Um texto com esmalte vermelho | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Estrangeira Seis Contos da era do Jazz de F. Scott Fitzgerald pela José Olympio (1995)
>>> Livro Psicologia Libertando o Coração Espiritualidade e Psicologia Junguiana Coleção Estudos de Psicologia Junguiana Por Analistas Juinguianos de Lawrence W. Jaffe pela Cultrix (1990)
>>> Livro Poesia Chão de Vento de Flora Figueiredo pela Geração (2011)
>>> História Universal dos Algarismos 2 Tomos de Georges Ifrah pela Nova Fronteira (1997)
>>> Educação Psicocinética de Bruno Edgar Ries; Jacintho P. Targa; Luiz Settineri pela Sulina (1979)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Coleção Obra-Prima de Cada Autor 98 Macbeth de William Shakespeare pela Martin Claret (2002)
>>> Livro Literatura Estrangeira Contos Volume 1 de H. P. Lovecraft pela Martin Claret (2017)
>>> As Aventuras Dos Filhotes de Vários Autores pela Todolivro (2004)
>>> Maturação Psicomotoro no Primeiro Ano de Vida da Criança de Lydia F. Coriat pela Cortez & Moraes (1977)
>>> O Que Einstein Disse a Seu Cozinheiro de Robert L. Wolke pela Jorge Zahar (2003)
>>> Livro Pedagogia Sobre Educação (Diálogos) de Paulo Freire; Sérgio Guimarães pela Paz e Terra (1982)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (1998)
>>> Livro Literatura Estrangeira Canibais e Missionários de Mary Mccarthy pela Nova Fronteira (1980)
>>> Livro Ensino de Idiomas The Canterville Ghost and Other Stories Level 4 de Oscar Wilde pela Pearson English Readers (2008)
>>> Anedotário Geral da Academia Brasileira de Josué Montello pela Francisco Alves (1980)
>>> Dudu E O Plástico-bolha de Stela Greco Loducca pela Companhia Das Letrinhas (2022)
>>> Livro Literatura Brasileira Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Possessing the Secret of Joy de Alice Walker pela Pocket Star Books (1992)
>>> Livro Literatura Brasileira Urupês Ml de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1997)
>>> Livro Mega Histórias 2 Em 1 Piratas E Dinossauros de Culturama pela Culturama (2016)
>>> Livro Culinária Alimentação Light de Ro Kupfer pela Ícone (1992)
>>> Grafite, Pichação & Cia de Célia Maria Antonacci Ramos pela Annablume (1994)
>>> Marquês de Sade - o Filósofo Libertino de Donald Thomas pela Civilizacao Brasileira (1992)
>>> Livro de Bolso Auto Ajuda Você é Insubstituível de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Comunicação Sem Complicação de Gustavo Gomes de Matos pela Campus
COLUNAS >>> Especial 2000 Colunas

Quinta-feira, 23/11/2006
Um texto com esmalte vermelho
Adriana Baggio
+ de 8100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Ah, o prazer de falar de si! Mesmo quando a gente não tem essa abertura ou possibilidade, é difícil resistir à tentação de colocar um "eu" no meio do texto. Por isso, esse convite para escrever sobre minha experiência no Digestivo é como uma travessa de pudim de leite, uma panela de brigadeiro, uma barra de chocolate. Posso me esbaldar sem culpa e alimentar o ego, esse serzinho exigente e insaciável.

Nós, colunistas digestores, sempre tivemos permissão para a subjetividade, desde que ela acrescentasse algo ao assunto e fosse interessante para os leitores. Acho que deu certo, porque os relatos de experiências pessoais sempre foram grandes hits do Digestivo. E eu, como uma das mais antigas colaboradoras, já acompanhei muitas dessas verdadeiras colunas best-sellers. Antes, até com uma certa inveja: como essas pessoas têm tanta coragem de se expor? E depois, mais "digestivamente" amadurecida, com a sensata constatação de que cada um tem seu estilo e que a gente não deve subvertê-lo apenas para angariar mais leitores.

Essa fidelidade ao estilo não tem a ver com ideologia e nem com valores muito nobres. O motivo, na minha opinião, é mais estético. É como pintar as unhas dos pés de esmalte vermelho. Para ficar sexy e elegante, a mulher precisa ter porte, estilo, personalidade. O mesmo acontece com quem escreve: escancarar a vida pessoal cai bem em quem tem atitude para isso. Nos mais reservados, parece farsa, e os leitores percebem quando estão sendo manipulados.

Eu me vejo no grupo dos mais discretos - questão de estilo. Às vezes, falo de coisas sérias, "inteligentes" e de uma forma conciliadora. Pronto, é a receita para atrair poucos leitores. Olho o contador ao lado da coluna e ele não passa de 200, 300. Em outros dias, porém, surge a inspiração para tratar de um tema polêmico ou enveredar por caminhos mais perigosos. Voltando à comparação, seria como acordar poderosa o suficiente para encarar o esmalte vermelho nos pés e toda a responsabilidade que pesa nos ombros das mulheres de unhas rubras.

É natural que textos mais picantes, polêmicos ou de auto-ajuda atraiam um número maior de leitores. Os meus top ten tratam de sexo, mulheres, de casamento, de Google e de Orkut - os assuntos campeões de audiência em nossos dias. Fico feliz por, algumas vezes, até prestar um serviço de utilidade pública. Minha coluna sobre cruzeiros marítimos sempre atrai interessados em receber dicas de viagem, que eu dou de bom grado; a do casamento já serviu de inspiração para uma noiva e as orientações sobre o Google ajudaram alguns blogueiros a sair do anonimato.

O tal do ego fica feliz em saber que conseguiu ser importante. E é ele também que sofre quando ninguém dá bola para o texto, ou quando pedem alterações. No Digestivo, esse último caso praticamente não acontece. Temos muita liberdade para escrever e, desde que a gente não atire muito fora do alvo, nosso editor, o Julio, é bastante generoso. Não posso dizer o mesmo dos clientes atendidos pelas agências onde trabalho. Eles têm um prazer sádico em mexer no texto, 90% das vezes sem necessidade e com resultado pior do que o original.

Será que todo mundo que escreve tem essa relação afetiva com o texto? Escrever, mesmo que "por dinheiro", sem aspirações artísticas ou literárias, parece ser uma forma de expressão da subjetividade. Uma subjetividade que não está relacionada ao conteúdo do texto ou às idéias do escritor. A presença do "eu" está na forma: o estilo, a escolha das palavras, o jeito de pontuar as frases. Mexer nisso é como pedir para você mudar de opinião, de time, de comida preferida. Se você é modelo, talvez tenha que tingir ou cortar o cabelo - uma das expressões da nossa identidade - para conquistar algum trabalho. Se você é escritor/redator/jornalista, talvez passe pelo mesmo processo, com vírgulas no lugar do cabelo.

Talvez essa dependência pelo ato de escrever explique porque estou há mais tempo no Digestivo Cultural do que com qualquer emprego ou namorado. Já são mais de cinco anos colaborando, enquanto que o meu relacionamento mais longo - o atual, ainda bem - está no 4 aniversário, e o trabalho mais duradouro apenas passou um pouco dos dois anos.

Alguém pode dizer que a escrita não depende de estarmos vinculados a um site, editora ou qualquer outro meio de publicação. E o ego, onde fica? Quem escreve o faz para ser lido. Essa história de botar as idéias no papel para poder desabafar talvez funcione como terapia, mas não resolve o problema do escritor. Tanto é verdade que muita gente transferiu seus diários para os blogs - com certeza, não por causa da ferramenta, e sim pela possibilidade de ter alguém lendo o que escreve.

Não sei dizer se a virtualidade é a causa de o meu relacionamento com o Digestivo durar tanto, ou se isso só torna a façanha da estabilidade ainda mais meritória. Fazer parte dessa equipe é algo importante na minha vida. Posso até arriscar dizer que o início da fase em que estou hoje coincide com minha estréia no Digestivo.

Sempre me vi às voltas com as letras. Primeiro, eu lia muito. Depois, descobri que também gostava de escrever. Meus pais adoravam meus cartõezinhos de Natal. Uma grande frustração foi ter perdido um concurso na escola porque a poesia que eu escrevi estava em forma de prosa. Até assumir que eu gostaria de viver dos meus textos, levou algum tempo. E como se fala em marketing, aproveitei uma mudança de cidade para me "reposicionar" profissionalmente.

Como ninguém me conhecia na nova cidade, me apresentar como "redatora" foi fácil. No meio desse processo, acabei encontrando o Digestivo. Não consigo lembrar como nem onde. Horas navegando na internet me levaram até o site e algo me fez ter a coragem de pedir para ser aceita como colaboradora. Depois de um texto-teste, sobre o filme Náufrago, passei a escrever regularmente. Isso foi no começo de 2001, quando o Digestivo Cultural tinha apenas alguns meses.

De lá para cá, já são mais de 130 colunas. Ultimamente, não tenho colaborado com a regularidade que eu gostaria. Só um tema atraente como esse - falar de mim - para me tirar da inércia e fazer com que eu dedique algumas horas para escrever. Enquanto isso, alguns textos do trabalho ficam de lado. Ah, deixa eles pra lá. O cliente vai mudar mesmo, meu ego vai ficar ferido e o estresse vai estragar tudo. Melhor me concentrar na minha coluna, que a gratificação é bem maior. E mesmo que você ache péssimo, não vai poder mexer. No máximo, criticar. Mas aí já não vai ser o meu texto, e sim o seu.


Adriana Baggio
Curitiba, 23/11/2006

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Lavoura da discórdia de Lucas Rodrigues Pires
02. Mezzo realidade, mezzo ficção de Adriana Baggio
03. Épocas de Juliano Maesano


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


Mais Especial 2000 Colunas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/11/2006
15h02min
Não sei se as unhas da colunista são rubras, mas os dedos são ágeis no teclado, provavelmente obedecendo a um saudável bom senso que, como ela mesma detecta, a impede de exceder-se além da conta. Minhas palavras ficaram meio empoladas. O que eu queria dizer é que essa discreta maneira de se expressar é a marca de uma maturidade literária. Os textos da Adriana são ótimos.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
2/12/2006
10h05min
Adriana, na sua linha de pensamento, também acho instigante o mundo das letras. Bem-aventurados os que conseguem decodificar o dia-a-dia das palavras. E mais bem-aventurados ainda os que se permitem afirmar que a opinião está em formação e não tem aquela arrogância de dizer que já possuem um "parâmetro" sobre algo.
[Leia outros Comentários de Elvis Mutti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Desperte o Milionário Que Há Em Você
Carlos Wizard Martins
Gente
(2012)



A Concubina
Morris West
Círculo do Livro



Comentários à Lei de Sociedades Anônimas 4 Volume Tomo II
Modesto Carvalhosa
Saraiva
(2014)



Livro Auto Ajuda Caldo de Pollo para El Alma de La Mujer 76 historias para abrir los corazones y encender el espíritu de la mujer
Jack Canfield Mark Victor Hansen
Edivision
(1998)



Noções de geometria descritiva - 2 volumes
Virgilio Athayde Pinheiro
Ao livro técnico
(1994)



O Automóvel
Raimundo C. Caruso
Officio
(2010)



Cretino irresistível
Christina Lauren
Universo dos livros
(2013)



Star Trek - Deep Domain - Pocket
Howard Weinstein
Pocket Books
(1987)



Pântano de Sangue
Pedro Bandeira
Moderna
(1994)



Livro Gods and Myths of Ancient Egypt
Professor Emeritus of English Robert A Armour
American University in Cairo Press
(2010)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês