150 anos de Miguel de Unamuno | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Have a Book in You?
>>> O desafio dos media-watching
>>> Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo
>>> Realismo fantástico
>>> Snoop Dogg - Ups & Downs
>>> The impact of the Internet
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Tributo a Paul McCartney
>>> Começos Inesquecíveis
>>> Entrevista com Spacca
Mais Recentes
>>> Orgias de Luis Fernando Verissimo pela Lpm (1989)
>>> Mulheres de 50 Anos Como Viver Plenamente esta Nova Idade de Suzanne Képès e Michèle Thiriet pela Lpm (1994)
>>> Mahabharata de William Buck pela Círculo do Livro (1992)
>>> Aventuras do Bravo Soldado Schweik de Jaroslav Hašek pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 8º ano Ciências, Língua Portuguesa e Geografia de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Sur La Photographie de Susan Sontag pela Titre
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Matemática 9º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - 6º ano Ciências e Língua Portuguesa de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> Cuentos Populares de León Tolstoi pela Longseller (2004)
>>> Trilhas Sistema de Ensino - Arte 6º e 7º ano de Claudia Pedro pela FTD (2018)
>>> O Mordomo do Imperador - Coleção General Benício de Américo Jacobina Lacombe pela Biblioteca do Exército (1994)
>>> Aunt Dimity, Vampire Hunter de Nancy Atherton pela Viking (2008)
>>> Der Domino Killer de Kate Pepper pela Thriller
>>> Mal Secreto Inveja - Coleção: Plenos Pecados de Zuenir Ventura pela Objetiva (1998)
>>> Conferência dos pássaros de Farid Ud-Din Attar pela Círculo do Livro (1991)
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2008)
>>> Operação Impensável de Vanessa Barbara pela Intrínseca (2015)
>>> O Momento Mágico de Jeffrey Zaslow pela Novo Conceito (2013)
>>> Cadernos do Silêncio 1990-2002 Pequeno Itinerário de Sobrevivência de Beatriz Araujo Lima Coelho pela Relume Dumará (2005)
>>> Na Toca dos Leões de Fernando Morais pela Planeta (2005)
>>> Escuta Só - do Clássico ao Pop de Alex Ross pela Companhia das Letras (2011)
>>> Didática de Jaime Cordeiro pela Contexto (2007)
>>> Johnny Depp de Danny White pela Best Seller (2012)
>>> Opostos Que Se Atraem de Julie Gilbert pela Record (1998)
>>> O Coronel Chabert de Honoré De Balzac pela Saraiva (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 14/10/2014
150 anos de Miguel de Unamuno
Celso A. Uequed Pitol

+ de 2200 Acessos

Em artigo publicado no jornal argentino La Nación em 1922, o italiano Giovani Papini colocava o escritor espanhol Miguel de Unamuno em companhia ilustre. Para ele, o autor de Vida de Dom Quixote e Sancho era para seu país o mesmo que Fichte, na Alemanha, e Carlyle, na Grã-Bretanha: um verdadeiro "apóstolo espiritual" da pátria. E não foi o primeiro elogio que direcionou a Unamuno: já havia publicado artigo sobre ele em sua revista, Il Leonardo, onde qualificava-o como um dos principais nomes do pensamento europeu daquele momento.

Tudo isto disse um entusiasmado Papini naquele momento. E foi com entuasiasmo semelhante que hoje, 30 de setembro de 2014, quando se comemora os 150 anos de nascimento do grande escritor, muitos jornais de língua espanhola disseram algo parecido de Unamuno. "Um mestre", "pensador chave", "nome de maior altura filosófica", "paradigma de intelectual comprometido", dentre tantos outros elogios distintos que têm em comum o fato de colocarem-no em cima de um púlpito, a falar às multidões lá embaixo.

Há muitos elogios a se fazer a Unamuno. Foi precursor do existencialismo, foi leitor de Kierkegaard de primeira hora (leu-o em dinamarquês), foi talvez mesmo, como disse Borges, o maior escritor em língua espanhola de seu tempo. Mas os elogios de mestre, sacerdote e apóstolo espiritual, proferidos por Papini há quase um século, e muitos outros há quase uma semana, ele dificilmente os merece.

Não me é fácil negar um elogio a Unamuno. Para mim, don Miguel faz parte daquele grupo seleto de autores que levamos para toda a vida em nosso cânone pessoal, visitando-os periodicamente para leituras e releituras. Tem sido assim desde que o descobri, ao entrar na universidade, através das "Obras Completas" editadas pelas Escelicer, cujos nove volumes tomei emprestado diversas vezes. Li todos os seus principais livros - Del sentimiento trágico de la vida, Vida de Don Quijote y Sancho, La agonía del cristianismo, Paz en la guerra, Niebla - e também seus textos jornalísticos, seus diários de juventude, seus relatos de viagem (Por tierras de Portugal y España segue sendo o melhor livro de viagens que li até hoje) e suas páginas de crítica literária. Aprendi muito de todos eles: aprendi, inclusive, o idioma castelhano, que Unamuno manejava como ninguém, e através dele conheci outros nomes do pensamento e das letras hispânicas que foram objeto de sua mirada. E, sobretudo, tornei-me um interessado no seu tema central, o da agonia do homem (no sentido original, do grego "agon", "luta"), da luta entre a razão e a vida na busca pela imortalidade. Repito: devo muito a Unamuno para negar-lhe um elogio. Mas sou obrigado a tal: não vejo neste homem de quem tanto aprendi um líder espiritual, sacerdote ou qualquer outro destes títulos.

Comigo parece concordar o grande Julián Marías, um dos maiores pensadores espanhóis do século passado e autor de um excelente ensaio sobre Unamuno, para quem ele "no era sólo un genial escritor, un intelectual, un profesor de lengua griega en Salamanca, sino, ante todo, una persona, un hombre de esos con los que es forzoso contar, que están ahí viendo las cosas y hablándonos de ellas, sobre todo, viviéndolas con los demás". Algo natural, para quem, como ele, só entendia o "hombre de carne y hueso" e não as coletividades abstratas, as massas e os públicos lá debaixo do palco.

Por isso, ainda que reitor da Universidade da Salamanca, ainda que professor de filologia durante décadas, ainda que intelectual autorizado, a verdade é que o púlpito não caia bem a Unamuno e o papel de grande mestre nacional não lhe servia. Servia, claro, a Fichte, o homem que subia em caixotes de madeira diante do povo para pronunciar seus discursos à nação alemã; servia, também, a Carlyle, que sempre se imaginou um reformador social. Estes foram educadores, sacerdotes, homens de púlpito. O papel de educador da nação espanhola não coube a Unamuno: seria assumido poucos anos depois por José Ortega y Gasset, um dos maiores responsáveis pela definitiva integração da Espanha à cultura europeia. Filósofo, professor de metafísica da Universidade de Madrid e jornalista militante, Ortega foi um grande renovador do ambiente cultural peninsular (e também latinoamericano) com as principais novidades em ciências humanas daquele tempo, das quais a sua Revista de Occidente foi um autorizado veículo e seus ensaios, escritos num estilo claro e elegantíssimo, atraíam todo tipo de leitor culto, especialista ou não, para o mundo do pensamento.

Não é certo colocar os dois lado a lado, e eles nem gostariam disso. Unamuno deplorava o que classificava como "pedanterias kantianas" de Ortega. Este, como a confirmar o que dele pensava Unamuno, disse que não dominava o castelhano como um nativo pelo fato de ser vasco e que por isso seu texto tinha defeitos de estilo típicos de quem aprendeu o idioma, e não o sentiu desde cedo - um grave e absurdo insulto. E quando Ortega assumiu, em 1910, a cadeira de metafísica, Unamuno felicitou-o da seguinte forma: "A Pepe Ortega dale la enhorabuena y dile que si no le escribo directamente es porque no tengo nada objetivo que decirle, y no quiero molestarle con mis arbitrariedades y querellas. Que Dios, el Dios del engaño, le dé luces y fuerzas para engañar a sus discípulos con la filosofía e infundirles la suprema ilusión" . Estas, definitivamente, não são palavras de quem se imagina um educador de um povo.

Por isso, em carta de resposta ao seu admirador Papini, Unamuno saúda a simpatia do italiano da seguinte forma: "Hay una red invisible que une a todos los solitarios que desparramados por el mundo vamos en busca del sobre-mundo, de otra vida con raíces en la eternidad y copa en el infinito. Siento en torno mío voces lejanas de hermanos ignorados; el cielo de este principio de siglo está preñado de aurora". Como poucos soube colocar-se junto ao leitor - não pelo expediente mais fácil, que seria o de simplificar sua linguagem para chegar ao nivel do leitor médio, mas sim, de outra forma, superior: considerar que ele e o leitor, sendo homens, são seres em luta, em busca da imortalidade, em verdade companheiros de caminho, o que está consubstanciado no seu belo prólogo da Vida de Don Quijote y Sancho que emociona a qualquer um:

"Te consume, mi pobre amigo, una fiebre incesante, una sed de océanos insondables y sin riberas, un hambre de universos, y la morriña de la eternidad. Sufres de la razón. Y no sabes lo que quieres. Y ahora, ahora quieres ir al sepulcro del Caballero de la Locura y deshacerte allí en lágrimas, consumirte en fiebre, morir de sed de océanos, de hambre de universos, de morriña de eternidad. Ponete en marcha, solo. Todos los demás solitarios irán a tu lado, aunque no los veas. Cada cual creerá ir solo, pero formaréis batallón sagrado: el batallón de la santa e inacabable cruzada."

Unamuno, o reitor, professor, jornalista, escritor, mestre, gênio, caminhou ao nosso lado e falou a cada um de nós em meio ao caminho a que empreendemos. Não a todos os seus leitores: a cada um deles. Eis aí, nesta capacidade única, partilhada por muito poucos, a razão pela qual sua obra permanece conosco ainda hoje, 150 anos após o seu nascimento.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 14/10/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
03. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol
04. O Quixote de Will Eisner de Celso A. Uequed Pitol
05. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2014
01. Miguel de Unamuno e Portugal - 12/8/2014
02. A vida exemplar de Eric Voegelin - 10/6/2014
03. Entrevista com Dante Ramon Ledesma - 9/9/2014
04. Émile Zola, por Getúlio Vargas - 6/5/2014
05. Ler Oswald Spengler em 2014 - 25/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Coleção Inglês Prático para o Dia a Dia 9 + Dvd
Vários
Editorial Sol 90
(2010)



O Amigo Secreto
Meco Filho
21
(2003)



Tecnicas Minimamente Invasivas de Rejuvenescimento Oculofacial
Stephen Bosniak
Santos
(2007)



Sociologia Ambiental do Direito - 1ª Edição - Análise Sociojurídica,..
Marcio Henrique Pereira Ponzilacqua
Vozes
(2015)



Romance Supremo Resgate
Antonieta V. Meyer
Instituto de Difusão Espírita
(1997)



Caminhos da Reconstrução
Antonio Dias Leite
Pioneira
(1984)



O Grande Segredo do Dia Em Que Você Nasceu - 1ª Edição
Jeanclaude Marie
Pensamento
(2005)



Persuasion
Jane Austen
Barne & Noble Classics
(2004)



Ary Fontoura Coleção Aplauso
Rogério Menezes
Imprensa Oficial
(2006)



O Aprendiz de Crítica 1955 1959
Joel Pontes
Inl
(1960)





busca | avançada
91200 visitas/dia
2,4 milhões/mês