Um texto com esmalte vermelho | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial 2000 Colunas

Quinta-feira, 23/11/2006
Um texto com esmalte vermelho
Adriana Baggio

+ de 6900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Ah, o prazer de falar de si! Mesmo quando a gente não tem essa abertura ou possibilidade, é difícil resistir à tentação de colocar um "eu" no meio do texto. Por isso, esse convite para escrever sobre minha experiência no Digestivo é como uma travessa de pudim de leite, uma panela de brigadeiro, uma barra de chocolate. Posso me esbaldar sem culpa e alimentar o ego, esse serzinho exigente e insaciável.

Nós, colunistas digestores, sempre tivemos permissão para a subjetividade, desde que ela acrescentasse algo ao assunto e fosse interessante para os leitores. Acho que deu certo, porque os relatos de experiências pessoais sempre foram grandes hits do Digestivo. E eu, como uma das mais antigas colaboradoras, já acompanhei muitas dessas verdadeiras colunas best-sellers. Antes, até com uma certa inveja: como essas pessoas têm tanta coragem de se expor? E depois, mais "digestivamente" amadurecida, com a sensata constatação de que cada um tem seu estilo e que a gente não deve subvertê-lo apenas para angariar mais leitores.

Essa fidelidade ao estilo não tem a ver com ideologia e nem com valores muito nobres. O motivo, na minha opinião, é mais estético. É como pintar as unhas dos pés de esmalte vermelho. Para ficar sexy e elegante, a mulher precisa ter porte, estilo, personalidade. O mesmo acontece com quem escreve: escancarar a vida pessoal cai bem em quem tem atitude para isso. Nos mais reservados, parece farsa, e os leitores percebem quando estão sendo manipulados.

Eu me vejo no grupo dos mais discretos - questão de estilo. Às vezes, falo de coisas sérias, "inteligentes" e de uma forma conciliadora. Pronto, é a receita para atrair poucos leitores. Olho o contador ao lado da coluna e ele não passa de 200, 300. Em outros dias, porém, surge a inspiração para tratar de um tema polêmico ou enveredar por caminhos mais perigosos. Voltando à comparação, seria como acordar poderosa o suficiente para encarar o esmalte vermelho nos pés e toda a responsabilidade que pesa nos ombros das mulheres de unhas rubras.

É natural que textos mais picantes, polêmicos ou de auto-ajuda atraiam um número maior de leitores. Os meus top ten tratam de sexo, mulheres, de casamento, de Google e de Orkut - os assuntos campeões de audiência em nossos dias. Fico feliz por, algumas vezes, até prestar um serviço de utilidade pública. Minha coluna sobre cruzeiros marítimos sempre atrai interessados em receber dicas de viagem, que eu dou de bom grado; a do casamento já serviu de inspiração para uma noiva e as orientações sobre o Google ajudaram alguns blogueiros a sair do anonimato.

O tal do ego fica feliz em saber que conseguiu ser importante. E é ele também que sofre quando ninguém dá bola para o texto, ou quando pedem alterações. No Digestivo, esse último caso praticamente não acontece. Temos muita liberdade para escrever e, desde que a gente não atire muito fora do alvo, nosso editor, o Julio, é bastante generoso. Não posso dizer o mesmo dos clientes atendidos pelas agências onde trabalho. Eles têm um prazer sádico em mexer no texto, 90% das vezes sem necessidade e com resultado pior do que o original.

Será que todo mundo que escreve tem essa relação afetiva com o texto? Escrever, mesmo que "por dinheiro", sem aspirações artísticas ou literárias, parece ser uma forma de expressão da subjetividade. Uma subjetividade que não está relacionada ao conteúdo do texto ou às idéias do escritor. A presença do "eu" está na forma: o estilo, a escolha das palavras, o jeito de pontuar as frases. Mexer nisso é como pedir para você mudar de opinião, de time, de comida preferida. Se você é modelo, talvez tenha que tingir ou cortar o cabelo - uma das expressões da nossa identidade - para conquistar algum trabalho. Se você é escritor/redator/jornalista, talvez passe pelo mesmo processo, com vírgulas no lugar do cabelo.

Talvez essa dependência pelo ato de escrever explique porque estou há mais tempo no Digestivo Cultural do que com qualquer emprego ou namorado. Já são mais de cinco anos colaborando, enquanto que o meu relacionamento mais longo - o atual, ainda bem - está no 4º aniversário, e o trabalho mais duradouro apenas passou um pouco dos dois anos.

Alguém pode dizer que a escrita não depende de estarmos vinculados a um site, editora ou qualquer outro meio de publicação. E o ego, onde fica? Quem escreve o faz para ser lido. Essa história de botar as idéias no papel para poder desabafar talvez funcione como terapia, mas não resolve o problema do escritor. Tanto é verdade que muita gente transferiu seus diários para os blogs - com certeza, não por causa da ferramenta, e sim pela possibilidade de ter alguém lendo o que escreve.

Não sei dizer se a virtualidade é a causa de o meu relacionamento com o Digestivo durar tanto, ou se isso só torna a façanha da estabilidade ainda mais meritória. Fazer parte dessa equipe é algo importante na minha vida. Posso até arriscar dizer que o início da fase em que estou hoje coincide com minha estréia no Digestivo.

Sempre me vi às voltas com as letras. Primeiro, eu lia muito. Depois, descobri que também gostava de escrever. Meus pais adoravam meus cartõezinhos de Natal. Uma grande frustração foi ter perdido um concurso na escola porque a poesia que eu escrevi estava em forma de prosa. Até assumir que eu gostaria de viver dos meus textos, levou algum tempo. E como se fala em marketing, aproveitei uma mudança de cidade para me "reposicionar" profissionalmente.

Como ninguém me conhecia na nova cidade, me apresentar como "redatora" foi fácil. No meio desse processo, acabei encontrando o Digestivo. Não consigo lembrar como nem onde. Horas navegando na internet me levaram até o site e algo me fez ter a coragem de pedir para ser aceita como colaboradora. Depois de um texto-teste, sobre o filme Náufrago, passei a escrever regularmente. Isso foi no começo de 2001, quando o Digestivo Cultural tinha apenas alguns meses.

De lá para cá, já são mais de 130 colunas. Ultimamente, não tenho colaborado com a regularidade que eu gostaria. Só um tema atraente como esse - falar de mim - para me tirar da inércia e fazer com que eu dedique algumas horas para escrever. Enquanto isso, alguns textos do trabalho ficam de lado. Ah, deixa eles pra lá. O cliente vai mudar mesmo, meu ego vai ficar ferido e o estresse vai estragar tudo. Melhor me concentrar na minha coluna, que a gratificação é bem maior. E mesmo que você ache péssimo, não vai poder mexer. No máximo, criticar. Mas aí já não vai ser o meu texto, e sim o seu.


Adriana Baggio
Curitiba, 23/11/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Noturno para os notívagos de Ana Elisa Ribeiro
02. Nunca fomos tão vulgares de Julio Daio Borges
03. Estudo de uma tensão de Celso A. Uequed Pitol
04. Mais uma crise no jornalismo brasileiro de Julio Daio Borges
05. A Delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


Mais Especial 2000 Colunas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/11/2006
15h02min
Não sei se as unhas da colunista são rubras, mas os dedos são ágeis no teclado, provavelmente obedecendo a um saudável bom senso que, como ela mesma detecta, a impede de exceder-se além da conta. Minhas palavras ficaram meio empoladas. O que eu queria dizer é que essa discreta maneira de se expressar é a marca de uma maturidade literária. Os textos da Adriana são ótimos.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
2/12/2006
10h05min
Adriana, na sua linha de pensamento, também acho instigante o mundo das letras. Bem-aventurados os que conseguem decodificar o dia-a-dia das palavras. E mais bem-aventurados ainda os que se permitem afirmar que a opinião está em formação e não tem aquela arrogância de dizer que já possuem um "parâmetro" sobre algo.
[Leia outros Comentários de Elvis Mutti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANALISANDO CINEMA: CRÍTICAS DE LUIZ GERALDO MIRANDA LEÃO
AURORA MIRANDA LEÃO - ORG.
IMPRENSA OFICIAL
(2006)
R$ 6,28



AVENTURA NO EGITO
ELISABETH LOIBL
MELHORAMENTOS
(1996)
R$ 21,87



PALESTINOS, OS NOVOS JUDEUS
HELENA SALEM
ELDORADO
(1977)
R$ 18,00



SOBREVIVER VALE A PENA
TÉRCIO GARCIA
FUNDO SOCIAL DE S V
R$ 8,00



EMERGÊNCIA VASCULAR
ANTHONY CHANT E AIRES DSA
DILIVROS
(2001)
R$ 50,00



CONTROLE DE ARMAS
LUCIANO BUENO
IBCCRIM
(2004)
R$ 7,90



O NOVIÇO
MARTINS PENA
PAULUS
R$ 4,00



PAISAGENS CRÍTICAS ARTE CIÊNCIA E INDÚSTRIA - 7284
NELSON BRISSAC PEIXOTO
SENAC
(2010)
R$ 20,00



CRISES FINANCEIRAS
PEDRO CARVALHO DE MELLO
SAINT PAUL
(2004)
R$ 5,00



ZIXV - AVENTURAS DE MICROCOLUS - 1ª ED.
MARILUSA MOREIRA VASCONCELLOS / ZÉ BENTO
RADHU
(1991)
R$ 13,00





busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês