Orkut Ano Dois | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
>>> Cia de Teatro Heliópolis realiza debates sobre Cárcere, projeto que celebra 20 anos de grupo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler, investir, gestar
>>> Top 10 da literatura
>>> A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton
>>> Queime depois de ler, de Joel e Ethan Coen
>>> Chorões e seresteiros
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> O fim dos livros físicos?
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Toda maneira de amor vale a pena de Bety Orsini pela Primeira pessoa
>>> Transformando suor em ouro de Bernadinho pela Sextante
>>> Ora, Vírgulas! de Rosana Rios pela Global (2008)
>>> O Livro da Escrita de Ruth Rocha; Otavio Roth pela Melhoramentos (2000)
>>> Midias sociais transformadoras de Beth Kanter e Allison H. Fine pela Évora
>>> Gabi e o Tesouro do Oriente de Tiago de Melo Andrade pela Melhoramentos (2009)
>>> Pense como patrão de Barry Eigen pela Saraiva
>>> Trabalho de Criança Não é Brincadeira, Não! de Rossana Ramos pela Cortez (2011)
>>> Urso Benjamim Pede Desculpas de Claire Freedman pela Hagnos (2008)
>>> O corpo em terapia a abordagem bioenergética de Alexander Lowen pela Summus
>>> Shakespeare para apaixonados de Allan Percy pela Sextante
>>> O Pintinho Que Nasceu Quadrado de Regina Chamlian; Helena Alexandrino pela Global (2007)
>>> A Margarida Friorenta de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2008)
>>> Bebel, a Gotinha Que Caiu do Céu de Patrícia Engel Secco; Cris Alhadeff pela Melhoramentos (2012)
>>> Superação da Lógica Classificatória e Excludente da Avaliação de Celso dos Santos Vasconcellos pela Libertad (1998)
>>> O vendedor de sonhos de Augusto Cury pela Academia
>>> Disciplina - Construçao da Disciplina Consciente de Celso dos Santos Vasconcellos pela Libertad (2000)
>>> O futuro da humanidade de Augusto Cury pela Sextante
>>> IRPJ/CSLL 2012 de Aldenir Ortiz Rodrigues e outros pela IOB
>>> Manual de produção de textos acadêmicos e cientificos PLT 772 de Ada Magaly e Matias Brasileiro pela Atlas
>>> O pequeno principe de Antoine de Saint - Exupéry pela Agir
>>> Educação Em Primeiro Lugar de Arnaldo Niskier pela Moderna (1992)
>>> Cem dias entre o céu e mar de Amyr Klink pela Companhia das letras
>>> Como Sobreviver no Espaço de Anita Ganeri pela Abril (1995)
>>> Tex Nº 54 - 2ª Edição - Quando Explodem os Canhões de Giovanni Luigi Bonelli pela Vecchi
COLUNAS >>> Especial Orkut

Sexta-feira, 3/2/2006
Orkut Ano Dois
Julio Daio Borges

+ de 14600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Talvez como nenhum outro site antes, o Orkut é uma realidade para os brasileiros hoje. A importância que eu vejo no Orkut transcende qualquer julgamento moral (do comportamento das pessoas lá dentro) e qualquer opinião editorial (do que é publicado lá nas páginas). A importância que eu vejo no Orkut está no fato de que, para muitas pessoas, ele foi a primeira grande experiência — real e profunda — de "virtualidade". A primeira experiência (traumática), marcante, com a internet. A primeira experiência de se colocar na Rede, de fazer parte Dela — e de sofrer as conseqüências.

Porque existe uma diferença enorme entre ser um usuário passivo e um usuário ativo de internet. O passivo é aquele que lê, que timidamente reage, que até envia um e-mail de vez em quando. Já o ativo não se conforma em assistir à cena e vaiar ou bater palmas, ele se sente instado pelo que encontra na WWW e quer participar da sua construção. O usuário passivo não corre praticamente nenhum risco: ele quase não se expõe, ele não pode ser encontrado, ele olha para o abismo mas o abismo não olha de volta pra ele. Já o usuário ativo sabe que, depois de um certo tempo, tudo é possível: ele deixou uma parcela considerável de si mesmo na Grande Rede, ele não é mais um anônimo que pode se esconder Dela, ele está exposto e ele descobre, da melhor ou da pior maneira, que outras pessoas vão reagir...

Eu estou na internet desde 1998-99 — como usuário ativo — e não me espantam, em absoluto, as histórias tristes que ouço por aí de "orkuticídio". É típico, e todo mundo, que tem uma relação adulta com a World Wide Web, passa por isso. O espaço da internet é público e qualquer pessoa que coloque lá a sua "cara", vai estar suscetível ao escrutínio — e às opiniões nem sempre favoráveis — de outros internautas. Os seres humanos, em geral, são egoístas, mesquinhos, invejosos, maldosos e até bastante agressivos. E não só no Orkut. Acontece que o Orkut é talvez a única experiência possível de "mídia" ao alcance de muitas pessoas; é a única experiência de, subitamente, estar em praça pública. (Prepare-se para receber xingamentos, tomates, ovos podres e até uma certa dose de cuspe.)

Existem graus de envolvimento com a internet e cada grau implica em conseqüências, mais ou menos graves, para a vida real. O e-mail, por exemplo. Quem nunca brigou por e-mail? Ou pior: quem nunca sofreu linchamento virtual por e-mail (quando, por exemplo, dentro de uma lista de discussão, você dá uma opinião mais controversa e um monte de gente cai de pau em você)? O próximo estágio é um fórum constituído ou um grupo. No mundo corporativo, por exemplo. Eu lembro das respostas (ou mensagens) bombásticas, com cópia para virtualmente todo mundo, em que alguém (ou mais gente) era humilhado(a) publicamente. Acontecia no fórum, no grupo, na corporação, mas as conseqüências ultrapassavam os limites do PC. Quem não passou por isso alguma vez? O terceiro estágio talvez seja a publicação na internet, que é a Rede Mundial de Computadores (não podemos esquecer) — através de um site ou blog, e, para quem não tem acesso a (ou paciência para com) esses meios, através do Orkut.

A diferença da internet, para a vida real, talvez seja, justamente, uma diferença de meio. Pois, na vida social, ou profissional, você certamente encontra pessoas que não gostam de você, que simplesmente não simpatizam com você, mas as regras de convivência (ou de boa educação) não permitem que alguém te apedreje na rua toda vez que você passar. A pessoa que te detesta vai se conter. (E até a pessoa que te adora vai se conter, dependendo da ocasião...) Agora, imagine um ambiente em que essas regras, de politesse — digamos assim —, não existem (ou não estão bem estabelecidas). Ou pior: imagine um "lugar" onde alguém possa te apedrejar anonimamente, como aquele chute no traseiro que você recebe mas não sabe, exatamente, de onde veio. É a internet. E na internet, em princípio, não existe polícia pra te defender. (Defender você dos loucos, principalmente...)

Porque na internet, além dessas questões todas, existe um outro fenômeno acontecendo. Na vida real, você tende a circular nos meios em que as pessoas são mais ou menos iguais a você: têm, mais ou menos, os mesmos valores; reagem, mais ou menos, da mesma maneira a determinadas situações; não vão, normalmente, surpreender você (para o mal ou para o bem). Na internet, isso necessariamente não acontece. Mesmo que você descubra os sites ("locais", em inglês) que a sua turma freqüenta... Na internet, não funciona assim: em geral, na Web não existem espaços "fechados" pra ninguém. Não há as tradicionais "barreiras" que, na vida social, limitam o acesso a pessoas muito diferentes de você — seja pelo dinheiro, seja pela idade, seja pela cor ou raça, seja pela educação, seja pelo currículo, seja pelo que for. Ou alguém — para voltar ao nosso exemplo — é "barrado" no Orkut porque é pobre, velho (ou muito moço), preto (ou pele vermelha), analfabeto, desempregado ou feio?

Então, na internet, você encontra gente de todo tipo. E gente doente. Por quê? Por que parece que, na internet, existe mais gente doente do que em outros meios? Ora, porque essa gente — doente —, que você vê na internet, raramente iria te abordar na vida real — é gente com problemas, inseguranças, traumas e defeitos. Não é gente que entra, senta e cumprimenta. É gente que não se relaciona. (Minimamente.) É gente obsessiva que, de repente, pode ver você — no Orkut — e pode se apaixonar por você, e pode, no instante seguinte, odiar você e querer acabar com você. Existe esse tipo de gente. Eu já encontrei... Vááárias vezes. Não existe camisa de força para os louquinhos da Net. Como não existem barreiras — felizmente — para gente diferente, que, em outros ambientes, sofreria preconceito. (E, graças a Deus, eu encontrei mais gente desse último tipo do que do primeiro...) Na internet, às vezes parece que você está nas mãos dos loucos — mas, com o tempo, você aprende a se defender. Os loucos — por mais "loucos" que se pretendam — sempre se comportam da mesma maneira. E você aprende a reconhecê-los. (No Orkut, também.)

Assim, resumindo a ópera, eu obviamente não acho que o Orkut seja um mal em si. É apenas mais uma ferramenta. Como eu, evidentemente, não acho que a internet seja um mal em si. (Hoje eu posso afirmar sem medo: é burro que diz isso; ou não tem experiência o suficiente para saber...) Por isso, com toda a sua superficialidade, com toda a sua mediocridade, eu dou importância ao Orkut no Brasil. A humanidade, em grande parte, é superficial e medíocre. Porque seria diferente numa mídia de plena democracia, como a internet? Como entusiasta da Grande Rede, aliás, eu acho que as pessoas têm mais é que se expor e sofrer as conseqüências. Para amadurecer as suas idéias sobre internet. Já que, a meu ver, a internet é, fundamentalmente, uma experiência. Não é como a caixa passiva da televisão; não é como os jornais e as revistas que, no máximo, você amassa e joga fora. A internet é um pouco de você também. E você — seja através do Orkut, seja através de outra ferramenta — tem de aprender a conviver.

Para ir além
Leia também "Ensaio de interpretação do Orkut".


Julio Daio Borges
São Paulo, 3/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
02. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo
03. Por um corpo doente, porém, livre de Lívia Corbellari
04. A Pixar e Toy Story 3 de David Donato
05. Orgasmo ao avesso de Débora Carvalho


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


Mais Especial Orkut
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/2/2006
12h07min
Olá Júlio, seu artigo é muito bom e muito verdadeiro. Não só através do Orkut, mas a internete é uma novidade onde as pessoas se mostram de uma forma que nunca fizeram antes. Até para namorar é diferente. Ninguém na vida real abordaria uma outra pessoa falando tudo o que fala na internete. Falar como um anônimo abre as câmaras de censura! (Será que é isso?) Fui uma das pioneiras em colocar textos literários na internete através do site da Hotbook. Adorei a experiência! Os textos que eu tinha na gaveta, de repente, foram pichados e aplaudidos, mas foram notados. Como todas as novidades, a internete e a experiência Orkut aos poucos vão se "normalizando". E, já que é tudo virtual, os louquinhos vão ficando mais louquinhos!
[Leia outros Comentários de Vera Carvalho Assump]
8/2/2006
12h38min
Julio, desculpe-me se não tenho mais a dizer sobre este texto. É que ele está soberbo. É isso. Um abraço!!!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
1/3/2006
20h21min
Gosto muito das histórias relacionadas ao orkut. Vários amigos(as) já sairam por causa de ciúmes de namoradas(os). Há também uma história sobre uma pessoa que começou a apagar todos os scraps depois de ser perseguida por extraterrestres que a encontraram através do orkut, entre outras!
[Leia outros Comentários de Saulo Arruda]
4/10/2006
12h54min
Julio, excelente texto. É curioso que a crítia mais comum aos dias de hoje seja ao individualismo, e aí quando aparecem ferramentas que, de uma forma ou de outra, promovem uma certa participação pública, elas são criticadas como prejudiciais à privacidade. Acredito que a internet, e ferramentas como o Orkut, p. ex., sejam os avatares de uma nova democracia. Talvez essa democracia não seja mais inteligente mas, pelo menos, será mais participativa. É bom lembrar também que ferramentas não são boas nem más, não adianta dizer que as facas são ruins porque cortam: elas são ruins porque tem um imbecil que as seguram, ou boas porque tem uma dona de casa tirando a pele do bife com elas.
[Leia outros Comentários de Rafael Britto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lévi-strauss
Edmund Leach
Fontana Modern Masters
(1982)
R$ 28,90



Hp 12c Financial Calculator - Users Guide
Hewlett-packard
Hp
(2004)
R$ 10,00



Práticas Pediátricas - Segunda Edição
Vera L T Aires
Atheneu
(2006)
R$ 36,17



Revista Civilização Brasileira - 1 (caderno especial)
Vários
Civilização Brasileira
(1967)
R$ 5,00



50 Pequenas Coisas Que Você Pode Fazer para Salvar a Terra
The Earth- Works Group
Cículo do Livro
R$ 6,90



Otosclerosis
Philip H. Beales
Wright
(1981)
R$ 23,00



Gramática de Español- Paso a Paso
Adrián Fanjul
Santillana
(2005)
R$ 30,00



Boa Companhia - Haicai
Rodolfo Witzig Guttilla - Org
Companhia das Letras
(2009)
R$ 5,00



Céus Derretidos
Teixeira Coelho Jean-claude Bernardet
Ateli
(1996)
R$ 12,00



Headway Student´s Book + Work Book Beginner
Liz and John Soars
Oxford University Press
(2002)
R$ 30,00





busca | avançada
72475 visitas/dia
2,1 milhões/mês