Excentricidades | Daniela Castilho | Digestivo Cultural

busca | avançada
28698 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs
>>> 10 coisas que a Mamãe me ensinou
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (I)
>>> Maupassant e Flaubert
>>> Feijão preto com paio: daqui não saio
>>> O Aspirante a Corrupto
>>> O Aspirante a Corrupto
>>> Na calada do texto, Bentinho amava Escobar
>>> Deus
>>> Thou shalt not be afraid for the terror
Mais Recentes
>>> Adestramento Inteligente: Com Amor, Humor e Bom Senso de Alexandre Rossi pela Cms (1999)
>>> Zadig Ou La Destinée de Voltaire pela Marcel Didier (paris)
>>> Dicionário Bíblico Vida Nova de Derek Williams pela Vida Nova (2000)
>>> Levantando uma Nova Geração na Janela 4/14 para Transformar o Mundo de Luís Bush pela Não Encontrada (2011)
>>> Direito Administrativo 20 Parte II de Márcio Fernando Elias Rosa pela Saraiva (2018)
>>> Informática: Aplicada às áreas - Livro de Exercícios de Vários pela Atlas (2003)
>>> Introdução à Administração (5ª) de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> E Business na Infoera o Impacto da Infoera na Administracao de Empr... de Carlos F Franco Jr pela Atlas (2006)
>>> O Senhor dos Anéis de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2001)
>>> Benção Diária de Max Lucado pela Thomas Nelson (2014)
>>> The Story of San Michele de Axel Munthe pela Mayflower (1975)
>>> Uma História de Natal Charles Dickens de Charles Dickens pela Ática (2008)
>>> Diante do Espelho de Ricky Medeiros pela Vida e Consciencia (2005)
>>> Direito Constitucional 18 de Rodrigo César Rebello Pinho pela Saraiva (2018)
>>> Direito Constitucional 17 : Teoria Geral da Constituição e Direitos... de Rodrigo César Rebello Pinho pela Saraiva (2018)
>>> Construindo o Futuro Através da Educação: do Fortran à Internet de Tércio Pacitti pela Cengage (2002)
>>> Manual de Direito Público e Privado de Max e Édis pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Jornalismo de Trânsito de J. Bispo Morais pela Do Autor (2016)
>>> Whats So Amazing About Grace? - Hardcover de Philip Yancey pela Zondervan Usa (1997)
>>> Oab Nacional 1ª Fase, V. 8 - Direito Administrativo de Alexandre Mazza pela Saraiva (2011)
>>> O Casamento de Nicholas Sparkes pela Arqueiro (2012)
>>> Caminho das Estrelas de César Souza pela Sextante (2008)
>>> Quem Conta um Conto... e Outros Contos de Machado de Assis e Outros pela Objetivo
>>> Dicionário de Português - Schifaizfavoire de Mário Prata pela Globo (1993)
>>> Ivanhoé de Walter Scott pela Ediouro
COLUNAS

Segunda-feira, 12/12/2005
Excentricidades
Daniela Castilho

+ de 2900 Acessos

Leio um comentário sobre "ser excêntrico" no blog de um amigo. Vou atrás da fonte da notícia. Leio tudo que encontro.

Basicamente, ser "excêntrico" é ser "diferente" - diferente do quê, não me pergunte, hoje em dia definir o que é "ser diferente" se tornou uma tarefa difícil, uma definição que precisa vir acompanhada de uma lista de parâmetros, um manual de instruções referenciais. Há tanta "moda", há tanta diversidade, e ao mesmo tempo, estamos tão globalizados que hoje em dia, duro é achar um "igual". Claro, existem as chamadas tribos, mas esse conceito é meio vazio na minha opinião. O que é tribo? Um grupo de pessoas que usa um determinado cabelo, maquiagem ou roupa? Um grupo de aborígenas no meio do deserto?

Mas voltemos ao artigo referido, que pertence a uma revista britânica: o autor desfila dados de uma pesquisa que começou por causa de um novo comediante britânico que foi rotulado de "excêntrico" e é adorado pelo público - hoje em dia, para que uma afirmação tenha credibilidade quando impressa, é preciso ter dados estatísticos, gráficos e alguns nomes famosos como acompanhamento - e segue, em tom entusiasta, dizendo como ser esquisito, bizarro e diferente, aumenta o sex appeal da pessoa, implementa o sistema imunológico, aumenta o sucesso social, a felicidade, etc., etc.

Devo me confessar profundamente cética a esse tipo de artigo, é uma reedição da "receita para ser mais feliz" que vem sendo publicada em revistas com a mesma freqüência e seriedade de um horóscopo ou de um conselho de livro de auto-ajuda: não saia de casa sem guarda-chuva, 95% dos entrevistados afirmaram que chocolate faz sentir-se bem, essa semana os pesquisadores confirmaram que café lubrifica as artérias e que ser excêntrico aumenta a longevidade e a atividade sexual. Aham. Certo.

É curioso como existe no ser humano uma necessidade de "se destacar na multidão". As pessoas querem afirmar sua individualidade, sua diferença. Querem deixar sua marca no mundo, chamar atenção, se destacar, ainda que seja apenas pintando o cabelo de roxo. Coisas de tempo moderno, porque, como o próprio Darwin afirmaria, a natureza gosta é de iguais: criaturas diferentes têm dificuldade de se adaptar a grupos, sobreviver, multiplicar-se. Não é a toa que os mais jovens se aglutinam em grupos absolutamente padronizados em roupas, cabelos e atitudes. No fundo, todos nós queremos ser aceitos pelos outros e se formos muito diferentes, seremos rejeitados. Sabemos disso quase que instintivamente.

Volto ao artigo e releio, procurando a verdadeira mensagem nas entrelinhas: o que o artigo diz, quase como uma pregação, é que ser alegre, engraçado, ter bom humor chama a atenção dos demais - ser um deprimido está na moda, vejam os góticos, vejam o sucesso dos EMOs, mas cá entre nós, quem aguenta um deprimido profissional por muito tempo? - ser alegre aumenta a longevidade da pessoa, diminui a tendência a problemas de saúde, torna a pessoa mais atraente para as outras. Ah, tá, agora sim, fez sentido.

Por que não disseram isso desde o começo? Talvez porque hoje em dia é preciso enfeitar um texto, algo escrito de forma direta e óbvia demais seria chamado de clichê ou rejeitado pelo leitor, pela obviedade e clareza. Outra característica curiosa do ser humano é que somos criaturas que detestam que nos digam como devemos ser ou o que devemos fazer, mesmo quando procuramos "receitas de felicidade": no fundo, queremos ler ou ouvir alguma coisa que confirme o que pensamos, que nos faça sentir que estamos corretos. Ninguém gosta que lhe aponte os erros, ou que lhes diga: você está na contra-mão, my friend. Disfarçando o texto com um formato de "vejam essa novidade recém-descoberta" o leitor tem a impressão de que teve acesso a uma incrível revelação de sabedoria e se coloca em uma posição mais aberta a aceitar o que está lendo.

E no fundo, a motivação continua a mesma: o que as pessoas querem é ser aceitas pelas outras, querem ser bem sucedidas socialmente, sejam elas iguais ou diferentes. Nossos pobres egos precisam disso.

* * *

E enquanto isso, continua-se discutindo visão e cultura. Estive em duas reuniões ontem que me remeteram novamente a essa questão, ainda mais embalada após o show que assisti no sábado, do Claro que é Rock. Explico.

Existe hoje, graças à política cultural que foi adotada pelo nosso Ministro Gil, uma preocupação em valorizar, registrar e estimular o regionalismo cultural. É uma preocupação oportuna, com toda a globalização que vem acontecendo no mundo todo, com a perda de origens culturais causada por uma invasão de cultura estrangeira de diversas origens que chega cada vez mais rapidamente, via TV e internet, principalmente.

Foi muito curioso assistir em um mesmo show a Nação Zumbi, com o seu rock-maracatu-mangue-beat - pela qual sou apaixonada desde que escutei "A Cidade", anos e anos atrás, com o saudoso Chico Science, que, em um daqueles golpes de ironia do destino, morreu precocemente em um acidente de carro em 1997 - misturada com o punk de Iggy Pop e o industrial rascante do Nine Inch Nails. Acredito que somos hoje isso, uma mistura do que veio ao Brasil de outros mundos nas ondas da colonização e o que veio ao Brasil nas ondas tecnológicas da globalização cultural misturada às origens, como o maracatu.

Então não cesso de me assombrar com a quantidade imensa de jovens metropolitanos que nasceram e foram criados na metrópole abarrotada de shoppings, cinemas que exibem filmes em sua maioria americanos, rádios e TVs recheadas de enlatados & jabás, que não têm conhecimento nenhum sobre o que podemos chamar de "raízes culturais" brasileiras. Não sabem, nunca ouviram nem viram, por exemplo, o maracatu tradicional.

Sem saber o que é a cultura original que existia aqui na terra brasiliensis, o que veio importado com as imigrações durante todo o período colonial e pré-industrial, a mescla que nasceu disso, soterrados com o que vem importado com a globalização, sem conceituação, sem digestão, como podem esses jovens saberem quem são eles mesmos? Há uma perda de identidade constante, há um desvínculo com a origem, há uma renovação industrial de modismos. A forma esvaziada do conteúdo.

Só resta, então, o punk de butique, o excêntrico, o esquisito, simbolizado em cores de cabelos, roupas, maquiagem, trejeitos. A tribo dos sem-identidade, as vítimas-das-modas.

Nota do Editor
Daniela Castilho é designer, diretora de arte e assina o blog MadTeaParty.


Daniela Castilho
São Paulo, 12/12/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Agonia de Daniel Bushatsky
02. Poesia, no tapa de Jardel Dias Cavalcanti
03. Mitofagia: Machado ao molho pardo de Verônica Mambrini


Mais Daniela Castilho
Mais Acessadas de Daniela Castilho em 2005
01. Sobre blogs e blogueiros - 27/5/2005
02. Cinema brasileiro em debate - 7/6/2005
03. Todos os amores acabam - 3/8/2005
04. Causos e coisas da internet - 11/11/2005
05. Diploma ou não diploma... não é esta a questão - 28/4/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Monster Volume 3 511 Kinderheim
Naoki Urasawa
Conrad
(2006)



A Autoridade no Espelho
Alexandre Carnevali da Silva
Cbje
(2010)



Cachorros Encrenqueiros Se Divertem Mais
John Grogan
Ediouro
(2008)



Presença do Axe - 1ª Edição
Denise Pini Rosalem da Fonseca
Pallas
(2014)



Introduccion a las Técnicas de Investigación Social
Ezequiel Ander Egg
Hvmanitas
(1971)



Nutricion y Politicas Publicas
Geneviève Le Bihan e Outros (coord.)
Chales Léopold Mayer
(2003)



Positivismo Jurídico – Lições de Filosofia do Direito - 1ª Edição
Norberto Bobbio
Ícone
(1995)



501 Animais na Fazenda e Muito Mais
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2013)



A Hora é Agora
Zibia Gasparetto
Vida e Consciencia
(2015)



Depois do Silêncio
Raul Marques
7 Letras
(2009)





busca | avançada
28698 visitas/dia
2,2 milhões/mês