Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
62861 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Saudosismo
>>> Lei de Deus?
>>> Remorsos, devaneios, cor do tempo
>>> O enigma de Lindonéia
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Eleições na quinta série
>>> O que aconteceu com a Folha de S. Paulo?
>>> O regresso, a última viagem de Rimbaud
>>> Eleições 2014: intrigas, infâmias, alucinações
>>> Toda poesia de Paulo Leminski
Mais Recentes
>>> Confidências de um Inconfidente de Marilusa Moreira Vasconcello pela Edicel (1983)
>>> Anotações de um taxista ocasional de Edison Pietrobelli pela Global (1999)
>>> O Mundo Negro. Relações Raciais E A Constituiçao de Amilcar Araujo Pereira pela Pallas (2022)
>>> O que faz Sammy Correr? de Budd Schulberg pela Record
>>> Ensino Renovado de Biografias - 3º Vol. L - P de Vários Autores pela Formar
>>> Ensino De História E Cultura Afro-Brasileira de Amilcar Araujo Pereira pela Pallas (2022)
>>> Caminhos de Odu de Agenor Miranda Rocha pela Pallas (2022)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Circulo do Livro (1985)
>>> Igbadu: a Cabaça da Existência: Mitos Nagôs de Adilson de Oxalá pela Pallas (2000)
>>> Igbadu: a Cabaça da Existência: Mitos Nagôs de Adilson de Oxalá pela Pallas (2000)
>>> O livro de Judas de Assis Brasil pela Clube do Livro (1970)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Circulo do Livro
>>> A Coluna Prestes - Análises e depoimentos de Nelson Werneck Sodré pela Circulo do Livro (1983)
>>> Breve Sexta - Feira de Isaac Bashevis Singer pela Clube do Livro
>>> Para Viver a Grande Mensagem de Richard Simonetti pela Feb (1987)
>>> HQ V de Vingança de Alan Moore e David Lloyd pela Panini Comics (2007)
>>> HQ Pecador Originais 001 - Os Segredos do Universo Marvel! de Marvel comics pela Panini Comics (2015)
>>> HQ Authority Vol. 1 de Warren Ellis; Hitch; Neary pela Panini Comics (2015)
>>> HQ Superman Condenado V.1 Apocalypse: O Retorno de DC Comics pela Panini Comics (2015)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 7 Dollar Bill & Moloch de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2013)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 6 Ozymandias de Len Wein - Jae Lee pela Panini Comics (2013)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 4 DR. Manhattan de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2013)
>>> HQ Antes de Watchmen Nº 1 Coruja de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2013)
>>> HQ - Crise Infinita Batalha pelo Multiverso vol.1 de Dan Abnett pela Panini Comics (2015)
>>> HQ - Crise Infinita Batalha pelo Multiverso vol.2 de Dan Abnett pela Panini Comics (2016)
BLOG

Terça-feira, 17/12/2002
Blog
Redação

 
Cabeça de Francis

O Brasil tem uma dívida com Paulo Francis. Uma dívida que jamais será saldada. Continuaremos no vermelho. Os velhos caloteiros de sempre. Paulo Francis gerava anticorpos contra nossa patológica covardia intelectual, contra nossa cultura conchavista, contra nossa natureza servil.

Ele inibia nosso irrefreável desejo de apaziguamento, vigiando-nos o tempo todo: quando um de nós capitulava, sentia vergonha de estar sendo observado por ele. Paulo Francis conseguia fazer tudo isso com muita graça, com aquele seu ar desdenhador, aquele seu cabotinismo desavergonhado, quase teatral.

Quando ele morreu, perdemos todas as defesas. Viramos mais vulgares, mais medrosos, mais reacionários. O Brasil piorou sem ele. Empobreceu. Banalizou-se. Restaram seus livros, porém. A imensa figura de Paulo Francis acabava por obscurecê-los. Lendo-os, víamos sua cara, ouvíamos sua voz, sentíamos que ele estava logo ali, deitado em nosso sofá, comentando com sarcasmo os acontecimentos do dia. Era uma presença familiar demais para permitir um saudável distanciamento narrativo. Agora isso mudou. Paulo Francis já pode ser lido. Mais: ele deve ser lido. Cabeça de Negro é um bom começo. Aumentará sua dívida com ele.
Diogo Mainardi

Muitos talvez achassem o contrário, mas Paulo Francis tinha profundo amor pelo Brasil. Seu mau humor e irritação para com os rumos e os desrumos nacionais eram um reflexo de sua revolta pelo que o País poderia ser e não era. E o que ele temia era que não fosse nunca.
Ruy Castro

Uma vez na Bahia, vomitando duas semanas, acordei no vigésimo quinto andar do Hotel Meridien, corri pelas praias do Rio Vermelho e entrei no gélido mar furioso gritando para Nova York - come back, volte Francis, volte!
Glauber Rocha

[Todos na orela e na contracapa de Cabeça de papel e Cabeça de Negro, relançados pela W11 de Sonia Nolasco e Wagner Carelli]

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
17/12/2002 às 14h40

 
Balanço Contábil

Reparo na estante de livros lidos neste ano. 32, aproximadamente - incluindo os emprestados, de amigos e bibliotecas, e excluindo os que simplesmente não compensa citar. É pouco. O ideal é que se leia em torno de 40 e 50 livros de umas 300 páginas, pelo menos. Dispenso, claro, as baboseiras didáticas, que nós, estudantes, somos obrigados a engolir em quantidade assustadora.

Reconheço, naturalmente, a necessidade e a conveniência desses livros; mas não posso deixar de assumir: são um saco. Não ensinam a escrever e endurecem o espírito. E ocupam, no meu caso, mais ou menos o mesmo tempo que dedico à leitura agradável. Não entendo, mesmo assim, a desculpa comum de que, como "tenho que ler muito para a escola, não arrumo tempo para ler o que gostaria". Pois para mim é o contrário: quanto mais leio Statistics for Business and Economics ou Financial for Business and Administration, mais preciso ler livros escritos por seres humanos.

A lista abaixo, portanto, foi composta exclusivamente por mim. Com recomendações de amigos, mas com um único objetivo: ocupar meus momentos de lazer. Que, infelizmente, têm sido poucos, ultimamente. E dei a cada um uma nota, baseada na seguinte escala, se é que me entendem: Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis - 10; O sucesso é ser feliz, Roberto Shinyashiki - 0. Ou seja: 10 - livros que um brasileiro civilizado não pode morrer sem ler; e 0 - livros que um brasileiro civilizado prefere morrer antes de ler.

Mas, fora de ordem cronológica, foi assim:

Letters to a Young Contrarian, Christopher Hitchens - 7

Short Stories, Oscar Wilde - 10

De Profundis, Oscar Wilde - 10

Short Stories, Jack London - 8,5

Hunter, J. A. Hunter- 7

Alice's Adventures in Wonderland and Through the Looking Glass, Lewis Carroll - 10

Com o Diabo no Corpo e O baile do conde d'Orgel, Raymond Radiguet - 10

Cartas a um jovem poeta, Rainer Maria Rilke - 10

Groucho e eu, Groucho Marx - 6

A coisa não-Deus, Alexandre Soares Silva - 7

200 crônicas escolhidas, Rubem Braga - 8

Lado B, Sérgio Augusto - 7,5

O caminho da servidão, F. A Hayek - 10

Visão do Jogo, José Moraes dos Santos Neto - 5

Hiroshima, John Hersey - 8,5

Contra o Brasil, Diogo Mainardi - 7

Amor de Perdição, Camilo Castelo Branco - 8

Ficar ou não ficar, Tom Wolfe - 8

O Brasil e o Dilema da Globalização, Rubens Ricupero - 6

Um estudo em vermelho, Conan Doyle - 6

Recordações do escrivão Isaías Caminha, Lima Barreto - 7

Como ser legal, Nick Horby - 6,5

High Fidelity, Nick Horby - 6,5

Saudades do século 20, Ruy Castro - 6,5

Aqui está Nova York, E. B. White - 7

The Years with Ross, James Thurber - 6,5

O diário de H. L. Mencken, H. L. Mencken - 7

Literatura e vida literária, Álvaro Lins - 7

Serpente, Rex Stout - 7

Cozinheiros Demais, Rex Stout -7

Flor de obsessão, Nelson Rodrigues - 6

Tales of the Sea, Joseph Conrad - 10

Somando todos os pontos e dividindo pelo total de livros, minha nota final de 2002 é, então, 8,10. Entusiasmante.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
15/12/2002 às 11h55

 
Teaching students not to think

Como chegar lá

Os melhores alunos não são necessariamente os melhores - e provavelmente, como sugere Andrew Conway na Spectator, nem sejam bons o suficiente. Isso, vale lembrar, na Inglaterra. Por causa, basicamente, de dois motivos: da falta de curiosidade dos alunos, e da postura politicamente correta que são obrigados a assumir. Conclusão: não acumulam conhecimento além do que lhes é cobrado, e, sem desconfiar do que o professor ensina, não conseguem pensar sozinhos. Repito: isso na Inglaterra, onde existe debate sobre o assunto, e espaço, como na Spectator, para um professor universitário escrever sobre o assunto. E, vá lá, escrever como gente, e não como professor universitário. Acompanhe, a seguir, os imperdíveis melhores momentos:

There is only one problem - they lack even the slightest spark of initiative or intellectual curiosity.

The attitude of most students, as far as I can tell, is one of good-humoured resignation; they have learnt not to question what their teachers tell them - an attitude which, in many ways, I find more depressing than the plagiarism itself.

Of course one shouldn't get too nostalgic for the good old days. Correlli Barnett and others have argued that the effect of the old public-school-and-Oxbridge education was to instil a deadening Civil-Service mentality - the familiar 'on the one hand ...on the other hand' habit (or, as my A-level history teacher told me, 'Always use the word "whereas" at least once in each paragraph') - which left the nation's finest minds incapable of making firm decisions.

Today's students are terrified of taking a point of view, in case it turns out to be wrong. Confronted with a direct question - 'Was the Protestant Reformation a success?' - they will twist and turn to avoid giving a direct answer. 'In conclusion' - this, by the way, is a genuine quotation from a first-year essay, not my own invention - 'it is clear that while some have regarded the Reformation as a success, others have regarded it as a failure, and we may therefore say with confidence that it is a very complex matter.'

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
12/12/2002 às 17h41

 
Gerundismo

legenda

Obra da Dani, do Mundo Perfeito

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
12/12/2002 às 16h06

 
Valsinha

Rio, 2 de fevereiro.

Caro Poeta,

Recebi as suas duas cartas e fiquei meio embananado. É que eu já estava cantando aquela letra, com hiato e tudo, gostando e me acostumando a ela. Também porque, como você já sabe, o público tem recebido a valsinha com o maior entusiasmo, pedindo bis e tudo. Sem exagero, ela é o ponto alto do "show", junto com o "Apesar de Você". Então dá um certo medo de mudar demais. Enfim, a música é sua e a discussão continua aberta. Vou tentar defender, por pontos, a minha opinião. Estude o meu caso, exponha-o a Toquinho e a Gessy, e se não gostar foda-se, ou fodo-me eu.

- Valsa hippie é um título forte. É bonito, mas pode parecer forçação de barra, com tudo o que há de hippie à venda por aí. Valsa Hippie, ligado à filosofia hippie como você a ligou, é um título perfeito. Mas hippie, para o grande público, já deixou de ser a filosofia para ser a moda pra frente de usar roupa e cabelo. Aí já não tem nada a ver. Pela mesma razão eu prefiro que o nosso personagem xingue ou, mais delicado, maldiga a vida, em vez de falar mal da poesia. A sua solução é mais bonita e completa, mas eu acho que ela diminui o efeito do que segue. Esse homem da primeira estrofe é o anti-hippie. Acho mesmo que ele nunca soube o que é poesia. É bancário e está com o saco cheio e está sempre mandando sua mulher à merda. Quer dizer, neste dia ele chegou diferente, não maldisse (ou "xingou" mesmo) a vida tanto e convidou-a para rodar. Convidou-a pra rodar eu gosto muito, poeta, deixa ficar. Rodar que é dar um passeio e é dançar. Depois eu acho que, se ele já for convidando a coitada para amar, perde-se o suspense do vestido no armário e o tesão da trepada final. "Pra seu grande espanto", você tem razão, é melhor que "para seu espanto". Só que eu esqueci que ia por ítens. Vamos lá:

- Apesar do Orestes (vestido dourado é lindo), eu gosto muito do som do vestido decotado. É gostoso de cantar vestidodecotado. E para ficar dourado o vestido fica com o acento tendendo para a primeira sílaba. Não chega a ser um acento, mas é quase. Esse verso é, alias, o que mais agrada, em geral. E eu também gosto do decotado ligado ao "ousar" que ela não queria por causa do marido chato e quadrado. Escuta, ô poeta, não leve a mal a minha impertinência, mas você precisava estar aqui para sentir como a turma gosta, e o jeito dela gostar desta valsa, assim à primeira vista. É por isso que estou puxando a sardinha mais para o lado da minha letra, que é mais simplória, do que pelas modificações que enriquecendo os versos, talvez dificultem um pouco a compreensão imediata. E essa valsinha tem um apelo popular que nós não suspeitávamos.

- Ainda baseado no argumento acima, prefiro abraçar ao bailar. Em suma, eu não mexeria na segunda estrofe.

- A terceira é a que mais me preocupa. Você está certo quanto ao "o mundo" em vez de "a gente". Ah, voltando à estrofe anterior, gostei do último verso onde você diz "e cheios de ternura e graça" em vez de "e foram-se cheios de graça". Agora estou pensando em retomar uma idéia anterior, quando eu pensava em colocá-los em estado de graça. Aproveitando a sua ternura, poderíamos fazer "Em estado de ternura e graça foram para a praça e começaram a se abraçar". Só tem o probleminha da junção "em-estado", o em-e numa sílaba só. Que é o mesmo problema do começaram-a. Mas você mesmo disse que o probleminha desaparece, dependendo da maneira de se cantar. E eu tenho cantado "começaram a se abraçar" sem maiores danos.

Enfim, veja aí o que você acha de tudo isso, desculpe a encheção de saco e responda urgente. Há um outro problema: o pessoal do MPB-4 está querendo gravar essa valsa na marra. Eu disse que depende de sua autorização e eles estão aqui esperando. Eu também gostaria de gravar, se o senhor me permitisse, porque deu bolo com o "Apesar de Você", tenho sido perturbado e o disco deixou de ser prensado. Mas deu para tirar um sarro. É claro que não vendeu tanto quanto a Tonga, mas a Banda vendeu mais que o disco do Toquinho tocando Primavera. Dê um abraço na Gesse, um beijo no Toquinho e peça à Silvina para mandar notícias sobre shows etc. Vou escrever a letra como me parece melhor. Veja aí e, se for o caso, enfie-a no ralo da banheira ou noutro buraco que você tiver à mão.

Valsinha

Um dia ele chegou tão diferente do seu jeito de sempre chegar
Olhou-a dum jeito muito mais quente do que sempre costumava olhar
E não maldisse a vida tanto quanto era seu jeito de sempre falar
E nem deixou-a só num canto, pra seu grande espanto convidou-a pra rodar
Então ela se fez bonita como há muito tempo não queria ousar
Com seu vestido decotado, cheirando a guardado de tanto esperar
Depois os dois deram-se os braços como há muito tempo não se usava dar
E cheios de ternura e graça foram para a praça e começaram a se abraçar
E ali dançaram tanta dança que a vizinhança toda despertou
E foi tanta felicidade que toda a cidade enfim se iluminou
E foram tantos beijos loucos, tantos gritos roucos como não se ouvia mais
Que o mundo compreendeu
E o dia amanheceu
Em paz

Carta de Chico Buarque a Vinicius de Moraes, em "Achados"

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
12/12/2002 às 12h04

 
Assim falou os mano

Direto do Dicionário dos Mano (e de outras tribos também...):

* tretar: brigar
* ir pra balada: ir a uma festa
* chapar o coco: beber
* capotar: cair
* furar: fazer amor
* se ligar: entender
* dar uns pega: fumar
* dar um rolê: passear
* rangar: comer
* cair pra dentro: entrar
* deschavar: destruir, matar
* trocar idéia: falar
* vazar: ir embora
* apagar: dormir
* (es)tar afim: estar apaixonado
* dar uns cato: namorar
* dar um migué: mentir
* curtir um som: ouvir música
* cair a casa ou ficar na água: dar-se mal em alguma coisa
* irado ou bem lôco: interessante
* uns truta ou uns camarada: uns amigos
* na área ou nas quebrada: no bairro
* cair pro litoral: ir ao Guarujá
* parada firmeza: alguma coisa legal

Por e-mail, através do meu cunhado, Felipe Albuquerque

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
11/12/2002 às 16h11

 
Mise en abime

Miguel de Cervantes levou dez anos para escrever a segunda parte de Don Quixote de La Mancha. Nestes dez anos, a primeira parte ficou famosa. De sorte que, quando o cavaleiro e seu fiel Sancho Panza retomam suas aventuras pelo mundo, é o mesmo mundo do primeiro volume mas com uma diferença importante: neste mundo existe um livro publicado e muito comentado sobre as aventuras de um certo fidalgo chamado Don Quixote de la Mancha e seu escudeiro, do qual o próprio Don Quixote, tornado famoso pelo livro, ouve falar, embora não chegue a ler. As alucinações do Don no primeiro volume tomam forma e o assolam de verdade no segundo, em grande parte porque, depois da publicação do primeiro volume, suas humilhações são esperadas, e provocadas, pelo público. E assim, como observou o escritor Martin Amis num comentário sobre a obra, o aristocrata enlouquecido pela literatura que se transforma no seu próprio personagem andante num mundo irreal, do primeiro volume, enfrenta uma realidade enlouquecida pela literatura, no segundo.

Como o próprio Cervantes, que quando escreveu o segundo volume já não era o mesmo escritor, era o mesmo escritor tocado pelo sucesso da primeira parte, portanto com outra relação com seu personagem - e com a realidade.

Acho que o Borges tem um conto sobre a impossibilidade de desenhar um mapa cem por cento fiel do mundo e dos seus habitantes, pois o último homem desenhado teria que fatalmente ser o desenhista fazendo o desenhista fazendo o desenhista fazendo o desenhista fazendo o desenhista...

Ainda o Pai das Cobras, no Estadão

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
11/12/2002 às 10h05

 
As Cobras

Durante as duas décadas em que foram desenhadas por Verissimo, as Cobras divagaram sobre a imensidão do universo, conversaram com Deus, participaram de eleições, montaram times de futebol, mas uma coisa nunca tinham feito: mover-se. Pois agora elas se movem, como provam as tiras animadas acessíveis nesta página (clique sobre cada uma das imagens e confira):

legenda

legenda

legenda

[Também no Portal Literal]

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
10/12/2002 às 17h16

 
Portal Literal

Cada qual vai para um quarto. Renê sabe que eu não gosto de promiscuidade. Eu vou para o quarto com o paulista. Sento num sofá. Ele também senta. Depois deita a cabeça no meu colo, diz que não está com vontade de fazer nada, "esses caras cismaram que eu hoje tinha que ir com uma garota pra cama, mas vamos só conversar, está OK?". Eu digo que está OK. Ele diz que não quer estragar as coisas. Eu digo que está bem. (Quero ir para o Zum Zum.) Passo a mão nos cabelos dele. "Eu não quero fazer isso", diz ele, tirando a roupa. Eu também tiro a roupa e nos deitamos, ele sempre dizendo que não quer, mas me papando assim mesmo.

Adivinha quem é, acabei de descobrir neste site

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
10/12/2002 às 16h58

 
Método

A preguiça resolve problemas. Quanto estou cheio de coisas pra fazer, deito no chão com um livro e fico assim durante dois ou três dias. De vez em quando paro pra ouvir Gilbert e Sullivan. Não falha: algumas coisas se resolveram sozinhas, outras chegaram a uma crise que já não precisa da minha intervenção, e quase sempre algum amigo meu, que havia pedido um favor, deixou de se considerar amigo meu, e portanto o favor não precisa mais ser feito. Tente, old boy.

Alexandre Soares Silva, no seu recém-inaugurado blog

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
9/12/2002 às 13h41

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quels Pères? Quels Fils?
Evelyne Sullerot
Fayard
(1992)



O Caçador de Pipas
Khaled Hosseini
Nova Fronteira
(2005)



Minorias Nacionais da China
Coleção Grande Muralha
Beijin
(1984)



Das Raízes
Luiz Fernando Valladares
Do Autor
(1990)



O Coração do Homem: Seu Gênio para o Bem e para o Mal
Erich From
Zahar



A Chave
Machado de Assis
Globus
(2009)



Seja Feliz sem Querer Controlar Tudo
Joe Caruso
Alegro
(2003)



40 Dias para Mudar o Mundo
David Jeremiah
Thomas Nelson Brasil



Desenho Técnico 1 801 Métodos
José Luiz de Oliveira e Outros
Tetra



O penitente
Isaac Bashevis Singer
L&Pm
(1998)





busca | avançada
62861 visitas/dia
1,9 milhão/mês