Duofel: som e imagem | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Os Estertores da Razão
Mais Recentes
>>> Psicologia e Dilema Humano de Rollo May pela Zahar (1977)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> empreendedorismo de João Carlos Assis Dornelas pela elsevier Campus (2008)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> Java 2 Ensino Didático Desenvolvendo e Implementando Aplicações 6ªed de Sérgio Furgeri pela Érica (2002)
>>> Tomografia computadorizada do corpo em correlação com ressonância magnética de Joseph K T Lee e outros pela Guanabara Koogan (2008)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Os Arquivos dos Campeonatos Brasileiros de José Renato Sátiro Santiago Jr. pela Panda Books (2006)
>>> Dicionário Socioambiental Brasileiro de Luciano Pizzatto pela Ambientebrasil (2009)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Dicionário Socioambiental Brasileiro de Luciano Pizzatto pela Ambientebrasil (2009)
>>> empreendedorismo de João Carlos Assis Dornelas pela elsevier Campus (2009)
>>> Dicionário Socioambiental Brasileiro de Luciano Pizzatto pela Ambientebrasil (2009)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> As Crianças Aprendem o Que Vivenciam de Dorothy Law Nolte; Rachael Harris; Maria Luiza pela Sextante (2009)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> Sociologia Geral de Reinaldo Dias pela Alínea (2010)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 4/10/2005
Duofel: som e imagem
Fabio Silvestre Cardoso
+ de 3000 Acessos

O formato não é original, mas o resultado sonoro, por sua vez, não deixa de ser genuíno. Esta é a impressão, grosso modo, de quem já ouviu o Duofel, que, para comemorar a trajetória de 25 anos, lançou o DVD Duofel: frente e verso. Trata-se de um registro ao vivo da apresentação da dupla em novembro de 2003, no teatro do Sesc Pompéia. Coincidência ou não, o local escolhido para a gravação deste especial possui uma relação com o grupo, posto que suas apresentações pertencem a um circuito marcado pela fidelidade do público, de certa forma restrito, que aprecia a música instrumental. Sozinha, tal constatação já faz deste DVD do Duofel um exemplar a ser comemorado, já que, com efeito, são 25 anos de carreira dos violonistas Fernando Melo e Luiz Bueno que são celebrados. Ainda assim, há a música, as variações e a performance que merecem uma análise de perto.

Logo de início, os ouvintes e telespectadores, talvez não necessariamente da mesma maneira, notam que a dupla escolhe um jeito de tocar mais ligado às raízes brasileiras. Isso porque os violões de corda de aço são justapostos ao violão de corda de nylon, à viola caipira e até mesmo à rabeca. Apesar de parecer conceitualmente difuso, esse hibridismo gera um resultado alinhado do ponto de vista sonoro, de modo que o ouvinte consegue extrair de cada música sua versão singular. Esse detalhe é prova da versatilidade musical da dupla, como fica claro na primeira faixa, "Sarau no Parque", uma espécie de modinha, que se destaca pelos solos em contraste com a viola caipira. Em certa medida, as duas músicas seguintes pertencem ao mesmo perfil estilístico, cada qual com sua variação. Desse modo, em "A Caminho de Iracema", se a viola fica com agudos mais estridentes (quase incômodos, diga-se), o violão de aço apresenta uma linha mais melódica. Já em "Caboquinha do Braguinha" os dois instrumentos se substituem na condução e, juntos, repetem o tema principal, que é precedido por um dedilhado acelerado.

A seguir, há uma quebra de ritmo. Não necessariamente de andamento, mas, sobretudo, de estilo. Nesse caso, o ouvinte repara nisso gradativamente, à medida que um aspecto folk entra em cena e dita o tom de "Norwegian Wood", de Lennon & McCartney. Inicialmente, a música fica absolutamente reconhecível, mas, como que de repente, o duo opta por uma linha excessivamente virtuose, o que, metaforicamente, cria uma barreira entre o palco e platéia de maneira que os músicos ouçam tão somente a si mesmos, só saindo desse transe após longos sete minutos. Um alívio.

A calmaria vai aparecer em "Rio Negro e Solimões, Encontro". Aqui, apesar de seguir a fórmula de executar muitas notas em pouco tempo, o tema central é tranqüilo por natureza, sem mencionar o fato da música ser bem mais curta (pouco mais de três minutos). Depois, "Diálogo" traz as perguntas e respostas em cada instrumento. Sinceramente, não dá para saber qual o papel de cada um, mas o violão de nylon, tocado por Luiz Bueno, aparece um tanto mais.

Ao longo do disco, o ouvinte há de reparar que mesmo as variações obedecem à criatividade de Fernando Melo e Luiz Bueno. Em outras palavras, eles conseguem manter o controle da apresentação, de um lado, porque assinam a maioria das 13 faixas e, de outro, porque são capazes de adequar o estilo das versões à maneira que eles executam as canções. Nesse sentido, mesmo a variedade das cordas (com os diversos tipos de violões) respeita a assinatura do Duofel, cujo estilo não deixa o ouvinte se enganar.

Outro detalhe importante na performance ao vivo do Duofel é a respeito da postura da dupla no palco. Mais do que em muitos outros artistas ou grupos, é preciso ver a apresentação da dupla. E a razão para tanto é muito simples: trata-se, com efeito, de um espetáculo a ser contemplado, a forma como ambos tocam os violões. Dos arpejos às expressões faciais de Fernando e Luiz, ora mais contritos, concentrados, ora mais soltos, como se estivessem divertindo com as notas que extraem de seus instrumentos. Nesse sentido, há que se notar a forma como estão posicionados no palco, quase que de frente um para o outro, como que para examinar cada um a execução do outro. Aqui, a imagem mais correta é a de um espelho que, ao mesmo tempo, une e separa a dupla. E o espectador nota, então, que a faixa "Diálogo" não está ali por acaso.

A propósito das imagens, o registro ao vivo deixa um pouco a desejar no que se refere às tomadas que aposta, bastante próximas da dupla, dando um tom inquietante para quem assiste o show. Ademais, os recursos foram pouco explorados tendo em vista as inúmeras possibilidades e caminhos que a tecnologia agora oferece. Há que se mencionar as faixas bônus para o DVD, mas também nesse caso cabe uma ressalva. Qual o motivo da ausência desse bônus no CD? Perguntas que sobram sem resposta, infelizmente.

Embora o formato ao vivo esteja um tanto saturado no mercado musical (conta-se nos dedos uma mão os conjuntos e grupos que não possuem registros de shows), Duofel: frente e verso pode ser considerado um achado por se tratar de uma festa dos 25 anos de uma dupla essencialmente instrumental. Num país que se arroga musical, é preciso olhar e ouvir com mais atenção outros sons.

Lichtenstein, no Tomie Ohtake

Está bem, está bem, é a primeira vez que os trabalhos deste grande nome da Pop-art vem para o Brasil; sim, é algo de referência na recente história da arte. Talvez por isso mesmo, entretanto, era esperado que as obras fossem mais, digamos, surpreendentes. Quem leu os jornais ou ouviu a respeito da mostra em algum programa de TV, acredite, já entrou em contato com o melhor do que veio para o Brasil de Roy Lichtenstein. Não há nada a ser (re)descoberto. Culpa do Pânico na TV, que se inspirou no trabalho do artista para montar seu cenário? Não se sabe. Para quem for, a segunda sala reserva as jóias da coroa, Reflections on Conversations, Nude with joyous painting e Roommates. Afora isso, na primeira sala, destaque para os esboços que, embora desprovidos de plasticidade, mostram o esmero do artista com as marcações e a busca pela, pasmem, simetria. Eis aí uma surpresa para os que consideram a Pop-art um embuste.

Para ir além

Vida Animada - Desenhos de Roy Lichtenstein
Até 20 de Novembro (de terça a domingo, das 11h às 20h)
Instituto Tomie Ohtake
Av. Faria Lima, 201 (entrada pela Rua Coropés, 88)
Pinheiros - São Paulo
Tel: (11) 2245-1900


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 4/10/2005

Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2005
01. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
02. Os Clássicos e a Educação Sentimental - 8/2/2005
03. O século da canção - 5/4/2005
04. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli - 22/2/2005
05. O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro - 22/11/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Babel - Entre a Incerteza e a Esperança
Zygmunt Bauman / Ezio Mauro
Zahar
(2015)



Livro Sociologia Ideologia e Utopia Biblioteca de Ciência Sociais
Karl Mannheim
Zahar
(1972)



The Herder Symbol Dictionary
Vários Autores
Chiron Publications
(1987)



Por Que Esses Padres Deixaram a Batina
Syr Oliveira Evangelista Martins
A. D. Santos
(2004)



Livro Sociologia Elitismo, Autonomia, Populismo
Milton Lahuerta
Andreato
(2014)



O Piano Das Cores
Massin
Companhia Nacional
(2022)



Quando o Amor é Eterno
Nelson Moraes
Wpaz
(2008)



As Consequências do Amor
Sulaiman Addonia
Record
(2009)



Oscar: Arquiteto de Sonhos - Infantil
Neide Duarte e Mércia M. Leitão
Scipione
(2004)



O Símbolo Perdido
Dan Brown
Arqueiro





busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês