Autores & Ideias no Sesc-PR II | Digestivo Cultural

busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Fui pra Cuba
>>> Sobre o preço dos livros 1/2
>>> No altar do vento
>>> Hamlet... e considerações sobre mercado editorial
>>> Novos Melhores Blogs
>>> The Romantic Poets, by Kevin Mundy
>>> Mais pressão na caldeira
>>> Manual para revisores novatos
>>> É suave a noite
Mais Recentes
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Muito prazer fale português do Brasil de Glaucia Roberta Rocha Fernandes pela Disal (2021)
>>> O beijo e outras histórias de Antón Tchekhov pela Círculo do Livro
>>> Sob o Sol-Jaguar de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 2: Mais ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 1: A ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O Poder do Silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2016)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> O Toque de Midas de Colleen McCullough pela Bertrand Brasil (2007)
>>> O Comite da Morte de Noah Gordon pela Rocco (1996)
>>> La Bodega de Noah Gordon pela Rocco (2008)
>>> Xama a historia de um medico no seculo XIX de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rocco (1994)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rp (2021)
>>> O Fisico - A epopeia de um medico medieval de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Silencio dos Inocentes ( capa dura) de Thomas Harris pela Altaya Record (1989)
>>> Hannibal de Thomas Harris pela Record (1999)
>>> O Jardim de Ossos de Tess Gerritsen pela Record (2009)
>>> O Clube Mefisto de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Gestão Empresarial de Taylor aos Nossos Dias de Ademir Antonio Ferreira e Outros pela Pioneira (2000)
>>> O Dominador de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Pão Diário 15 de Vários Autores pela Rtm (2012)
>>> Cadernos da Pós-Graduação Cinema e Fotografia de Instituto de Artes Unicamp pela UniCamp (2006)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 20/8/2010
Autores & Ideias no Sesc-PR II

+ de 13100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

* (Começou aqui...) Foi "pauleira" a volta para São Paulo, com um jogo da seleção na sexta, 25 (contra Portugal) e outro na segunda, 28 (contra o Chile). Claro que estive on-line no Paraná, mas há sempre coisas para se resolver no escritório (de que a internet simplesmente não dá conta). Trabalhei, em resumo, na segunda, porque desembarquei na sexta à tarde e só consegui ir para casa (em meio ao trânsito da nossa vitória, chocha, contra Portugal).

Cascavel, 29/6, terça-feira — O acesso a Cascavel se dá por Curitiba. Segui para a capital do Paraná basicamente no primeiro horário. Assim, madruguei — só que fui mais esperto, dessa vez, com a mala. Segui o exemplo do Cardoso e não despachei bagagem, fiz check-in automático, em Congonhas. Encontrei meu colega de mesa na sala de espera, já em Curitiba, enquanto ele terminava um livro da Cosac Naify, que resenharia mais tarde.

* Pegamos um aviãozinho de hélice, mas o Cardoso achou o serviço de bordo melhor do que qualquer outro. O aeroporto de Cascavel me lembrou o de cidades pequenas na Bolívia e até no Marrocos. Era, praticamente, um corredor, onde a distância entre "desembarque" e "embarque" não era grande, de modo que o fluxo de pessoas podia se misturar. A delicada Lysiane Baldo, nossa anfitriã em Cascavel, chegou logo em seguida, no carro do Sesc-PR.

* O hotel, Harbor Self, era da mesma cadeia de Londrina — e oferecia a melhor conexão de internet em toda a viagem. Como o tempo — nas nossas cidades — havia sido escasso, tínhamos coisas a fazer on-line. Portanto, almoçamos cada um por sua conta, liberando, inclusive, a Lysiane. Me esbaldei com um filé à parmegiana, no restaurante quase deserto do hotel, enquanto Paraguai e Japão disputavam uma vaga nos pênaltis. Ainda deu tempo de escrever sobre "internet e ensaísmo" e de ver um pouco de Espanha e Portugal (#fail).


Ouça o áudio da nossa mesa no Sesc de Cascavel

* O Sesc propriamente dito era pequenininho, mas nos brindou com a plateia mais interativa da turnê paranaense. A mediadora, Vera Ferreira Leite, que acabou ficando nossa amiga, estava preocupada com as perguntas e pediu sugestões quanto ao direcionamento. Como o público não era tão numeroso, sugeri uma abertura, desde o começo, para as perguntas — e para tudo que as pessoas quisessem saber... Nos bastidores, igualmente, conheci a Tere Tavares, uma leitora fiel do Digestivo, comentadora de longa data, que, inclusive, trouxe seus comentários impressos para me mostrar. Adorei. E ganhei um livro dela (como se não bastasse, tínhamos um amigo em comum: o Erwin Maack).

* A Vera preparou uma apresentação minha em cima de dados que eu havia fornecido para uma coletânea de que participei anos atrás. Mais uma vez a "eternidade" da internet: os dados, sobre nós, nem sempre são os mais atualizados, mas, em pesquisas na rede, isso não fica muito claro. E, na hora de corrigir, é você "contra" a internet ;-(

* A provocação, da Vera — de que eu deveria publicar um livro —, acabou induzindo a escolha do assunto naquela noite: literatura. Escassas perguntas sobre internet e comunicação. As pessoas queriam saber, por exemplo, onde encontrar boas "referências" — já que "todo mundo" publica e existe cada vez menos gente disposta a "filtrar". Eu indiquei o Sérgio Rodrigues. Depois, queriam saber, também, porque a poesia era tão desprezada como gênero... Eu sugeri que talvez ela tivesse sido ofuscada pelas letras de canções de música popular. Aquela plateia só de interessados constantemente nos desafiava ;-)


Um registro incipiente da plateia (by Cardoso)

* A Lysiane e a Vera, depois do evento, nos levaram a uma choperia, onde comemos pizza, e o tema da conversa foi, de novo, relacionamentos. Como os papéis (de homens e mulheres) mudaram — e alguns se inverteram — etc. A Vera estava aliviada, passada a mediação, e se revelou bem articulada, falando de Bauman e dos tais "amores líquidos". Esqueci de dizer a ela que um dos textos mais longevos do Digestivo é justamente um, da Gioconda Bordon, resenhando esse livro. Depois vieram uma porção de outros volumes "líquidos" de Bauman, mas essa ideia do "amor" talvez justifique — mesmo — muitos comportamentos atuais, pós-fragmentação da vida, da personalidade... e, claro, dos relacionamentos.


Pato Branco, 30/6, quarta-feira — Para a última cidade da nossa turnê, seguimos de van, com motorista e tudo. Pato Branco não era longe de Cascavel, mas a viagem demorou, porque só havia uma pista, disponível, na estrada (a outra estava em obras). Já em Pato Branco, as pessoas confundiam o Sesc com o Sesi e demos algumas voltas no quarteirão. O Cardoso enviou um SMS para os Daniéis (Galera e Pellizzari), e eles responderam que haviam se perdido, igualmente, em Pato Branco.

* Quando o Sesc se revelou, contudo, foi o mais impressionante de todos. Era novo, tinha menos de um ano, e era enorme. Um estacionamento amplo, uma entrada com passarela, biblioteca convidativa, muitas salas, incrível anfiteatro, mais de um andar e, atrás, um ginásio coberto digno das Olimpíadas de 2016 (se o Rio não conseguir se aprontar...). O Daniel Momoli, nosso anfitrião em Pato Branco, era, como seus predecessores, afável, e nos levou para almoçar.


* O hotel, San Pietro, era mais central, como o de Maringá. O quarto me pareceu o mais bem planejado — pequeno, mas com tudo o que era necessário. Internet 100%, mais uma vez. Revisei e despachei, finalmente, meu texto sobre ensaísmo na Web. Em seguida, assisti a um documentário sobre o cinema de John Ford. Era tão bonito, com a narração de Orson Welles, que até chorei — lembrando da minha família ("família" é um valor importante para o cinema de Ford). Também forneciam depoimentos: Spielberg, Clint Eastwood, Scorsese, e atores como John Wayne e Maureen O'Hara. O roteiro era de Peter Bogdanovitch.

* Na volta para o Sesc, conhecemos o Neri Schneider, diretor dessa nova unidade de Pato Branco. Um veterano do Sesc da Esquina, muito simpático, que nos falou do desafio de atrair o público, atendendo a vários municípios próximos. Nossa mesa foi naquele "super anfiteatro", sendo que, no camarim, um verdadeiro banquete nos esperava. Não deu tempo de comer nem a metade, junto com o mediador, o Leo, pois Daniel já nos anunciava...


O camarim em registro do Cardoso

* Entramos um a um, como em Maringá. O auditório estava praticamente lotado e a maioria era "jovem", como em Londrina. Eu ficava pensando em como não entediar aqueles estudantes e procurava recordar o estudante que fui (na mesma idade). Tentei não ser muito técnico, mas um veterano de internet — escondido no meio dos colegiais — quase me corrigiu, quando comentei da Amazon apagando um título do Orwell no Kindle de alguns leitores...

* O sujeito havia lido o CardosOnline há quase uma década, citou o Spamzine, do Inagaki, e poderia ter subido no palco, tranquilamente, para discutir conosco. Jamais esperaríamos isso em Pato Branco (que imagináramos, erroneamente, ser o local menos "globalizado" que iríamos visitar). Graças a ele — de quem, infelizmente, não lembro o nome —, a juventude se soltou e começou a perguntar. Também alguns professores. Com essa participação, tivemos certeza de que o evento havia funcionado ;-)


Ouça o áudio da nossa mesa no Sesc de Pato Branco

* Encerramos a noite com um jantar num "pizza & grill", a convite do Daniel — embora não restasse muito de fome, após um camarim tão farto ;-) O dia seguinte foi da longa viagem de volta. Primeiro, para Cascavel. Depois, para Curitiba. Por fim, para São Paulo. E o Cardoso ainda teria de esperar, em São Paulo, para ir até Porto Alegre. Quase perdi o embarque em Curitiba (tive de implorar para fazer o check-in — o sistema havia caído...). No desespero de entrar no avião, quase não consegui dar um último abraço no Cardoso e desejar-lhe tudo de bom... E o Sesc foi, mais uma vez, impecável, pagando o nosso cachê no dia seguinte, sem atrasos ;-)


Postado por Julio Daio Borges
Em 20/8/2010 à 00h13


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Iggor Cavalera por André Barcinski de Julio Daio Borges
02. Unchained by Sophie Burrell de Julio Daio Borges
03. VTEX e Black & Decker sobre transformação digital de Julio Daio Borges
04. Ayssa de Julio Daio Borges
05. Privatiza, Presidente! de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/8/2010
15h53min
O veterano da internet de Pato Branco era eu mesmo. Realmente é o menos globalizado dos municipios paranaenses com o SESC. Muito boa a oportunidade de discutir com vocês.
[Leia outros Comentários de Noah Mera]
27/8/2010
11h52min
Temos muito a apreender na lide das palavras. Essa iniciativa do SESC/PR nos trouxe oportunidades imperdíveis de aprimorar e expandir horizontes.
[Leia outros Comentários de Tere Tavares]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia dos Mil Presentes
Betty Chateaubriand
Códex
(2003)



Vade Mecum Edição Especial 2014
Thomson Reuters/rt
Thomson Reuters/rt
(2014)



Elas Escrevem Contos, Crônicas e Poemas
Hanna Liis-baxter
Andross
(2010)



A Moreninha - Serie Bom Livro
Joaquim Manuel de Macedo
Atica
(1993)



É Dando Que Se Recebe
Carlos Eduardo Novaes
Ática
(1994)



Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futur
Humberto Mariotti
Atlas
(1999)



Ser Protagonista Química 2ºano Ensino Medio
Julio Cesar Foschini Lisboa
Sm Didático
(2014)



Redimidos - da Miséria, da Enfermidade e da Morte
Kenneth E. Hagin
Graça Editorial
(2004)



El Acero En La Construccion
Jose Pinos Calvet
Reverte
(1969)



Grammar Practice 1 a Complete Grammar Workout For Teen Students
Herbert Puchta
Helbling
(2012)





busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês