Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld | Digestivo Cultural

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
>>> Quem Resenha as Resenhas de Som?
>>> Um Lobo nada bobo
>>> MUQUIFU
Mais Recentes
>>> Redação - tepria e prática de Célia A. N. Passoni pela Nucleo (1993)
>>> Jô na Estrada de David Coimbra pela L&pm Editores (2010)
>>> Intimidade Inconfessável de Fernanda Fatureto pela Patuá (2015)
>>> O Hotel dos Bichos Desamparados de Ricardo L. Hoffmann pela Ftd Ed. (1988)
>>> Irmão Francisco Cândido Xavier de Francisco Cândido Xavier e Emmanuel pela André Luiz
>>> Direito Eleitoral de Raquel Cavalcanti Ramos Machado pela Atlas (2016)
>>> Freakonomics - o Lado Oculto e Inesperado de Tudo Que nos Afeta de Steven D. Levitt pela Elsevier (2005)
>>> Bodyguard - Jessica Linden de James Patterson pela Bookshots (2016)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Nobel (2008)
>>> Sr. Maravilha - a Biografia de Stan Lee de Roberto Guedes pela Noir (2021)
>>> La Venta Estrategica de Robert B. Miller pela Plaza & Janes (1986)
>>> Como? Onde? Por quê? - perguntas e respostas sobre o mundo animal de Carolina Caires Coelho (trad.) pela Girassol (2007)
>>> O Sorriso Etrusco de José Luis pela Martins Fontes (1998)
>>> Alumbrado Flourescente de Baldinetti pela Gustavo Gili
>>> O Trabalho dos Mortos- o Livro do Joao de Nogueira de Faria pela Feb (2002)
>>> Nao Importa a Pergunta - a Resposta e o Amor de Leonardo Gontijo pela Ser Mais (2015)
>>> Criando Meninas - Raising Girls - Portuguese Edition de Gisela Preuschoff pela Fundamento (2003)
>>> Dentística - Restaurações Estéticas de Adair Luiz Stefanello Busato e Outros pela Artes Médicas (2002)
>>> Adolf Hitler 2 Vols. de John Toland pela Francisco Alves (1978)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Biblioteca Folha (2003)
>>> Assassins Creed - Irmandade - Vol. 2 de Oliver Bowden pela Galera Record (2012)
>>> Presunção, Ou a Sina de Frankenstein de Richard Brinsley Peake pela Sebo Clepsidra (2021)
>>> Jovens para Sempre de Sidnei Oliveira pela Integrare (2012)
>>> Chico Bento - Pavor Espaciar de Gustavo Duarte pela Panini (2013)
>>> Using Webster - Knowlton - Hazen World History Maps de H. Webster; D. Knowlton; Charles Hazen pela A. J. Nystron & Co. (1953)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Segunda-feira, 7/7/2014
Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
Julio Daio Borges

+ de 15100 Acessos




Digestivo nº 502 >>> La Rochefoucauld está em qualquer antologia de frases que se preze. Finalmente, a coleção "Grandes Ideias", da Penguin Companhia, resolveu lhe dedicar um volume inteiro. E ficamos sabendo quem é o sujeito. Moralista, no bom sentido, La Rochefoucauld faz um contraponto a Aristóteles, famoso por declarar que "a virtude está no meio" (entre dois vícios). Diz La Rochefoucauld, logo na abertura do volume: "Nossas virtudes são apenas, no mais das vezes, vícios disfarçados". Aristóteles ainda tinha esperança; La Rochefoucauld, nem tanto. Outro tema caro a La Rochefoucauld, e nem tanto a Aristóteles, é o da paixão, tema igualmente caro aos romanos. Diz o francês: "A paixão faz muitas vezes do homem mais hábil um louco, e hábeis os mais tolos". É por isso que os romanos não se apaixonavam nunca. Os gregos, também, achavam abominável. No Banquete, Platão sugere o amor entre "amigos" é mais respeitoso e saudável que "uma paixão violenta". De novo, La Rochefoucauld: "As paixões são os únicos oradores que sempre convencem". Apesar de pensador, La Rochefoucauld desconfiava da filosofia: "A filosofia facilmente vence os males passados e futuros. Mas os males presentes a vencem". Desconfiava, também, do heroísmo: "(...)exceto por uma grande vaidade, os heróis são como os outros homens". Sobre a "força de vontade", ou a "vontade política", como dizem nossos governantes, La Rochefoucauld observaria: "Temos mais força que vontade; e muitas vezes é para nos desculparmos conosco que imaginamos serem as coisas impossíveis". La Rochefoucauld era, sobretudo, um cético ou, em filosofia, até um cínico: "Nunca somos tão felizes nem tão infelizes quanto imaginamos". Sobre a sinceridade: "A sinceridade é uma abertura do coração. Encontramo-la em muito poucos; e a que vemos habitualmente não passa de uma fina dissimulação para atrair a confiança dos outros". Ser verdadeiro poderia ser perigoso, segundo ele: "A intenção de jamais enganar expõe-nos a ser frequentemente enganados". E La Rochefoucauld previu até o transtorno bipolar contemporâneo: "Às vezes somos tão diferentes de nós mesmos quanto dos outros". Desconfiava mesmo dos modestos: "Recusar elogios é desejar ser elogiado duas vezes". E, dos perfeccionistas: "Não basta ter grandes qualidades, é preciso administrá-las". La Rochefoucauld vivia numa sociedade de aparências, como a nossa: "O mundo recompensa mais vezes as aparências do mérito que o próprio mérito". E retomando Aristóteles, de certa forma: "Os vícios entram na composição das virtudes como os venenos entram na composição dos remédios". Para ele, grandeza era saber reconhecer: "Só aos grandes homens cabe ter grandes defeitos". La Rochefoucauld, definitivamente, não tinha muita fé na natureza humana: "Esquecemos facilmente nossos erros quando só nós os conhecemos". O ser humano é, antes de tudo, um fraco? "Quando os vícios nos abandonam, vangloriamo-nos crendo que fomos nós que os abandonamos". Henry Ford concluiu que "qualidade" é "fazer bem feito quando ninguém está olhando". Já La Rochefoucauld o antecipou: "A perfeita coragem é fazer sem testemunhas o que seríamos capazes de fazer diante de todos". Sem esquecer de sua máxima mais conhecida: "A hipocrisia é uma homenagem que o vício presta à virtude". La Rochefoucauld via o amor como uma auto-ilusão: "O prazer do amor é amar, e somos mais felizes pela paixão que temos do que pela que provocamos". E, mais uma vez, sobre a paixão: "A ausência diminui as paixões medíocres e aumenta as grandes, assim como o vento apaga as velas e ascende o fogo". Paixão era sua especialidade: "Estamos longe de conhecer tudo o que nossas paixões nos levam a fazer". Como um mestre zen, fecha assim o volume: "Quando não encontramos repouso em nós mesmos, é inútil buscá-lo fora". E para os infelizes que não têm o que gostariam de ter: "Antes de desejar fortemente uma coisa, convém examinar se quem a possui é feliz". Assim escreveu, no século XVII, François VI, ou o duque de La Rochefoucauld.
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Sobre a Filosofia e seu Método, de Schopenhauer (Literatura)
02. O mundo pós-PC: uma visão de Steve Jobs, segundo Charlie Stross (Além do Mais)
03. What Would Google Do? ou O que o Google faria?, por Jeff Jarvis (Internet)
04. Como ganhar US$ 1 milhão na internet, de Ewen Chia (Internet)
05. A vida até parece uma festa, o filme em DVD (Música)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Cachorro Que Jogava na Ponta Esquerda
Luis Fernando Verissimo; Aroeira
Rocco
(2010)



Ideologia e Cultura Moderna - Confira !!!
John B. Thompson
Vozes
(1995)



Livro - O Segredo da Queima de 48 Horas
Vinícius Possebon
Gente
(2015)



Pique-esconde Com os Aventureiros
Luccas Neto
Nova Fronteira
(2020)



Domínios de Linguagem 1 - Práticas Pedagógicas - Autografado
Maria Célia Lima- Hernandes (org.)
Disal
(2002)



Projeto Escola, Uma Contribuição Criativa para o Seu Aluno-Problema
Professor Sergio Nogueira Lopes
Sociedade Pestalozzi do Brasil
(1996)



Abraão - As Experiências de Nosso Pai na Fé
Elienai Cabral
Cpad
(2002)



Dont Be So Gay!
Donn Short
Washington Univ. Pr
(2013)



A Jornada Espiritual do U2
Steve Stockman
W4 Endo Net
(2006)



Passaporte para o 3º milênio
Maria Cotroni Valenti
DPL
(1999)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês