Dino Buzzati e as Noites Difíceis | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
>>> A princesa insípida e o caçador
Mais Recentes
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
>>> Para Todos os Amores Errados de Clarissa Corrêa pela Gutenberg (2012)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Principis (2019)
>>> Antologia poetica de fernando pessoa de Walmir ayala pela Ediouro
>>> Sermões de Padre Antônio Vieira pela Principis (2019)
>>> Minha Paris de Gail Scott pela Autêntica (2014)
>>> Uma longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O Ciclista de Walter Moreira Santos pela Autêntica (2008)
>>> Dark Eden de Patrick Carman pela Gutenberg (2012)
>>> A primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Querido John - de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Sete Minutos no Paraíso de Rafaella Vieira pela Gutenberg (2012)
>>> Matemática e Arte de Dirceu Zaleski Filho pela Autêntica (2013)
>>> O presidente negro de Monteiro Lobato pela Principis (2019)
>>> Da Etnomatemática a Arte-design e Matrizes Cíclicas de Paulus Gerdes pela Autêntica (2010)
>>> Porque ele vive de Pe. Gustavo Sampaio pela Dll
COLUNAS

Terça-feira, 23/11/2004
Dino Buzzati e as Noites Difíceis
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 5000 Acessos

Numa livraria no centro de São Paulo, este colunista e mais dois amigos conversavam sobre livros e autores. "Qual foi o livro que mais marcou sua juventude?". Eu ainda ensaiva uma resposta quando um senhor que não participava do bate-papo disse, categórico: "O meu foi O Deserto dos Tártaros, de Dino Buzzati. Algo naquele livro, que eu ainda não descobri o que é, mexeu muito comigo, me incomodava. Nunca mais esqueci o autor."

O ocorrido foi há mais de dois meses. Na verdade, só fui me lembrar deste comentário quando comecei a ler a coletânea de contos As Noites Difíceis, do mesmo autor, que foi lançada em edição caprichada pela editora Nova Fronteira. Trata-se do último livro lançado em vida pelo autor, morto em 1973. Nele, o leitor há de encontrar, de fato, um certo incômodo com as histórias um tanto irônicas, mas, sobretudo, amargas, de acordo com a visão de mundo proposta por Buzzati. Com efeito, é correto afirmar que no livro estão presentes as temáticas mais representativas do escritor italiano, a saber: uma observação arguta da realidade, discussão moral e um ceticismo infalível em relação à condição humana.

Tais elementos aparecem ora em conjunto, ora em singular nos contos de Buzzati. E o mais curioso é que o escritor não faz de seus textos panfletos autoritários, com objetivo de ditar o que é certo e o que é errado. Antes, o leitor é conduzido, por meio de uma narrativa sedutora, às inúmeras constatações de uma cruel e corrosiva realidade cotidiana. Um exemplo claro disso está no conto "Solidões", em que o personagem principal é surpreendido ao ver um homem levar de sua suntuosa mansão uma caixa nos ombros. Sua surpresa se transforma em consternação quando ele descobre que aquela caixa é um de seus dias. "Os seus dias perdidos. Os dias que você perdeu. Você esperava por eles, não esperava? Eles vieram. E o que você fez com eles? Olhe, estão intactos, ainda cheios. E agora..." Por se tratar de uma constatação, e não de uma lição, Buzzati não traz alívio e conforto ao final de seus contos. Desse modo, ao homem que perdeu seus dias só resta o lamento e a inquietante sensação de que não há mais volta no tempo perdido.

Em "Contestação Global", o autor prossegue com esse ceticismo, mas, desta vez, aproveita para fazer uma alusão, não menos irônica, aos jovens, como bem sugere o título. Aqui, um velho funcionário de uma companhia de seguros discursa na reunião de aposentados. "E o que querem esses moços? [...] O que representam? Sua bandeira é até clara demais: contestação global. Mas são jovens. Com todas suas boas intenções não podem conhecer a vida. E nós [os velhos], ao contrário, infelizmente, a conhecemos." A seguir, o personagem acerta em cheio em sua observação: "Eles lutam por um ideal, talvez até louco e confuso, porém pergunto: é realmente total a contestação deles?" Para o velho funcionário, a verdadeira causa que deveria mobilizar toda a sociedade era o pior de todos os males, a morte. Cabe aqui reconhecer que Buzzati expõe seu drama pessoal de maneira indireta nesse conto, uma vez que, conforme analisa seu biógrafo, à época da publicação deste livro, em 1971, o autor já sabia que sua morte não apenas era inevitável como estava próxima.

Tal condição, aliás, é tema de outro conto, "Equivalências". Nele, Buzzati narra a tristeza de uma esposa ao descobrir que o estado de saúde de seu marido é grave e que a morte, conseqüentemente, é certa. Todo o conto é construído com diálogos em suspensão, isto é, o médico quase nunca consegue completar a sentença temerária. Só no final, ela recebe a inesperada resposta: o marido morrerá em exatos 50 anos. Após ouvir atenta, a mulher reage, com certa animação: "O senhor me deu uma notícia horrível. Mas, veja, dentro de cinqüenta anos eu também [...] No fundo, então, é uma condenação para todos." Ao que o professor replica: "Em cinqüenta anos, nós todos estaremos embaixo da terra, pelo menos é provável. Mas há uma diferença, a diferença que nos salva a nós dois e condena seu marido... Para nós dois, ao menos pelo que sabemos, ainda não está estabelecido. [...] A morte, em si mesma, talvez não seja uma coisa tão terrível. Todos a teremos. Porém, ai de nós se soubermos, seja daqui um século, dois séculos, o momento exato em que virá." No momento em que se espera um alento na ficção, a realidade a subverte e torna sua face mais áspera.

Em alguns contos de Dino Buzzati, nota-se um apelo mais próximo ao fantástico, como ocorre em "A influência dos Astros". Neste texto, um homem que não acredita nos boletins esotéricos de uma cidade na Itália se vê envolvido numa história sem lógica, a não ser pelas coincidências que lhe causam prejuízos e distúrbios. Quando, ao final, tudo se ajeita ele então nota como tudo poderia ter sido evitado se sua sensibilidade fosse um pouco mais aguçada. Já no conto que dá título ao livro, "Uma Noite Difícil", o autor traz o que seria, a princípio, uma história familiar. O próprio Buzzati é personagem coadjuvante deste conto, que narra a aflição de dois pais à espera da morte pelas mãos de seus filhos. O fantástico, nesse caso, é a forma pela qual todos tomaram conhecimento do que estava por acontecer: a velha tia Gorgona teve um sonho e ali tudo lhe fora dito. O ceticismo de Buzzati permanece até o fim, quando, ao sair da casa de seus amigos, ele ouve a tia Gorgona saudar os sobrinhos.

Grosso modo, os contos de As Noites Difíceis reiteram os principais elementos da obra de Dino Buzzati, seja no que se refere ao estilo, que remonta à descrição jornalística e também escorre pelo fantástico, seja no que se refere aos temas, que não raro são os mesmos que lhe acossam e o incomodam. A partir desses contos, é possível compreender o motivo da inquietação de alguns leitores da obra de Dino Buzzati.

Brasília é uma festa

Quando eu disse que passaria o feriado da Proclamação da República em Brasília, minha amiga Eliana Guedes, a Lili, falou, em tom irônico, que a Capital Federal não tinha tantas coisas interessantes assim para se fazer. No momento em que ela disse isso, fiquei sem resposta e, resignado, concordei. Realmente, à primeira vista, a cidade, comparada com a agitada São Paulo, talvez não seja tão atraente. Entretanto, Brasília é uma cidade além dos clichês de agito-balada, que servem de salvo-conduto à caótica São Paulo. A cidade que abriga o poder político nacional tem prazeres escondidos. Falar a respeito da Arquitetura e Urbanismo do lugar pode parecer mais do mesmo, mas é um detalhe que ainda representa, para mim, um exemplo de organização e planejamento. Assim como é diferente trafegar (lá só se anda de carro) pelas "tesouras", como são conhecidos os enlaces viários que "amarram" a cidade. Afora isso, há a beleza dos Palácios do Planalto, da Alvorada e do Itamaraty.

No Palácio do Itamaraty, aliás, está a recém inaugurada exposição O Olhar Modernista de JK. A mostra faz uma homenagem à exposição de arte moderna ocorrida em Belo Horizonte há exatos 40 anos. Naquela época, a capital mineira era o principal projeto arquitetônico e urbanístico existente por aqui, posto que foi uma das poucas cidades planejadas do Brasil. Esse é apenas um dos pontos levantados. Quem for à mostra, que ainda passará pelo Rio de Janeiro e por São Paulo, terá a chance de ver obras de Pancetti, Alfredo Volpi, Guignard, entre outros. Merece destaque o segmento que homenageia Martha Loutsch, artista plástica alemã radicada no Brasil.

Sob a curadoria de Denise Mattar, a exposição possui uma coerência que não faz com que ela não se torne cansativa. Em geral, as mostras sobre o modernismo geralmente fazem menção aos mesmos nomes e às mesmas obras. Já O olhar modernista de JK traz muito mais, como as diferentes linhagens ou escolas que se desenvolveram a partir do marcos iniciais de Tarsila do Amaral e Anita Malfatti. Ao fim e ao cabo, trata-se de um bom motivo para conhecer Brasília e seus interiores.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 23/11/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Noturno para os notívagos de Ana Elisa Ribeiro
02. Do que se deseja de Carina Destempero
03. A Serbian Film: Indefensável? de Duanne Ribeiro
04. Ler, escrever e fazer contas, só que hoje de Ana Elisa Ribeiro
05. Zimbo Trio: Sorrisos e Improvisos de Rafael Fernandes


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cleópatra - Rainha e Mulher
Terenci Moix
Globo
(1989)



O Homem na Sociedade
George Simpson
Bloch
(1967)



Festa e Identidade Como Se Faz a Festa da Uva
Cleodes Maria Pizza Julio Ribeiro
Educs
(2002)



Uma Bomba no Quintal
Luiz Galdino
Ftd
(1994)



Ortopedia e Traumatologia - Conseitos Básicos
João A. Rossi
E. P. U
(1984)



I Canti Della Montagna
Dario Albani Barbieri
Roberto Napoleone
(1983)



Embrulhando o Peixe: crônicas de um empresário do sanatório Brasil
Ricardo Semler
Best Seller
(1992)



Feminismos, Identidades, Comparativismos: Vertentes Nas Literaturas De
Peonia Viana Guedes (org) Volume V
Elphos
(2007)



Pior Que Watergate
John W. Dean
Francis
(2004)



A Cor Tem Alma
Emerson Luiz W. Schulz
Bibla
(1997)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês