Mosaico da tragédia brasileira | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> 2 de Abril #digestivo10anos
>>> Eat the Rich
>>> El fin de la inocencia
>>> So I have a blog
>>> Maria Bethânia em Amor Festa Devoção
>>> Para ler o Pato Donald
>>> A Faculdade de Letras
>>> 13 de Setembro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> O Mistério das Aranhas Verdes de Carlos Heitor Cony; Anna Lee pela Salamandra (2001)
>>> Bem do seu tamanho de Ana Maria Machado; Mariana Massarani pela Salamandra (2003)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 6 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 5 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2003)
>>> Minha vida de menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2020)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Memórias de Carlota Joaquina de Marsilio Cassotti pela Planeta (2020)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco de Luís Cláudio Villafañe G. Santos pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ingleses no Brasil de Gilberto Freyre pela UniverCidade (2020)
>>> Histórias da Gente Brasileira. República. Memórias. 1889-1950 - Volume 3 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Império - Vol. 2 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Colônia - Vol. 1 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Para gostar de ler. Vol.4 - Crônicas.. de Vários pela Ática (1980)
>>> Getúlio 1 (1882-1930) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Viver o Amor. de José Carlos Pedroso pela Edições Paulinas (1978)
>>> General Osorio de Doratioto, Francisco pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ganhadores: A greve negra de 1857 na Bahia de João José Reis pela Companhia das Letras (2020)
>>> Formação de Cidades no Brasil Colonial de Santos, Paulo Ferreira pela Ufrj - IPHAN (2020)
>>> Flores votos e balas de Alonso, Angela pela Companhia das Letras (2020)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/6/2004
Mosaico da tragédia brasileira
Lucas Rodrigues Pires

+ de 9000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O documentário nacional O Prisioneiro da Grade de Ferro é um filme de memória. Apesar de resgatar uma realidade – o cotidiano de presos dentro do cárcere –, o filme retrata o Carandiru, presídio paulistano já desativado e em parte demolido há cerca de alguns anos. E essa memória resgatada está explícita e evidente – além de ser consciente – logo no início quando as cenas da demolição dos prédios do Carandiru são mostradas de trás pra frente, ou seja, o que foi destruído aparece sendo “reconstruído” através de um truque de edição. Assim, parte-se de uma realidade atual – o Carandiru não mais existe como presídio – para um tempo passado – o Carandiru reconstruído e resgatado. Mas há um detalhe: a realidade de dentro do Carandiru não era exclusiva daquele espaço, ela permanece em toda prisão brasileira.

Por esse início já temos uma questão a ser levantada dentro e pelo documentário de Paulo Sacramento: o que é documentário no cenário atual? Se a linguagem documental é a captação de uma realidade, sem artifícios de dramatização e da ficção, o fato de reconstruir o Carandiru, por si só, já é uma ruptura com a esse conceito. Portanto, um artifício de montagem introduz um mundo todo que seria a realidade.

Essa discussão se potencializa quando temos em mente que o filme foi feito em boa parte com imagens captadas pelos próprios presos, daí o subtítulo do filme ser “Auto-retratos”. Evidente que esse fato é um chamariz para que se conheça o “verdadeiro Carandiru”, uma jogada de marketing bem utilizada, mas que não deixa de ser coerente e justa. Uma equipe realizou no presídio uma oficina de cinema e entregou aos detentos câmeras digitais para que filmassem o cotidiano da prisão. O resultado dessas oficinas, somado a filmagens feitas pela própria equipe no local, forma o todo que é O Prisioneiro da Grade de Ferro.

Como discutir uma realidade cujo filtro são os próprios presos? Aí se diferencia a visão – que não deixa de ser uma interpretação – de Prisioneiro para com o filme de Babenco, Carandiru. Em termos de conteúdo, ambos mostram praticamente as mesmas coisas, com exceção restrita à linguagem. A diferença primordial não está em ser o primeiro um documentário e o outro uma obra ficcional baseada em fatos reais, a diferença reside na não-intermediação dos fatos relatados.

Enquanto Carandiru é uma adaptação para o cinema de um livro escrito e baseado na convivência de um médico com os presos e suas histórias, Prisioneiro corta essa linha de intermediação e liga espectador diretamente aos presos e seu mundo. Assim, podemos traçar as seguintes linhas de direção de sentido nos filmes:

Carandiru: espectador – Hector Babenco (diretor de Carandiru) – Dráuzio Varella (autor de Estação Carandiru) – presos (em partes, “câmeras” e diretores de O Prisioneiro da Grade de Ferro) – realidade ficcionada

O Prisioneiro da Grade de Ferro: espectador – presos (Prisioneiro) – realidade “real”

Assim, tem-se que Prisioneiro nos leva à realidade muito mais diretamente (óbvio que ser um documentário já envolve esse rótulo de realidade, mas deve-se ter em conta qual o recorte dessa realidade, de qual realidade se fala e como se fala dela), o que é impossível de negar. Mas onde se quer chegar aqui desde o início é que Prisioneiro é um documentário que pisa em estratagemas próprios da ficção, assim como a condução da história não escapa das manias da literatura e da narratividade ficcional (vejam os livros de Fernando Morais, por exemplo, que são romances vendidos como história, como realidade, porque escritos com base em pesquisa a documentos e relatos históricos). Uma verdade se apresenta como verdade, mas para tanto aproveita formas de outra linguagem, no caso, do cinema de ficção.

Dentro desse esquema, Prisioneiro é um belo exemplo de documentário da recente safra. Mas, fundamentalmente, não se deve esquecer que o cinema não é só filmagem. A palavra final está na edição, na montagem, na colagem dos planos disponíveis. E é aqui que Prisioneiro se resolve enquanto filme e enquanto documentário histórico que tem uma mensagem e busca ter eco na realidade. É na hora da edição que o sentido se faz pleno e o círculo se fecha diante desse recorte de verdade. De mais de 170 horas de gravações, Sacramento utilizou duas horas e três minutos. Onde estaria a verdade, o real absoluto nessa ínfima parte?

Portanto, a questão de um filme que se foca na realidade verdadeira dos presos no Carandiru está abatida justamente porque quem tem a última palavra não são os presos. E, com farto material, o filme de Sacramento não seria igual ao de um preso, ou ao de Hector Babenco, ou ao meu ou ao de qualquer leitor. São infinitas verdades possíveis dentro de infinitas versões possíveis. O real de O Prisioneiro da Grade de Ferro não deixa de ser produto subjetivado.

Dentro disso, Sacramento foi muito habilidoso em costurar as cenas realizadas pelos presos e por sua equipe. Não há identificação do que foi filmado por algum preso e o que foi feito pelo diretor e equipe, com exceção das cenas em que fica clara a autoria, como as que retratam a noite de um detento, quando os presos filmaram dentro da cela seu amanhecer enjaulado da cidade. Em todo o filme não há som algum que não esteja em cena (chama-se o som de fora da cena captada de não-diegético, em oposição ao som diegético, aquele que faz parte do que é filmado). Não há trilha sonora (como em Ônibus 174, de José Padilha, em que ela dita o ritmo do filme e das emoções dos espectadores) nem narração em off (o que invocaria um narrador, de quem estaríamos próximos e não dos objetos retratados). Muitas vezes um som de uma cena vem antes da própria imagem, antecipando e invadindo a cena anterior, mas nunca um som extraplano. A voz é apenas dos presos: eles explicam, reclamam, choram, confessam, rezam, cantam, justificam, vivem e morrem... Temos em cena total unilateralidade porque a opção do filme foi exatamente essa. Não se objetivou discutir o porque dos presos estarem lá, que crimes cometeram, como fazer para melhorar aquilo, condições e tal. Buscou-se o retrato puro e simples, ou então, dentro da proposta do diretor, diversos auto-retratos sem se preocupar com discussões teóricas ou tentar explicar com razões sócio-políticas o porquê daquilo. Não há contexto em Prisioneiro. Temos apenas seu texto, pois o contexto está todos os dias na mídia, no cotidiano do brasileiro médio. (Novamente volto a Ônibus 174, em que o contexto de vida de Sandro do Nascimento, o seqüestrador do ônibus em questão, é resgatado e o cenário sócio-político é comentado e debatido por especialistas).

Na mensagem de Prisioneiro está sua manipulação, assim como em Tiros em Columbine, de Michael Moore, e ela justifica tal fato por si só. Sabemos que os presídios estão superlotados e os presos vivem em condições subumanas (o filme mostra muito bem isso). Nenhuma imagem é inocente, tudo que é mostrado quer reforçar um valor, que pode ser considerado ideológico. Ideologia não no sentido político, mas como uma visão de mundo, de sociedade. E essa visão apresentada no filme é oposta à dos governantes, como bem demonstra a inserção no final do filme que traz o governador Alckmin inaugurando um novo presídio e fazendo apologia de seu governo por ser aquele que mais presídios construiu e que mais vagas criou. Qual a mensagem aqui e com a qual fecha Prisioneiro? A opção dos governantes não é combater essa realidade bárbara retratada no decorrer de quase duas horas, mas sim seu contrário – manter e proliferar esse horror!

O Prisioneiro da Grade de Ferro constitui um marco na história do documentário nacional contemporâneo. Paulo Sacramento “desmonopolizou” um dos maiores poderes da sociedade atual – o poder de fabricar imagens. Com seus auto-retratos, os presos do Carandiru ganharam uma cara, um rosto (vide o final do filme com a apresentação e identificação de todos os participantes), uma forma de existir, mesmo que seja em imagens. E esses rostos marcados pela vida e pela violência formam um enorme mosaico da tragédia brasileira, que pode ser chamada de desigualdade, injustiça, crueldade, criminalidade ou somente de Carandiru, como o é em O Prisioneiro da Grade de Ferro.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 21/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A morte do disco de Luiz Rebinski Junior
02. A difícil arte de fazer arte de Daniela Castilho
03. Desejo de Status de Fabio Silvestre Cardoso
04. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico de Vitor Nuzzi
05. Como Guimarães Rosa me arranjou um emprego de Ana Elisa Ribeiro


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/6/2004
13h43min
Lucas, acabo de ler sua resenha e gostei bastante. Parabéns pelo trabalho. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Graco]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MISSÃO VARNHAGEN NAS REPUBLICAS DO PACÍFICO: 1863 A 1867 VOL. 1
CENTRO HISTÓRIA DOC DIPLOMÁTICA VOL 1
FUND ALEXANDRE DE GUSMÃO
(2005)
R$ 22,28



MOSAICO DO SENTIR
FERNANDO HERNADEZ JUNIOR
GENTE
(2004)
R$ 12,00



ECONOMIA 17ª ED
PAUL A. SAMUELSON E WILLIAM D. NORDHAUS
MCGRAW HILL
(2004)
R$ 59,00



CYRANO DE BERGERAC
EDMOND ROSTAND
SCIPIONE
(1992)
R$ 25,00
+ frete grátis



PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL
HENRIQUE RATTNER
BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA
(1974)
R$ 14,50



SYNTHÈSE DU TRANSFORMISME
RAIMOND COULON
C REINWALD
(1892)
R$ 130,00



ENSAIOS HISTÓRICOS
PAULO SETUBAL
COMPANHIA NACIONAL
(1983)
R$ 5,87



OPERAÇÃO CAVALO DE TRÓIA 5: OS OUTROS MUNDOS
J. J. BENÍTEZ
MERCURYO
(1996)
R$ 12,21



HISTÓRIA DA VIDA PRIVADA EM PORTUGAL - 4º VOLUME (OS NOSSOS DIAS)
JOSÉ MATTOSO
TEMAS E DEBATES
(2011)
R$ 350,00



CONSTRUINDO CONSCIÊNCIAS 7° ANO
CARMEN DE CARO / HELDER DE PAULA E OUTROS
SCIPIONE
(2012)
R$ 9,00





busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês