Um texto com esmalte vermelho | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
Mais Recentes
>>> Marcados pelo passado de Lourdes Carolina Gagete pela Mundo maior (2010)
>>> Espíritos entre Nós de James Van Praagh pela Sextante (2009)
>>> Novamente em casa de Francisco Cândido Xavier Caio Ramacciotti Espíritos Diversos pela Geem (1984)
>>> OS Valores e o Tempo de Alceu Costa Filho pela Petit (2004)
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Tempo de Escolhas de Francisco Cajazeiras pela Novo Ser (2011)
>>> 7 Estados do Coração de Rodolfo Beuttenmüller pela Gospel (2008)
>>> Alguém bateu na minha Porta de Osvaldo Jorge Degrazia pela Novo Ser (2012)
>>> Prelúdio de Paz de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> O Caráter Ecumênico do Espiritismo de Paulo Rzezinski pela Edição do Autor (1995)
>>> A verdadeira Alma Gêmea de Fausto Oliveira pela Seame (1998)
>>> Como tomar posse da Bênção de R.R. Soares pela Graça Arte (1987)
>>> A luz de um novo Dia de João Cuin pela Dpl (2001)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1998)
>>> Historia de Cristo para as Crianças de Rafael A. Ranieri pela Lake (2003)
>>> Náufragos da vida ( Pelo Espírito Lenuz Aqoqo) de Luciana Cardoso pela Dpl (2000)
>>> Racionalismo Cristão Responde de Fernando Faria pela Diagrama (1998)
>>> O Poder do Jovem ( Você pode se acha que pode!) de Lauro Trvisan pela Mente (2010)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Obra Póstumas de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> A Dança da paz de Giuliana Martirani pela Paulinas (2006)
>>> Suas verdades ( O Tempo não Apaga) de Américo Simões pela Barbara (2009)
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
COLUNAS >>> Especial 2000 Colunas

Quinta-feira, 23/11/2006
Um texto com esmalte vermelho
Adriana Baggio

+ de 6600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Ah, o prazer de falar de si! Mesmo quando a gente não tem essa abertura ou possibilidade, é difícil resistir à tentação de colocar um "eu" no meio do texto. Por isso, esse convite para escrever sobre minha experiência no Digestivo é como uma travessa de pudim de leite, uma panela de brigadeiro, uma barra de chocolate. Posso me esbaldar sem culpa e alimentar o ego, esse serzinho exigente e insaciável.

Nós, colunistas digestores, sempre tivemos permissão para a subjetividade, desde que ela acrescentasse algo ao assunto e fosse interessante para os leitores. Acho que deu certo, porque os relatos de experiências pessoais sempre foram grandes hits do Digestivo. E eu, como uma das mais antigas colaboradoras, já acompanhei muitas dessas verdadeiras colunas best-sellers. Antes, até com uma certa inveja: como essas pessoas têm tanta coragem de se expor? E depois, mais "digestivamente" amadurecida, com a sensata constatação de que cada um tem seu estilo e que a gente não deve subvertê-lo apenas para angariar mais leitores.

Essa fidelidade ao estilo não tem a ver com ideologia e nem com valores muito nobres. O motivo, na minha opinião, é mais estético. É como pintar as unhas dos pés de esmalte vermelho. Para ficar sexy e elegante, a mulher precisa ter porte, estilo, personalidade. O mesmo acontece com quem escreve: escancarar a vida pessoal cai bem em quem tem atitude para isso. Nos mais reservados, parece farsa, e os leitores percebem quando estão sendo manipulados.

Eu me vejo no grupo dos mais discretos - questão de estilo. Às vezes, falo de coisas sérias, "inteligentes" e de uma forma conciliadora. Pronto, é a receita para atrair poucos leitores. Olho o contador ao lado da coluna e ele não passa de 200, 300. Em outros dias, porém, surge a inspiração para tratar de um tema polêmico ou enveredar por caminhos mais perigosos. Voltando à comparação, seria como acordar poderosa o suficiente para encarar o esmalte vermelho nos pés e toda a responsabilidade que pesa nos ombros das mulheres de unhas rubras.

É natural que textos mais picantes, polêmicos ou de auto-ajuda atraiam um número maior de leitores. Os meus top ten tratam de sexo, mulheres, de casamento, de Google e de Orkut - os assuntos campeões de audiência em nossos dias. Fico feliz por, algumas vezes, até prestar um serviço de utilidade pública. Minha coluna sobre cruzeiros marítimos sempre atrai interessados em receber dicas de viagem, que eu dou de bom grado; a do casamento já serviu de inspiração para uma noiva e as orientações sobre o Google ajudaram alguns blogueiros a sair do anonimato.

O tal do ego fica feliz em saber que conseguiu ser importante. E é ele também que sofre quando ninguém dá bola para o texto, ou quando pedem alterações. No Digestivo, esse último caso praticamente não acontece. Temos muita liberdade para escrever e, desde que a gente não atire muito fora do alvo, nosso editor, o Julio, é bastante generoso. Não posso dizer o mesmo dos clientes atendidos pelas agências onde trabalho. Eles têm um prazer sádico em mexer no texto, 90% das vezes sem necessidade e com resultado pior do que o original.

Será que todo mundo que escreve tem essa relação afetiva com o texto? Escrever, mesmo que "por dinheiro", sem aspirações artísticas ou literárias, parece ser uma forma de expressão da subjetividade. Uma subjetividade que não está relacionada ao conteúdo do texto ou às idéias do escritor. A presença do "eu" está na forma: o estilo, a escolha das palavras, o jeito de pontuar as frases. Mexer nisso é como pedir para você mudar de opinião, de time, de comida preferida. Se você é modelo, talvez tenha que tingir ou cortar o cabelo - uma das expressões da nossa identidade - para conquistar algum trabalho. Se você é escritor/redator/jornalista, talvez passe pelo mesmo processo, com vírgulas no lugar do cabelo.

Talvez essa dependência pelo ato de escrever explique porque estou há mais tempo no Digestivo Cultural do que com qualquer emprego ou namorado. Já são mais de cinco anos colaborando, enquanto que o meu relacionamento mais longo - o atual, ainda bem - está no 4º aniversário, e o trabalho mais duradouro apenas passou um pouco dos dois anos.

Alguém pode dizer que a escrita não depende de estarmos vinculados a um site, editora ou qualquer outro meio de publicação. E o ego, onde fica? Quem escreve o faz para ser lido. Essa história de botar as idéias no papel para poder desabafar talvez funcione como terapia, mas não resolve o problema do escritor. Tanto é verdade que muita gente transferiu seus diários para os blogs - com certeza, não por causa da ferramenta, e sim pela possibilidade de ter alguém lendo o que escreve.

Não sei dizer se a virtualidade é a causa de o meu relacionamento com o Digestivo durar tanto, ou se isso só torna a façanha da estabilidade ainda mais meritória. Fazer parte dessa equipe é algo importante na minha vida. Posso até arriscar dizer que o início da fase em que estou hoje coincide com minha estréia no Digestivo.

Sempre me vi às voltas com as letras. Primeiro, eu lia muito. Depois, descobri que também gostava de escrever. Meus pais adoravam meus cartõezinhos de Natal. Uma grande frustração foi ter perdido um concurso na escola porque a poesia que eu escrevi estava em forma de prosa. Até assumir que eu gostaria de viver dos meus textos, levou algum tempo. E como se fala em marketing, aproveitei uma mudança de cidade para me "reposicionar" profissionalmente.

Como ninguém me conhecia na nova cidade, me apresentar como "redatora" foi fácil. No meio desse processo, acabei encontrando o Digestivo. Não consigo lembrar como nem onde. Horas navegando na internet me levaram até o site e algo me fez ter a coragem de pedir para ser aceita como colaboradora. Depois de um texto-teste, sobre o filme Náufrago, passei a escrever regularmente. Isso foi no começo de 2001, quando o Digestivo Cultural tinha apenas alguns meses.

De lá para cá, já são mais de 130 colunas. Ultimamente, não tenho colaborado com a regularidade que eu gostaria. Só um tema atraente como esse - falar de mim - para me tirar da inércia e fazer com que eu dedique algumas horas para escrever. Enquanto isso, alguns textos do trabalho ficam de lado. Ah, deixa eles pra lá. O cliente vai mudar mesmo, meu ego vai ficar ferido e o estresse vai estragar tudo. Melhor me concentrar na minha coluna, que a gratificação é bem maior. E mesmo que você ache péssimo, não vai poder mexer. No máximo, criticar. Mas aí já não vai ser o meu texto, e sim o seu.


Adriana Baggio
Curitiba, 23/11/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ocampo: entre o surrealismo e a melancolia de Marcelo Barbão


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


Mais Especial 2000 Colunas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/11/2006
15h02min
Não sei se as unhas da colunista são rubras, mas os dedos são ágeis no teclado, provavelmente obedecendo a um saudável bom senso que, como ela mesma detecta, a impede de exceder-se além da conta. Minhas palavras ficaram meio empoladas. O que eu queria dizer é que essa discreta maneira de se expressar é a marca de uma maturidade literária. Os textos da Adriana são ótimos.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
2/12/2006
10h05min
Adriana, na sua linha de pensamento, também acho instigante o mundo das letras. Bem-aventurados os que conseguem decodificar o dia-a-dia das palavras. E mais bem-aventurados ainda os que se permitem afirmar que a opinião está em formação e não tem aquela arrogância de dizer que já possuem um "parâmetro" sobre algo.
[Leia outros Comentários de Elvis Mutti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MITOLOGIA 5 - MINERVA
EDITORA ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1976)
R$ 7,00



UM ELIXIR MISTERIOSO
AMANDA QUICK
ROCCO
(2001)
R$ 14,00



A CULPA É DAS ESTRELAS
JOHN GREEN; RENATA PETTENGILL
INTRINSECA
(2013)
R$ 15,00



A CIÊNCIA COM METAFÍSICA EM KARL POPPER
JOÃO BATISTA CICHERO SIECZKOWSKI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 363,00



NIETZSCHE COMO PENSADOR POLÍTICO-UMA INTRODUÇÃO
KEITH ANSELL PEARSON
JORGE ZAHAR
(1997)
R$ 47,49



DEUS É INOCENTE - 3122
ZECA MARTINS
FUTURA
(2002)
R$ 8,00



ANAIS DO ARQUIVO PÚBLICO DA BAHIA VOL. XXXVI - 104
DIVERSOS
IMPRENSA OFICIAL DA BAHIA
(1961)
R$ 62,00



A FORMAÇÃO HUMANA NO PROJECTO DA MODERNIDADE
F. CABRAL PINTO
EDICOES PIAGET
(1996)
R$ 21,82



OUR WAY 3 - PREMIUM EDITION - CD-ROM
EDUARDO AMOS
RICHMOND
(2012)
R$ 104,00



BOLOS CRIATIVOS
ROMANA GARDANI
SENAC SP
(2010)
R$ 40,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês