Manias | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIPS
>>> Digestivo no Podcrer
>>> Casamento atrás da porta
>>> Aida, com Lorin Maazel e a Symphonica Toscanini
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Tubo de Ensaio
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Lei do Sexagenário
>>> Desglobalização
Mais Recentes
>>> O negócio dos livros: Como grandes corporações decidem o que você lê de André Schiffrin pela Casa da Palavra (2006)
>>> Jesus Cristo Veio na Carne é de Deus de Centro Bíblico Verbo pela Paulus (2019)
>>> Inexistência da Doença de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ei (2015)
>>> Jesus a Vida Completa de Juanribe Pagliarin pela Bless Press (2012)
>>> Poemas para Ler na Escola de João Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2010)
>>> O Juiz do Turbante Dourado e a Senhora das Agulhas de Francisco Fernandes de Araújo pela Pontes (2007)
>>> Juntando as Peças Liderança na Prática de Maércio Rezende pela Saint Paul (2010)
>>> Kundu de Morris West pela RioGráfica (1986)
>>> O Livro da Saúde - Enciclopédia Médica Familiar de Benjamin F. Miller pela Seleções (1976)
>>> After the Fall de Arthur Miller pela Bantam Books (1967)
>>> João Sendo João de João Guilherme pela Planeta (2016)
>>> Juquinha, Eterno de Fabiano Candido pela Autografia (2018)
>>> Josué e a Vida Depois da Virgula de Delcio O. Meireles pela Imprensa da Fé
>>> A Jornada - Devocionário de Vários Colaboradores pela Ed. Z3 (2010)
>>> A Jornada - Sabedoria e Cuidado de Deus Capa de Ricardo Agreste da Silva pela Zz3 (2014)
>>> Percy Jackson - Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrinseca (2008)
>>> The Adventures of Tom Sawyer de Mark Twain pela Oxford Bookworms (2008)
>>> O fim dos tempos de Thomas M Campion pela Arqueiro (2019)
>>> Tex Coleção 471 - Morte no Rio de G. L. Bonelli pela Mythos (2013)
>>> Tex 386 de Bonelli pela Mythos (2015)
>>> Tex o Pueblo Escondido de G. L. Bonelli - A. Galleppini pela Mythos (2015)
>>> Dragon Ball Nº 13 de Akira Toriyama pela Panini (2012)
>>> Aventura no Império do Sol de Silvia Cintra Franco pela Ática (1989)
>>> Um Rosto no Computador de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> Um inimigo em cada esquina de Raul Drewnick pela Ática (2001)
COLUNAS

Sexta-feira, 1/10/2004
Manias
Julio Daio Borges

+ de 4000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Ao acordar - Despertar às vezes antes do horário. Rolar na cama. Tentar dormir de novo. Em vão. [Liga o som.] Correr para desligar (na medida do possível). Esfregar os olhos. Banheiro. Bocejo. Lavar o rosto. Alguma idéia para o traje de hoje? Evocar mentalmente os compromissos e a agenda (na dúvida, consultar a própria - contrariado). Separar a roupa. Fazer o mesmo com os apetrechos da ginástica (sem pressa, sem irritação). Ligar a ducha. Esperar esquentar... Ir tirando a roupa e ir comparando o físico de hoje com o do dia anterior. Esquentou. Pular dentro do box. Fechar o "vitrô" para que o calor não escape. Sabonete, sem xampu, sabonete, sem condicionador, sabonete (lavar a cabeça apenas à noite). Água, água, água. Desligar. Toalha. (Uma para o corpo todo; outra para os pés.) Vestir. Suar. Destravar a porta e fazer circular o ar...

No escritório - Chegar cedo. Estacionar na mesma vaga. A mais distante, e menos movimentada. Descer com carteira, documento do carro e celular. Desligar o rádio. Guardar os óculos na caixa. Fechar a porta da frente e abrir a de trás. Pegar a sacola com o lanche. Fechar. Abrir o porta-malas. Pegar a bolsa de trabalho. Subir. Abrir a porta do escritório. Ainda carregado, ir levantando as persianas e abrindo as janelas (só uma fresta, para ventilar). Na sala do fundo, depositar o lanche entre o computador e a impressora; a mala, na ponta da mesa; agenda (de dentro da pasta), na ponta oposta - ao lado do telefone. Abrir as janelas (ainda menos do que as demais). Ligar o computador...

Depois do almoço - Trombar com o zelador e com a correspondência. Assinar cartas registradas. Agradecer. Estocar as contas na gaveta apropriada, por ordem de vencimento. Jogar fora uma parte da papelada (convites que não interessam, propaganda, noites de autógrafo). Abrir embalagem. Rasgar com cuidado, para não despedaçar o interior. Empilhar os volumes para posterior análise. Todos. Ler o prefácio e as orelhas (em geral). Ponderar se vai para a fila ou se deve ser encaminhado... Checar as mensagens na secretária eletrônica. Apagar muitas, guardar poucas. E-mails. Filtro. Spam. Repassar uma parte. Resposta na hora. Pasta pendências (follow-up). Bancos na internet: agência, conta, senha, contra-senha, número do cartão. Página do site. Quantos visitantes? Por quê? Como? Onde? Revisão. Impressão. Newsletter. Composição...

Lanche - Água antes e água depois. Interromper as atividades que requeiram contato com o teclado. Empunhar garfo e faca ou partir para o manuseio direto da fruta. Guardanapo sempre à mão. Lixo, também. Leitura na tela ou no papel. Em algum momento, virar a folha ou scroll down (não sem antes se limpar). Jogar restos orgânicos numa sacola especial: papéis e plásticos na lixeira convencional. Lavar talheres. Tapar tupperware. Acondicionar convenientemente (para depois não cair e não batucar), e manter junto à porta (para não esquecer). Escovar os dentes (principalmente se houver resíduos cítricos). Escapar para a padaria de vez em quando. (Só pra variar.) Passar pela banca, ler as manchetes e nunca comprar nada. Saudar a moça do caixa, saudar o "chapeiro". Encomendar. Observar a feitura. Bebericar um suco. Pegar a comanda e pagar. Voltar...

No fim do dia - Sair impreterivelmente antes do pôr do sol. Dar a partida, abrir os vidros, acender os faróis (ainda dentro da garagem, e sem o som do rádio). Na rua, buzinar para os passantes - sintonizar o happy hour. Esperar no farol e prestar atenção para não invadir a faixa de ônibus. Lombadas. Táxis. Via perigosa, com pouca visibilidade e de duas mãos - acender novamente os faróis, ativar o "pisca-alerta" e diminuir a marcha. Rir dos apresentadores. Descida. Entrar à esquerda lá embaixo, sem cair nos buracos, um pouco na contramão. Esperar o coletivo. Novo farol (o último). Marginal. Da "local" para a "expressa". Atenção aos limites de velocidade. Um pouco de trânsito na ponte. À direita, chegou. Rampa. Ticket. FM desintonizada. Vaga perto do elevador. Escada rolante...

Na academia - Escolher o armário. Abrir o mesmo. Tirar os sapatos. Colocar a mochila no banco em frente. Tirar o xampu e o relógio à prova d'água. Encaixá-los no patamar do meio. No de baixo, pôr de pé a toalha. O sabonete, próximo ao trinco, mas sem obstruir a passagem. Separar o polar e a cinta elástica (para fixá-lo). (Ao lado, o livro, se for pedalar.) Tirar a calça, a camisa e/ou a malha. Dobrar. Guardar na mochila, na parte maior e mais funda. Colocar o short e a camiseta. Tirar o tênis do saco plástico, dobrar o último e calçar o primeiro. Pendurar no gancho interior. Trancar. (Na saída, seguir o mesmo procedimento, ao contrário.)

Ao deitar - Banheiro, escova de dentes e flogoral quando houver afta ou garganta irritada. Moletom, camiseta furada, moletom. Protetor para o pescoço. Chinelo confortável. Fechar todas as portas dos armários. Apoiar peças semi-sujas/semilimpas na cadeira. Luz no abajur. Livro. Ajuste milimétrico dos travesseiros. Quando cansar, virar de lado. Alguma coisa deixada para trás (esquecimento...). Desmanchar o arranjo, remediar o fato e tentar reorganizar tudo de novo. (O travesseiro, pelo menos, não fica igual.) Falar com a namorada. Do telefone na ponta de lá. Sentar recostado na cabeceira da cama (para que a "quina" não pegue na base do crânio.) Às segundas, assistir ao Roda-Viva - ou então "zapear" sem esperança. Parar no Deustch Welle. Sentir saudades do Alemão. Tentar entender alguma coisa. (Em vão.) Onze horas. Meia-noite. Até amanhã.



Julio Daio Borges
São Paulo, 1/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eleições na quinta série de Luís Fernando Amâncio
02. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
03. Precisa-se de empregada feia. Bem feia. de Yuri Vieira
04. O que você comeu no café da manhã? de Marta Barcellos
05. Churchill, de Paul Johnson de Guilherme Pontes Coelho


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
04. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço - 30/4/2004
05. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/10/2004
11h22min
Olá, Julio! :-) Adorei suas "Manias"! Daria um ótimo conto [não sei se foi pensado para ser um]. Quem não se identifica com a seqüência de ações e os itinerários, ainda que não tenha a mesma agenda? ;-)
[Leia outros Comentários de Rosy Feros]
2/10/2004
12h00min
Um texto muito bom, muito triste, alguém muito solitário, sem vida. Uma personalidade porém muito reforçada e qualificada pelas empresas, pelas famílias. É alguém que dá conta de tudo e além disso não incomoda a ninguém, só a ele!
[Leia outros Comentários de Eliane Araujo ]
2/10/2004
22h11min
Manias, cada um com as suas. Os textos estão ótimos, e desde já digo que vou me valer deles em sala de aula. Sou professor de Língua Portuguesa, e o seu texto é uma bela motivação para se produzirem outros textos!!! Um abraço.
[Leia outros Comentários de Arquimimo Novaes]
8/10/2004
16h01min
Se parece muito comigo e não gostei de me ver assim tão máquinalmente analisada. Mas é assim mesmo. Sem emoção nem sentimentos. Meu Deus. Parece filme de ficção onde todos viraram máquinas.
[Leia outros Comentários de celia macedo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Rio de Janeiro Verso e Reverso
José de Alencar
Serv Nac Teatro
(1972)



Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica
Kenneth L. Bontrager
Guanabara
(1999)



Não Há Silêncio Que Não Termine
Ingrid Betancourt
Companhia das Letras
(2010)



Gafe Não é Pecado
Claudia Matarazzo
Melhoramentos Jc
(1996)



Brasil as Cidades da Copa
Mauricio Simonetti
Escrituras
(2014)



Ouro Olímpico a História do Marketing dos Aros
Marcus Vinicius Freire e Deborah Ribeiro
Casa da Palavra
(2006)



Diário de uma garota nada popular
Rachel Renée Russe
Verus
(2012)



Ínri Tité - 1ª Edição
Babalorisa Mauro Tosun
Pallas
(2014)



O Divino, o Santo e a Senhora
Carlos Rodrigues Brandão
Funarte
(1978)



Responsabilidade do Estado pela Não Duração Razoável do Processo
Danielle Annoni
Abdr
(2009)





busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês