Paulista por opção (e por paixão) | Bruno Girão Borgneth | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
>>> A Ultima Carta de Amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1993)
COLUNAS >>> Especial SP 450

Segunda-feira, 19/1/2004
Paulista por opção (e por paixão)
Bruno Girão Borgneth

+ de 7200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Nasci no Rio de Janeiro e moro em São Paulo há 15 anos. Então vocês poderiam perguntar o que faz um carioca escrevendo sobre a cidade de São Paulo? Paixão? Provocação? Falta do que fazer? Decepção com minha cidade natal? Tudo isso e nada disso.

Acredito que tenho muito mais autoridade para falar de Sampa do que muitos paulistas de nascença, pois sou paulista por opção. Bom... a opção, na verdade não foi me dada, pois vim para a capital paulista no final da década de 80, acompanhando meus pais, já que meu cordão econômico-umbilical ainda não havia sido cortado. No entanto, com o passar dos anos, São Paulo foi me conquistando, me cercando, me inebriando e, quando dei por mim, já estava completamente situado. Acabei por adotar essa Paulicéia Desvairada como minha cidade natal, assim como o Rio de Janeiro.

Na verdade, me considero um apátrida. Tenho duplo sotaque, o que proporciona chacotas nos dois extremos da Via Dutra. No início achava isso terrível (ainda mais para um adolescente que se importava demais com os comentários alheios), porém o tempo só veio me mostrar as vantagens de ser diferente, assim como São Paulo.

Não existe cidade no mundo onde seja possível você fazer o que bem entende, 24 horas por dia, 7 dias por semana. São Paulo é assim. E nem me fale de Nova Iorque, que seria a "cidade que nunca pára". Somente em São Paulo é possível jogar boliche de madrugada, tomar qualquer tipo de drink a qualquer hora do dia, dançar até o amanhecer e ainda dar uma esticada em uma cantina por volta das 10 da matina, para matar uma massa antes de dormir. É a cidade-conveniência, 24 horas on-line!

Quem chega a São Paulo pela primeira vez deve levar um susto. Visualmente, considero a cidade um misto de Blade Runner, Quinto Elemento e Gotham City. Sinistra e encantadora ao mesmo tempo. A arquitetura de concreto, a total ausência de planejamento urbano, o crescimento desordenado, a quantidade de veículos (e de motoboys! Não existe um exército tão grande como em São Paulo...), a infinidade de estacionamentos, os malabaristas-mirins em qualquer sinal, os prédios, os outdoors, as antenas, o céu cinza, a garoa fina que faz brilhar o asfalto, como numa propaganda de carro. Pode parecer estranho, mas me sinto confortável no meio de todo esse caos.

As oportunidades, a excelência dos serviços, a gastronomia variada, as incontáveis baladas deixam as pessoas mal acostumadas. É possível fazer de tudo em Sampa, tendo dinheiro ou não, diante da infinidade de eventos gratuitos que pululam na metrópole. Para mim, especialmente, é bastante difícil sair de São Paulo, pois a diferença em relação a outras cidades é gritante. Até mesmo o Rio de Janeiro, que um dia já foi capital do Brasil, não se compara a São Paulo.

Onde no mundo existe uma Galeria do Rock (Rua 24 de maio); um Parque do Ibirapuera; uma Avenida Paulista; um calendário intenso de shows e eventos; um MASP; uma Praça da Sé com sua vasta fauna; as Marginas, mesmo com todos os seus problemas; um Minhocão, mesmo com toda a sua feiúra; um Pátio do Colégio; um Edifício Banespa; um Memorial da América Latina; um bairro como a Liberdade; um visual como a descida da 23 de maio com o Obelisco bem à frente; um comércio como os da 25 de março, Oscar Freire e José Paulino.

Mas cidade cobra o seu preço: trânsito em plena madrugada, filas e mais filas para qualquer coisa, sedentarismo, stress, bronzeado de escritório, gastrite e fígado baleado (haja happy hour!), economia de sola de sapato, 3 horas de viagem, no mínimo, para poder pisar na areia da praia (para um bom carioca isso é essencial... Se bem que não me considero um "bom carioca").

E os paulistas. O que falar deles? Bom, meus melhores amigos são paulistas. E a amizade de um paulista é muito mais fiel do que uma amizade carioca, capixaba, gaúcha ou potiguar, pelo menos na minha opinião. Impera a lenda de que o paulista é uma pessoa fechada. Vivem em pequenos grupos, fechados e reservados. Porém, uma vez transposta essa barreira, você é apresentado às pessoas mais simpáticas, calorosas, festeiras e amigas que se possa conhecer. Com um paulista não rola aquele famoso "Pinta lá!", que o carioca repete sempre que encontra algum conhecido na praia. Pinta lá onde? O Paulista faz questão de marcar hora e local, e é por isso que as amizades que travei em São Paulo perduram até hoje. Tudo bem que algumas se perderam no caminho. Mas também tem que dar um desconto, pois sou meio-carioca.

São Paulo é como um vício. Você não consegue viver sem ela, mas chega um momento que a relação com a cidade se torna insuportável e fugir acaba sendo a única solução. No entanto, passada a ressaca, a saudade bate e a vontade de ver todos aqueles e prédios, carros e antenas volta a crescer. Pode parecer papo de maluco, mas não me imagino morando em outro lugar. Ouço sempre as pessoas falando que querem fugir daqui, viver na beira da praia, no sossego da sombra de um coqueiro. Acho tudo isso ótimo, mas somente para passar as férias. Não tem jeito mesmo, fiquei mal acostumado e sou viciado em São Paulo. Parabéns, meu amor!

Nota do Editor
Bruno Girão Borgneth já colaborou com o Digestivo Cultural sob a assinatura Tyler Durden.


Bruno Girão Borgneth
São Paulo, 19/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
02. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
03. O Medium e o retorno do conteúdo de Julio Daio Borges
04. O pior cego de Luís Fernando Amâncio
05. Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo de Duanne Ribeiro


Mais Bruno Girão Borgneth
Mais Especial SP 450
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/2/2004
22h50min
Fantástico teu depoimento, Bruno. De certa forma você conseguiu traduzir a atração que sinto por São Paulo, ainda que não tenha conseguido mudar-me para aí. Nasci no Rio Grande do Sul, mas sou paulistana por adoção, paixão, fixação... Quanto ao povo de São Paulo, só tive boas experiências até hoje. Sempre foram muito atenciosos, especialmente sabendo que eu não era conterrânea deles. Estão habituados a receber povos de todo o lugar. E é esse viés cosmopolita que mais me atrai em São Paulo. Não há provincianismo de nenhuma espécie. A cidade toda é um abraço enorme! Viva muito São Paulo! Espero, em breve, viver também.
[Leia outros Comentários de Ana Maria Brambilla]
13/2/2007
10h41min
Parabéns Bruno, seu texto está excelente, uma ponto de vista muito peculiar o seu! Acho que você traduziu perfeitamente o paulistano, alguém aparentemente fechado, mas que ao ser descoberto revela ser caloroso e fiel. Espero que um dia todos brasileiros sejam capazes de amar uns a cidade dos outros, e que não haja competição, mas uma harmonização. Seria bacana. Abraço!
[Leia outros Comentários de Andrés]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Roland Barthes por Roland Barthes
Roland Barthes
estação liberdade
(2003)



Bumba-meu-boi
Fernando Vilela e Stela Barbieri
Wmf Martins Fontes
(2014)



Os Músicos de Bremen
Wilhelm Karl Grimm
Martins Fontes - Selo Martins
(2000)



A força da vida
James Van Praagh
sextante
(2001)



Em busca da Fraternidade
Mario leal Bacelar
Mandarino



Sucupira - Ame-a Ou Deixe-a
Dias Gomes
Civilização Brasileira
(1983)



A Linguagem Falada Culta na Cidade de São Paulo V. 1:elocuçoes Formais
Ataliba Teixeira de Castilho, Dino Preti-org
Taq
(1986)



Viagem Mística Como Alcançar a Elevação Espiritual
Sylvia Browne
prumo
(2009)



Triple - Pocketbook
Ken Follett
Signet Book
(1980)



Deus é justo
Grigore Valeriu
idéia e ação
(2009)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês