A fotografia cínica de Maurícius Farina | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
53430 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
>>> O Pequeno Príncipe in Concert
>>> Estreia da Orquestra Jovem Musicarium ocorre nesta quarta, dia 21, com apresentação gratuita
>>> Banda Yahoo se apresenta na Blue Note SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como ser um Medina
>>> Máfia do Dendê
>>> But I like it
>>> Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> O tamanho do balde
>>> Baratas
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O dilúvio informacional, segundo a Economist
>>> Bruta manutenção urbana
Mais Recentes
>>> A arte de se tornar de Gennady Basin pela Madras (2003)
>>> Nhac de Canizales pela Telos (2017)
>>> Melusina de Ana Maria Machado pela Atica (2000)
>>> No Tempo em que a Televisão Mandava no Carlinhos de Ruth Rocha pela Ftd (2000)
>>> Lá é Aqui de Rogério Borges pela Positivo (2008)
>>> A Palavra, O Que É? de Luis Pimentel, Ionit Zilberman pela Positivo (2020)
>>> Volta Muriqui de Raquel Ribeiro pela Mib (2022)
>>> O Fantástico Misterio De Feiurinha de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> Adormeceu a margarida? de Maria Heloísa Penteado pela Atual (2000)
>>> Juca Jabuti de Lessa Origenes pela Moderna (2002)
>>> Nós de Eva Furnari pela Moderna (2015)
>>> Drufs de Eva Furnari pela Moderna (2019)
>>> A Biblia da Aromaterapia de Gill Farrer-Halls pela Pensamento (2015)
>>> Yoga Para Nervosos de Hermógenes pela Nova era (1998)
>>> As sete leis do dinheiro de Michael Phillips pela Madras (1999)
>>> Direito Civil Brasileiro 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2010)
>>> Vidas e vindas dos ciganos espirituais de Elizabeth da Cigana Núbia pela Madras (2015)
>>> A Bíblia dos Chakras de Patricia Mercier pela Pensamento (2017)
>>> Taro Das Bruxas de Andre Mantovanni pela Madras (2004)
>>> Ideia Maluca de Cecilia Vasconcelos pela Nova Fronteira - Grupo Ediouro - Paradidatico (2014)
>>> Livro Astronomia os Caçadores de Vênus a Corrida para Medir o Céu de Andrea Wulf pela Paz e Terra (2012)
>>> O Texto sem Mistério de Norma Seltzer Goldstein pela Atica (2009)
>>> Mais esperto que o Diabo de Napoleon Hill pela Citadel (2017)
>>> Introdução ao Teste de Software de Márcio Eduardo Delamaro, José Carlos Maldonado pela Elsevier (2007)
>>> A jornada da alma livro do futuro de M. Nilsa pela Jca e Mna (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 22/9/2003
A fotografia cínica de Maurícius Farina
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 9600 Acessos
+ 6 Comentário(s)

A Galeria de Arte da Unicamp, em Campinas, mostra desde o dia 9 de setembro a corrosiva exposição "Fotografia Cínica", com os trabalhos do fotógrafo e jornalista Maurícius Farina. A Exposição poderá ser vista até o dia 3 de outubro.

Trata-se de um conjunto de 22 fotografias coloridas que serviram como objeto da tese de doutorado do artista, na ECA-USP, defendida início deste ano.

A última exposição individual de Farina foi realizada no Paço das Artes, em abril, em São Paulo. Com esta nova exposição Farina se propõe a criticar o sistema ideológico onde imperam os fetiches pelas mercadorias e pelo consumo, já tão entranhados em nossa cultura que parecem naturais.

Três fotos chamam a atenção para desvelar a aparente e/ou falsa naturalidade destes empreendimentos ideológicos: "Cristo no saco", "Conhecida por todos" e "A Bola".

No primeiro caso, "Cristo no saco", encontra-se fotografado um crucifixo, destes vendidos em mercados populares, guardado dentro de um saco plástico do supermercado Pão de Açucar. Não podemos deixar de pensar imediatamente no aspecto comercial das religiões na sociedade contemporânea (será que sempre foi assim?). Para além de um guia da experiência místico-religiosa, o que observamos nas igrejas é sua constituição enquanto empresa arrecadadora de bens monetários através das doações dos fiéis e enquanto empresa produtora de bens de consumo mercadológico (santinhos, crucifixos, bíblias, revistas, pulseirinhas, etc.)

Mas "Cristo no saco" vai mais além na sua crítica. A obra avança nos falando da sacralização do consumo e do êxtase por ele produzido em pessoas que têm uma vida absurdamente vazia e que encontram apenas no ato de consumir uma satisfação existêncial e espiritual.

No segundo caso, na foto denominada "Conhecida por todos", onde uma gilete aparece cravada na metade de uma maçã, fazendo uma referência ao orgão genital feminino, é o sexo que aparece como a grande mercadoria. A frase estampada na gillete é que dá título à foto e ajuda a explicitar o entendimento. Aqui critica-se as empresas comerciais que usam e abusam da imagem do corpo da mulher, principalmente das bundas lustradas, siliconizadas e exaustivamente fotografadas para venderem seus produtos, reduzindo a mulher, numa perspectiva machista, a um pedaço saliente de carne - no caso, as partes "eróticas" do seu corpo.

No terceiro caso, que comentaremos com um pouco mais de demora, na obra "A Bola", Farina propõe uma alegoria do fracasso da nação brasileira. A foto em close de uma bola de futebol nova, murcha, sobre um tom de verde démodé que toma todo o fundo da fotografia: eis a obra "A Bola".

A bola, como todos sabemos, é um dos principais elementos do jogo de futebol. E o futebol, como também sabemos, constitui o mais importante e tipicamente “esporte nacional”. Toda criança brasileira, diz-se por aqui, “já nasce com a bola no pé”. Se nós temos alguma realeza, ela se deve ao “Rei Pelé”, que é o maior jogador de futebol do mundo. Quando a seleção brasileira joga, o país todo se une “em uma só voz”. Durante o Regime Militar o toque épico das imagens do futebol brasileiro apresentadas pela imprensa colocava este esporte como um dos traços da grandeza brasileira. Como dizia o general Ernesto Geisel (1975), o futebol é a “expressão deste povo generoso e ordeiro, compreensivo, tranqüilo e bom”. A bola de futebol representa o anseio que temos do Brasil ser um país vencedor. Um país que, apesar da miséria, consegue com o futebol derrotar as nações mais avançadas do mundo. Por trás dessa idéia vende-se a ilusão da Potência Emergente, que consegue ser a primeira no futebol, apesar de ser uma das últimas em justiça social.

É notável a importância que os criadores da opinião pública atribuem ao futebol, criando um consenso popular sobre a suposta habilidade do brasileiro com a bola. Chegando a encontrar nessa “nossa ginga” e “nossa arte” (o jeitinho brasileiro), em oposição à “técnica” dos jogadores do primeiro mundo, uma qualidade e/ou característica generalista da definição da figura do “brasileiro”. A preocupação com esse tipo de “identidade” e a busca dessa “singularidade” através do futebol é, portanto, visível e tornou-se signo de nossa suprema virtude e originalidade, quando na verdade revela nossa incapacidade para lidar com o profissionalismo. Mesmo assim, nos achamos um “povo heróico” e especial, formado por “três raças irmãs”, ainda que uma delas tenha escravizado e barbarizado as outras duas.

Existe um sumário clássico das razões para esse otimismo brasileiro: clima ameno, ausência de calamidades, tamanho do território, beleza e riquezas naturais, harmonia racial. Essas características nos fazem pensar também na inevitabilidade do nosso sucesso no futebol. A força desta crença, no entanto, configura-se como um imaginário difícil de ser abalado. Por isso, talvez, seja tão doloroso contemplar esta bola murcha apresentada por Farina, que esmigalha nosso símbolo mais importante, o futebol, que é uma das razões pelo qual devemos sentir forte sentimento de orgulho patriótico pelo Brasil.

O futebol aparece para os brasileiros como valor ou símbolo da singularidade da “cultura nacional” ou, para ser mais certeiro, a própria “alma da nação”. Por isso, com sua bola Farina faz alusão a duas imagens que remetem ao Brasil: seu mapa, que quase se desenha com a bola sendo amassada no lado esquerdo e a bandeira nacional, um pano verde com um círculo ao centro.

A Bola de Farina é um objeto cínico-icônico que revela e destroça a imagem da nação brasileira como presente de Deus (secas nordestinas, endemias, fome, miséria e prostituição infantil), como povo pacífico (genocídio da população indígena, escravidão negra, extermínio físico e psíquico de trabalhadores, mortes violentas pela posse da terra), como país da democracia racial (discriminação contra os negros, árabes e asiáticos comerciantes).

O verde, símbolo de nossas grandes florestas, esmaece-se na foto de Farina - melhor dizendo, degrada-se. Serve ainda para ampliar a presença visual da bola, brilhante por ser nova e murcha em sua desfuncionalidade e inutilidade (afinal, para que serve uma bola murcha?).

A sombra da bola, que um fotógrafo comercial jamais deixaria existir, na obra de Farina transforma-se numa desdenhosa auto-ironização da própria operação artística enquanto fotografia de qualidade. E alegoricamente nos faz pensar um pouco mais na incapacidade do nosso país em realizar qualquer projeto de qualidade profissional.

A Bola de Maurícius Farina, nova, porém murcha, sintetiza bem o que diz a canção de Caetano Veloso: “aqui tudo é construção e já é ruína”.

Além destas três obras, podem ser apreciadas mais 19 fotos na exposição "Fotografia Cínica". Imperdível.

Para ir além

www.iar.unicamp.br/galeria/m_farina/


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 22/9/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
03. Correio de Elisa Andrade Buzzo
04. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. A paixão pela arte: entrevista com Jorge Coli - 21/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/9/2003
08h25min
oi jardel, adorei seu texto. que bom poder encontrar informações sobre novos artistas. o Maurícius conseguiu fazer uma grande reflexão sobre vários problemas da atualidade, sem cair no realismo vulgar e apelativo. nos faz pensar com imagens contundentes, críticas e ao mesmo tempo artisticamente maravilhosas. os dois merecem um aplauso: viva! abraço, claudia
[Leia outros Comentários de claudia]
26/9/2003
17h53min
Claudia, obrigado pela leitura. aproveite sempre o digestivo todo - vale a pena! abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
13/10/2003
10h35min
Mais q interessante esta materia assinada pelo sr. Jardel! Fui aluno do prof e jornalista Mauricius! Um cara com uma mente arrojada e de perfil multilateral! Suas cronicas visuais merecem meu aplauso ouçam: clap clap clap clap clap clap clap clap! Jorge Lins Torres :)
[Leia outros Comentários de Jorge Lins Torres]
21/10/2003
14h22min
Não poderia passar por aqui sem parabenizar os excelentes trabalhos apresentados de forma brilhante por você Jardel. Também fui aluno do Maurícius e devo a ele uma nova leitura dos meus trabalhos também. Abraços!
[Leia outros Comentários de Fabio Montone]
21/10/2003
14h39min
a sombra da bola é proposital... e a sombra das outras fotos? um fotógrafo comercial permitiria?
[Leia outros Comentários de Flávia Carvalho]
1/9/2011
14h30min
Excelente texto Jardel e excelente o trabalho do Farina. Abraço.
[Leia outros Comentários de Rebeca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Holding Out: The German Army And Operational Command In 1917
Tony Cowan
Cambridge University Press
(2023)



O sol é para todos
Harper Lee
Civilização Brasileira
(1963)



A Espiral da Vida
Joanne Wickenburg
Ágora
(1990)



Revista Quatro Rodas Ano 28 nº6
Editora Abril
Abril
(1988)



Quem aprende enriquece
Napoleon Hill
CDG Grupo Editorial



A Bandeira dos Sonhos
Marcio Mendese Rogério Bassetto
Clube de Leitores
(2015)



Livro Literatura Estrangeira O Recurso
John Grisham
Rocco
(2008)



Ensinamentos Islâmicos
Sheikh Taleb Hussein Al Khazraji
Centro Islâmico do Brasil
(2008)



Personagens Encantados II 493
Ingrid Biesemeyer Bellinghausen
DcL
(2006)



Como a Hipnose Pode Ajudar Voce
Dr Arthur S. Freese
Pensamento
(1989)





busca | avançada
53430 visitas/dia
1,8 milhão/mês