História dos espaços habitados | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
65675 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
>>> ÚLTIMAS APRESENTAÇÕES ONLINE DO ESPETÁCULO O DESMONTE
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A PROPÓSITO DE UM POEMA
>>> Como E Por Que Ler O Romance Brasileiro
>>> Jornalista, um bicho de 7 cabeças e 10 chifres
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> O amigo do escritor
>>> O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece
>>> SemiÓtica
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Cinema e os Direitos Humanos
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
Mais Recentes
>>> Seleta de Versos e Contos vol. 10 de Varios pela Durantis (1998)
>>> Marília de Dirceu de Tomás Antônio Gonzaga pela Publifolha (1997)
>>> O Jogo dos Convexos de Nanette Carvalho Moreira pela Alcance (1993)
>>> Em Busca de Cézanne de Peter Mayle pela Rocco (2000)
>>> Capitães da Areia - Companhia de Bolso - 2012 de Jorge Amado pela Companhia de Bolso (2012)
>>> Confusão Cotidiana de Ana Beise pela Gente de Palavra (2014)
>>> Para Além do Bem e do Mal - 2011 - Obra Prima de Cada Autor de Friedrich Nietzsche pela Martin Claret (2011)
>>> Rezando com os Anjos de Antônio Lúcio da Silva Lima (org.) pela Paulus (1994)
>>> Como ajudar seu filho na Escola de Vera Lúcia Casari Parreira e Edna Maria Marturano pela Ave-Maria (1999)
>>> A Criança de 2 a 6 anos - Vida Afetiva e Problemas Familiares de Myriam David Dra. pela Paulinas (1987)
>>> Trevas e Luz - Uma coletânea de contos, crônicas e reflexões de José Carlos dos Santos (autografado) pela Do autor (2002)
>>> O Príncipe Playboy - O Reino de Cordina de Nora Roberts pela Harlequin (2013)
>>> Marília de Dirceu de Tomás Antônio Gonzaga pela Leitura XXI (2002)
>>> Enquanto Minha Querida Dorme - Best Bolso de Mary Higgins Clark pela BestBolso (2009)
>>> Idrologia e Crenoterapia (Le acque Minerali D' Italia) - 1924 de Dott. Prof. P. Piccinini pela Ulrico Hoepli (1924)
>>> Cânticos - 1996 de Cecília Meireles pela Moderna (1996)
>>> Homem Cobra - Mulher Polvo de Içami Tiba pela Gente (2004)
>>> Um Homem de Sorte - 2012 de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Lembranças da Espanha/Recuerdos de España de César Pereira sel. pela Orvalhon Andaluz (1996)
>>> O Homem que Calculava - 2010 de Malba Tahan pela Record (2010)
>>> Le Cahier de Turin de Lionel Duroy pela Julliard (2003)
>>> Lolita - 1998 de Vladimir Nabokov pela Companhia das Letras (1998)
>>> Amar, Verbo Intransitivo Idílio de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> Fahrenheit 451 - 2018 de Ray Bradbury pela Globo (2018)
>>> A Arte da Cura Espiritual - 1991 de Keith Sherwood pela Siciliano (1991)
>>> O Encontro Inesperado ditado pelo Espírito Lucius de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2014)
>>> Melhor que Comprar Sapatos - 2015 de Cristiane Cardoso pela Unipro (2015)
>>> Quem me roubou de mim? de Fábio de Melo pela Canção Nova (2009)
>>> Quebra-Cocos de Lindolfo Lino pela João Scortecci (1997)
>>> As Cidades Invisíveis - Coleção Biblioteca Folha de Italo Calvino pela Globo/Folha de S.Paulo (2003)
>>> O Uraguai de Basílio Gama pela Leitura XXI (2009)
>>> Dexter Design de Um Assassino de Jeff Lindsay pela Planeta (2011)
>>> Dexter no Escuro de Jeff Lindsay pela Planeta (2010)
>>> Querido e Devotado Dexter de Jeff Lindsay pela Planeta (2009)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Sextante (2007)
>>> Querida Filha de Elizabeth Little pela Rocco (2017)
>>> Cinquenta Tons Mais Escuros de E. L. James pela Intrísica (2012)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E. L. James pela Intrísica (2012)
>>> Viver é coisa Perigosa - Orientações para soluções de conflitos de Guilherme Schelb pela Do autor (2008)
>>> Contos (Literatura Francesa) de Voltaire pela Nova Cultural (2003)
>>> Mulherzinhas (Literatura Norteamericana) de Louisa May Alcott pela Nova Cultural (2003)
>>> O morro dos ventos uivantes (Literatura Inglesa/Britânica) de Emily Brontë pela Nova Cultural (2003)
>>> Naná (Literatura Francesa) de Emile Zola pela Nova Cultural (2003)
>>> Babbitt (Literatura norteamericana) de Siclair Lewis pela Nova Cultural (2003)
>>> Ivanhoé (Literatura Escocesa/Britânica) de Walter Scott pela Nova Cultural (2003)
>>> A mulher de Trinta Anos (Literatura Francesa) de Honorè de Balzac pela Nova Cultural (2003)
>>> Razão e Sensibilidade (Literatura Inglesa) de Jane Austen pela Nova Cultural (2003)
>>> Tom Jones (Literatura Inglesa) de Henry Fielding pela Nova Cultural (2003)
>>> Ninguém escreve ao coronel de Gabriel Garcia Marques pela Record (2014)
>>> Tragédias - Romeu e Julieta/Macbeth/Otelo, o mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/6/2005
História dos espaços habitados
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2800 Acessos


"Da janela da minha sala..." (foto de Cassiano Viana)

Costumo dizer, para irritação de muita gente, que normal é nascer sozinho. E assim como todos aqueles que não dividiram espaços mínimos com um irmão gêmeo, continuo cultivando com muito apreço uns espaços meus, só meus, onde me sinto feliz e protegida, mesmo que esses cantinhos não guardem qualquer semelhança com o útero da minha mãe.

Na casa em que nasci, nem me lembro mais de que espaços gostei. Sei que era um barracão com chão de areia em que eu me divertia arranhando os disquinhos de vinil colorido. De lá, fomos para a casa recém-construída, tão mais imponente e labiríntica. Nessa casa passei 26 anos, interrompidos pela gestação de um menino que também nasceu sozinho (e espero que também goste de ter seus espaços).

A casa dos meus pais tinha muitos cômodos, mas eu nunca precisei de todos eles. Era no meu quarto que eu batia papo com meus amigos imaginários, pressentia jacarés embaixo da cama, brincava de sortear cartas que eu mesma jogava para cima e ouvia meu som. Esse quarto, com o passar dos anos, transformou-se numa espécie de escritório em que a cama só atrapalhava a condução dos trabalhos. Nesse cômodo da casa dedicado à minha presença, entulhei meus brinquedos, minhas roupas, meus sapatos e meus livros. Vivi plenamente a fase dos milhares de adesivos na janela e tive muito trabalho quando resolvi tirá-los com suas colas velhas e ressecadas. Conversei segredos com meus amigos, pus linha de telefone própria, fui proibida (terminantemente) da visita mais singela dos namorados e terminei quase todas as leituras que me emocionaram. Troquei o rack do som mais de duas vezes e enfiei uma cadeira que mal cabia no espaço. Enchi o chão de caixas. Também vivi a fase dos pôsteres, ora dos Titãs, ora de alguma banda de heavy metal. Preguei quadros na parede e desenhei corpos de pessoas nuas. Minha irmã, há alguns anos, me deu de presente uma nova pintura. Viajei e, quando retornei, estava a parede clara, sem buracos de prego ou manchas de gordura. Comecei vida nova. Pus novos quadros e joguei fora os starfix(es) que há séculos faziam parte do meu céu imaginário.

A varanda da casa, meio improvisada, construída como adendo quando a casa já era velha, apesar de ter sido muito esperada, não me serviu de inspiração. Eram tantas trancas, chaves e cadeados que desanimávamos de ir tomar a fresca. Também a vista não era lá essas coisas. Mas comemorei quatro ou cinco aniversários nela. Vejam que era grande: cabia mesas e cadeiras dessas de bar e comportava muitos amigos tocadores de violão. Também vivi nela uns réveillons e umas festinhas fora de época. Não namorei na varanda. Para isso estava reservada a saleta perto da porta de entrada. De certa forma, meu pai estabeleceu essa sala, que era para os namorados irem embora fácil.

A saleta de entrada fora construída, em princípio, para ser a sala de espera de um consultório médico que meu pai jamais usou. Ele jamais quis levar trabalho para casa, então desistiu da empresa e limitou ao hospital (bem longe de casa) seus momentos de doutor. Aquele ex-consultório, então, tornou-se uma mistura de escritório e sala de música, com caixas amplificadas, teclados eletrônicos, microfones e partituras. Afora a história da saleta, que só serviu para manter em banho-maria uns namoros que nunca deram certo, a sala de música foi palco de noitadas homéricas em que os amigos tocavam, cantavam, compunham e não iam embora antes que o sol nascesse. O microfone e a caixa de eco ajudaram a embalar a vizinhança, que jamais chamou a polícia para aquele bando bem-intencionado de seresteiros.

A cozinha não coadjuva. Aliás, acho que todo mundo deve ter longa e afetuosa história com a cozinha de casa. O melhor da nossa cozinha não eram as comidas e nem os quitutes, já que minha mãe não era dada a essas coisas, mas eram as conversas. Lá pelas tantas da madrugada, quando éramos crianças, escutávamos o ronco do motor do carro do pai chegando do plantão. Íamos todos vê-lo comer, ouvir os barulhos do talher na panela de metal, o pano embaixo do prato para não queimar as mãos, a coca-cola. Depois que crescemos, continuamos nos encontrando na cozinha para falar da vida, das vivências, ganhar conselhos e levar torras. Foi nessa cozinha que conheci meus irmãos e destilei meu pai. Minha mãe, àquelas horas, já dormia a sono solto, no lugar que mais lhe apetecia naquela imensa casa: a cama.

Os outros cômodos da casa nunca me inspiraram. As escadas, que eram muitas, não cheiraram a aventura, exceto quando as descíamos em cima dos cobertores. A sala de televisão não era lá grande coisa, embora fizéssemos os lanches da tarde de frente para a telinha, enquanto nossa mãe se irritava com os farelos no sofá eternamente novo.

A copa era lugar de almoçar e de ler jornal. Invariavelmente, o Estado de Minas compunha parte de nossa refeição diária. E assim as conversas mais avulsas ficavam para a noite, quando nos encontrássemos na cozinha.

Quando saí da casa, fui morar num apartamento minúsculo. Da casa de 5 banheiros grandes passei a uma espécie de gaiola, no oitavo andar, com apenas um banheiro que infiltrava água para o banheiro da síndica, logo embaixo. Não tinha box, não tinha pia, armários ou prateleiras. Não havia lugar onde colocar os pés e nem espaço para dançar. Desse viveiro macabro, fomos para um apartamento bem maior, cuja janela da sala tornou-se nossa predileta. Na falta de varanda, descobrimos que a vista da área é inspiradora à noite e que da sala vê-se a rua com razoável amplitude. A sala é multifuncional. Inauguramos as cores das paredes no réveillon, quando fizemos questão de abrir o espaço para os amigos. Reza a lenda que no teto da despensa há uma preparação para abrir uma futura cobertura, que talvez tomemos a iniciativa de construir um dia, provavelmente com um ofurô e tijolos de vidro. Nem os quartos, nem os banheiros são nossos prediletos. A cozinha é indiscreta, pois dela vaza nossa conversa para o hall do prédio. Neste apartamento não será possível ligar caixas amplificadas e nem simular boates. No entanto, já promovemos sábados de violão e voz e um espaguete ao molho bolonhês. E assim vamos curtindo nossos espaços, sejam eles como forem, com suas ardósias, mármores, tábuas corridas ou chão de areia.

De minha ex-casa não guardo muitas saudades, mas tenho impressos na memória as conversas e os movimentos de todos os seus habitantes. E espero formar essas histórias de uma família neste espaço do terceiro andar, não porque ele seja pequeno ou grande, bonito ou feio, mas porque é nele que habitamos e porque é o que é nosso.

É gostoso parar para se lembrar dos seus espaços. Uma micro-história que fica escondidinha, mas pode ser mais bonita do que fazer turismo num palácio que é dos outros.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 29/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um software em crise existencial de Wellington Machado
02. Daniel Piza: uma lanterna cultural de Wellington Machado
03. Fabio Weintraub, poesia em queda livre de Jardel Dias Cavalcanti
04. Meu filho e Jaime Lerner de Paulo de Resende
05. Preconceitos de Daniel Bushatsky


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MISS DANÚBIO
MARÇAL AQUINO
SCRITTA
(1994)
R$ 12,66



O DESENTULHO DE GÓRI
NEY EICHLER CARDOSO
AUTOR
(2003)
R$ 26,00



JE SAIS TOUT OU PRESQUE - 2658
ELISABETH IVANOVSKY
GAUTIER-LANGUEREAU
(1985)
R$ 15,00



MANUAL DE ESCRITOS
YOLANDA JORDÃO
THESAURUS (BRASÍLIA)
(1979)
R$ 31,00



THE HOUSE BY THE SEA
PATRICIA ASPINALL
CAMBRIDGE
(1999)
R$ 7,00



ASSASSINATO DE REPUTAÇÕES UM CRIME DE ESTADO
ROMEU TUMA JUNIOR
TOPBOOKS
(2013)
R$ 75,00
+ frete grátis



O AMOR, A FÉ E A ESPERANÇA - 200 CHAVES DE SABEDORIA
J. CHINELATO
K&R
(2010)
R$ 22,00



LOLITA
VLADIMIR NABOKOV
O GLOBO
(2003)
R$ 20,00



INICIAÇÃO A ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO
IDALBERTO CHIAVENATO
MAKRON BOOKS
(1991)
R$ 19,90



JK O OTIMISMO EM PESSOA
JOSÉ LOUZEIRO
EDIOURO
(1999)
R$ 5,00





busca | avançada
65675 visitas/dia
2,1 milhões/mês