Da Renovação Papal | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
Mais Recentes
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai-Lama pela Sextante (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1999)
>>> Mais que Amigos de Barbara Delinsky pela Bertrand Brasil (2002)
>>> T. N. T. Nossa Força Interior de Claude M. Bristol e Harold Sherman pela Ibrasa (1980)
>>> Ana Karênina de Leão Tolstói pela Abril Cultural (1971)
>>> O Senhor do Mundo de Julio Verne pela Matos Peixoto (1965)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Klick
>>> Diário de Giovanni Papini pela Nacional (1966)
>>> O Estoicismo Romano - Sêneca, Epicteto, Marco Aurélio de Reinholdo Aloysio Ullmann pela Edipucrs (1996)
>>> Complexo de Cinderela de Colette Dowling pela Melhoramentos (1995)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Abril Cultural (1981)
COLUNAS

Segunda-feira, 25/3/2013
Da Renovação Papal
Ricardo de Mattos

+ de 3000 Acessos

"E vós sereis odiados por todos, por causa do meu nome. Mas aquele que se mantiver firme até ao fim será salvo" (Jesus Cristo).

"A condição de cristãos nos impõe muito mais deveres que direitos" (Inácio Ferreira).

Seja qual for a hora, seja o que for que tenhamos lido na cama antes da chegada do sono, não cerramos definitivamente os olhos sem a leitura de um trecho dos Evangelhos, hábito cíclico que conseguimos manter há anos. Na madrugada do dia onze de fevereiro deste ano, lemos no Evangelho de Mateus o trecho do capítulo dez que vai dos versículos dezesseis ao 23, e que contém a fala crística epigrafada na presente coluna. À tarde deste mesmo dia, enquanto assistíamos a um filme, a mãe entrou na sala anunciando: "Non habemus Papa". "Morreu?!", perguntamos. "Renunciou".

Renúncia. O leitor interessado já deve ter lido a respeito de quantas renúncias papais registra a História, renúncias oficialmente aceitas ou não. A raridade surpreende. Recordamos que, em 2005, Bento XVI foi apresentado como um papa de transição, alguém idoso que manteria o trono aquecido para outro escolhido calmamente pela cúpula eclesial. Aventuramo-nos a dizer que sim, ele foi um Papa de transição, mas não no sentido inicialmente previsto. Transitório não pôde deixar de ser, pois ao homem que ocupa sua posição - bem como qualquer outra, religiosa ou laica - é própria esta característica seja qual for sua permanência no posto. De transição, pois com sua atitude tirou a Igreja do caminho estável e acomodado para impulsioná-la em rumo indefinido. Poderão tentar frenar o comboio; poderão maquiar os escândalos para os quais ele parece ter querido solução e não obteve; atribuir-lhe-ão responsabilidades até pelo que não fez. Contudo, não há quem possa impedir os questionamentos que os fiéis se farão, quer apenas intimamente, quer na discrição de pequenos círculos ou mesmo aberta e publicamente. Toda dona de casa sabe que perigo representa para a construção, no decorrer dos anos, o surgimento de trincas nas paredes.

Segundo sua mensagem, Bento XVI alegou que a condução da Igreja Católica exige forças físicas e mentais que diminuíram em si a ponto de ser necessário reconhecer sua incapacidade de bem administrá-la. "Bem administrar", é a locução papal, e não "bem governar". Eis um sutil avanço terminológico que não podemos imaginar em Papas anteriores a ele e a João Paulo II. Lendo a parte da produção jornalística a que tivemos acesso, prestamos atenção nos qualificativos dados pelas pessoas à renúncia e ao próprio bispo de Roma. À renúncia ligaram-se termos como: compreensível, triste, grande surpresa, lição de humildade, respeitável, insegurança, orfandade, trovejante, inesperada, importante. A Bento XVI, qualificaram-no surpreendente, valente, grande, humilde, desapegado, aberto, prudente, honesto, confiante, corajoso, lúcido, criterioso, diminuído perante a responsabilidade, bom exemplo.

De nossa parte, compreendemos os motivos alegados de sua atitude. Diante do que passou a ser noticiado, e até de circunstâncias vexatórias que suportou, promovidas inclusive por aqueles que se dizem seguidores do Cristo e ao seu lado deveriam dar exemplo de humildade e de humanismo, somos-lhe solidários. A princípio, temos para nós que o compromisso assumido deve ser levado até o fim, pois "da cruz não se desce", tal como acentuou João Paulo II. Si há lixo na casa, este lixo deve ser lançado fora, reciclado, etc., e não deixado para que o sucessor decida o que fazer - ou não. Um homem não deve exigir o sacrifício do outro, mas há cargos que têm inerente sua própria quota de privações. Interrogamo-nos qual não teria. Entretanto, como já mencionamos acima, sua intempestiva saída poderá ter efeitos mais interessantes em longo prazo.

Estamos falando de uma instituição milenar, que assumiu as mais diversas facetas no correr dos séculos, não de uma destas boites itinerantes que hoje estabelecem-se, lançam moda e amanhã mudam-se para outra temporada alhures. Estamos falando, também, de pessoa cujas palavras e posturas influenciam milhões de pessoas ao redor do planeta, quer dando-lhes o que pensar, quer determinando a própria forma de elas viverem. Não podemos deixar de observar o quanto impressionou-nos a fragilidade a que foi reduzido o indivíduo perante a Instituição. Ao mesmo tempo, indignamos ao perceber a facilidade com que "pequenas cúrias" podem ser formadas e o estrago que ocasionam caso não sejam contidas.

Aderimos ao Espiritismo por encontrarmos na Doutrina codificada por Allan Kardec fundamentos mais sólidos que permitiram nossa reestruturação pessoal. Por sorte, completamos trinta anos apenas uma vez a cada encarnação. Todavia, estamos longe de defender que a frequência ao Centro ou a adesão incondicional à Doutrina são as únicas chances de compreensão da existência. Podemos até recomendar a leitura d'O Livro dos Espíritos, mas é o interlocutor quem se decidirá ou não por ela. Decorre que não aceitamos mais a ideia de que uma instituição humana, ou de que pessoas tão falíveis quanto nós mesmos possam intermediar nossa salvação ou iluminação - que é uma salvação qualificada. Encontramos melhor resposta às nossas investigações em Kardec, quando ele registrou que não é fora da Igreja que não há salvação, mas sim, que não é fora da Caridade que encontraremos o que precisamos.

Seria Caridade o mero ato de enfiar a mão no bolso, puxar algumas moedas, descontar o que se considera excessivo e entregar a apuração líquida à mão do pedinte? Caridade seria sinônimo de Amor, de forma que em qualquer livro religioso um termo pudesse ser trocado por outro. No catolicismo, há distinção conceitual entre Amor, Eros, Ágape e Caridade, de forma que nos contentaremos em apresentar a definição deste último termo conforme o pensamento que passamos a esposar. Desta forma, segundo a questão 886 d'O Livro dos Espíritos, Caridade é "benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições alheias, perdão das ofensas" - no original, bienveillance pour tout le monde, indulgence pour les imperfections d'autrui, pardon des offenses. Algo bem mais complexo e desafiador, portanto, que a esmola e que torna sujeito de caridade mesmo a pessoa encarnada mais poderosa do planeta, seja ela quem for. Torna-nos a nós todos sujeitos de caridade, pois ainda não encarnou quem dispense benevolência, indulgência e perdão.

O homem comum contemporâneo parece cada vez menos propenso a procurar quem lhe dê diretrizes de como comportar-se, como agir, no que se omitir. Todavia, sem reconhecer sua transcendência, sem encontrar seu sentido existencial e esquivando-se das suas responsabilidades, responsabilidades estas que, sejam quais forem, são decorrentes diretas de sua liberdade, o homem comum periga tornar-se mero homem medíocre, e não é isto que almejamos para nossos semelhantes. Não se fala em ruptura com o passado, algo que pode ser inútil ou repetitivo, mas a final percepção do processo espiritual abrangente de toda a humanidade, por mais díspares que possam ser as expressões da Fé. Torcemos para que futuramente as instituições sejam mais simples e que seus condutores falem menos e exemplifiquem mais. Entre os cristãos - que o leitor já deverá saber que não se reduzem aos católicos - a palavra que Cristo semeou há mais de 2000 anos em meio pastoril e desértico deve ser aproximada das questões atuais, mantendo a Fé sem prescindir da Razão.

Em nossa pequenez, cremos que o futuro da Igreja Católica depende de soluções inadiáveis a determinadas questões - como aborto, contracepção, união formal homoafetiva, celibato, ordenação de mulheres - quer estas respostas agradem a todos, quer não. Por mais que defendamos a redução da hipótese de abortamento apenas ao caso de risco físico à gestante, e entendamos que no caso de estupro uma das vítimas é que estaria sendo condenada, reconhecemos que este último caso é uma pedra no sapato para a qual ainda não temos luzes suficientes. Diante da irresponsabilidade e da fatuidade de certas uniões, temos que ainda é tardia a melhor conscientização a respeito da contracepção. Caso duas pessoas amem-se sinceramente e queiram viver uma união abençoada, mesmo pertencendo ambas ao mesmo sexo, desconfiamos que as chamar de pecadoras não é um bom ponto de partida.

O celibato cheira-nos a egoísmo institucionalizado, seja qual for o argumento com que se queira disfarçá-lo. Principalmente por não se confundir com castidade. "Cristo foi celibatário", pode-se arguir. Certo: Cristo. Nós mal somos cristãos, quanto mais espíritos crísticos. O celibato seria admissível quando o indivíduo transforma a sociedade em sua família, mas quantos podem afirmar isto com sinceridade e demonstrar na prática esta vivência? A manutenção do celibato visa, inclusive, evitar o divórcio de padres, típico raciocínio pelo pior, que nos irrita particularmente. Quanto às mulheres que reivindicam a ordenação sacerdotal, questionamo-las diretamente. Si o serviço a Cristo dispensa a ordenação, contra-argumenta-se que o mesmo não ocorre dentro de uma denominação. Todavia, este apego à formalidade diria mais respeito ao trabalho cristão em si ou à autossatisfação? Si à autossatisfação, então trabalho com Cristo não é suficiente, principalmente por este não se reduzir à ritualística, que seria o único diferencial.

***

Iniciamos esta coluna na véspera do conclave. A renúncia de Bento XVI causou comoção e o noticiário mantinha-a em pauta, apesar do recente desencarne do ditador venezuelano. Publicamo-la com o novo Papa já escolhido. Vislumbrará Francisco o curso tomado pela Igreja após o abandono do leme por seu antecessor? Perceberá as exigências da navegação no mar bravio da modernidade? Quer-nos parecer que, sem abrir mão de seus princípios, saberá manter-se aberto ao diálogo. Seus primeiros pronunciamentos mostram-no mais "palatável", bastando recordar que o atual bispo emérito chegou a afirmar preferir qualidade à quantidade dos fiéis, o que foi uma sutil indicação da porta de saída. Encerramos passando a palavra para Paulinho da Viola, coautor da excelente Timoneiro:

"Não sou eu quem me navega, quem me navega é o Mar;
É ele quem me carrega como nem fosse levar; (...)
Meu velho um dia falou, com seu jeito de avisar:
'Olha, o Mar não tem cabelos que a gente possa agarrar'".


Ricardo de Mattos
Taubaté, 25/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
02. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes
03. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
04. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
05. Eleições nos Estados Unidos de Marilia Mota Silva


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2013
01. O Próximo Minuto, por Robson Pinheiro - 4/2/2013
02. Da Tolerância Religiosa - 8/7/2013
03. O Palácio de Highclere - 15/4/2013
04. Um Ano Feliz (!) - 14/1/2013
05. Da Renovação Papal - 25/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GEOGRAFIA: O MUNDO EM TRANSIÇÃO - VOLUME ÚNICO - ENSINO MÉDIO
JOSÉ WILLIAM VESENTINI
ÁTICA
(2014)
R$ 39,91



O SONHO DE EVA
CHICO ANES
NOVO CONCEITO JOVEM
(2012)
R$ 23,28



O VAMPIRO LESTAT
ANNE RICE
ROCCO
(1999)
R$ 17,90



O MONGE E O EXECUTIVO
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE/ GMT
(2018)
R$ 32,00
+ frete grátis



A NOITE DA MEMÓRIA
PÉRICLES EUGÊNIO DA SILVA RAMOS
ART
(1988)
R$ 30,00



O ENCONTRO DE LAMPIÃO COM SATURNINO NO INFERNO
LUIZ GONZAGA DE LIMA
LUZEIRO LTDA
(2016)
R$ 7,00



STRESS - VOCÊ PODE SER O PRÓXIMO - PREVINA-SE
JOÃO VILAS BOAS
PARADIGMA
(2010)
R$ 6,90



ENCONTROS, DESENCONTROS & REENCONTROS
MARIA HELENA MATARAZZO
GENTE
(1996)
R$ 25,00



LUZ E SOMBRAS
LUDWING WITTGWNATEIN
MARTINS FONTES - MARTINS
(2018)
R$ 15,00



A SELEÇÃO
KIERA CASS
SEGUINTE
(2014)
R$ 29,13





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês