O que você está lendo? | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Canto dos Recuados - espetáculo musical mergulha na cultura afrobarroca
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Incubus - Circles
>>> Citizen Kane
>>> Da vitrola ao microchip
>>> De onde vem a carne que você come?
>>> (Re)masterizados e (Re)mixados
>>> Um mundo além do óbvio
>>> Anarchy in the U.K.
>>> História do Ganesha
>>> A sombra de Saramago
Mais Recentes
>>> Em Busca Da América de Record pela Record (2021)
>>> Em Busca da Vitória - Volume 2 de Fundamento pela Fundamento (2021)
>>> Emma de Principis pela Principis (2021)
>>> Emma de Martin Claret pela Martin Claret (2021)
>>> Em Neu 2008 Abschlusskurs - KB+AB Lektion 1-5 de Hueber Verlag pela Hueber Verlag (2021)
>>> Como Cuidar do Seu Meio Ambiente de Desconhecido pela Bei (2002)
>>> Esposa 22 de Melanie Gideon pela Intrinseca (2012)
>>> Você, Líder do Seu Sucesso de Inácio Dantas pela Clube dos Autores (2018)
>>> Mundo Em Transformação de Antonio Cabral; Leonardo Coelho pela Autêntica (2006)
>>> Nós Dois na Madrugada de Sanne Munk Jensen e Ringtve pela Suma (2018)
>>> O Videogame do Rei de Ricardo Silvestrin pela Record (2009)
>>> Cinema Transcendental: um Guia de Filmes Sobre a Vida Após a Morte de Lyn, Tom Davis Genelli pela Pensamento (2014)
>>> Histórias para o Coração da Mãe de Alice Gray pela United Press (2005)
>>> Lua Nova - Formato Menor de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> O Mar de Monstros - Percy Jackson e os Olimpianos Livro Dois de Rick Riordan pela Intrinseca (2009)
>>> Amanhecer de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> Os Lusíadas de Luís de Camões pela Estadão (1995)
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro Volume 321 de Vários Autores pela Imprensa Nacional (1978)
>>> Guia do Servidor Linux Edição Servidor 3 de Conectiva pela Conectiva (1999)
>>> Introdução a Teoria das Linhas de Transmissão de José Thomaz Senise pela Mauá (1979)
>>> Feijoada na Copa de Chico Anísio pela Círculo do Livro (1976)
>>> Espinhos do Tempo de Zibia Gasparetto pela Os Caminheiros (1990)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Record (1978)
>>> Catálogo Antunes 87/8 de José Manuel Antunes pela Do Autor (1988)
COLUNAS

Terça-feira, 7/9/2004
O que você está lendo?
Luis Eduardo Matta

+ de 5300 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"O que você está lendo?" Essa pergunta, algo curiosa, algo indiscreta, pode soar debochada ou descabida num lugar como o Brasil, onde se convencionou afirmar que ninguém lê, a despeito de o nosso mercado editorial estar entre os dez maiores do mundo, acima de países como Itália, China e Canadá e superior ao de toda a América espanhola reunida mais Portugal (a máxima de que Buenos Aires possui mais livrarias do que o Brasil inteiro não passa de uma daquelas lendas cuja longevidade é um enigma; nosso país contabiliza, hoje, cerca de mil e trezentas livrarias - o que é, sem dúvida, pouco, se comparado a uma população de cento e oitenta milhões de pessoas -, enquanto a capital argentina e arredores têm pouco mais de quatrocentas). Mesmo assim, a pergunta que visa decifrar as preferências de leitura de celebridades e formadores de opinião, está presente em toda a mídia impressa, de entrevistas a enquetes, passando pelos mais do que batidos perfis do consumidor. E nem adianta mencionar jornais, revistas ou blogs, por melhores que sejam as escolhas. A pergunta refere-se, unicamente, a livros.

Quem tem o hábito de ler com regularidade as seções literárias na imprensa, já deve ter notado como essa indagação é constante, chegando a merecer um lugar cativo e exclusivo em algumas publicações. É curioso, pois não vejo o mesmo interesse em relação a outras manifestações artísticas e culturais como, por exemplo, a música ("Que CD você tem ouvido mais, ultimamente?") ou o cinema ("Qual o último filme a que você assistiu?"). Talvez porque a audição de um CD ou a assistência de um filme sejam hábitos já mais do que incorporados ao cotidiano da população urbana em geral, enquanto que o ato de ler permanece um mistério indecifrável, como um castelo austero e majestoso, lindamente incrustado no topo de um outeiro enevoado e inexpugnável, permeado de lendas e muita desconfiança. Ao mesmo tempo em que exerce um irresistível fascínio, por ser a fonte máxima do conhecimento e por guardar nas suas páginas, possibilidades ilimitadas de viver aventuras e experimentar sensações com uma intensidade única e improvável de outra forma, os livros assustam e inibem quem não os conhece bem, intimidam os que não lhes foram adequadamente apresentados e não puderam se deixar envolver por toda a sua magia e encantamento.

Tudo isso contribuiu para alimentar a noção de que os leitores são seres diferentes, privilegiados, habitantes de um outro mundo, com uma aptidão peculiar e algo incomum para se entregar a um exercício que, à maioria, não causa mais do que sono e desconforto. E acabou levando o senso comum a consagrar a idéia absurda e limitadora de que a leitura é um exercício essencialmente intelectual, sempre com objetivos nobres e bem definidos de crescimento interior, reflexão sobre algum tema importante ou absorção de conhecimento. O resultado foi que se criou em torno do objeto livro, uma espécie de folclore, que todos os segmentos da sociedade - a classe leitora, inclusive - parecem ter incorporado sem a menor cerimônia.

Basta acompanhar a imprensa literária para se dar conta de como isso, de fato, acontece. Indagados sobre os livros que estão lendo, muitos entrevistados, no afã de arrotar uma cultura portentosa e admirável, não resistem a disparar respostas pomposas do tipo: "Estou lendo dois livros no momento: Les Liaisons Ordinaires. Wittgenstein sur la Pensée et le Monde, Leçons au Collège de France - Juin 2002, de Charles Travis, numa competente edição da Librairie Philosophique J. Vrin e, ainda, Lições Sobre a Filosofia Política de Kant, de Hannah Arendt (Relume Dumará), com organização e ensaios de Ronald Reiner. É uma reunião de aulas dadas por Hannah Arendt sobre a filosofia política de Kant, uma análise do ato de julgar, que serviria como tema para a última parte da sua trilogia inacabada A Vida do Espírito, que a morte repentina a impediu de concluir".Ou então: "Leio Marc Aurel. Der Philosoph auf dem Cäsarenthron, de Ute Schall, publicado pela Ullstein Taschenbuch, de Berlim. Antes, tinha lido, da mesma autora, Die Juden im Römischen Reich, também excelente. Ambos não foram traduzidos para o português, mas são leituras imprescindíveis, que recomendo a todos que apreciam um texto consistente e informativo". Atire a primeira pedra quem nunca leu depoimentos semelhantes a estes nos suplementos literários dos jornais de circulação nacional.

Da mesma maneira, é raro depararmos com pessoas admitindo que se deleitaram com os últimos títulos de Paulo Coelho, Sidney Sheldon, Zíbia Gasparetto ou John Grisham, apesar de estes estarem freqüentemente no topo das listas de mais vendidos em todo o país e ocuparem as livrarias com pilhas e mais pilhas de exemplares que nem chegam a juntar poeira nas prateleiras. Por que será? Esnobismo intelectual? Risco de ser visto como um leitor sem personalidade e desprovido de gosto ou conhecimento literário? Um desejo irrefreável de ser descobridor das coisas e dançar diferente da maioria? É quase certo que muitos dos leitores confessos das obras sobre Kant e Wittgenstein, cujos volumes, ocupam lugar de destaque nas suas estantes abarrotadas ao lado de vistosos exemplares de Joyce, Proust, Sartre, Nietzsche e Cervantes, lêem, escondidos atrás do sofá, embaixo da mesa ou na penumbra solitária do quarto trancado a chave, os best-sellers de Literatura, espiritismo e auto-ajuda, cuja reputação, à luz do dia, se empenham em destruir com suas opiniões ácidas e que encontram imediata receptividade entre colegas com práticas similares, os quais, também, jamais revelarão o seu degradante e herético segredo.

Duas dúvidas, contudo, permanecem em aberto: 1) Se o brasileiro é um povo iletrado e os poucos iluminados que compram livros só se deleitam com obras de denso teor acadêmico ou lírico, quem então consumiu os milhões de exemplares que tornaram Paulo Coelho uma celebridade? 2) Já que ninguém lê mesmo, que diferença faz revelar em público que se está lendo Brida ou Crítica da Razão Pura? Ou será que estamos condenados a ser, eternamente, uma nação dividida entre uma massa de supostos analfabetos e um clubinho de pretensos intelectuais que vêem no ato de ler, quase um ritual religioso? Torço para que, um dia, perguntados sobre o que estão lendo, nossos formadores de opinião se preocupem mais em responder a verdade, em vez de tentar se promover às custas dos livros que irão citar.

Te Vejo na Laura

Se a vida noturna do Rio de Janeiro anda combalida devido à queda da clientela, afugentada pelos preços altos, pela insegurança das ruas e pela fúria dos pitboys nas boates, o mesmo não se pode afirmar da vida cultural, que segue em alta, com uma efervescência e uma vitalidade impressionantes. Prova disso é o evento Te Vejo na Laura, idealizado pelo jovem e talentoso casal Maria Rezende (poeta) e Rodrigo Bittencourt (músico) que toda a última segunda-feira de cada mês ocupa o palco da Casa de Cultura Laura Alvim, um dos mais ativos e prestigiados espaços culturais da Zona Sul carioca.

Levado por uma amiga, a livreira Ana Klajman, estive lá no início da noite de segunda, 30/8, para conferir e posso dizer que o espetáculo superou as minhas expectativas, que já eram bastante altas. A proposta do evento é dar oportunidade a novos artistas - em especial poetas, músicos e compositores, cujo acesso à grande mídia é, em geral, muito difícil - de mostrar o seu trabalho a uma platéia interessada e antenada. Com o teatro lotado, tive dificuldades em encontrar um lugar e acabei me sentando num dos corredores do balcão, de onde se descortinava uma visão nítida e abrangente do palco, sem nenhuma cabeça inconveniente à minha frente.

O espetáculo seguiu à risca a sua linha democrática, reunindo artistas novatos e consagrados, como a poeta Elisa Lucinda, o ator Marcelo Serrado e a cantora Ana Carolina, que encantou a platéia declamando, com um surpreendente talento teatral, textos de Clarice Lispector e da própria Elisa Lucinda. Em especial um divertido conto em que esta descrevia a conversa com um motorista de táxi durante uma corrida à casa de Ana Carolina para entregar um texto que seria recitado na abertura dos shows de uma turnê que a autora e intérprete de sucessos como Garganta, faria pelo Brasil e que, não por acaso, também foi lido por ela, ali no palco. Entre os novatos, destaque para Domingos Guimaraens, bisneto do poeta simbolista Alphonsus de Guimaraens, autor de uma interessante performance que cumpriu o objetivo anunciado de ser inexplicável - tanto assim que eu sou incapaz de explicá-la aqui; para Rodrigo Bittencourt e suas ótimas músicas, como Cinema Americano, sempre dedicadas a um ícone consagrado (de Richard Wagner a Caetano Veloso); e, sobretudo, a Maria Rezende, que foi aluna de Elisa Lucinda e leu alguns dos poemas publicados no seu livro Substantivo Feminino, como o divertido, criativo e sugestivo Pau Mole.

E, para não fugir ao tópico que abriu esta coluna e, sem que ninguém se dê ao trabalho de me perguntar, quero dizer que, neste momento, estou lendo Substantivo Feminino de Maria Rezende, uma leitura imperdível que recomendo seja feita ao som do CD de Rodrigo Bittencourt, Canção para Ninar Adulto. Comprei um exemplar de cada, num pacote à saída do espetáculo e não me arrependi. Quem quiser saber mais sobre o Te Vejo na Laura, sugiro uma visita ao site: tevejonalaura.blogspot.com.

Hápax traz ao público a boa música brasileira contemporânea

De acordo com o Aurélio, "hápax é uma abreviação do grego hapax legomenon, 'o que foi dito apenas uma vez'(...) Palavra, termo locução, etc., que ocorre apenas uma vez em documento, obra literária ou científica, etc. (...)". Ou seja, refere-se a algo de caráter inédito, já que nunca se repete.

A idéia do Hápax, um conjunto de câmara formado pelos músicos Tatiana Dumas (piano), Marcos Botelho (trombone) e Taís Soares (violino) é abrir um canal para que peças inéditas de compositores brasileiros contemporâneos de música erudita - conhecida como Música Brasileira Contemporânea - possam ser apresentadas ao público -, daí a escolha do nome. Sua criação vem preencher uma grande lacuna na cena musical carioca, uma vez que, segundo consta, não existe na cidade um conjunto fixo, dedicado principalmente à música contemporânea, cujo caráter é fortemente experimental. Ao assumir a tarefa de dar visibilidade a um segmento desconhecido das grandes platéias, o Hápax espera, ainda, estimular novos compositores a produzir e a apresentar seus trabalhos.

Terça-feira passada, dia 31/8, o trio apresentou-se dentro da Série Brasiliana 2004 da Academia Brasileira de Música, que na última terça de cada mês promove concertos e recitais no auditório da Casa de Rui Barbosa, no Rio. No repertório, peças de compositores consagrados (Edino Krieger, Almeida Prado) e novos (Yahn Wagner, Delano Mothé). O recital, do qual fui um dos espectadores, teve momentos inusitados, como o duo do trombone de Marcos Botelho com o eco produzido pela cauda do piano e arrancou entusiasmados aplausos do público que lotou o auditório. Graças ao Hápax, tive a felicidade de conhecer, por exemplo, os lindos Estudos 1 e 2 para piano de Delano Mothé e o inusitado Entremeio para violino, trombone e piano, de Marisa Rezende.

O Hápax avisa que está apenas começando e que veio para ficar. Sua próxima apresentação acontecerá no dia 18 de novembro de 2004, no IBEU de Copacabana, no Rio de Janeiro.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 7/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
03. A grama do vizinho de Adriane Pasa
04. A Palavra Mágica de Marilia Mota Silva
05. Flexibilidade Histórica de Daniel Bushatsky


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/9/2004
12h54min
Luis Eduardo, muitíssimo obrigada pela sua matéria bacanérrima sobre o nosso projeto, que bom que você esteve por lá e se sentiu motivado a escrever sobre a gente. Fazer esse projeto é uma trabalheira enorme e todas as manifestações a favor são fundamentais pra manter a chama acesa, sabe? Espero que você volte sempre e muito obrigada também pela recomendação dos nossos trabalhos, isso é igual mastercard: não tem preço! Um grande abraço, Maria e Rodrigo
[Leia outros Comentários de maria rezende]
7/9/2004
17h39min
Esses projetos que disponibilizam novos espaços para novos artistas são indispensáveis. Lembro com muito carinho as várias noites que passei no CEP 20000 no Espaço Cultural Sérgio Porto absorvendo novas poesias e música que eram criadas naquela época. Saudades...
[Leia outros Comentários de Daniel Malaguti]
8/9/2004
11h24min
seria tão bom projetos como esse rodando o país...
[Leia outros Comentários de Simone]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Olhando o Mundo Com São Francisco
Cardeal Arns
Edições Loyola
(1982)



Advanced Vocabulary & Idiom
B J Thomas
Longman
(1997)



Imortal
Anderson Santos
21
(2009)



Uma Viagem Aventurosa - Percorrendo o Brasil Em 1850
Julita Scarano
Brasiliense
(2007)



Meu Pai é um Super-herói
Ruby Brown Lesley Vamos
Fundamento
(2014)



Direito Tributario: Com Emenda Constitucional Nº3, de 170393
Yoshiaki Ichihara
Atlas
(1995)



Os Yoruba do Novo Mundo - 1ª Edição
Stefania Capone
Pallas
(2011)



Premier Dictionnaire En Images
Pierre Fourré
Bertrand
(1962)



A Mente e Força Criadora
Seicho Taniguchi
Seicho-no-ie
(1977)



Small G
Patricia Highsmith
Mandarim
(1996)





busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês