Nunca mais do que a reportagem | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
42788 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aperte o play
>>> Sr. Google, não perca essa chance
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> O cristianismo para Nietzsche
>>> Conversa de pai e filha
>>> Psicodelia para Principiantes
>>> A Escolha de Willian Styron
>>> Meu encontro com o Millôr
Mais Recentes
>>> Aves do Jardim Botânico do Rio de Janeiro- Guia de campo de Lena Trindade, Henrique Rajão e Plínio Senna pela Hólos Cultores associados (2011)
>>> Uma garota chamada Júlio de Milena Milani pela Record
>>> Flash & Lanterna Verde: De Volta à era de Prata de DC Comics pela Mythos (2004)
>>> Cinquenta anos depois de Francisco Cândido Xavier pelo espírito Emmnuel pela Feb
>>> Dark Heroes: Com Uma Crise nas Mãos! de Steve Vance pela Brain Store (2002)
>>> Jonathan Strange e Mr. Norrell de Sussana Clarke pela Companhia das letras (2005)
>>> O Homem-Aranha - Minissérie Tormento em Duas Edições de Todd McFarlane pela Abril (1992)
>>> A história da umbanda de Alexandre Cumino pela Madras (2019)
>>> Homem-Aranha - O Outro Evolução Ou Morte 4 volumes. de Marvel Comics pela Panini Comics (2005)
>>> O fim da ansiedade de Max Lucado pela Thomas Nelson
>>> Wolverine SNIKT! Parte 1 e 2 de Marvel Comics pela Panini Comics (2004)
>>> A hora e o lugar de Sergio Burgi e Samuel Titan Jr. pela Desconhecido
>>> Naquele dia de Dennis Lehane pela Companhia das letras
>>> Homem-Aranha Ed. Especial: Rei do Crime até a Morte de Marvel Comics pela Abril (1998)
>>> As 5 vidas de Paraguassú de Maria do Carmo pela Casa senhora do Carmo
>>> Homem-Aranha: A Última Caçada de Kraven - Minissérie em 3 Edições de Marvel Comics pela Abril (1990)
>>> Comer com sabedoria de Ana Beatriz Vieira Pinheiro pela Nova Era
>>> Professor Milionário! (como novo) de Domingos Pellegrini pela Ftd (2009)
>>> Didática de Jaime Cordeiro pela Contexto (2009)
>>> Impacto negro de Izabelle Valladares e Raime Paixão pela Literarte (2019)
>>> O Homem-Aranha & Motoqueiro Fantasma - Ed. Especial de Marvel Comics pela Abril (1993)
>>> O Tesouro da Montanha de Pedra (como novo) de Vários Autores pela Ftd (2008)
>>> O Homem-Aranha Vingança Minissérie em duas edições completa de Marvel Comics pela Abril (1995)
>>> Édipo Rei de Sófocles de Trajano Vieira pela Perspectiva (2009)
>>> 53 Vols. Os Imortais da Literatura Universal (Completa) de Vários Autores pela Abril (1973)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/5/2007
Nunca mais do que a reportagem
Adriana Carvalho
+ de 4600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"O repórter não pode se achar maior do que a notícia". Esse é apenas um dos inúmeros ensinamentos que o meu querido mestre, Ewaldo Dantas Ferreira, me legou. Mais do que meu professor de técnicas de jornalismo na faculdade, foi ele quem me educou para a profissão, com palavras e atitudes. Se achava necessário usar uma reportagem sua como exemplo de algo que ele queria nos ensinar, ele contava o milagre, mas nunca revelava o santo. Depois de muito fuçar, questionar, pesquisar - sem internet, que não havia quando estudei - acabávamos descobrindo que o autor da tal reportagem era ele mesmo.

E olha que ele fez reportagens tão fascinantes que poderiam deixar qualquer jornalista vaidoso com muita razão. Alguns exemplos: descobriu o nazista Klaus Barbie na Bolívia e sua reportagem foi publicada em série, simultaneamente, no Brasil e na França; acompanhou a partida da Apollo 11 de Cabo Canaveral; cobriu conflitos armados nos mais diferentes pontos do planeta, como Irlanda, Israel, Angola e Moçambique; foi presidente do sindicato dos jornalistas e liderou a primeira e única greve da categoria; publicou matérias que mostravam mazelas do governo militar com tanta maestria que os censores em sua atividade robótica não conseguiam perceber o conteúdo que estavam aprovando.

Isso tudo serve para mostrar que seria muita pretensão, para não dizer que seria é mesmo ridículo, eu me gabar do meu currículo: primeiro porque ele não chega nem aos pés de quem realmente viveu e experienciou a reportagem, e segundo porque mesmo que ele assim o fosse, eu, repórter, continuaria sendo menos importante do que as notícias que transmito. Jornalista não pode ou não deveria virar marca. Digo isso porque esse texto nasceu de uma conversa por e-mail com os colegas deste Digestivo sobre a experiência nos veículos em que trabalhei até agora.

Aqui do meio da estrada da profissão - porque eu sei que ainda vou ralar muito nessa vida - eu acho que posso, porém, dizer algumas coisas para os colegas que estão chegando. Não são conselhos, são apenas vivências e reflexões que cada um pode aproveitar - ou não - como melhor entender.

1) Eu não sou jornalista - Lembro de um texto que li na época que estava ainda na faculdade, quando comecei a acreditar que pela profissão deveria sacrificar tudo e todos. O texto dizia que em determinada língua oriental, já não lembro qual, não se diz "Eu sou jornalista". Eles dizem algo que seria traduzido como "Eu estou jornalista". Isso porque, naquela cultura, uma frase como "Eu sou jornalista" para eles significaria que você é só isso na vida, nada mais. Você precisa se lembrar, para o bem da sua integridade física e emocional que, além de jornalista, você também é filho(a), pai (mãe), namorado(a), irmão (irmã), amigo(a), tocador de violão nas horas vagas, cantor de chuveiro, observador do tempo passar no banco da praça e muito mais. Acho que isso serve para qualquer profissão. Quem é uma coisa só vive limitado, tende a se achar mais do que os outros, e a acreditar que os seus semelhantes - os subordinados, por exemplo - também precisam deixar seus filhos, companheiros, pais, momentos de descanso e puro ócio merecido para trabalhar sem parar.

2) "Eu sou da Globo, tá legal?" - O comportamento de alguns colegas me lembra aquele personagem do Chico Anísio, o Bozó, que dizia: "Eu sou da Globo!". Passar por grandes veículos, sem dúvida, é interessante: você aprende e experiencia os bons e maus exemplos, coleciona causos e histórias para contar no boteco e para os netos, essa coisa toda. Eles dão currículo, certamente, as pessoas se impressionam muito em saber que você passou pelo veículo X ou Y. Mas veículo grande não é sinônimo de veículo bom, de veículo que faça mais reportagem, de veículo que te faça mais feliz na vida. Alguns são puro pacote bonito sem nenhum presentinho dentro. Hoje eu posso dizer que faço mais reportagem no pequeno veículo onde trabalho do que em alguns dos lugares grandes pelos quais passei.

3) O mundo dá voltas - Hoje você é da grande imprensa, amanhã é da pequena, hoje está na redação outro dia na assessoria de imprensa. Além de passar por vários veículos, também já estive em várias situações profissionais: já recebi convite para ir de um veículo para o outro, já fui preterida em processos de seleção, já estive em lista de corte e já fui demitida também. O que é bom para aprender que ninguém é insubstituível, assim como nenhuma empresa também o é. As empresas sempre tendem a fazer a gente acreditar que porque estamos em um país de economia sempre cambaleante e o mercado de trabalho é diminuto e selvagem, sempre estaremos morrendo por causa desse emprego, lamberemos o chão da redação se necessário e se formos demitidos toda nossa família até a quinta geração será dizimada e eles nos encontrarão pedindo esmola no Viaduto do Chá. Não é verdade: viver várias situações é bom para a gente nunca ficar se achando e também para aprender o princípio básico de cair e levantar.

4) Antigamente era mais fácil? - Nas décadas de 1960, 1970, quando o Ewaldo circulava nas redações, parecia mais fácil fazer reportagem. Ele tinha mais tempo para apurar e procurar as notícias, parecia haver mais vontade, liberdade e criatividade nos veículos. Hoje a reportagem parece estar, se não morta, em coma profundo. Grandes veículos compram fotos ao invés de mandar um fotógrafo cobrir um grande evento, fazem "reportagens especiais" sem levantar a bunda da cadeira, querem pagar uma merreca mesmo que você traga uma matéria da China. Eu já cheguei a ouvir do principal executivo de uma grande revista a seguinte frase, quando questionado sobre se haveria possibilidade de uma viagem para apurar uma matéria: "Para quê? Vocês (repórteres) têm mania de reportagem!". Mas no tempo do Ewaldo tinha ditadura e hoje não tem. Ele sempre dizia nas aulas: "mais do que defender a liberdade de expressão, a gente precisa exercitar a liberdade de expressão". E assim é, hoje teoricamente temos a tal da liberdade de expressão, mas não fazemos muita coisa com ela. Mea culpa, eu digo, não tive ainda a capacidade de achar um caminho diferente para exercer a reportagem como ela merece.


Adriana Carvalho
São Paulo, 24/5/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
02. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo de Gian Danton
03. A difícil arte de saber mais um pouco de Ana Elisa Ribeiro
04. Ilustres convidados de Carla Ceres
05. Fugindo do apocalipse de Celso A. Uequed Pitol


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho em 2007
01. Meta-universo - 16/8/2007
02. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
03. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
04. Práticas inconfessáveis de jornalismo - 12/7/2007
05. Meus discos, meus livros, e nada mais - 11/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/5/2007
10h14min
Adriana Carvalho, muito legal você ter citado o Ewaldo e a matéria sobre o Klaus Barbie que ele escreveu, salvo engano no Jornal da Tarde. A idade é uma merda - quando a gente tem quase 59 anos em junho - mas permitiu que eu acompanhasse diariamente as matérias sobre o carrasco nazista. Não perdi um capítulo. Simplesmente inesquecível. Beijos e até sempre. Aurélio Prieto, São Paulo Capital
[Leia outros Comentários de Aurélio Prieto]
25/5/2007
14h13min
Adriana, achei excelente o seu artigo e a lembrança do Ewaldo, grande jornalista. Só um pequeno reparo: a categoria entrou em greve duas vezes. A segunda foi em 1979, quando o Sindicato tinha à frente David de Moraes. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Mario Blander]
1/6/2007
01h51min
Adriana, a questão da reportagem, hoje, é talvez a mais debatida nos cursos de comunicação, entre futuros jornalistas e também no mercado - e, engraçado, é talvez a coisa que mais deixa saudade (mesmo naqueles que nunca fizeram reportagem de verdade) no público e na "ralé" das redações. Toda essa "conversação" me interessa e muito, desde os tempos de faculdade, mas precisaria de bem mais que mil caracteres para explaná-la. É bom quando jornalistas se abrem, da maneira como fazes, e contam um pouco do seu dia-a-dia, da sua vida. Desmistifica a profissão, que é tão massacrada, por um lado, e, por outro, tão mal cuidada por uma leva de profissionais (ou pseudo-profissionais). Com mais tempo, talvez compartilhe algumas idéias por e-mail a respeito disto. Abraços
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Triângulo das Bermudas - a História Incrível de Estranhos e Ine
Charles Berlitz (autor), Carmem Ballot (trad
Nova Fronteira
(1974)



Livro - The Mirror Crack D From Side to Side - Level 4
Agatha Christie
Penguin Readers
(2011)



Bio: 3 : Genetica, Evolução, Ecologia
Sonia Godoy Bueno Carvalho Lopes
Saraiva
(1997)



Normas Técnicas para o Trabalho Cientifico (nova Abnt)
Pedro Augusto Forasté
Paulo Augusto Forasté
(2004)



Como Funciona? Coleção Tempo de Saber 4a
Fernand Lot
Liceu
(1973)



The Killing Game - Pocketbook
Iris Johansen
Bantam
(2000)



Flowers: Basic Skills (inglês) (1988)
Claude Parsons
Walter Foster
(1988)



Alessandro Cagliostro 2 Volumes
Ana Rímoli de Faria Dória
Amorc
(1986)



Club Prisma Método de Esnañol para Jovens - Nível Inicial A1
Varios
Edinumem
(2011)



O Sucesso É Ser Feliz
Roberto Tadeu Shinyashiki
Gente Liv e Edit Ltd
(1997)





busca | avançada
42788 visitas/dia
1,6 milhão/mês