A internet não é nada | Fernand Alphen | Digestivo Cultural

busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mário Botas ou o Regresso de Narciso
>>> Pronétaires, unissez-vous!
>>> O mapa da África
>>> Tem café?
>>> Dois anos de Cinema Independente
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> O comércio
>>> Isto é para quando você vier
>>> A vez dos veteranos
>>> A morte e a morte de jorge amado
Mais Recentes
>>> Mengele- A historia completa do Anjo da Morte de Auschwitz - Biografia de Gerald L. Posner e John Ware pela Cultrix (2019)
>>> Poesia Que Transforma - Poesia de Braulio Bessa pela Sextante (2018)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (2007)
>>> Um Caso Perdido (hopeless) de Colleen Hoover pela Galera (2014)
>>> O Vale dos Anjos de Leandro Schulai pela Novo Seculo (2010)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini; Claudio Carina pela Globo Livros (2013)
>>> Maria de Rodrigo Alvarez pela Globo Antigo (2015)
>>> Aprendendo a Ser Pai Em Dez Lições de Valdir Reginato pela Paulinas (2004)
>>> Satori Em Paris de Jack Kerouac pela L&pm Editores (2010)
>>> James Bond in License Renewed de Ian Flemings pela New York (1987)
>>> Dia a Dia - Reflexoes (livro de Bolso) de Ricky Medeiros pela Mundo Maior (2011)
>>> Gotas de Animo para Descobrir as Coisas Simples da Vida de Margot Velez de Pava pela Paulinas (2004)
>>> Felicidade Em Poucas Palavras de Andrew Matthews pela Sextante (2008)
>>> Der Mann Mit Den Messern de Heinrich Böll pela Erzählungen
>>> Persuasão (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2018)
>>> A Abadia de Northanger (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2017)
>>> Razão e Sentimento (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2017)
>>> Orgulho e Preconceito (pocket) de Jane Austen pela L&pm (2019)
>>> O Tripulante de Aeronaves e a Radiação Ionizante de Cmte. Amilton Camillo Ruas pela Bianch (2017)
>>> Précis de Thérapeutique et de Pharmacologie de A. Richaud pela Masson (1914)
>>> A Virgem Nossa Senhora de Federico Suárez pela Quadrante (2003)
>>> Hospital dos Médiuns de Carlos A. Baccelli pela Leepp (2007)
>>> O Lobo do Mar - Coleção Obra-prima de Cada Autor de Jack London pela Martin Claret
>>> Ghostgirl de Tonya Hurley pela Agir (2011)
>>> Mecanismos de Mediunidade de Chico Xavier pela Feb
COLUNAS

Sexta-feira, 24/10/2003
A internet não é nada
Fernand Alphen

+ de 4100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Existem as forças da inércia e as forças forçadas. Existem as forças sanitárias e as forças travestidas. Há ainda as forças répteis e as forças córticas. E, no duelo, sempre vencem as primeiras, as forças mais fortes que a vontade.

É assim com essa coisa que, por falta de qualificação causal, menos fenomenológica, chamamos de internet.

E precisamente porque é da natureza dos humanos ser incapaz de entender as causas, é que tratamos da forma a despeito de buscar suas origens. É exatamente porque somos drogados pelas aparências que deslizamos na superfície. Afinal de contas, uma onda não faz uma maré. Um raio não ilumina a noite.

A internet não é grande coisa mesmo. É apenas uma estrutura. Mas o que essa estrutura revela? Seríamos capazes de entender a intenção ou a força por detrás dela?

Então achamos que, ao povoar a estrutura de objetos e idéias, somos capazes de materializá-la. Achamos que, ao rechear a rede de sites, justificando torpemente suas existências através dos mais variados argumentos viscerais ou projetivos, estamos entendendo sua força real.

A internet não é nada, se não entendermos quais são os desejos, as fantasias, os sonhos da sociedade e dos humanos. A internet é somente um laboratório. Mas podemos aprender com ele sem hipóteses, dogmas ou ideologias?

Tantas iniciativas lindas ou ridículas dão com os chifres na rede. Qualquer pessoa que conviva minimamente com essa tal de internet pode enumerar uma quantidade assustadora de sites que sumiram. E muitas vezes parece uma injustiça ou encontramos razões financeiras, de estratégia, de metodologia, de postura, de sei-lá-mais-o-quê, para explicar por que esse ou aquele site não existe mais.

Pois para mim a internet não é nada, se não entendermos que as pessoas estão aprisionadas, sem conforto, numa estrutura que as tolhe, numa ordem que as oprime. A internet não é nada, se não enxergarmos que as sociedades estão em colapso, à beira do abismo. A internet não é nada, se não sacarmos que não há mais razões para os agrupamentos, não há mais vontade de massificar-se. A internet é uma idéia malograda, se não admitirmos que o velho está moribundo.

Mas é justamente porque percebemos, consciente ou inconscientemente, o desmoronamento da sociedade de consumo massificada, pasteurizada, supérflua e idiotizante que a internet é nossa única bandeira.

Se sentirmos isso, lá dentro de nós, iremos reconstruir o mundo. Caso contrário, iremos reproduzir, ad aeternum, fórmulas e modelos caducos.

Quais são os reais sucessos da internet? Os de verdade, ou seja, não aqueles que dão dinheiro fácil ou difícil, não aqueles que fazem barulho ou criam polêmica, muito menos aqueles gigantescos cemitérios de bits que sobrevivem a custo de malabarismos aritméticos. Estou falando daquelas idéias que fazem as pessoas usarem sem estímulo externo, sem artifícios de posicionamentos bem-nascidos, sem promoções, sem promessas falsas ou reais.

O e-mail? O chat? O blog? A videoconferência? O instant messenger? As páginas pessoais? O marketing incidental? Os spams (sim, claro, os spams são um sucesso)? Que mais? Sei lá. Não achei nenhum outro verdadeiro sucesso.

A internet não é uma mídia de massa e tampouco é uma mídia um para um. A internet não é o correio e muito menos o telefone. A internet não é um shopping center, nem um jornal, nem uma TV, nem um parque de diversões. Se for só isso, não precisamos dela.

Pois a internet é tão-somente uma plataforma de expressão dos humanos. Qualquer iniciativa que pretender, de forma artificial, limitá-lo, enquadrá-lo, agrupá-lo e principalmente calá-lo é pequena e efêmera.

Nota do Editor
Fernand Alphen é diretor de criação da agência F/Nazca S&S, e o texto acima foi originalmente publicado na revista eletrônica Webinsider, comandada por Vicente Tardin.

Vale informar que, durante o mês de novembro, o Webinsider promove, junto à Faculdade Cásper Líbero, um ciclo de Workshops. Serão 12 (doze) módulos elaborados pelo editor e pelos colunistas do site.



Fernand Alphen
São Paulo, 24/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pais e filhos, maridos e esposas II de Fabrício Carpinejar
02. Mônica e Cebolinha na Pinacoteca do Estado de Marina Marcondes Machado


Mais Fernand Alphen
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/10/2003
03h11min
Clap clap clap.
[Leia outros Comentários de Marco Toledo Bastos]
4/11/2003
18h04min
Tudo se restringe a uma palavra: conteúdo. Este artigo demonstra bem isso, afinal é um especialista em WEB que está falando. Ou seja, não há ressentimentos. Se não tem razão de ser, entâo pra que se expressar. Toda essa avalanche de informações inúteis e recursos de computação em sites deve-se a voracidade do mercado que quer vender idéias (leia-se produtos) e "comprar" cada vez mais mentes.
[Leia outros Comentários de Izabela Pires Raposo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Vida Positiva Em um Mundo Negativo
Neil Eskelin
Vida
(1981)



Novo Testamento
Edições Loyola
Loyola
(1979)



Conecte Matemática 1- Box Completo - 3 Livros
Gelson Iezzi e Outros
Saraiva
(2014)



Concreto Armado Eu Te Amo: para Arquitetos - 2ª Edição - Revista e ...
Manoel Henrique Campos Botelho
Blucher
(2011)



A Ditadura dos Cartéis: Anatomia de um Subdesenvolvimento
Kurt Rudolf Mirow
Civilização Brasileira
(1978)



Vocal Arts Medicine
Michael S Benninger
Thieme
(1994)



Como Se Preparar para a 2ªfase Exame de Ordem - Tributario -teoria e P
Pedro Barretto
Gen Metodo
(2014)



1602 Parte 2
Neil Gaiman e Outros
Marvel
(2004)



As Aventuras na Netoland Com Luccas Neto - 1ª Edição
Luccas Neto
Pixel
(2018)



Ética a Força do Cidadão
Sebastião Martins André Carvalho

(1999)





busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês