Entre o toco de lápis e o pessimismo | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/10/2004
Entre o toco de lápis e o pessimismo
Daniela Sandler

+ de 3800 Acessos

Naquele Exato Momento, de Dino Buzzati, abarca o leitor com seu pessimismo quase sem saída. Os textos do escritor italiano oferecem pouco refresco dos males do mundo, da morte inevitável, dos sofrimentos internos. O fato de o livro, publicado originalmente na Itália em 1950 (no Brasil em 1963, e relançado agora pela Nova Fronteira), ser uma coleção de notas, contos curtos e divagações - de tom pessoal e livre como um diário - sugere que o pessimismo, longe de afetação literária, tomava conta do espírito mesmo do autor. O que nos diz, no entanto, o tom sufocante e inescapável desses escritos marcados pela experiência da guerra e da reconstrução de uma terra em ruína?

É preciso primeiro notar que a visão negativa de Buzzati antecede a guerra. Palpável na atmosfera fantástica e fabular de seus primeiros romances, como Barnabó delle montagne (1933) e O Deserto dos Tártaros (escrito em 1939, publicado no ano seguinte), o gosto pelo sombrio levou críticos a chamar Buzzati de gótico e a notar paralelos com sua biografia. Desde 1928, Buzzati trabalhava para o jornal milanês Corriere della Sera, que descrevia como opressivo e entediante, tanto pelas instalações esquálidas como pela rotina longa e repetitiva. Pessimista já aos 14 anos, quando o pai morreu de câncer de pâncreas, Buzzati passou a temer a mesma doença - que viria mesmo matá-lo em 1972.

Assim, mesmo que muitos dos textos de Naquele Exato Momento revelem a tristeza, destruição e depauperamento da Segunda Guerra Mundial, o fatalismo e desânimo extrapolam as circunstâncias históricas e se transformam em máximas sobre a vida, sobre ética, sobre paixões e solidão. Talvez por isso mesmo a presença da guerra seja enviesada, com poucas menções a fatos e locais precisos. Alguns títulos dão datas sugestivas, como "Trombeta 1944" ou "Abril de 1945" (esse, mais explícito, cita o fim da guerra na Europa). Tendo em mente o conflito na Itália e a experiência do autor como correspondente de guerra a partir de 1940, é possível dar contornos específicos a textos como "Não Somos Mais Jovens" ou "A Agenda", em que Buzzati destila um tema típico: o da irreversível, e destruidora, passagem do tempo. "A Agenda" conclui com a frase: "Depois de um terror vem outro, exatamente como uma folha sob outra folha, em vão as arrancamos, sempre encontramos outra e a última se chama morte". A vida é uma sucessão de horrores, e os momentos de prazer ou alegria são vácuos e fugazes. É fácil entender essa atitude depois de cinco anos de bombas, violência e mortes, em que o luto por perdas pessoais se mistura à sensação mais geral de perda da juventude, de anos roubados, da própria ruína precoce.

Morte inevitável, solidão e esquecimento

Mas mesmo anos depois da guerra, como em "O Livro Proibido", Buzzati repete a imagem da vida como um ciclo repetido e vão, em que os jovens se entregam com ardor e ilusão à busca da felicidade, mas acabam inevitavelmente esgotados e, enfim, mortos. Uma perspectiva mais otimista, como em filosofias orientais, poderia ver nessa repetição cíclica uma renovação permanente da vida em que as materializações individuais não importam. Mas Buzzati, tributário do individualismo heróico do Modernismo (e, em certa medida, do Romantismo), vê no ciclo o esforço inútil de cada homem. A derrota final e certeira da morte parece anular a felicidade. Não à toa, outro dos temas constantes de Buzzati é a solidão: o indivíduo trancado em si, incomunicável, abandonado ou ele mesmo se esquecendo de outros. Mesmo nos textos em que Buzzati se dedica à crítica social, como em "Os Mendigos", o enfoque é de cunho emocional e subjetivo, mais do que sócio-econômico.

Se às vezes o pessimismo do livro pesa demais e toma todo o espaço, há momentos de prosa belíssima, encantadora, em que as visões surreais do escritor, combinadas ao ritmo singular e à semântica original do texto, tomam corpo e comovem não só como peças literárias, mas também como percepções profundas sobre a vida - como em "Inveja dos que Estão Veraneando". O registro fantástico, aliás, não significa irrealismo. Denota, ao contrário, a apreensão de estados emocionais, e a elaboração figurada (às vezes esquematizada, às vezes sugestiva) de condições reais. Buzzati assume sua intenção ao final do livro, em "O sentido oculto": "É evidente que nessas palavras há um símbolo, um significado oculto, um duplo sentido, como quiserem".

Insistência na escrita

Embrenhar-se pelos textos de Naquele exato momento é muitas vezes aprisionar-se num mundo sem esperança, em que a traição à felicidade e a destruição são as únicas constantes. A seqüência dos textos freqüentemente soa monótona, como se o livro encarnasse o próprio ciclo repetitivo de vida e morte. Sim, a lucidez diante da destrutividade e da fragilidade humanas, e as lições da guerra, são um legado crucial. Mas, se esgotadas em si mesmas em lamentos contínuos, não levam adiante. O pessimismo de Buzzati arrisca se perder em melancolia sem fim, em vez de se transformar em luto produtivo.

No entanto, cá e lá durante a leitura, abre-se a possibilidade do novo, seja em insights, seja em prazer estético, seja em resquícios de esperança. De outro modo, como entender o texto final, em que, depois de enumerar a perda de todos os seus instrumentos e suportes para a escrita (a datilógrafa casou, o amigo sumiu com a máquina de escrever, a caneta estilográfica quebrou, a caneta tinteiro se perdeu), Buzzati conclui, em tom confessional, quase cândido: "Por isso escrevo com o lápis. Realmente um toco, que encontrei por acaso numa velha caixa. Fiz-lhe a ponta, meus amigos, e no pouco papel branco que resta esta noite eu escrevo". Escrever é um ato de resistência, um imperativo, uma libertação - tanto para o escritor que insiste no toco de lápis, como para os "amigos" a quem ele dedica a nota. A mesma atitude, aliás, do fim da vida, em que Buzzati continuou escrevendo em seu diário até poucos dias antes de morrer. Há esperança, há saída para o pessimismo, ainda que seja apenas o conforto e a empatia entre o autor e seu público, unidos por um punhado pungente de palavras.

Para ir além






Daniela Sandler
Riverside, 27/10/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nas selvas, as misérias humanas de Rennata Airoldi
02. Maria Helena de Urariano Mota
03. O Conflito no Oriente Médio de Pedro Paulo Rocha


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2004
01. Olá, Lênin! - 10/3/2004
02. Brasil em alemão - 7/7/2004
03. Muros em Berlim, quinze anos depois - 24/11/2004
04. Dia D, lembrança e esquecimento - 9/6/2004
05. Fritas acompanham? - 18/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOVOS ESTUDOS CEBRAP 88
VARIOS
EDIÇÕES CEBRAP
(2010)
R$ 14,90



DEMOLIDOR: FIM DOS DIAS - VOLUME 1
BRIAN MICHAEL BENDIS & DAVID MACK
PANINI COMICS / MARVEL
(2015)
R$ 20,00



C++ PARA UNIVERSITÁRIOS (AUTOGRAFADO)
LINCOLN CÉSAR ZAMBONI E SERGIO VICENTE PAMBOUKIAN
PÁGINAS E LETRAS
(2006)
R$ 35,00



MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO CADERNO DE APOIO
JOSÉ MANUEL ZORRO MENDES
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 24,97



PESQUISAS SOBRE O SENTIDO DA VIDA
PAULO FINOTTI
DO AUTOR
R$ 6,90



A HISTÓRIA DE DORA VOADORA LACRADO
TONI BRANDÃO
STUDIO NOBEL
(2003)
R$ 14,00



SIGNO SOLAR SIGNO LUNAR
CHARLES HARVEY E SUZI HARVEY
NOVA ERA
(1998)
R$ 12,00



DISCOURSES VOL 2
MEHER BABA
SUFISM REORIENTED
(1971)
R$ 29,82



A VERDADE DE CADA UM
AMIR LABAKI (ORG.)
COSAC NAIFY
(2015)
R$ 149,90



A ROMANA
ALBERTO MORAVIA
ABRIL
(1972)
R$ 15,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês