O que você está lendo? | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 7/9/2004
O que você está lendo?
Luis Eduardo Matta

+ de 5100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"O que você está lendo?" Essa pergunta, algo curiosa, algo indiscreta, pode soar debochada ou descabida num lugar como o Brasil, onde se convencionou afirmar que ninguém lê, a despeito de o nosso mercado editorial estar entre os dez maiores do mundo, acima de países como Itália, China e Canadá e superior ao de toda a América espanhola reunida mais Portugal (a máxima de que Buenos Aires possui mais livrarias do que o Brasil inteiro não passa de uma daquelas lendas cuja longevidade é um enigma; nosso país contabiliza, hoje, cerca de mil e trezentas livrarias - o que é, sem dúvida, pouco, se comparado a uma população de cento e oitenta milhões de pessoas -, enquanto a capital argentina e arredores têm pouco mais de quatrocentas). Mesmo assim, a pergunta que visa decifrar as preferências de leitura de celebridades e formadores de opinião, está presente em toda a mídia impressa, de entrevistas a enquetes, passando pelos mais do que batidos perfis do consumidor. E nem adianta mencionar jornais, revistas ou blogs, por melhores que sejam as escolhas. A pergunta refere-se, unicamente, a livros.

Quem tem o hábito de ler com regularidade as seções literárias na imprensa, já deve ter notado como essa indagação é constante, chegando a merecer um lugar cativo e exclusivo em algumas publicações. É curioso, pois não vejo o mesmo interesse em relação a outras manifestações artísticas e culturais como, por exemplo, a música ("Que CD você tem ouvido mais, ultimamente?") ou o cinema ("Qual o último filme a que você assistiu?"). Talvez porque a audição de um CD ou a assistência de um filme sejam hábitos já mais do que incorporados ao cotidiano da população urbana em geral, enquanto que o ato de ler permanece um mistério indecifrável, como um castelo austero e majestoso, lindamente incrustado no topo de um outeiro enevoado e inexpugnável, permeado de lendas e muita desconfiança. Ao mesmo tempo em que exerce um irresistível fascínio, por ser a fonte máxima do conhecimento e por guardar nas suas páginas, possibilidades ilimitadas de viver aventuras e experimentar sensações com uma intensidade única e improvável de outra forma, os livros assustam e inibem quem não os conhece bem, intimidam os que não lhes foram adequadamente apresentados e não puderam se deixar envolver por toda a sua magia e encantamento.

Tudo isso contribuiu para alimentar a noção de que os leitores são seres diferentes, privilegiados, habitantes de um outro mundo, com uma aptidão peculiar e algo incomum para se entregar a um exercício que, à maioria, não causa mais do que sono e desconforto. E acabou levando o senso comum a consagrar a idéia absurda e limitadora de que a leitura é um exercício essencialmente intelectual, sempre com objetivos nobres e bem definidos de crescimento interior, reflexão sobre algum tema importante ou absorção de conhecimento. O resultado foi que se criou em torno do objeto livro, uma espécie de folclore, que todos os segmentos da sociedade - a classe leitora, inclusive - parecem ter incorporado sem a menor cerimônia.

Basta acompanhar a imprensa literária para se dar conta de como isso, de fato, acontece. Indagados sobre os livros que estão lendo, muitos entrevistados, no afã de arrotar uma cultura portentosa e admirável, não resistem a disparar respostas pomposas do tipo: "Estou lendo dois livros no momento: Les Liaisons Ordinaires. Wittgenstein sur la Pensée et le Monde, Leçons au Collège de France - Juin 2002, de Charles Travis, numa competente edição da Librairie Philosophique J. Vrin e, ainda, Lições Sobre a Filosofia Política de Kant, de Hannah Arendt (Relume Dumará), com organização e ensaios de Ronald Reiner. É uma reunião de aulas dadas por Hannah Arendt sobre a filosofia política de Kant, uma análise do ato de julgar, que serviria como tema para a última parte da sua trilogia inacabada A Vida do Espírito, que a morte repentina a impediu de concluir".Ou então: "Leio Marc Aurel. Der Philosoph auf dem Cäsarenthron, de Ute Schall, publicado pela Ullstein Taschenbuch, de Berlim. Antes, tinha lido, da mesma autora, Die Juden im Römischen Reich, também excelente. Ambos não foram traduzidos para o português, mas são leituras imprescindíveis, que recomendo a todos que apreciam um texto consistente e informativo". Atire a primeira pedra quem nunca leu depoimentos semelhantes a estes nos suplementos literários dos jornais de circulação nacional.

Da mesma maneira, é raro depararmos com pessoas admitindo que se deleitaram com os últimos títulos de Paulo Coelho, Sidney Sheldon, Zíbia Gasparetto ou John Grisham, apesar de estes estarem freqüentemente no topo das listas de mais vendidos em todo o país e ocuparem as livrarias com pilhas e mais pilhas de exemplares que nem chegam a juntar poeira nas prateleiras. Por que será? Esnobismo intelectual? Risco de ser visto como um leitor sem personalidade e desprovido de gosto ou conhecimento literário? Um desejo irrefreável de ser descobridor das coisas e dançar diferente da maioria? É quase certo que muitos dos leitores confessos das obras sobre Kant e Wittgenstein, cujos volumes, ocupam lugar de destaque nas suas estantes abarrotadas ao lado de vistosos exemplares de Joyce, Proust, Sartre, Nietzsche e Cervantes, lêem, escondidos atrás do sofá, embaixo da mesa ou na penumbra solitária do quarto trancado a chave, os best-sellers de Literatura, espiritismo e auto-ajuda, cuja reputação, à luz do dia, se empenham em destruir com suas opiniões ácidas e que encontram imediata receptividade entre colegas com práticas similares, os quais, também, jamais revelarão o seu degradante e herético segredo.

Duas dúvidas, contudo, permanecem em aberto: 1) Se o brasileiro é um povo iletrado e os poucos iluminados que compram livros só se deleitam com obras de denso teor acadêmico ou lírico, quem então consumiu os milhões de exemplares que tornaram Paulo Coelho uma celebridade? 2) Já que ninguém lê mesmo, que diferença faz revelar em público que se está lendo Brida ou Crítica da Razão Pura? Ou será que estamos condenados a ser, eternamente, uma nação dividida entre uma massa de supostos analfabetos e um clubinho de pretensos intelectuais que vêem no ato de ler, quase um ritual religioso? Torço para que, um dia, perguntados sobre o que estão lendo, nossos formadores de opinião se preocupem mais em responder a verdade, em vez de tentar se promover às custas dos livros que irão citar.

Te Vejo na Laura

Se a vida noturna do Rio de Janeiro anda combalida devido à queda da clientela, afugentada pelos preços altos, pela insegurança das ruas e pela fúria dos pitboys nas boates, o mesmo não se pode afirmar da vida cultural, que segue em alta, com uma efervescência e uma vitalidade impressionantes. Prova disso é o evento Te Vejo na Laura, idealizado pelo jovem e talentoso casal Maria Rezende (poeta) e Rodrigo Bittencourt (músico) que toda a última segunda-feira de cada mês ocupa o palco da Casa de Cultura Laura Alvim, um dos mais ativos e prestigiados espaços culturais da Zona Sul carioca.

Levado por uma amiga, a livreira Ana Klajman, estive lá no início da noite de segunda, 30/8, para conferir e posso dizer que o espetáculo superou as minhas expectativas, que já eram bastante altas. A proposta do evento é dar oportunidade a novos artistas - em especial poetas, músicos e compositores, cujo acesso à grande mídia é, em geral, muito difícil - de mostrar o seu trabalho a uma platéia interessada e antenada. Com o teatro lotado, tive dificuldades em encontrar um lugar e acabei me sentando num dos corredores do balcão, de onde se descortinava uma visão nítida e abrangente do palco, sem nenhuma cabeça inconveniente à minha frente.

O espetáculo seguiu à risca a sua linha democrática, reunindo artistas novatos e consagrados, como a poeta Elisa Lucinda, o ator Marcelo Serrado e a cantora Ana Carolina, que encantou a platéia declamando, com um surpreendente talento teatral, textos de Clarice Lispector e da própria Elisa Lucinda. Em especial um divertido conto em que esta descrevia a conversa com um motorista de táxi durante uma corrida à casa de Ana Carolina para entregar um texto que seria recitado na abertura dos shows de uma turnê que a autora e intérprete de sucessos como Garganta, faria pelo Brasil e que, não por acaso, também foi lido por ela, ali no palco. Entre os novatos, destaque para Domingos Guimaraens, bisneto do poeta simbolista Alphonsus de Guimaraens, autor de uma interessante performance que cumpriu o objetivo anunciado de ser inexplicável - tanto assim que eu sou incapaz de explicá-la aqui; para Rodrigo Bittencourt e suas ótimas músicas, como Cinema Americano, sempre dedicadas a um ícone consagrado (de Richard Wagner a Caetano Veloso); e, sobretudo, a Maria Rezende, que foi aluna de Elisa Lucinda e leu alguns dos poemas publicados no seu livro Substantivo Feminino, como o divertido, criativo e sugestivo Pau Mole.

E, para não fugir ao tópico que abriu esta coluna e, sem que ninguém se dê ao trabalho de me perguntar, quero dizer que, neste momento, estou lendo Substantivo Feminino de Maria Rezende, uma leitura imperdível que recomendo seja feita ao som do CD de Rodrigo Bittencourt, Canção para Ninar Adulto. Comprei um exemplar de cada, num pacote à saída do espetáculo e não me arrependi. Quem quiser saber mais sobre o Te Vejo na Laura, sugiro uma visita ao site: tevejonalaura.blogspot.com.

Hápax traz ao público a boa música brasileira contemporânea

De acordo com o Aurélio, "hápax é uma abreviação do grego hapax legomenon, 'o que foi dito apenas uma vez'(...) Palavra, termo locução, etc., que ocorre apenas uma vez em documento, obra literária ou científica, etc. (...)". Ou seja, refere-se a algo de caráter inédito, já que nunca se repete.

A idéia do Hápax, um conjunto de câmara formado pelos músicos Tatiana Dumas (piano), Marcos Botelho (trombone) e Taís Soares (violino) é abrir um canal para que peças inéditas de compositores brasileiros contemporâneos de música erudita - conhecida como Música Brasileira Contemporânea - possam ser apresentadas ao público -, daí a escolha do nome. Sua criação vem preencher uma grande lacuna na cena musical carioca, uma vez que, segundo consta, não existe na cidade um conjunto fixo, dedicado principalmente à música contemporânea, cujo caráter é fortemente experimental. Ao assumir a tarefa de dar visibilidade a um segmento desconhecido das grandes platéias, o Hápax espera, ainda, estimular novos compositores a produzir e a apresentar seus trabalhos.

Terça-feira passada, dia 31/8, o trio apresentou-se dentro da Série Brasiliana 2004 da Academia Brasileira de Música, que na última terça de cada mês promove concertos e recitais no auditório da Casa de Rui Barbosa, no Rio. No repertório, peças de compositores consagrados (Edino Krieger, Almeida Prado) e novos (Yahn Wagner, Delano Mothé). O recital, do qual fui um dos espectadores, teve momentos inusitados, como o duo do trombone de Marcos Botelho com o eco produzido pela cauda do piano e arrancou entusiasmados aplausos do público que lotou o auditório. Graças ao Hápax, tive a felicidade de conhecer, por exemplo, os lindos Estudos 1 e 2 para piano de Delano Mothé e o inusitado Entremeio para violino, trombone e piano, de Marisa Rezende.

O Hápax avisa que está apenas começando e que veio para ficar. Sua próxima apresentação acontecerá no dia 18 de novembro de 2004, no IBEU de Copacabana, no Rio de Janeiro.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 7/9/2004


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/9/2004
12h54min
Luis Eduardo, muitíssimo obrigada pela sua matéria bacanérrima sobre o nosso projeto, que bom que você esteve por lá e se sentiu motivado a escrever sobre a gente. Fazer esse projeto é uma trabalheira enorme e todas as manifestações a favor são fundamentais pra manter a chama acesa, sabe? Espero que você volte sempre e muito obrigada também pela recomendação dos nossos trabalhos, isso é igual mastercard: não tem preço! Um grande abraço, Maria e Rodrigo
[Leia outros Comentários de maria rezende]
7/9/2004
17h39min
Esses projetos que disponibilizam novos espaços para novos artistas são indispensáveis. Lembro com muito carinho as várias noites que passei no CEP 20000 no Espaço Cultural Sérgio Porto absorvendo novas poesias e música que eram criadas naquela época. Saudades...
[Leia outros Comentários de Daniel Malaguti]
8/9/2004
11h24min
seria tão bom projetos como esse rodando o país...
[Leia outros Comentários de Simone]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIÁFANAS PAISAGENS DIAPHANOUS LANDSCAPES
TAKASHI FUKUSHIMA/ JACOB KLINTOWITZ
INSTITUTO OLGA KOS INCLUSÃO CULTURAL
(2016)
R$ 37,00



MAQUIAVEL - OS PENSADORES
MAQUIAVÉL
NOVA CULTURAL
(2000)
R$ 9,80



UM POUCO DE TUDO
PROF. ROBERTO DE OLIVEIRA
DO AUTOR
(2000)
R$ 12,00



FESTIVAL DE CULINÁRIA REGIONAL UMA DELICIOSA VIAGEM AOS SABORES E TEMP
TAM
TAM
R$ 14,90



A HEROINA 3 VOLUMES
MICHEL ZEVACO
MINERVA
R$ 25,00



MOINHO ESMOLA MOEDA LIMÃO CONVERSA EM FAMÍLIA
BOLÍVAR LAMOUNIER
AUGURIUM
(2004)
R$ 12,00



BANZAI: SIX MOIS DE DÉFAITS AMERICAINES DE PEARL HARBOR À MIDWAY
JOHN TOLAND
CALMANN LEVY
(1963)
R$ 26,00



A MORTE TEM SETE HERDEIROS
STELLA CARR & GANYMÉDES JOSÉ
MODERNA
(1982)
R$ 6,99



VINCULOS
LÚCIA PIMENTEL GÓES
ATUAL
(1993)
R$ 9,90



ANTOLOGIA BRASILEIRA DE HUMOR 1 E 2
VÁRIOS AUTORES
L & PM
(1976)
R$ 22,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês