Nunca mais do que a reportagem | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 24/5/2007
Nunca mais do que a reportagem
Adriana Carvalho

+ de 4100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"O repórter não pode se achar maior do que a notícia". Esse é apenas um dos inúmeros ensinamentos que o meu querido mestre, Ewaldo Dantas Ferreira, me legou. Mais do que meu professor de técnicas de jornalismo na faculdade, foi ele quem me educou para a profissão, com palavras e atitudes. Se achava necessário usar uma reportagem sua como exemplo de algo que ele queria nos ensinar, ele contava o milagre, mas nunca revelava o santo. Depois de muito fuçar, questionar, pesquisar - sem internet, que não havia quando estudei - acabávamos descobrindo que o autor da tal reportagem era ele mesmo.

E olha que ele fez reportagens tão fascinantes que poderiam deixar qualquer jornalista vaidoso com muita razão. Alguns exemplos: descobriu o nazista Klaus Barbie na Bolívia e sua reportagem foi publicada em série, simultaneamente, no Brasil e na França; acompanhou a partida da Apollo 11 de Cabo Canaveral; cobriu conflitos armados nos mais diferentes pontos do planeta, como Irlanda, Israel, Angola e Moçambique; foi presidente do sindicato dos jornalistas e liderou a primeira e única greve da categoria; publicou matérias que mostravam mazelas do governo militar com tanta maestria que os censores em sua atividade robótica não conseguiam perceber o conteúdo que estavam aprovando.

Isso tudo serve para mostrar que seria muita pretensão, para não dizer que seria é mesmo ridículo, eu me gabar do meu currículo: primeiro porque ele não chega nem aos pés de quem realmente viveu e experienciou a reportagem, e segundo porque mesmo que ele assim o fosse, eu, repórter, continuaria sendo menos importante do que as notícias que transmito. Jornalista não pode ou não deveria virar marca. Digo isso porque esse texto nasceu de uma conversa por e-mail com os colegas deste Digestivo sobre a experiência nos veículos em que trabalhei até agora.

Aqui do meio da estrada da profissão - porque eu sei que ainda vou ralar muito nessa vida - eu acho que posso, porém, dizer algumas coisas para os colegas que estão chegando. Não são conselhos, são apenas vivências e reflexões que cada um pode aproveitar - ou não - como melhor entender.

1) Eu não sou jornalista - Lembro de um texto que li na época que estava ainda na faculdade, quando comecei a acreditar que pela profissão deveria sacrificar tudo e todos. O texto dizia que em determinada língua oriental, já não lembro qual, não se diz "Eu sou jornalista". Eles dizem algo que seria traduzido como "Eu estou jornalista". Isso porque, naquela cultura, uma frase como "Eu sou jornalista" para eles significaria que você é só isso na vida, nada mais. Você precisa se lembrar, para o bem da sua integridade física e emocional que, além de jornalista, você também é filho(a), pai (mãe), namorado(a), irmão (irmã), amigo(a), tocador de violão nas horas vagas, cantor de chuveiro, observador do tempo passar no banco da praça e muito mais. Acho que isso serve para qualquer profissão. Quem é uma coisa só vive limitado, tende a se achar mais do que os outros, e a acreditar que os seus semelhantes - os subordinados, por exemplo - também precisam deixar seus filhos, companheiros, pais, momentos de descanso e puro ócio merecido para trabalhar sem parar.

2) "Eu sou da Globo, tá legal?" - O comportamento de alguns colegas me lembra aquele personagem do Chico Anísio, o Bozó, que dizia: "Eu sou da Globo!". Passar por grandes veículos, sem dúvida, é interessante: você aprende e experiencia os bons e maus exemplos, coleciona causos e histórias para contar no boteco e para os netos, essa coisa toda. Eles dão currículo, certamente, as pessoas se impressionam muito em saber que você passou pelo veículo X ou Y. Mas veículo grande não é sinônimo de veículo bom, de veículo que faça mais reportagem, de veículo que te faça mais feliz na vida. Alguns são puro pacote bonito sem nenhum presentinho dentro. Hoje eu posso dizer que faço mais reportagem no pequeno veículo onde trabalho do que em alguns dos lugares grandes pelos quais passei.

3) O mundo dá voltas - Hoje você é da grande imprensa, amanhã é da pequena, hoje está na redação outro dia na assessoria de imprensa. Além de passar por vários veículos, também já estive em várias situações profissionais: já recebi convite para ir de um veículo para o outro, já fui preterida em processos de seleção, já estive em lista de corte e já fui demitida também. O que é bom para aprender que ninguém é insubstituível, assim como nenhuma empresa também o é. As empresas sempre tendem a fazer a gente acreditar que porque estamos em um país de economia sempre cambaleante e o mercado de trabalho é diminuto e selvagem, sempre estaremos morrendo por causa desse emprego, lamberemos o chão da redação se necessário e se formos demitidos toda nossa família até a quinta geração será dizimada e eles nos encontrarão pedindo esmola no Viaduto do Chá. Não é verdade: viver várias situações é bom para a gente nunca ficar se achando e também para aprender o princípio básico de cair e levantar.

4) Antigamente era mais fácil? - Nas décadas de 1960, 1970, quando o Ewaldo circulava nas redações, parecia mais fácil fazer reportagem. Ele tinha mais tempo para apurar e procurar as notícias, parecia haver mais vontade, liberdade e criatividade nos veículos. Hoje a reportagem parece estar, se não morta, em coma profundo. Grandes veículos compram fotos ao invés de mandar um fotógrafo cobrir um grande evento, fazem "reportagens especiais" sem levantar a bunda da cadeira, querem pagar uma merreca mesmo que você traga uma matéria da China. Eu já cheguei a ouvir do principal executivo de uma grande revista a seguinte frase, quando questionado sobre se haveria possibilidade de uma viagem para apurar uma matéria: "Para quê? Vocês (repórteres) têm mania de reportagem!". Mas no tempo do Ewaldo tinha ditadura e hoje não tem. Ele sempre dizia nas aulas: "mais do que defender a liberdade de expressão, a gente precisa exercitar a liberdade de expressão". E assim é, hoje teoricamente temos a tal da liberdade de expressão, mas não fazemos muita coisa com ela. Mea culpa, eu digo, não tive ainda a capacidade de achar um caminho diferente para exercer a reportagem como ela merece.


Adriana Carvalho
São Paulo, 24/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
02. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo
03. O primeiro e pior emprego de Marta Barcellos
04. O anoitecer da flor-da-lua de Elisa Andrade Buzzo
05. Hilda Hilst, o IPTU e a Chave da Cidade de Yuri Vieira


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho em 2007
01. Meta-universo - 16/8/2007
02. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
03. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
04. Práticas inconfessáveis de jornalismo - 12/7/2007
05. Meus discos, meus livros, e nada mais - 11/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/5/2007
10h14min
Adriana Carvalho, muito legal você ter citado o Ewaldo e a matéria sobre o Klaus Barbie que ele escreveu, salvo engano no Jornal da Tarde. A idade é uma merda - quando a gente tem quase 59 anos em junho - mas permitiu que eu acompanhasse diariamente as matérias sobre o carrasco nazista. Não perdi um capítulo. Simplesmente inesquecível. Beijos e até sempre. Aurélio Prieto, São Paulo Capital
[Leia outros Comentários de Aurélio Prieto]
25/5/2007
14h13min
Adriana, achei excelente o seu artigo e a lembrança do Ewaldo, grande jornalista. Só um pequeno reparo: a categoria entrou em greve duas vezes. A segunda foi em 1979, quando o Sindicato tinha à frente David de Moraes. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Mario Blander]
1/6/2007
01h51min
Adriana, a questão da reportagem, hoje, é talvez a mais debatida nos cursos de comunicação, entre futuros jornalistas e também no mercado - e, engraçado, é talvez a coisa que mais deixa saudade (mesmo naqueles que nunca fizeram reportagem de verdade) no público e na "ralé" das redações. Toda essa "conversação" me interessa e muito, desde os tempos de faculdade, mas precisaria de bem mais que mil caracteres para explaná-la. É bom quando jornalistas se abrem, da maneira como fazes, e contam um pouco do seu dia-a-dia, da sua vida. Desmistifica a profissão, que é tão massacrada, por um lado, e, por outro, tão mal cuidada por uma leva de profissionais (ou pseudo-profissionais). Com mais tempo, talvez compartilhe algumas idéias por e-mail a respeito disto. Abraços
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUEM FICA COM FELIPE ?
ILSA LIMA MONTEIRO
FTD
(1994)
R$ 5,00



LIBERTINAGEM & ESTRELA DA MANHÃ
MANUEL BANDEIRA
MEDIAFASHION
(2008)
R$ 22,00



ALICE NO PAIS DAS MARAVILHAS
LEWIS CARROLL - CONTADA POR RUY CASTRO
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(1992)
R$ 34,00



CONTROLE REMOTO
RAFAEL CARDOSO
RECORD
(2002)
R$ 19,90
+ frete grátis



SONHOS DOURO
JOSÉ DE ALENCAR
EDIGRAF
R$ 8,00



MINI COZINHA - BOLOS RÁPIDOS
EDITORA MELHORAMENTOS
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 8,38



A BICICLETA AZUL
REGINE DEFORGES
BEST SELLER
(1985)
R$ 8,00



MEMORIA INVENTADA UM ROMANCE DE MÃES E FILHAS
ERICA JONG
RECORD
(1997)
R$ 8,00



A SEMENTE DA VITÓRIA
NUNO COBRA
SENAC
(2003)
R$ 19,90



COMO SE FAZ A INDÚSTRIA DO VESTIBULAR
SÔNIA GUIMARÃES
VOZES
(1984)
R$ 5,00





busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês