1964-2004: Da televisão à internet – um balanço | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
>>> Performer e dançarina Morgana Apuama apresenta a obra 'Risko'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e o amor virtual
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Outra Praia, de Swami Jr.
>>> Minha formatura
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> O enigma de Lindonéia
>>> Paisagens Originais & Detalhes De Um Pôr do Sol
>>> Modernismo e Modernidade
>>> A extraordinária Nina
>>> Pensamentos & Pedidos
Mais Recentes
>>> Dark City Jogo de Gustavo Barreto pela Funbox (2021)
>>> Naruto Guia Oficial de Personagens o Livro Secreto da Formação de Masashi Kishimoto pela Panini (2021)
>>> O Pistoleiro a Torre Negra Vol I de Stephen King pela Objetiva (2004)
>>> Gabriela Cravo e Canela de Jorge Amado pela Martins (1970)
>>> Abc de Castro Alves de Jorge Amado pela Martins (1970)
>>> O Que as Mulheres Querem ? de Paco Underhill pela Campus (2010)
>>> Dona Flor e Seus Dois Maridos de Jorge Amado pela Martins (1970)
>>> Historia da criação do ensino superior no Acre de Áulio Gélio Alves de Souza pela Thesaurus (2006)
>>> O Mundo Fantástico dos Bonecos de Claudia Zarvos Consultoria e Design pela Sesc (2010)
>>> Médico de homens e de almas - a história de São Lucas de Taylor Caldwell pela Record (2018)
>>> Corpo Fala: A Linguagem Silenciosa Da Comunicação Não Verbal de Vozes pela Vozes (2021)
>>> Correio Fraterno de Feb pela Feb (2021)
>>> Um Longo Caminho para Casa de Danielle Steel pela Record Altaya (2001)
>>> Corrida Da Vida de Leader pela Leader (2021)
>>> Fora de Ordem de Woody Allen pela Agir (2007)
>>> A Ilusão de Scorpio de Robert Ludlum pela Rocco (1995)
>>> Cortázar de Dsop pela Dsop (2021)
>>> Cotidianos Educacionais de Autografia pela Autografia (2021)
>>> Falou e Disse de Francisco Cândido Xavier - Augusto Cezar Neto pela Geem (1978)
>>> Crepúsculo de Intrínseca pela Intrínseca (2021)
>>> Crepúsculo - Serie Branca de Intrínseca pela Intrínseca (2021)
>>> Criando Adolescentes de Fundamento pela Fundamento (2021)
>>> Garoto Linha Dura de Stanislaw Ponte Preta pela Círculo do Livro
>>> Criando Aulas Multimídia Com Visual Class de Giz pela Giz (2021)
>>> Criando moda de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural (2021)
COLUNAS >>> Especial 1964-2004

Sexta-feira, 30/4/2004
1964-2004: Da televisão à internet – um balanço
Julio Daio Borges

+ de 14700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Meu primeiro impulso, ao pensar num tema para estes 40 anos do "1964", foi escrever um balanço cultural entre o "ontem" e o "hoje". Mas seria uma análise incompleta (pois não tenho total domínio sobre as manifestações artísticas nestas quatro décadas), e cairia, inevitavelmente, nas obviedades de sempre: "Nos anos 60, tínhamos Chico, Caetano, Gil, Milton e Jorge Ben - e agora, temos o quê?". Ou seja: é muito fácil chegar à conclusão de que vivemos numa wasteland (pelo menos musical), mas é muito mais difícil identificar o porquê desse estado de coisas. É o que vou tentar fazer aqui. (Não sei se vou conseguir.)

Quando penso em 1964, em 1968, em termos culturais, e no que significativamente mudou, daqueles tempos para cá, penso logo na televisão. Mais especificamente, na fundação da Rede Globo (1965). Claro, também é muito fácil demonizar a Globo - e eu vou tentar não cair nessa tentação. De qualquer forma, tudo o que ocorreu desde então (principalmente para quem nasceu, como eu, na década de 1970) passou pelo "filtro" da Rede Globo. (Hoje, sua hegemonia não é o que era, mas basta imaginar um mundo sem controle remoto, sem Silvio Santos [um produto da Globo], sem cable TV, sem internet e - sobretudo - num regime onde toda crítica era camuflada e onde todo pensamento crítico não florescia...)

Eu fui uma criança que cresceu assistindo ao Sítio do Pica-Pau Amarelo, às oito horas da manhã (e meu pai implicava com a minha mãe, pois esta deixava que ligássemos o televisor logo cedo). Cresci à base de desenhos animados da Hanna Barbera (não na Globo) e quase peguei a Xuxa (na época da Manchete, em 1983) - mas, graças a Deus, me livrei do primado das apresentadoras de programas infantis para debilóides (aos 10 anos já achava o Bozo - ele havia estreado há pouco - um débil mental). Amadureci vendo novelas e me lembro relativamente bem de todas às quais assisti; felizmente me libertei delas ainda no início da adolescência.

Tudo isso para dizer que eu faço parte do sistema, que eu fui formado por ele, e que ele não me é estranho. No início da minha juventude, vivemos a primeira libertação dos escravos, com a introdução de canais UHF (tinha de comprar aquela antena) e com as experiências incipientes em matéria de TV a cabo (com algum esforço, era possível sintonizar a ESPN e mais alguns programas esporádicos de graça). Tomei um banho de MTV e meus heróis, além dos músicos, eram alguns VJs (hoje, sei, sucumbiram ao apelo da indústria da moda - onde uma carinha bonitinha [e um corpo "sarado"] manda[m] mais que um cérebro funcionando, como, aliás, em todos os outros canais).

Enfim, eu ia falar da Globo. E da televisão. Pois então: penso que a minha geração, e as subseqüentes (até muito recentemente), cresceram anestesiadas pela "máquina de fazer doidos". Como diria Platão (através de Sócrates), não acho que a tevê seja uma forma de conhecimento. Essa é minha tese há muito tempo - e sei que muitos de vocês agora vão chiar. É incalculável o quanto perdemos vendo televisão (e o quanto se perde ainda - apesar de que sua força vem diminuindo com o tempo...). Não apenas em horas diante do aparelho, mas sim formando uma "mentalidade" em que todo o resto é visto sob a ótica da televisão.

Outro dia, um exemplo, fui a um lançamento de livro de um amigo. Ele dividia a palestra (introdutória à sessão de autógrafos) com outro escritor. Este último (embora relativamente conhecido nos meios) se comportava exatamente igual a um apresentador de programa de auditório: apelava para piadas jocosas, queria ser o centro das atenções, falava mais alto do que o necessário e se utilizava de expressões nada literárias (que denunciavam suas "influências") como "o povo quer saber". Eu senti vergonha pelo meu amigo; ele era muito mais do que aquilo (se algum desconhecido visse, não acreditaria), mas ele tinha de fazer uso de expedientes como esses, senão as pessoas ali presentes ou dormiriam ou se aborreceriam. (Afinal, estavam acostumadas à esparrela da televisão.)

Outro exemplo. Nélson Rodrigues escrevia, em suas crônicas, que uma coisa dita uma única vez permanecia inédita; era preciso repeti-la, portanto, para que se fizesse conhecer. Depois da televisão essa colocação simples se transformou em religião: o bombardeio de estímulos audiovisuais (que contaminam também o cinema, pois este se vê obrigado a competir) é tamanho que ninguém mais presta atenção em nada. (Depois vai se tratar de DDA.) Assim, o esforço para se transmitir uma informação, uma analogia, um raciocínio tem de ser decuplicado. Por conseqüência (em comparação à televisão), um longa do Novo Realismo Italiano parece "lento"; um livro (qualquer que seja) parece "chato" apenas; uma música (que não seja barulhenta e de curta duração) provoca sonolência aguda. (Nem precisa dizer que esses aspectos todos foram abordados, em muito maior profundidade, pelos "teóricos da comunicação". O que exponho aqui é apenas a ponta do iceberg.)

Então você entende porque as telenovelas da Globo repetem os seus enredos e as mesmas "situações" há tantos anos; porque as vinhetas do Fantástico e do Jornal Nacional não mudam desde que foram inventadas; porque o Galvão Bueno expele as mesmas barbaridades a cada Copa do Mundo de futebol; porque - verdade seja dita - os "ídolos" dos anos 60 permanecem "insuperáveis" (e dá-lhe Elvis, e dá-lhe Beatles, e dá-lhe MPB...), enquanto há um mundo lá fora diariamente se renovando. Porque - vamos encarar os fatos - estamos todos petrificados, com as idéias congeladas, reentoando os velhos mantras da televisão. (Sem que ninguém perceba, o que é pior.)

"Ah, mas não é a televisão; e, no Brasil, não é a Globo" - alguém pode objetar. E eu concordo; mas isso não invalida a minha lógica. Sim, tivemos imprensa amordaçada por uns bons longos anos; tivemos um número significativo de membros da nossa "elite intelectual" silenciados ou mesmo banidos; tivemos décadas de prosperidade (ainda que artificial), coroadas com um boom em infra-estrutura (leia-se: empregos), que compensaram, para o grosso da população, quaisquer mazelas do regime de exceção. Mas o "projeto" não estaria completo sem a tevê e sem a Globo. Graças a ambas, - volto a insistir - ficamos travados no tempo e no espaço; habitamos um mundo encantado e sem saída; abdicamos de qualquer desejo ou vontade, a não ser o prato que nos ofereciam à base de Namoradinhas do Brasil, Robertos Carlos e Chacrinhas.

"E onde entra a internet (do título)?" - alguém pode perguntar. A internet, a meu ver, é o antídoto. E aí está a minha segunda tese (contra a qual muitos vão protestar também). A World Wide Web, com sua democratização dos "meios de produção", rompe com séculos de mudez e de ausência de crítica. Pela primeira vez, a voz do Big Brother não é engolida a seco; o tom oficialesco perde o seu ar "marcial" (pois qualquer internauta pode zombar dele); a imprensa (já sem a mordaça desde a Abertura [1984-5]) deixa de ser conduzida, sai da mão de alguns grupos (ligados ao poder de uma forma ou de outra) e, cibernética, está ao alcance de mim e de você. Foram abertas as comportas. E, através da escrita e da leitura (compulsórias no mundo digital), retomamos aquela linha evolutiva de "informação, analogia e raciocínio" - para sair, finalmente, do imobilismo. Desapertamos o "pause" e as cenas, que ficaram paradas lá nos anos 60 ("Chico, Caetano, Gil, Milton, Jorge Ben..."), voltam a se suceder. Não foi uma nem duas: foram quatro, as décadas perdidas.

Não chamaria a internet de "renascimento", como Gerald Thomas chamou, para depois voltar atrás. Ainda assim penso que ela é, além de tudo, um exemplo útil de como o "poder" cultural se descentralizou, nestes tempos de agora. Basta observar o número crescente de pequenas editoras que surgem; de minúsculas gravadoras e de ínfimos selos de fundo de quintal; de incontáveis revistas (e até jornais) superlotando, cada vez mais, as bancas; de produtoras independentes despejando filmes (sim, filmes) e até sangue novo - quem diria... - na outrora mal vista grade de programação. Os problemas - é evidente - são os mesmos de sempre: falta de público, falta de massa crítica, falta de demanda, falta de dinheiro, falta de reconhecimento, falta de "condições". Mas se considerarmos quantos milhões de zumbis ainda somos por despertar (e os investimentos, em todas as áreas, apostam nisso), até que não estamos tão mal. E poderemos, inclusive, um dia, nos gabar de ter vivido anos tão ou mais ricos que os tais anos 60. Ao menos, culturalmente.


Julio Daio Borges
São Paulo, 30/4/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 2 de Luis Eduardo Matta
02. ¡Qué mala es la gente! de Adriana Baggio
03. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor de Daniel Aurelio


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
04. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço - 30/4/2004
05. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004


Mais Especial 1964-2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/4/2004
13h24min
Gostei bastante do seu texto. Achei mais sóbrio que os textos que encontramos por aí defendendo a internet como se fosse uma nova religião salvadora. Ela não revolucionou a comunicação (pelo menos ainda); talvez pudéssemos falar em modernização conservadora para a internet.
[Leia outros Comentários de paulo]
3/5/2004
10h37min
Achei o texto bem interessante, retratando a internet e a tv, nas suas respectivas qualidades e defeitos. A globo tem o poder de persuadir seus telespectadores, e ja elegeu e derrubou presidentes. No caso da Web, como em todo os segmentos da informatizacao, vai provocar o fim de profissoes nostalgicas, como a do entregador de cartas, e a queda, ja acentuada, de profissionais da imprensa escrita.
[Leia outros Comentários de Milton Moreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Homem do Chapeu Vermelho
Hervé Guibert
Jose Olympio
(1992)



Mediunidade e Caminho
Carlos A. Baccelli
Ide
(2008)



Peripheral Vascular Disease
Alvaro Alonso / David D. Mcmanus
Jones and Bartlett



A History of Education in American Culture
R Freeman Butts/lawrence a Cremin
Henry Holt and Company
(1954)



Os Humanos - 1ªedição
Matt Haig
Jangada
(2016)



Para Ter um Bom Dia Hoje e Amanhã
Israel Belo de Azevedo
Hagnos
(2010)



Kalusha
Bruno Cattoni
7 Letras
(2002)



Pontes Brasileiras Viadutos e Passarelas Notaveis
Augusto Carlos de Vasconcelos
Pini
(1993)



Hp 12 C Owners Handbook and Problem Solving Guide
Hewlett Packard
Hp
(1982)



O curioso caso de Benjamin Button
Francis Scott Fitzgerald
Folha de S. Paulo
(2016)





busca | avançada
71184 visitas/dia
2,6 milhões/mês