
>>> Maus: A História de um Sobrevivente - História Completa de Art Spiegelman pela Cia. das Letras (2005)
>>> Alex no País dos Números de Alex Bellos pela Companhia das Letras (2011)
>>> A História da Medicina de Anne Rooney pela M. Books (2013)
>>> História da Arte Italiana - 3 Volumes de Giulio Carlo Argan pela Cosac Naify (2003)
>>> Justiça: O Que é Fazer a Coisa Certa (Edição Especial Capa Dura) de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2021)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> O Outono da Idade Média de Johan Huizinga pela Cosac Naify (2010)
>>> Vocabulário da Psicanálise de Laplanche e Pontalis pela Martins Fontes (1998)
>>> Meditações Diárias Para Mulheres Que Amam Demais de Robin Norwood pela Rocco (2009)
>>> Supertição no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2001)
>>> Marketing Trends de Francisco Alberto Madia de Souza pela Makron Books (2000)
>>> Retorno Do Investimento Em Capital Humano de Jac Fitz-enz pela Makron Books (2001)
>>> O Gigante Enterrado de Kazuo Ishiguro pela Companhia das Letras (2017)
>>> O Fim Do Poder de Moisés Naím pela Leya (2013)
>>> Introdução as Obras de Freud, Ferenczi, Groddeck, Klein, Winnicott, Dolto, Lacan de J. D. Nasio pela Jorge Zahar (1995)
>>> Amor Incondicional E Perdão de Edith Stauffer pela Totalidade (2007)
>>> Tarde Demais de Colleen Hoover pela Record (2022)
>>> A Bíblia Dos Meninos de Carolyn Larsen pela Mundo Cristão (2000)
>>> Peter Camenzind de Hermann Hesse pela Todavia (2022)
>>> Cuidando da Família em Crise de T. Berry Brazelton pela Martins Fontes (1991)
>>> Livro Game Of Thrones: Guia Completo Da Serie Da Hbo de Bryan Cogman pela Leya (2013)
>>> Talvez Uma Historia De Amor de Martin Page pela Rocco (2009)
>>> Por Voce- Vol. 1 de Laurelin Paige pela Fabrica231 (2015)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Além do Mais

Segunda-feira, 27/1/2014
Era uma vez Eike Batista (e o Brasil emergente)
Julio Daio Borges
+ de 6700 Acessos




Digestivo nº 496 >>> A Bloomberg BusinessWeek definiu como "possivelmente" uma das maiores derrocadas de uma empresa, e de uma pessoa, na História. Steve Jobs, uma vez, declarou que foi o único ser humano que queimou 250 milhões de dólares em doze meses. Eike Batista queimou 30 bilhões (talvez num prazo um pouco mais distendido). Já Naji Nahas, que volta e meia é lembrado por ter "quebrado" a bolsa, deu um prejuízo de 13... milhões. Delfim Netto, para quem nada era problema na economia do Brasil, definiu Nahas como "um operador muito avançado para sua época". Diria o mesmo de Eike Batista (cria de um governo que ele, Delfim, tanto apoiou)? O fato é que, sob qualquer ponto de vista, a desintegração do império "X", e recuperação judicial da OGX, são um fracasso histórico e retumbante ― para Eike Batista, para a bolsa e para o Brasil. Para Eike, porque será, praticamente, "jurado de morte" por muitos a quem deu prejuízo, no mundo. Para a bolsa, porque todas as campanhas pela entrada do "pequeno investidor", pessoa física, caíram por terra, diante de falhas inescapáveis do órgão regulador. E, para o Brasil, porque Eike é parceiro do governo da "contabilidade criativa", dos anúncios e das expectativas sem resultados que correspondam, do "capitalismo de estado", que elegeu "campeões" (alguns derrotados, como a "Oi"), e que interferiu nas regras do jogo ― setor elétrico, Petrobrás ― em nome do marketing político (Eleições 2014). Se a farra dos emergentes acabou, a farra do Brasil acabou antes. Agora é o momento de tentar entender como Eike Batista enganou tanta gente por tanto tempo. A imprensa, por exemplo. Eike era o homem do press release, do chamado "fato relevante". Por que foi tão pouco contestado? Por que teve tão poucos críticos? Um jornalismo menos decadente ― no mundo ― teria sentido o cheiro do fracasso antes da crise? Hoje parece óbvio que vivemos a nossa bolha. A "moda" dos emergentes foi o nosso subprime. E o conglomerado "X" foi o nosso Lehman Brothers. Qual será o impacto dessa quebradeira nas eleições presidenciais? Será o mesmo que se fez sentir nos Estados Unidos (que elegeu um candidato de oposição)? Os Estados Unidos demoraram 5 anos para se recuperar, parcialmente. Quanto tempo demorará o Brasil? A Europa nos lembra, diariamente, que a recuperação pode demorar bastante. Na Espanha, por exemplo, ela vai acontecer? Da Grécia, todo mundo já se esqueceu... O euro continua ameaçado? E o real (pela inflação)? Falamos da crise de representatividade na Itália... E no Brasil, com os protestos de junho, a violência de black blocs e a intimidação de "rolezinhos"? A oposição não tem candidato, nem projeto, muito bem definidos ― mas o governo tem? Um projeto que fracassou? (De novo?) Ou um outro candidato ― redivivo ― que chamou a crise de 2008 de "marolinha"? Qual o projeto dele? O da redução do IPI, dos estímulos à indústria, que funcionou em 2009, mas que parou de funcionar? Tivemos sorte nos anos 2000. Agora, o Brasil está desgovernado e a nossa "sorte" foi embora (junto com os investimentos externos). Por que em 2014 vai ser melhor? Por que será embalado pelo dinheiro da Copa e das eleições? Mesmo que seja verdade, e depois? Qual é o nosso plano para 2015? Alguém sabe? Tem alguém que não esteja pensando em 2014? Eike Batista foi só a ponta do iceberg. O sonho acabou. Qual é o próximo sonho? Para desgosto dos milhares de investidores que perderam dinheiro (mais de 99% do valor só na OGX), devemos esquecer Eike Batista. Talvez ele volte, como até Collor de Mello voltou. Primeiro como uma curiosidade. Depois, como uma afronta. Por último, como uma figura do folclore nacional. Vamos nos lembrar desta época como aquela fase em que o Brasil acreditou que poderia resolver 500 anos de subdesenvolvimento em um mandato ou dois. "Subdesenvolvimento não se improvisa", declarava o sociológo da Garota de Ipanema, "é obra de séculos". Desenvolvimento, também, é: obra de séculos.
>>> How Brazil's Richest Man Lost $34.5 Billio
 
Julio Daio Borges
Editor
Quem leu esta, também leu essa(s):
01. A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre (Música)
02. O que significa a Apple maior que o Google (Internet)
03. Mashup (Imprensa)
04. Pas de Deux (Além do Mais)
05. Blame it on the U.S.A. (Cinema)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Com os corações cheios de amor
Rabino Mattisyahu Salomon
ArtScrll Series



Antologia Efémera 1950-2000
E. M. de Melo e Castro
Lacerda
(2000)



Leite Derramado
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2009)



Sucos e Vitaminas para Crianças
Amanda Cross
Manole
(2007)



O Universo Simbólico da Criança: Olhares Sensível para a Infância
Adriana Friedmann
Vozes
(2005)



O discurso da homossexualidade feminina
Denise Portinari
Brasiliense
(1989)



Otelo
Hildegard Feist
Scipione
(2015)



You Can Be Happy no Matter What
Richard Carlson
New World Library
(2006)



Livro Literatura Estrangeira Bela Distração Irmãos Maddox - Livro 1
Jamie Mc Guire
Verus
(2014)



Ele Vem do Fundão
Dyonelio Machado
Ática
(1982)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês