Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Glenn Gould: caso de amor com o microfone
>>> Glenn Gould: caso de amor com o microfone
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> Dez Anos que Encolheram o Mundo, de Daniel Piza
>>> Entrevista com Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Mito ou Verdade - Jair Messias Bolsonaro de Flávio Bolsonaro pela Altadena (2017)
>>> Os contos de Beedle, o Bardo de J. K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> Livro De Ouro Da Mitologia de Bulfinch,Thomas; David Jardim Júnior pela Ediouro (2013)
>>> Economia Solidária de Neusa Maria Dal Ri pela Arte&Ciência (1999)
>>> Três Semanas em Paris de Barbara Taylor Bradford pela Record (2003)
>>> Dias Perfeitos de Raphael Montes pela Companhia das Letras (2014)
>>> Quadribol através dos séculos de J. K. Rowling pela Rocco (2001)
>>> A casa dos espíritos de Isabel Allende pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tratado Político de Spinoza pela Bolsil
>>> Feliz por nada de Martha Medeiros pela L&PM Editores (2011)
>>> Bergson O método intuitivo uma abordagem positiva do espirito de Astrid Sayegh pela Humanitas (2008)
>>> A cidade do sol de Khaled Hosseini pela Nova fronteira (2007)
>>> Introdução ao pensar de Arcângelo R. Buzzi pela Vozes (2001)
>>> Cecília de bolso - Uma antologia poética de Cecília Meireles pela L&PM Pocket (2009)
>>> O céu começa em você de Anselm Grun pela Vozes (2002)
>>> Poemas completos de Alberto Caeiro de Fernando Pessoa pela DCL - Difusão cultural do livro (2006)
>>> Vidas provisórias de Edney Silvestre pela Intrinseca (2013)
>>> Competência Profissional Manual de conceitos, métodos e aplicações no Setor de Saúde de Maria Etiennette Irigoin barrenne, Fernando Vargas Zuniga pela Senac (2004)
>>> Família, santuário da vida de Prof. Felipe Aquino pela Cléofas (2013)
>>> Minha querida assombração de Reginaldo Prandi pela Companhia das letrinhas (2014)
>>> Manual das Ações Ex Delicto : Responsabilidade Civil - Doutrina... de Osmar da Rocha Campos/ Pref.: Desembargador Cesar pela Del Rey/ Belo Horizonte (2008)
>>> Kirael A grande mudança de Fred Sterling pela Madras (2007)
>>> Famílias Restauradas de Padre Léo pela Canção Nova (2007)
>>> Pars Vite et Reviens Tard de Fred Vargas pela J'Ai Lu (2005)
>>> Responsabilidade do Estado: Erro Judicial Praticado em Ação Cívil de Marcelo Sampaio Siqueira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2001)
>>> Ero-Guro de Suehiro Maruo pela Conrad (2005)
>>> Paraíso - O Sorriso do Vampiro de Suehiro Maruo pela Conrad (2006)
>>> Métodos Extrajudiciais de Solução de Controvérsias de Marcelo Dias Gonçalves Vilela (Autografado) pela Quartier Latin/ SP. (2007)
>>> O vampiro que ri de Suehiro Maruo pela Conrad (2004)
>>> Mulheres de aço e de flores de Fábio de Melo pela Gente (2008)
>>> Viva Com Esperança de Mark Finley e Peter Landless pela Casa Publicadora Brasileira (2014)
>>> A cabra vadia de Nelson Rodrigues pela Agir (2007)
>>> Bel- Ami/ Encadernado de Guy de Mupassant pela Vecchi (1947)
>>> A Sensitiva de Hannah Howell pela Lua de Papel (2012)
>>> O código Da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A Vidente de Hannah Howell pela Lua de Papel (2012)
>>> Caixa De Pássaros de Josh Malerman pela Intrínseca (2015)
>>> A novela do curioso impertinente de Miguel de Cervantes pela Relume Dumará (2005)
>>> Fenomenologia do espirito de Georg Wilhelm Friedrich Hegel pela Vozes (2014)
>>> Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azande de E.E. Evans-Pritchard pela Jorge Zahar (2005)
>>> Iniciação ao Islã e Sufismo (Sem uso) de Mateus Soares de Azevedo pela Record: Nova Era (2001)
>>> A Intuitiva de Hannah Howell pela Lua de Papel (2012)
>>> Em Busca da Vida (Sem uso) de Jane Hollister Wheelwright pela Siciliano/ SP. (1994)
>>> Noite Feliz de Mary Higgins Clark pela Literatura Brasileira (2003)
>>> Prevenção de Acidentes Nas Indústrias: Organização das Cipas de W. R. Peixoto pela Ediouro/ RJ. (1980)
>>> Você pode falar com Deus - Princípios para uma oração eficaz de Pedro Siqueira pela Sextante (2014)
>>> O Demonologista de Andrew Pyper pela Darkside (2015)
>>> Treinamento e Seleção na Empresa Moderna de Floriano Serra pela Ediouro/ RJ. (1979)
>>> Exorcismo de Thomas B. Allen pela Darkside (2016)
>>> Cartas entre amigos de Fábio de Melo, Gabriel Chalita pela Ediouro (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/8/2009
Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
Marcelo Spalding

+ de 8800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Mia Couto não é o melhor escritor africano de língua portuguesa, nem o mais político, nem o mais original, mas talvez seja o mais clássico, o mais requintado, o mais festejado deles. Autor de obra sólida, personalidade literária, postura europeia e temática contemporânea, é nome pronto para ganhar o Prêmio Camões, destinado a escritores de língua portuguesa (e não me surpreenderia se chegasse ao Nobel).

Muito já foi dito e escrito sobre Mia Couto no Brasil, e mesmo aqui no Digestivo. O melhor é a entrevista concedida a Elisa Andrade Buzzo, mas tem também uma singela resenha que escrevi sobre seu romance O outro pé da sereia, publicado em 2006. Entretanto, como a produção de Mia é vasta, e como por vezes demora um pouco para desembarcar no Brasil, muito se tem ainda para ler de e se escrever sobre Mia Couto.

O fio das missangas (Companhia das Letras, 2009, 146 págs.) é um desses livros que demoraram para atravessar o oceano e ser editado por uma editora brasileira. Publicado pela Editora Caminho em 2003, traz 29 contos curtos entrelaçados tal qual miçangas (não por acaso o título). Mas dessa obra não se pode dizer o que sempre se diz de obras de escritores africanos, que busca ou marca identidades, que denuncia desigualdades e opressões, que transmite pelas palavras a cultura tão diferente do povo africano. Não, dessa vez a Moçambique de Mia Couto é representada por histórias contemporâneas, familiares, conflitos que bem poderiam se passar em cidades do Brasil, de Portugal ou da França.

Sem abrir mão da linguagem que o consagrou (chamada pelos editores de "poética", mas que bem poderia ser definida como "deslizante" ou "deliciosa") e de algumas referências a termos moçambicanos, Mia produz contos quase crônicas, partindo de singelos episódios diários, familiares, para temas e conflitos universais como o afeto, o desgosto, a compaixão, a cumplicidade.

Em "O cesto", uma mulher aguarda com certa ansiedade e pressa a morte do marido, que agoniza no hospital, até que ele morre e a viúva nos revela, em sua narrativa, que "ao contrário de um alívio, me acontece o desabar do relâmpago sem chão onde tombar. Em lugar do queixo altivo, do passo estudado, eu me desalinho em pranto. Regresso a casa, passo desgrenhado, em solitário cortejo pela rua fúnebre. (...) Amanhã, tenho que me lembrar para não preparar o cesto da visita".

Noutro conto, "Na tal noite", um narrador em terceira pessoa conta a visita anual de Sidónio Vidas, um episódico esposo, que na noite de Natal chega cada vez mais rico e com cada vez menos presentes para os dois filhos. Conversam, ele vai embora cedo e logo chega o vizinho, senhor Alves, ao que a mãe lembra os filhos, como o fizera na chegada de Sidónio: "já sabem: ao sinal combinado, vocês desaparecem das vistas!".

A cumplicidade está presente também em "Mana Celulina, a esferográvida", conto que sugere um incesto, narrado pelo homem que assiste sua irmã, a "completamente grávida" Celulina, chorar enquanto o pai ameaça determinado rapaz, acusando-o da desonra. No final, "ninguém notou o piscar de olhos que ela me dirigiu, em cúmplice ternura".

Nesse rol de temas familiares tem espaço para o futebol, em "A carta de Ronaldinho" e "O mendigo Sexta-Feira jogando no Mundial"; para a depressão, em "O rio das Quatro Luzes"; para a questão racial, em "O novo padre"; e até para a poesia, em "O menino que escrevia versos".

Mas dois contos merecem especial atenção, um pela atualidade do tema proposto e outro pela originalidade da forma com que propõe um tema antigo.

"O dono do cão do homem" inicia assim: "conto-vos como fui traído não pela minha amada, mas pelo meu cão". A história começa com a narrativa de um singelo passeio: "Aos fins da tarde, eu o levava a passear. Isto é: ele me arrastava na trela. Bonifácio é que escolhia os atalhos, as paragens, a velocidade. E houve vezes que, para não dar inconveniências, eu me rebaixei a ponto de lhe recolher o fedorente cocó". Mas a pergunta seguinte desencadeia a inversão de papéis ― e valores ― proposta pelo conto: "Prestei tal deferência a meus próprios filhos?". Mais do que isso, o narrador dirá: "Quando me notavam era por acidente ou por acréscimo. Eu, humildemente eu, na outra extremidade da trela. Eu, o atrelado, de simples raça humana, sem prova de pureza. O meu cão, senhor e dono, estava acima dos verbos animais".

O final do conto não vem ao caso, é uma espécie de inversão física dos papéis entre o cão e o homem, mas a própria abordagem de tema tão cotidiano e tão pertinente já vale a referência. E não temos aqui clichês pró ou contra os cães, o narrador reconhece a conquista de espaço dos animais, os admira, mas talvez com lucidez exagerada percebe nessa conquista uma perda de espaço dos humanos. E quem já não se sentiu assim passeando com um belo exemplar canino por um parque?

Já "A infinita fiadeira" retoma o feitio de fábula para contar a história de uma aranha que se recusava a ser como as outras: "Não faço teia por instinto", dizia, "faço por arte". Os pais, naturalmente, ficaram muito desiludidos e foram falar com o Deus dos bichos para que tomasse uma solução, e "num golpe divino, a aranha foi convertida em pessoa". O fecho da fábula merece ser transcrito na íntegra:

"Quando ela, já transfigurada, se apresentou no mundo dos humanos logo lhe exigiram a imediata identificação. Quem era, o que fazia?

― Faço arte.
― Arte?

E os humanos se entreolharam, intrigados. Desconheciam o que fosse arte. Em que consistia? Até que um mais-velho, se lembrou. Que houvera um tempo, em tempos de que já se perdera memória, em que alguns se ocupavam de tais improdutivos afazeres. Felizmente, isso tinha acabado, e os poucos que teimavam em criar esses pouco rentáveis produtos ― chamados de obras de arte ― tinham sido geneticamente transmutados em bichos. Não se lembrava bem em que bichos. Aranhas, ao que parece."

E assim saúdo que Mia Couto seja uma espécie de ranha, não mais luso-africana, moçambicana ou da língua portuguesa, mas uma aranha de voz universal. Até porque temos cada vez menos cérebros talentosos teimando em criar esses pouco rentáveis produtos.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 6/8/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth' de Duanne Ribeiro
02. A Puta, um romance bom prá cacete de Jardel Dias Cavalcanti
03. Essa tal de Dança Contemporânea de Airton Tomazzoni
04. Modelos plus size: as novas mulheres irreais de Pati Rabelo
05. As Aventuras de Pi de Duanne Ribeiro


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2009
01. Quanto custa rechear seu Currículo Lattes - 5/3/2009
02. O melhor da década na literatura brasileira: prosa - 31/12/2009
03. Literatura para quê? - 17/12/2009
04. Era uma vez o conto de fadas - 2/4/2009
05. Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto - 6/8/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/8/2009
21h31min
Mia Couto, assim como Manuel Rui, são excelentes escritores que o Brasil precisa começar a ler. Ainda mais agora que todos falam na questão da africanidade, na diáspora africana que brilha no mundo todo, desde a Inglaterra, os Estados Unidos, o Brasil e outros países, e entender sempre que no Atlântico não circulou apenas corpos humanos, mas sim pensamentos, filosofias, cérebros, magias, e ternuras sem fim.
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
9/8/2009
10h09min
Dizem que teimosia é uma característica inconveniente. Será que chegará o tempo em que todos os cérebros talentosos pensarão: teimar, pra quê? Afinal, não se faz arte sem propósitos, sem consciência dos seus possíveis efeitos, ou não deveria ser feita assim, sem intenções, principalmente por cérebros talentosos. E fazer arte não é rentável, porém, a arte é rentável, sim, para alguns, que às vezes nada contribuíram pra sua produção... Mas a arte também é um poderoso instrumento de luta, de libertação, ainda mais para aqueles que não conseguem se imaginar empunhando armas pra defender seus espaços, o direito a uma identidade própria, pra si mesmo, para os seus conterrâneos, para a sua nação. A arte é uma forma especial de conquistar novos territórios, os africanos descobriram isso e estão assim ampliando seu lugar no mundo. Não sem merecimento, estão mostrando que têm valor, como quaisquer outros homens, e que merecem igual respeito, igual tratamento, em todos os campos de conquista da humanidade.
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ASSIMETRIA DE INFORMAÇÕES E DECISÕES DE ESTRUTURA DE CAPITAL
RAPHAEL BROCCHI, JOSÉ OLIVEIRA NETO UND JAQUELINE BROCCHI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



COMISSÕES DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA: OBJETIVOS E ...
SIND. DOS PROFESSORES DO ESTADO GOIÁS
SIND. PROF. GOIÁS
(2000)
R$ 9,00



INTRODUCTION TO DYNAMIC MACROECONOMIC GENERAL EQUILIBRIUM MODELS 2ND
JOSE LUIS TORRES CHACON
VERMOS ART AND SCIENCE
(2015)
R$ 110,00



DO CAMPO A MESA - O CAMINHO DOS ALIMENTOS
TEDDY CHU; AMANDA GRAZINI
MODERNA
(2012)
R$ 37,90



PIRARUCU (ARAPAIMA GIGAS) NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL
MAURO VINICIUS DUTRA GIRÃO UND ELIANA MATOS RIBEIRO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



CARA DE VILÃO
JANAINA GAMBA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE AGOSTO DE 1970
TITO LEITE (REDATOR RESPONSÁVEL)
YPIRANGA
(1970)
R$ 7,00



I SPY IN THE SKY: LONG VOWELS Y
SUZANNE BARCHERS
LEAP FROG
(2009)
R$ 18,82



ELETROSUL 40 ANOS (6420)
LIGIA MARIA MARTINS CABRAL
SOL
(2008)
R$ 19,00



ANTÔNIO MARIA: NOITES DE COPACABANA (PERFIS DO RIO)
JOAQUIM FERREIRA DOS SANTOS
RIO ARTE
(1996)
R$ 24,82





busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês