Ruy Castro e seus orgasmos amestrados | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
75675 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “A Maçã” estreia dia 7 de março no SESC Copacabana
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Sopro de haicai em Flauta de Vento
>>> Declínio e Queda do Império dos Comentários
>>> Benedict Evans sobre inteligência artificial
>>> Dê notícias! 9º Encontro BH
>>> Histórias de robôs
>>> Biografia de Freud em quadrinhos é exuberante
>>> A internet e a arte marginal
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Oscar 2002
Mais Recentes
>>> Conversa Franca Sobre Depressão ( Pocket ) de Joyce Meyer pela Da autora (2005)
>>> O Médico e o Monstro de R.L. Stevenson pela Ática (1998)
>>> Conversa Franca Sobre Depressão ( Pocket ) de Joyce Meyer pela Da autora (2020)
>>> Sherlock Holmes - O Vale do Medo de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Sherlock Holmes - Mais Aventuras de Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Se Eu Pudesse Viver Minha Vida Novamente... de Rubem Alves pela Verus (2004)
>>> Insustentavel Leveza Do Ser (ed De Bolso) - Linsou de Milan Kundera pela Companhia De Bolso (2024)
>>> Os Maiores Acontecimentos da História do Brasil de Sergio Yamasaki pela Melhoramentos (2006)
>>> Trilogia o Século de Ken Follett pela Arqueiro (2010)
>>> O Seculo Tartufo (tradução autorizada de Jorge Ferraz) de Paulo Mantegazza pela Santos & Vieira
>>> Meu Tio Atahualpa (Capa. Dura) de Paulo de Carvalho Neto pela Círculo do Livro (1972)
>>> Conversando com o Paciente de Brian Bird MD pela Manole (1975)
>>> Temas de Ética Médica de Alcino Lázaro da Silva pela Cooperativa Ed. e de Cultura Médica Ltda. (1982)
>>> 3º Setor: Desenvolvimento Social Sustentado de Evelyn Berg Ioschpe (organizadora) Ruth Cardoso et al pela Paz e Terra (1997)
>>> A Paixão do Dr Christian de Colleen McCullough pela Difel (1986)
>>> Antropologia: iniciação teológica de Alfonso Garcia Rubio pela PUC Rio (2011)
>>> The Vineyard At Painted Moon: A Novel de Susan Mallery pela Hqn (2022)
>>> The Girl With The Dragon Tattoo de Stieg Larsson pela Vintage Crime (2024)
>>> The Impossible Lives Of Greta Wells: A Novel de Andrew Sean Greer pela Ecco (2014)
>>> O Cristo redentor universal de André Luiz Rodrigues Da Silva e Alexandre Carvalho Lima Pinheiro org. pela Paulus (2022)
>>> Gentlemen Prefer Blondes de Anita Loos pela Liveright (1998)
>>> Enquanto os gigantes dançam de Paulo Vicente Cruz pela Do autor (2021)
>>> Mentira de Enrique De Heriz pela Relume Dumara (2005)
>>> O Ateneu: crônica de saudades - coleção travessias de Raul Pompéia pela Moderna (1990)
>>> Motta Coqueiro: culpado ou inocente? de Jorge Picanço Siqueira pela Parceria (2004)
COLUNAS

Quinta-feira, 9/12/2004
Ruy Castro e seus orgasmos amestrados
Adriana Baggio
+ de 7900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Considerando as coisas que tenho lido por aí e percebendo o sucesso que elas fazem, acho que consegui descobrir dois dentre os muitos segredos que tornam um escritor ou cronista famoso: falar de coisas que fazem parte do universo das pessoas; falar de sexo.

(Foi o título que chamou sua atenção para esta coluna, não é verdade?)

Eu mesma, com toda a inexperiência e cara-de-pau de uma reles e iniciante cronista, já percebi que os textos que mais fizeram sucesso dentre a minha humilde produção foram aqueles que, de alguma forma, falaram de sexo.

Longe de ter a audácia de me comparar com Ruy Castro, mas acredito que ele sabe disso e usa essa estratégia muito bem. Ele é, ao mesmo tempo, um escritor excelente na forma e no conteúdo. Não, eu não o conheço nem em carne, nem em osso, somente em letras. Quero dizer que o que ele escreve é interessante e também parece interessante. Afinal, quem não sentiria curiosidade em dar uma espiada num livro com o título de Amestrando orgasmos - bípedes, quadrúpedes e outras fixações animais e que tem na capa o que os gays chamariam de uma "racha" vermelha? Pois bem, a obra é uma seleção de contos e crônicas publicados na imprensa entre 1997 e 2003 e mais alguns inéditos, reunidos no livro lançado este ano pela Editora Objetiva.

Como título sugere, a maior parte dos textos fala de sexo - fixação assumida do autor. Outros têm como assunto os animais. Quase todos usam um gancho bem comum: parte-se de uma notícia ou acontecimento real, do tipo que as pessoas comentam no trabalho ou na mesa do bar, e imagina-se um outro caminho para a situação. No caso de Castro, ele constrói diferentes rumos e desfechos para episódios intrigantes como um tipo de epilepsia que se assemelha a um orgasmo, a criação de embriões híbridos de coelho e homem ou a descoberta da substância que seria responsável pelo prazer feminino. Todos esses ganchos são notícias publicadas pela imprensa e das quais o autor fez sua limonada.

São textos irreverentes, bem-humorados, com uma pegada leve. Que a aparente amenidade não seja confundida com idéias superficiais: cada texto leva a uma crítica, às vezes sutil, às vezes explícita.

Outro ponto forte do livro é a acidez e a ironia de algumas de suas tiradas. A meu ver, são os melhores momentos dos textos. Veja só:

* sobre os ingleses: "exceto pelo café da manhã, comem muito mal. E são também muito malcomidos";

* sobre os surfistas: "as pulgas são espertas. Diz-se delas que têm um Q.I. superior ao de alguns surfistas";

* sobre espermatozóides defeituosos: "eles escapam [da seleção natural], fecundam óvulos inocentes e daí nascem certos políticos, duplas caipiras, autores de livros de auto-ajuda, apresentadores de televisão, especuladores imobiliários, advogados de traficantes e dirigentes de futebol";

* sobre dinossauros soltando puns: "bem, pode-se imaginar a trilha sonora da Terra naquele tempo - algo parecido com um show do também extinto Guns N' Roses, só que acústico".

Agora, podem me chamar de implicante, mas tem uma coisa que se repete nesses textos e que incomoda demais: o uso generoso de palavras e estruturas "difíceis". Pode até ser engraçadinho, mas não folha após folha... O que me deixa preocupada, já que a orelha do livro afirma que os texto foram "impiedosamente reescritos" para esta publicação. Tenha piedade dos leitores!

Não fiquei catando essas expressões, mas como elas se repetem bastante, é fácil identificar. Uma delas é o advérbio "donde", usado para concluir alguma coisa. Praticamente todos os textos trazem um exemplar dele, donde sua utilização deixa de fazer parte da categoria do estilo e passa a entrar para o time dos vícios.

Acho que quando os textos são lidos um de cada vez, isso passa batido. Na verdade, essas expressões difíceis em meio a textos amenos podem até conferir um certo charme. O recurso reflete um pouco a personalidade paradoxal que o autor parece querer passar: um cara experiente mas atualizado; culto porém engraçado; amante à moda antiga e, ao mesmo tempo, conquistador barato.

Quando lemos o livro todo de uma vez só, percebemos o lugar-comum que faz parte de muitas dessas publicações. Antologia de crônicas virou uma forma fácil de ganhar dinheiro se você já tem algum nome. É só juntar a produção de alguns anos, envolver em uma bela embalagem, colocar um título bem apetitoso e lançar no mercado com uma boa divulgação. Não acrescenta muito para a literatura brasileira, mas pode ser uma opção para a diversão dos leitores de verão (e para alavancar o faturamento das editoras).

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 9/12/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cabelo, cabeleira de Luís Fernando Amâncio


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004
05. Detefon, almofada e trato - 29/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/12/2004
10h44min
Gostei de seus comentários sobre uma certa antologia do cronista Ruy Castro, e sobre o próprio jornalista/autor. Gostaria de acrescentar algo. Difícil sacralizar alguém que parece pensar que o Brasil começa nas praias cariocas e termina na serra das Araras e que, não poucas vezes, comentou que nos anos 60 e 70, 99% da vida inteligente no Brasil se localizava numa pequena área de quatro quarteirões em Ipanema. Quase todo mundo sabe que, de maneira geral, a intelectualidade do RJ tem a tendência de considerar o resto do Brasil uma "Caipilândia". Isso não é nada novo. Mas o pior de tudo é que sou obrigado a confessar que gosto de boa parte do que ele escreve. Acho que gostaria ainda mais, se não o conhecesse, há muitos anos, de entrevistas e outras participações televisivas.
[Leia outros Comentários de Roberto Morrone]
15/11/2007
20h45min
A writer writes best about what he/she knows personally. Mr. Castro should be forgiven for writing so well about Rio. I imagine he is not expecting his book "Amestrando orgasmos – bípedes, quadrúpedes e outras fixações animais" to be key to his admittance to the Academia Brasileira de Letras.
[Leia outros Comentários de Tenney Naumer]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Que Significa o Santuario de Schoenstatt?
Pe. Hernán Alessandri Morandé
Do Autor



A Torre de Babel 407
Morris West
Círculo do Livro



O Relógio Falante - Coleção Vampiro
Frank Gruber
Livros do Brasil



O Turno da Noite Vol. 3 - O Livro de Jó (02)
André Vianco
Novo Século
(2009)



A Milésima Segunda Noite
Fausto Wolff
Bertrand Brasil
(2005)



O Filósofo do Pragmatismo
Gilberto Paim
Escrita
(2002)



Matematica Financeira para Concursos Questoes Revolvidas
Abelardo Puccini
Campus
(2014)



Livro Administração A Empresa Familiar no Divã Uma Perspectiva Psicológica
Manfred F. R. Kets de Vries; Randel S. Carlock
Bookman
(2009)



The Making of Man
Kenneth Walker
Routledge & Kegan Paul
(1963)



Técnicas de Investigación en la Historia
Ángel Osvaldo Nessi
Nova - Buenos Aires
(1968)





busca | avançada
75675 visitas/dia
1,7 milhão/mês