Mário Faustino | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 16/6/2003
Mário Faustino
Alessandro Silva

+ de 3500 Acessos

Não é exagero o que vou dizer: dar um livro aos poemas do Mário Faustino é degradação moral.

Mas a Companhia das Letras publica; e sabe-se de que não é capaz um bom nome envolto em clorofórmio.

Durante a leitura de "Homem e Sua Hora" era como se uma chuva de granizo espocasse sem parar; também não há harmonia.

Mesmo relendo "O Homem e Sua Hora" não podemos ouvir a voz do autor. Cacoetes sim; desvios abruptos de pensamento para uma matéria poética cinzenta. Canhestramente, vozes mais antigas se metem na matéria: podemos sim ouvir algo dos versos de Rilke ou T.S. Eliot como traduzidos à época.

Faustino era um sujeito obcecado pela linguagem; deveria ter sido lingüista.

É uma necessidade que tem os faltos de talento explicarem-se o tempo todo.

Se a qualidade poética de uma obra segundo Paul Valèry deve ser medida pela distância que separa a intenção do projeto acabado, Mário Faustino foi convocado para a partida decisiva em caráter emergencial, entrou no segundo tempo faltando vinte minutos para o encerramento do jogo e saiu contundido antes do final.

Aliás, onde estão os personagens de Mário Faustino? Onde a eloqüência de seus objetos?

O talento natural é fascinante. Um desses garotos retardados de oitava série que se levasse um pouco a sério faria poesia de melhor qualidade que a de Mário Faustino.

Verbalismo é pouco para acusar algo que depois de duas horas de atenção dedicada não te deixa sequer uma imagem memorável. Tudo no livro é tão abstrato quanto agarrar nuvens. A propósito, será que é a coisas desse tipo que devemos aplicar o termo pós-moderno?

O desvelamento exigido para se ser autêntico passa longe do Faustino; nem sombra dos fantasmas que o assombravam; tudo muito bem mascarado e devidamente envernizado em suas reações. Exemplo? Vide o poema "Fidel, Fidel": uma vergonhosa espécie de ode tecida em honra ao coronel cujas palavras opacas caem-lhe como confetes estúpidos.

No caso de Faustino, é para se perguntar: será que a erudição emburrece?

Ele flertava com a poesia concreta. Em uma de suas cartas referiu-se a ela como "radical". Naturalmente aquilo que chamou de radical, os homens normais chamam de fraco ou de embróglio. Se uma poesia deve encantar por sua disposição gráfica no papel, então podemos nos apaixonar até por pneus!

Crime e castigo: lia Ezra Pound; queria encontar uma linguagem mais "direta"; tornou-se um metafísico.

É fácil compreender porque Mário Faustino tinha que respeitar seu lado funcionário, nunca dando o passo decisivo para se livrar do ranço burocrático que o envolvia ( enquanto teve condições para tal ): sem dúvida que sua sina era servir ao Estado.

Racionalizou tanto que fez poesia positivista!

Engraçado pensar que um homem que se considera poeta e crítico de poesia, e que tenha lido Baudelaire, Rimbaud, Yeats e T.S.Eliot tenha sido incapaz de nos deixar a descrição de uma simples faxineira.

Quanto a seu "Agon" em relação aos outros literatos consagrados, é uma pena, não passou de admiração servil. A admiração faz mal ao caráter: além de tornar estéril um artista.

Era tão os outros que nunca foi capaz de decantar a sua visão.

E as editoras ainda publicam nomes. Parecem-se até com clubes de futebol!

"Ora, interessa-me criar uma linguagem nova, mais eficaz que a atualmente em uso ( com raras exceções ), para usá-la no dramático, no épico e no lírico..."

Criou, caro Faustino, criou: uma torre de palavras soltas sem argamassa.

Pior que o poeta Mário Faustino só a pintora Frida Kahlo.

E durante um tempo deu as cartas como editor do suplemento de cultura do Jornal do Brasil lá pelos 1950. Não ousou publicar ali seus poemas. Sustenta-se que não fazia parte de seu código de ética; sustentamos que fazia parte de seu bom senso: afinal, até hoje sua obra está "aberta".

Tinha meios para sustentar-se enquanto artista: fracassou. Houvesse lhe faltado tempo, obrigando-se a escrever no banheiro de uma fábrica, então teria criado obra de valor, pois teria sempre em mente a brevidade e a simplicidade. Abençoado seja o infortúnio!

Poesia-experiência... oficina de poesia... menstruação verbal...

Que Deus o tenha, Mário Faustino, porque o inferno é grato aos poetas.

Para ir além





Alessandro Silva
São Paulo, 16/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poesia vira imagem: Ronald Polito e Guto Lacaz de Jardel Dias Cavalcanti
02. As noites insanas de Zizi Possi de Márcio Seidenberg


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JUÍZO FINAL
SIDNEY SHELDON
RECORD
(1992)
R$ 28,50



VINTE MIL LÉGUAS SUBMARINAS
JÚLIO VERNE
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 18,00



ENCICLOPÉDIA PRÁTICA JACKSON VOLUME 1
W. M. JACKSON EDITORA
W. M. JACKSON
(1956)
R$ 6,90



AS BASES FARMACOLÓGICAS DA TERAPÈUTICA
GOODMAN E GILMAN
MCGRAW HILL
(1996)
R$ 81,90



IMPASSE DA POLTICA URBANA NO BRASIL, O - 3ª EDIÇÃO
ERMINA MARICATO
VOZES
(2014)
R$ 48,95



REVISTAS "DINHEIRO & DIREITOS" ° 44; 48; 49
VÁRIOS
PROTESTE
(2014)
R$ 27,00



PROBLEMAS TERAPÊUTICOS CLÍNICA MÉDICA DA AMÉRICA DO NORTE,
HENRY E. ZELLMAN
GUANABARA KOOGAN
(1972)
R$ 16,75



CONQUISTA - ENSINO FUNDAMENTAL 4º ANO - EMPREENDEDORISMO E EDUCAÇÃO FINANCEIRA - VOLUME ANUAL
CONQUISTA
POSITIVO
(2016)
R$ 25,00



SOB OS SIGNOS DE AGORA VOL 13 OBRA COMPLETAS
VITORINO NEMÉSIO
IMPRENSA NACIONAL
(1995)
R$ 26,80



GEOGRAFIA E ATLAS ILUSTRADO DELTA - VOL. 06
VÁRIOS AUTORES
DELTA
(1964)
R$ 6,90





busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês