Bienal: obras ou arte? | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
43268 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Saudades não envelhecem
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
Blogueiros
Mais Recentes
>>> I Fink U Freeky
>>> Além do Mais em 2009
>>> Beirute: o renascimento da Paris do Oriente
>>> A nova queda da Bastilha
>>> No tempo da ficha telefônica
>>> O bom humor do mal-humorado Jamelão
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> O segredo de seus olhos, de Juan José Campanella, com Ricardo Darín
>>> Monk e Gillespie em 1971
>>> Deu tudo errado
Mais Recentes
>>> Acupuntura Coreana da Mão - Atlas de Bolso de Choo H. Kim pela Ícone (2019)
>>> Competência: Repertório de Jurisprudência e Doutrina de Arruda Alvim/ Teresa Arruda Alvim Pinto/ Ubiratan do Couto Mauricio pela Revista dos Tribunais/ SP. (1986)
>>> Manifesto Judeu Messiânico de David H. Stern pela Louva-a-Deus (2006)
>>> Responsabilidade Tributária dos Sócios no Mercosul de João Luis Nogueira Maria pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2001)
>>> O conquistador de Almas de C. H. Spurgeon pela Pes (2014)
>>> Helena - Clássicos da literatura - Texto Integral de Machado de Assis pela Ciranda Cultural (2017)
>>> 100 Anos de Comunicação Espírita em São Paulo - 1881 a 1981 de Eduardo Carvalho Monteiro pela Madras (2014)
>>> Herança- Orientações Práticas de Celso Laet de Toledo Cesar (desembargador/ Tj/ Sp) pela Oliveira Mendes/ Del Rey (1997)
>>> Herança- Orientações Práticas de Celso Laet de Toledo Cesar (desembargador/ Tj/ Sp) pela Oliveira Mendes/ Del Rey (1997)
>>> Sermões de spurgeon sobre as grandes orações da biblia de Charles Haddon Spurgeon pela RBC Publicações (2018)
>>> The Virtues of Aristotle de D. S. Hutchinson pela Routledge (1986)
>>> Dia a dia com Tozer de A. W. Tozer pela Publicações pao diário (2017)
>>> Mundo Animal Caldas Fofinhas de Não Informado pela TodoLivro
>>> Mundo Animal Caldas Fofinhas de Não Informado pela TodoLivro
>>> Meu Livrinho de Pano Animais de Não Informado pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Canções Classicas Toque e Sinta Seu Lobato Tinha um Sítio de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Os Três Porquinhos de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Os Três Porquinhos de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Pinóquio de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Pinóquio de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Chapeuzinho Vermelho de Não Informado pela TodoLivro
>>> Banho Divertido Chapeuzinho Vermelho de Não Informado pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Chapeuzinho Vermelho de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Chapeuzinho Vermelho de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Três Porquinhos de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Contos com Abas Três Porquinhos de Ruth Marschalek pela TodoLivro
>>> Primeiras Palavras no Banho - Formas Primeiro Livro do Bebê de Não Informado pela TodoLivro
>>> Primeiras Palavras no Banho - Formas Primeiro Livro do Bebê de Não Informado pela TodoLivro
>>> Primeiras Palavras no Banho - Formas Primeiro Livro do Bebê de Não Informado pela TodoLivro
>>> Primeiras Palavras no Banho - Formas Primeiro Livro do Bebê de Não Informado pela TodoLivro
>>> Aprendendo a Desenhar de Não Informado pela TodoLivro
>>> Aprendendo a Desenhar de Não Informado pela TodoLivro
>>> Como eu Me Sinto... Quando Estou Triste de Cornelia Maus Spelman pela TodoLivro
>>> Como eu Me Sinto... Quando Estou Triste de Cornelia Maus Spelman pela TodoLivro
>>> O Pequeno Príncipe para Colorir de Tamara Beims pela TodoLivro
>>> O Pequeno Príncipe para Colorir de Tamara Beims pela TodoLivro
>>> Chapeuzinho Vermelho Meu Álbum Classicos para Colorir de Cristina Marques pela TodoLivro
>>> Chapeuzinho Vermelho Meu Álbum Classicos para Colorir de Cristina Marques pela TodoLivro
>>> Chapeuzinho Vermelho Meu Álbum Classicos para Colorir de Cristina Marques pela TodoLivro
>>> Hora de Colorir com Adesivos Zumbis de Little Pearl Books pela TodoLivro
>>> Hora de Colorir com Adesivos Zumbis de Little Pearl Books pela TodoLivro
>>> Hora de Colorir com Adesivos Zumbis de Little Pearl Books pela TodoLivro
>>> Hora de Colorir com Adesivos Unicórnios de Little Pearl Books pela TodoLivro
>>> Hora de Colorir com Adesivos Unicórnios de Little Pearl Books pela TodoLivro
>>> Hora de Colorir com Adesivos Unicórnios de Little Pearl Books pela TodoLivro
>>> Hora de Colorir com Adesivos Monstros de Little Pearl Books pela TodoLivro
>>> Hora de Colorir com Adesivos Monstros de Little Pearl Books pela TodoLivro
COLUNAS

Quinta-feira, 11/11/2004
Bienal: obras ou arte?
Adriana Baggio

+ de 6500 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Cansada de pegar chuva na praia, aproveitei o feriado de Finados para visitar a 26ª Bienal de Artes de São Paulo. Cheguei cedo ao pavilhão para evitar a provável fila, já que a combinação de dia de folga com entrada gratuita prometia fazer da exposição o programa preferido do paulistano naquela segunda-feira chuvosa.

A temível fila ainda não se formara. Estava tudo tranqüilo, propício à observação e ao deleite. Da entrada já dava para ver algumas instalações mais espaçosas, que aproveitavam a amplitude do primeiro piso do pavilhão. Além dos visitantes, alguns monitores, operários e funcionários espalhavam-se entre as obras, mexendo aqui e ali. Parecia que a limpeza e a manutenção das instalações não tinha sido feita a tempo.

Dentro desse contexto, a visão de um andaime apoiado em uma das rampas sugeria que algo ali estava sendo construído ou reformado. Uma das pessoas que estava comigo apontou para o andaime e falou qualquer coisa em tom de farsa, usando um dos muitos clichês que os (pretensamente) connaisseurs gostam de verbalizar para mostrar sua intimidade com as manifestações artísticas, por mais estapafúrdias que sejam. Entrando na brincadeira, respondi na mesma linha e comecei a circular pelas obras. Quando cheguei perto do andaime, a explicação ao lado da estrutura indicava que aquilo era, na verdade, uma das obras de arte da Bienal.

Enquanto observava o andaime, ouvia repetidamente um som que parecia o motor de uma britadeira ou qualquer outra máquina que se usa na construção civil. Mesmo já tendo percebido que a estrutura era uma obra de arte, e não uma obra, o significado anterior permanecia e a ele se juntava o som da britadeira. Na verdade, o barulho vinha de outra instalação. Eram galhos secos presos à parede, que por sua vez suportavam motores ligados por pedais colocados no chão, embaixo dos galhos. Cada vez que alguém pisava nos pedais, o motor era acionado e os galhos vibravam, fazendo vibrar também as sementes dentro das vagens secas que pendiam dos galhos. O resultado era um som de chocalho, muito lúdico e engraçadinho.

No extremo desse piso, logo atrás do famoso fusca suspenso por elásticos coloridos, as imensas janelas de vidro do pavilhão abrigavam outra instalação. Era uma cortina de tiras de silicone transparente que desciam até o chão coberto por espelhos. Se estivesse fazendo sol lá fora, a luz refratada pelo vidro e pelas tiras proporcionaria um belo e interessante efeito, conforme explicava a descrição da obra. Mas no lugar do sol, o que se via através da cortina transparente eram operários consertando algo na parede de vidro. Já confusa pelo andaime e pelo barulho de motor que, ao contrário de seus sentidos originais, estavam ali como obras de arte, fiquei me perguntando se os homens faziam parte da instalação de tiras de silicone ou se eram, apenas, meros operários realizando algo útil, e não pretensamente estético.

Em Lingüística, essa transição entre o sentido real e o figurado chama-se denotação/conotação. O sentido denotativo de algo é o real, enquanto que o sentido figurado, metafórico, é o conotativo. Não pude deixar de pensar nisso ao observar o andaime de Thiago Bortolozzo, a Slit Sunny Window de João Paulo Feliciano e outras obras expostas na Bienal. A falta de relevância que se percebe em muitas das manifestações de arte contemporânea faz com que, nessa operação de denotação/conotação, a gente nunca saiba com qual sentido está lidando. Se é impossível distinguir o que é obra de arte daquilo que é simplesmente obra utilitária ou funcional, qual o conceito de arte que faz com que alguns objetos ou manifestações mereçam essa denominação?

A partir do momento em que as obras de arte extrapolam os limites do que pode ser tradicionalmente identificado como arte, é preciso cuidar para que elementos externos não interfiram no significado daquilo que o artista quer passar. Se no mesmo contexto existe um andaime que pode ser considerado obra de arte, sem nada que o diferencie de um andaime de construção civil, é importante que todos os outros elementos igualmente comuns, mas que não são obras de arte, sejam afastados do campo de percepção de uma instalação, para que não pervertam ou confundam a intenção de quem a concebeu. Se a Slit Sunny Window só faz sentido se for observada com a janela de vidro ao fundo, será que a presença de operários não perverte o sentido da obra? Ainda mais se considerarmos que havia um forte campo semântico de construção, obra, reforma, presente naquele ambiente da Bienal, o que já direcionava a percepção do observador. Uma instalação formada por "bacias" de mármore branco, que originalmente continham água quente, estava sendo lavada pelo pessoal da Bienal com singelas esponjas e tubos de Veja, para tirar o limo provocado pela água acumulada. Uma instalação alterada pelos elementos que a compõem ou estando em manutenção pode ser percebida como obra de arte no seu sentido original?

Além das "bacias" de Laura Vinci, outras obras da Bienal não funcionavam ou estavam simplesmente desligadas. A expansão dos limites técnicos da arte provocou uma enxurrada de obras realizadas em vídeo, som, com elementos elétricos e mecânicos, etc. Coisas que falham, estragam deixam de ser ligadas. Qual o sentido de uma instalação que não pode ser observada da maneira como foi criada pelo artista? Se não funciona, se não pode ser compreendida em seu todo, o que era obra de arte retorna ao seu sentido denotativo, voltando a ser apenas uma obra. Não serve para fruição e nem para o entretenimento.

É claro que não é a função de entreter que determina o caráter artístico de uma obra. No entanto, esse parece ter sido o objetivo de muitas manifestações da Bienal. Nesse ponto, acredito que a exposição acaba se confundindo com um espetáculo, no sentido explorado pelo filósofo Guy Debord. A espetacularização é um procedimento típico dos nossos dias, usado para tornar os produtos culturais mais palatáveis e com mais chances de sucesso quando concorrem com outros produtos culturais. Abandona-se o conteúdo em detrimento da forma para que sejam consumidos mais facilmente e em maior quantidade, encaixando-se, portanto, nos procedimentos da indústria capitalista. O jornalismo é um exemplo de produto cultural espetacularizado, onde o princípio da verdade e da realidade deu lugar à notícia divulgada não pela sua relevância, mas por seu potencial de show. Da mesma forma, acredito que muitas manifestações artísticas são espetacularizadas, validadas pelos conceitos da contemporaneidade, mas esvaziadas de sua essência artística. E isso é fácil de perceber quando uma dessas instalações-espetáculo deixa de funcionar por algum motivo. O disfarce artístico cai, revelando o caráter (in)útil daquele objeto/máquina.

Essa discussão não é nova e sempre aparece em volta das manifestações artísticas experimentais, que não se encaixam no conceito tradicional de arte. Discussões como esta envolveram os movimentos artísticos do final do século XIX e começo do século XX, que abandonaram o figurativismo nas artes plásticas. São escolas, obras e artistas de talento inquestionável hoje, mas que foram incompreendidos em sua época. Pode ser que, daqui a algumas décadas, as manifestações que hoje parecem oportunistas tenham seu caráter de arte reconhecido. No entanto, discordo dessa classificação para muitas das obras expostas e badaladas por aí.

Tomando o conceito de arte de Antonio F. Costella, autor de um interessante livro chamado Para apreciar a arte, o que caracteriza a arte é a estética, o conjunto de aspectos que faz uma obra ser agradável, que emocione as pessoas, que possa ser considerada bela além da subjetividade desse conceito, que exista não por utilidade, mas para a fruição e o prazer. Pode ser que a definição de arte varie um pouco para mais ou para menos a partir desse centro, mas não acredito que vá muito longe disso. Nesse contexto, portanto, pode-se considerar como arte uma das obras da Bienal, formada pela projeção em sala escura de dois vídeos que mostram a circuncisão do artista?

Por mais que haja um conceito que justifique essa manifestação, não vejo como encaixá-la na categoria de obra de arte. A não ser, é claro, que se tome a definição de Dino Formaggio, citada no mesmo livro: "arte é tudo aquilo que os homens denominam arte". Uma definição que deixa o território tão livre quanto a temática na qual se encaixam as obras desta edição da Bienal. Ninguém questiona a importância e o valor da liberdade. Mas não se pode deixar de perceber que é essa mesma liberdade que nos dá margem para perceber como arte dois diligentes operários consertando a parede de vidro do pavilhão da Bienal.


Adriana Baggio
Curitiba, 11/11/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
02. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
03. O Ouro do Brasil de Marilia Mota Silva
04. Lares & Lugares de Ricardo de Mattos
05. Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos de Gian Danton


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/11/2004
22h18min
Concordo plenamente quando Adriana Baggio critica o reparo das obras de arte durante o horário em que a Bienal está aberta ao público, mas a questão mais importante é o porque isso acontece. A Bienal abre de segunda a segunda das 9 às 22 hrs., os organizadores deveriam saber que isto geraria problemas na manutenção e também transtorno para o público, por outro lado eles sabem que numeros grandes atraem patrocinadores grandes... Agora acho importante lembrar que a Bienal trata de arte contemporanea e as obras de arte estão sempre se relacionando com elementos externos... Colocar uma barreira entre a obra e o resto do mundo seria regredir em séculos. As estátuas voltariam para os pedestais e os quadros não estariam completos sem suas molduras. Nada contra este tipo de arte mais "clássica", mas tudo tem o seu tempo. Quanto a dolorosa definição de arte, a qual a Adriana atribui a Antonio F. Costella, proponho uma alteração: "o que caracteriza a PUBLICIDADE é a estética, o conjunto de aspectos que faz O PRODUTO ser agradável, que emocione as pessoas, que possa ser considerada bela além da subjetividade desse conceito, que exista não por utilidade, mas para VENDER". Por favor, a definição de arte varia, sim! Não podemos olhar pra uma obra de arte feita hoje como olhamos para uma obra feita há alguns séculos.
[Leia outros Comentários de Lígia]
14/11/2004
13h23min
Adriana, concordando com vc e alterando um poquinho só, eu diria então... a arte é o conjunto de aspectos que faz uma manifestação (musical, literaria, plástica, etc) ser agradável a ponto de provocar emoção nas pessoas, que traga consigo uma mensagem e que vá além da subjetividade do artísta, que exista não por utilidade, mas para fruição, resgistro e prazer. Não sei... mas a arte conteporânea parece estar cada vez mais "estranha".
[Leia outros Comentários de Carolinne]
19/11/2004
10h31min
Adriana, não concordo muito com a definição de Arte que você propôs. Não acho que ela sirva apenas como fruição e prazer. Na minha opinião, a Arte nos abre perspectivas e nos leva a repensar conceitos, pois ela nos faz ver o que de alguma maneira permanecia oculto ao nosso olhar.
[Leia outros Comentários de marilia]
19/11/2004
14h39min
Cara Marilia, em primeiro lugar, obrigada por enriquecer o debate. Em segundo lugar, se você observar bem, não falo, em nenhum momento, que a arte serve APENAS para fruição e prazer. Não penso isso. Penso que, além de um conceito que nos faça repensar e abrir novas perspectivas, como você menciona, ela também deve ter algum parâmetro estético, algo que a diferencie de um objeto qualquer. Senão, posso largar uma bola de futebol no meio da Bienal, desenvolver um conceito e chamar aquilo de arte. O meu texto cita ainda uma outra definição (ignorada por você e por outras pessoas que também discordaram da primeira definição exposta), e que poderia, então, incluir as manifestações da Bienal. Na verdade, cito as duas definições para lançar uma discussão. O texto, portanto, deve ser percebido no seu todo. Ao fazer sua crítica, você faz um recorte do meu texto. Nesse caso, ele já não é o que eu escrevi, e sim o que você preferiu entender.
[Leia outros Comentários de Adriana]
21/12/2004
00h48min
Cara Adriana. Arte é o caminho. Procure se libertar do gosto. Arte não precisa agradar.
[Leia outros Comentários de zamuner]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PERDAS E DANOS
JOSEPHINE HART
EDIÇÕES BESTBOLSO
(2007)
R$ 10,00



GRAVITOMAGNETISMO NO CONTEXTO DA TEORIA GRAVITACIONAL DE BRANS DICK
JOÃO SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



MEMORIAS DE UM SARGENTO DE MILICIAS
MANUEL ANTONIO DE ALMEIDA
OBJETIVO
R$ 5,00



ENCHIRIDION VATICANUM
REDAZIONE ERMINIO LORA
DEHONIANE BOLOGNA
(1977)
R$ 200,00



CHE GUEVARA POR ELE MESMO
MANVILLE AVALON - ORG
MARTIN CLARET
(2005)
R$ 26,91
+ frete grátis



HISTÓRIA
HERÔDOTOS
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
(1988)
R$ 89,00



BIO - VOLUME 1
SONIA LOPES; SERGIO ROSSO
SARAIVA
(2010)
R$ 9,80



PROBLEMÁTICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS
ROSIENE DE SALES FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



EU, VOCE E A GAROTA QUE VAI MORRER
JESSE ANDREWS
FÁBRICA231
(2015)
R$ 11,50



MÁGICA PELA METADE
EDWARD EAGER
CIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 6,00





busca | avançada
43268 visitas/dia
891 mil/mês