História dos espaços habitados | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/6/2005
História dos espaços habitados
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2700 Acessos


"Da janela da minha sala..." (foto de Cassiano Viana)

Costumo dizer, para irritação de muita gente, que normal é nascer sozinho. E assim como todos aqueles que não dividiram espaços mínimos com um irmão gêmeo, continuo cultivando com muito apreço uns espaços meus, só meus, onde me sinto feliz e protegida, mesmo que esses cantinhos não guardem qualquer semelhança com o útero da minha mãe.

Na casa em que nasci, nem me lembro mais de que espaços gostei. Sei que era um barracão com chão de areia em que eu me divertia arranhando os disquinhos de vinil colorido. De lá, fomos para a casa recém-construída, tão mais imponente e labiríntica. Nessa casa passei 26 anos, interrompidos pela gestação de um menino que também nasceu sozinho (e espero que também goste de ter seus espaços).

A casa dos meus pais tinha muitos cômodos, mas eu nunca precisei de todos eles. Era no meu quarto que eu batia papo com meus amigos imaginários, pressentia jacarés embaixo da cama, brincava de sortear cartas que eu mesma jogava para cima e ouvia meu som. Esse quarto, com o passar dos anos, transformou-se numa espécie de escritório em que a cama só atrapalhava a condução dos trabalhos. Nesse cômodo da casa dedicado à minha presença, entulhei meus brinquedos, minhas roupas, meus sapatos e meus livros. Vivi plenamente a fase dos milhares de adesivos na janela e tive muito trabalho quando resolvi tirá-los com suas colas velhas e ressecadas. Conversei segredos com meus amigos, pus linha de telefone própria, fui proibida (terminantemente) da visita mais singela dos namorados e terminei quase todas as leituras que me emocionaram. Troquei o rack do som mais de duas vezes e enfiei uma cadeira que mal cabia no espaço. Enchi o chão de caixas. Também vivi a fase dos pôsteres, ora dos Titãs, ora de alguma banda de heavy metal. Preguei quadros na parede e desenhei corpos de pessoas nuas. Minha irmã, há alguns anos, me deu de presente uma nova pintura. Viajei e, quando retornei, estava a parede clara, sem buracos de prego ou manchas de gordura. Comecei vida nova. Pus novos quadros e joguei fora os starfix(es) que há séculos faziam parte do meu céu imaginário.

A varanda da casa, meio improvisada, construída como adendo quando a casa já era velha, apesar de ter sido muito esperada, não me serviu de inspiração. Eram tantas trancas, chaves e cadeados que desanimávamos de ir tomar a fresca. Também a vista não era lá essas coisas. Mas comemorei quatro ou cinco aniversários nela. Vejam que era grande: cabia mesas e cadeiras dessas de bar e comportava muitos amigos tocadores de violão. Também vivi nela uns réveillons e umas festinhas fora de época. Não namorei na varanda. Para isso estava reservada a saleta perto da porta de entrada. De certa forma, meu pai estabeleceu essa sala, que era para os namorados irem embora fácil.

A saleta de entrada fora construída, em princípio, para ser a sala de espera de um consultório médico que meu pai jamais usou. Ele jamais quis levar trabalho para casa, então desistiu da empresa e limitou ao hospital (bem longe de casa) seus momentos de doutor. Aquele ex-consultório, então, tornou-se uma mistura de escritório e sala de música, com caixas amplificadas, teclados eletrônicos, microfones e partituras. Afora a história da saleta, que só serviu para manter em banho-maria uns namoros que nunca deram certo, a sala de música foi palco de noitadas homéricas em que os amigos tocavam, cantavam, compunham e não iam embora antes que o sol nascesse. O microfone e a caixa de eco ajudaram a embalar a vizinhança, que jamais chamou a polícia para aquele bando bem-intencionado de seresteiros.

A cozinha não coadjuva. Aliás, acho que todo mundo deve ter longa e afetuosa história com a cozinha de casa. O melhor da nossa cozinha não eram as comidas e nem os quitutes, já que minha mãe não era dada a essas coisas, mas eram as conversas. Lá pelas tantas da madrugada, quando éramos crianças, escutávamos o ronco do motor do carro do pai chegando do plantão. Íamos todos vê-lo comer, ouvir os barulhos do talher na panela de metal, o pano embaixo do prato para não queimar as mãos, a coca-cola. Depois que crescemos, continuamos nos encontrando na cozinha para falar da vida, das vivências, ganhar conselhos e levar torras. Foi nessa cozinha que conheci meus irmãos e destilei meu pai. Minha mãe, àquelas horas, já dormia a sono solto, no lugar que mais lhe apetecia naquela imensa casa: a cama.

Os outros cômodos da casa nunca me inspiraram. As escadas, que eram muitas, não cheiraram a aventura, exceto quando as descíamos em cima dos cobertores. A sala de televisão não era lá grande coisa, embora fizéssemos os lanches da tarde de frente para a telinha, enquanto nossa mãe se irritava com os farelos no sofá eternamente novo.

A copa era lugar de almoçar e de ler jornal. Invariavelmente, o Estado de Minas compunha parte de nossa refeição diária. E assim as conversas mais avulsas ficavam para a noite, quando nos encontrássemos na cozinha.

Quando saí da casa, fui morar num apartamento minúsculo. Da casa de 5 banheiros grandes passei a uma espécie de gaiola, no oitavo andar, com apenas um banheiro que infiltrava água para o banheiro da síndica, logo embaixo. Não tinha box, não tinha pia, armários ou prateleiras. Não havia lugar onde colocar os pés e nem espaço para dançar. Desse viveiro macabro, fomos para um apartamento bem maior, cuja janela da sala tornou-se nossa predileta. Na falta de varanda, descobrimos que a vista da área é inspiradora à noite e que da sala vê-se a rua com razoável amplitude. A sala é multifuncional. Inauguramos as cores das paredes no réveillon, quando fizemos questão de abrir o espaço para os amigos. Reza a lenda que no teto da despensa há uma preparação para abrir uma futura cobertura, que talvez tomemos a iniciativa de construir um dia, provavelmente com um ofurô e tijolos de vidro. Nem os quartos, nem os banheiros são nossos prediletos. A cozinha é indiscreta, pois dela vaza nossa conversa para o hall do prédio. Neste apartamento não será possível ligar caixas amplificadas e nem simular boates. No entanto, já promovemos sábados de violão e voz e um espaguete ao molho bolonhês. E assim vamos curtindo nossos espaços, sejam eles como forem, com suas ardósias, mármores, tábuas corridas ou chão de areia.

De minha ex-casa não guardo muitas saudades, mas tenho impressos na memória as conversas e os movimentos de todos os seus habitantes. E espero formar essas histórias de uma família neste espaço do terceiro andar, não porque ele seja pequeno ou grande, bonito ou feio, mas porque é nele que habitamos e porque é o que é nosso.

É gostoso parar para se lembrar dos seus espaços. Uma micro-história que fica escondidinha, mas pode ser mais bonita do que fazer turismo num palácio que é dos outros.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 29/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
02. Assum Preto, Me Responde? de Duanne Ribeiro
03. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
04. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
05. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MITOLOGIA 2 - VÊNUS
EDITORA ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1976)
R$ 7,00



HISTÓRIA DE ROMA
MÁRIO CURTIS GIORDANI
VOZES
(1972)
R$ 28,00



A VAGA DE CALOR
URBANO TAVARES RODRIGUES
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1986)
R$ 15,63



O BARBEIRO DE SEVILHA
GIOACCHINO ROSSINI
ALTEA
(2008)
R$ 30,00



O PENSAMENTO VIVO DE EINSTEIN
EDITORA MARTIN CLARET
MARTIN CLARET
(1990)
R$ 7,19



BRÁS, BEXIGA E BARRA FUNDA
ALCÂNTARA MACHADO
MODERNA
(1997)
R$ 5,00



MÉTODO COMPLETO PARA DIVISÃO EXPRESSAMENTE COMPOSTO PARA OS DISCÍPU...
P. BONA
IRMÃOS VITALE
R$ 17,00



INSTITUIÇÕES DE DIREITO PÚBLICO E PRIVADO
NELSON GODOY BASSIL DOWER
NELPA
(1995)
R$ 5,00



HISTÓRIA DO BRASIL 2º GRAU
ANTONIO PEDRO
FTD
(1987)
R$ 10,00



A MULHER OS RAPAZES (DA HISTÓRIA DA SEXUALIDADE)
MICHEL FOUCAULT
PAZ E TERRA
(1997)
R$ 8,91





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês