Profissão sem fé | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quarta-feira, 28/11/2001
Profissão sem fé
Daniela Sandler

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Você tem às vezes o desejo de falar com o autor de um livro ou filme favorito (ou odiado)? Eu, quando mais nova, em vez de me apaixonar por galãs de cinema, me apaixonava pelos diretores. Queria encontrar todos eles. Quantas vezes não me remoí de raiva por ter nascido oitenta anos depois do necessário para ter tido ao menos a chance remota - mas possível - de cruzar o caminho deste ou daquele escritor?

O curioso é que descobri um insuspeitado pudor quando tive a chance de dialogar tête-a-tête (ou quase) com o diretor de um filme que me impressionou. Curioso... ou nem tanto. Essa coisa de pôr autor e obra juntos à disposição do público não é tão simples assim, ainda mais nesses tempos de maratonas promocionais e tudo-é-mercadoria em que vivemos.

No dia 17 último, Peter Bogdanovich (diretor de A Última Sessão de Cinema) veio a Rochester apresentar seu filme mais recente, The Cat's Meow. Fez a introdução; o filme foi exibido; e depois o diretor respondeu a perguntas da platéia.

Bruno Weiszflog

O filme, incidentalmente, tem a ver com muitos temas que me perseguem atualmente, em minhas pesquisas. Daí que me fez pensar sem parar, ainda que imersa naquele estado semi-hipnótico que os filmes provocam; durante e depois do filme minha cabeça pipocava com perguntas e idéias. Mas, quando o diretor subiu ao palco, fiquei muda. A platéia e o curador da cinemateca dispararam as questões de costume: o porquê deste ou daquele recurso estético; curiosidades de bastidores; esclarecimentos técnicos; motivações pessoais; perguntas sobre outras obras (ainda mais agora que Bogdanovich tem fama adicional como ator - interpreta um psiquiatra na série The Sopranos, hit da HBO).

Armada com minhas questões, ao ver o diretor sobre a cadeira iluminada, de repente achei que teria o poder de expor, desvelar, despir com meus comentários. Esse momento "peep-show" foi rápido, perdeu-se nas perguntas mundanas que se seguiram, mas foi o suficiente para me calar.

Na minha breve experiência como repórter, lembro-me de entrevistas coletivas, nós os jornalistas subindo uns em cima dos outros para fazer nossa pergunta chegar ao centro da atenção: ganha quem grita mais alto, não há tempo para questões inteligentes, ninguém tem pruridos. Nem eu tinha, com a usual adrenalina de foca, repetindo a mim mesma que repórter tem licença para ser chato. Uma vez fiz uma pergunta que tirou do sério um político conhecido por sua fleuma impenetrável. À época, orgulhei-me do feito heróico. Hoje, a lembrança exemplifica meu pudor presente.

Claro, há perguntas e perguntas. Há as tais meras curiosidades, há os fatos inconseqüentes; há as perguntas-plataforma, para fazer o entrevistado brilhar; as mal-intencionadas, para fazê-lo afundar (o que no fim dá no mesmo, em espírito); as vaidosas, para fazer brilhar o inquisidor. Não é dessas que falo; ou melhor, não são essas as minhas perguntas.

Diálogo

Por mais que gostasse de saber por que o diretor escolheu determinada atriz ou locação, ou de esclarecer passagens obscuras, ou de descobrir a "moral" da história, não é esse tipo de inquérito que me parece valioso quando se tem a chance de um contato com o artista. Mesmo porque as decisões são muitas vezes circunstanciais, aleatórias ou compulsórias; e quanto à "moral" da história, nada garante ser o autor a autoridade interpretativa. O que me encanta nesse contato é a chance de conhecer a pessoa que criou, nem que seja para me decepcionar; de conversar sobre a obra, sim, talvez até mesmo discutir significados, mas para avançar o entendimento, criar um novo diálogo, e não simplesmente verificar ou testar interpretações.

Criar um novo diálogo, no entanto, é arriscar o novo, falas inesperadas; é rasgar o roteiro de respostas-prontas, respostas-fáceis - pensar junto, talvez. Nada menos parecido com o espetáculo usual do diretor que acompanha seu filme (não haveria de ser o contrário?). Pois, como mencionei acima, nossos tempos são de maratonas promocionais, por mais sofisticadas ou desinteressadas que pareçam. Ainda que eu tenha visto o filme numa cinemateca, instituição não-lucrativa; ainda que o lançamento comercial esteja previsto para daqui a quatro meses, tempo longínquo em termos publicitários; ainda que nós naquela platéia compartilhássemos a pose de "amantes da arte" (resistindo bravamente aos cineplex), não consigo me livrar da impressão de que o diretor estava lá para "promover o filme", talvez menos por interesse e mais por piloto-automático.

Ingenuidade

Afinal, o que me impressionou, de cara, quando Bogdanovich fez sua aparição, foi a cancha, o jogo-de-cintura, a desenvoltura com que se colocou e falou em público. Das piadas à empostação de voz, da empatia imediata à naturalidade, tudo me fez pensar na forja do contato contínuo com mídia e público e do trabalho um tanto "fantasioso" de diretor e ator. Ele nos entreteve de modo natural, eficiente: de um lado, comportamento adquirido por hábito, costume; de outro, passos ensaiados, aperfeiçoados pela repetição - como as imitações de Orson Welles e John Huston.

Meu desconforto vem em parte do fato de que uma "conversa" com o público contém a promessa do contato espontâneo, não-planejado - o diretor de cara-limpa, por assim dizer. Vindo dos bastidores, como se a artificialidade fosse parte apenas da produção da obra, e como se a representação fosse privilégio dos atores.

Lembrei-me de outros diretores que vi apresentando filmes, e de como eu havia tido a mesma impressão: com variações individuais, a mesma sensação de facilidade excessiva no contato com o público - esse bando de gente estranha, afinal, essa pequena multidão desconhecida.

Ainda que essa facilidade seja talvez inevitável com o passar do tempo - desejável, claro, pois quem agüentaria passar a vida sofrendo de ansiedade, rubor e sudorese como se toda vez fosse a primeira -, de uma certa forma me fez sentir roubada da presença do autor. Que ilusão, achar que o artista iria se expor inteiro, diretamente, ingenuamente! Que a performance seria mais que uma missa de corpo presente...

A proximidade aparente que parece emanar dessa naturalidade é para mim o maior sinal da distância, ainda que eu tente me convencer de que minhas perguntas, de algum modo, poderiam cortar a fachada, desvelar, como eu queria. Ingênua sou eu, com meus pudores, em face de tanto profissionalismo...



Daniela Sandler
Riverside, 28/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cabelo, cabeleira de Luís Fernando Amâncio
02. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
03. Fragmentos de Leituras e Sentido de Ricardo de Mattos
04. Ação Social de Ricardo de Mattos
05. O Medium e o retorno do conteúdo de Julio Daio Borges


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/11/2001
08h01min
Consegui fazer meus e.mails chegarem até vocês, finalmente. Acho que, para perder esse "branco" que dá nessas situações, é necessário saber tudo antes. Por isso, a impressão de falta de expontaneidade. Aí a gente chega à conclusão de que não é impressão, é fato. E isso acaba nos constrangendo mais ainda, pois nos faz perder a crença em algo que não conseguimos definir direito. Inocência? Ilusão sobre alguém, algum assunto? Vai saber! Da minha parte, adoro "discutir" com textos, meus livros e revistas ficam todos "conversados" pelos cantos das páginas, com grifos e exclamações. Mas, sabe porque nunca enviei minhas considerações para autor nenhum? Medo. Medo puro. Bobagem? Não. A desilusão é muito cruel. Prefiro não ouvir respostas bobas, que não têm nada a ver com as perguntas, quando aí a decepção é com o autor. Também prefiro não ouvir uma resposta que deixe evidente minha incapacidade diante do tema, e aí a decepção é comigo mesma. De qualquer modo, é cruel, muito cruel. E não é sempre que "baixa" o Dom Quixote no ombro, não é mesmo? Abraços, sempre. Sonia Pereira
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escutando Sentimentos - 1ª Edição
Wanderley Oliveira & Ermance Dufaux
Dufaux
(2006)



Ricardo iii
William Shakespeare; Luiz Antônio Aguiar
L&pm Editores
(2007)



Pecados Sagrados
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2009)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Prólogos - Com um Prólogo dos Prólogos
Jorge Luis Borges
Rocco
(1985)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Ainda Existe Esperança. a Solução para os Problemas da Vida
Enrique Chaij
Casa
(2010)



Sistema Gastroenterologico
Guia Didatico
Peprazol



Manual de Fisica
Dcl
Dcl
(2007)



Reparando Erros de Vidas Passadas
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(2004)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês