Orkut Ano Dois | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> Nem Aos Domingos
>>> Aprender poesia
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> A Barsa versus o Google
Mais Recentes
>>> Dicionário De Espanhol-português de Porto pela French & European Pubns (2015)
>>> Os Fantasmas Da São Paulo Antiga de Miguel Milano pela Unesp (2012)
>>> Direito Civil Brasileiro 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2011)
>>> Um Grito de Socorro de Alcides Goulart pela Jovem (2014)
>>> Medicina de urgência de Elisa Mieko Suemitsu Higa pela Manole (2008)
>>> Expedição aos Martírios 15 edição de Francisco Marins pela Melhoramentos (1978)
>>> Todo Mundo Tem Uma História Para Compartilhar de Karen Worcman pela Museu da Pessoa (2014)
>>> Os Restos Mortais( com encartes 1994 das obras Ática ) de Fernando Sabino pela Ática (1994)
>>> Ana Cecília Carvalho; Robinson Damasceno dos Reis de O Ourives Sapador do Polo Norte: como fazer pesquisas e anotar informações pela Formato (1995)
>>> Livro Seu Zezinho - A Estrela Eterna de Sumaré de Claúdia Sabadini pela Cult (2016)
>>> Livro Alma Gêmea - Você está pronta para ser encontrada? de Rosana Braga pela Escala (2001)
>>> O Mistério da Fábrica de Livros 23 edição. de Pedro Bandeira pela Hamburg (2024)
>>> Panelinha: Receitas Que Funcionam de Rita Lobo pela Senac São Paulo (2012)
>>> A Crítica Da Razão Indolente. Contra O Desperdício Da Experiência de Boaventura De Sousa Santos pela Cortez (2011)
>>> Educação E Crise Do Trabalho: Perspectivas De Final De Século (coleção Estudos Culturais Em Educação) de Gaudêncio Frigotto (org) pela Vozes (2002)
>>> Era Dos Extremos - The Age Of Extremes de Eric Hobsbawm pela Companhia Das Letras (2003)
>>> A Volta dos Pardais do Sobradinho 3 edição. de Herberto Sales pela Melhoramentos (1990)
>>> O Mistério do Esqueleto - coleção veredas 13 edição. de Renata Pallottini pela Moderna (1992)
>>> Livro Na Vida Dez, Na Escola Zero de Terezinha. Carraher pela Cortez (1994)
>>> Livro Voce Verdadeiramente Nasceu De Novo Da Agua E Do Espirito? de Paul C. Jong pela Hephzibá (2002)
>>> Livro Luz no lar de Francisco Cândido Xavier por Diverso Espíritos pela Feb (1968)
>>> Livro As Perspectivas Construtivista e Histórico-cultural na Educação Escola de Tania Stoltz pela Ibpex (2008)
>>> Livro El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
COLUNAS >>> Especial Orkut

Sexta-feira, 3/2/2006
Orkut Ano Dois
Julio Daio Borges
+ de 16100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Talvez como nenhum outro site antes, o Orkut é uma realidade para os brasileiros hoje. A importância que eu vejo no Orkut transcende qualquer julgamento moral (do comportamento das pessoas lá dentro) e qualquer opinião editorial (do que é publicado lá nas páginas). A importância que eu vejo no Orkut está no fato de que, para muitas pessoas, ele foi a primeira grande experiência — real e profunda — de "virtualidade". A primeira experiência (traumática), marcante, com a internet. A primeira experiência de se colocar na Rede, de fazer parte Dela — e de sofrer as conseqüências.

Porque existe uma diferença enorme entre ser um usuário passivo e um usuário ativo de internet. O passivo é aquele que lê, que timidamente reage, que até envia um e-mail de vez em quando. Já o ativo não se conforma em assistir à cena e vaiar ou bater palmas, ele se sente instado pelo que encontra na WWW e quer participar da sua construção. O usuário passivo não corre praticamente nenhum risco: ele quase não se expõe, ele não pode ser encontrado, ele olha para o abismo mas o abismo não olha de volta pra ele. Já o usuário ativo sabe que, depois de um certo tempo, tudo é possível: ele deixou uma parcela considerável de si mesmo na Grande Rede, ele não é mais um anônimo que pode se esconder Dela, ele está exposto e ele descobre, da melhor ou da pior maneira, que outras pessoas vão reagir...

Eu estou na internet desde 1998-99 — como usuário ativo — e não me espantam, em absoluto, as histórias tristes que ouço por aí de "orkuticídio". É típico, e todo mundo, que tem uma relação adulta com a World Wide Web, passa por isso. O espaço da internet é público e qualquer pessoa que coloque lá a sua "cara", vai estar suscetível ao escrutínio — e às opiniões nem sempre favoráveis — de outros internautas. Os seres humanos, em geral, são egoístas, mesquinhos, invejosos, maldosos e até bastante agressivos. E não só no Orkut. Acontece que o Orkut é talvez a única experiência possível de "mídia" ao alcance de muitas pessoas; é a única experiência de, subitamente, estar em praça pública. (Prepare-se para receber xingamentos, tomates, ovos podres e até uma certa dose de cuspe.)

Existem graus de envolvimento com a internet e cada grau implica em conseqüências, mais ou menos graves, para a vida real. O e-mail, por exemplo. Quem nunca brigou por e-mail? Ou pior: quem nunca sofreu linchamento virtual por e-mail (quando, por exemplo, dentro de uma lista de discussão, você dá uma opinião mais controversa e um monte de gente cai de pau em você)? O próximo estágio é um fórum constituído ou um grupo. No mundo corporativo, por exemplo. Eu lembro das respostas (ou mensagens) bombásticas, com cópia para virtualmente todo mundo, em que alguém (ou mais gente) era humilhado(a) publicamente. Acontecia no fórum, no grupo, na corporação, mas as conseqüências ultrapassavam os limites do PC. Quem não passou por isso alguma vez? O terceiro estágio talvez seja a publicação na internet, que é a Rede Mundial de Computadores (não podemos esquecer) — através de um site ou blog, e, para quem não tem acesso a (ou paciência para com) esses meios, através do Orkut.

A diferença da internet, para a vida real, talvez seja, justamente, uma diferença de meio. Pois, na vida social, ou profissional, você certamente encontra pessoas que não gostam de você, que simplesmente não simpatizam com você, mas as regras de convivência (ou de boa educação) não permitem que alguém te apedreje na rua toda vez que você passar. A pessoa que te detesta vai se conter. (E até a pessoa que te adora vai se conter, dependendo da ocasião...) Agora, imagine um ambiente em que essas regras, de politesse — digamos assim —, não existem (ou não estão bem estabelecidas). Ou pior: imagine um "lugar" onde alguém possa te apedrejar anonimamente, como aquele chute no traseiro que você recebe mas não sabe, exatamente, de onde veio. É a internet. E na internet, em princípio, não existe polícia pra te defender. (Defender você dos loucos, principalmente...)

Porque na internet, além dessas questões todas, existe um outro fenômeno acontecendo. Na vida real, você tende a circular nos meios em que as pessoas são mais ou menos iguais a você: têm, mais ou menos, os mesmos valores; reagem, mais ou menos, da mesma maneira a determinadas situações; não vão, normalmente, surpreender você (para o mal ou para o bem). Na internet, isso necessariamente não acontece. Mesmo que você descubra os sites ("locais", em inglês) que a sua turma freqüenta... Na internet, não funciona assim: em geral, na Web não existem espaços "fechados" pra ninguém. Não há as tradicionais "barreiras" que, na vida social, limitam o acesso a pessoas muito diferentes de você — seja pelo dinheiro, seja pela idade, seja pela cor ou raça, seja pela educação, seja pelo currículo, seja pelo que for. Ou alguém — para voltar ao nosso exemplo — é "barrado" no Orkut porque é pobre, velho (ou muito moço), preto (ou pele vermelha), analfabeto, desempregado ou feio?

Então, na internet, você encontra gente de todo tipo. E gente doente. Por quê? Por que parece que, na internet, existe mais gente doente do que em outros meios? Ora, porque essa gente — doente —, que você vê na internet, raramente iria te abordar na vida real — é gente com problemas, inseguranças, traumas e defeitos. Não é gente que entra, senta e cumprimenta. É gente que não se relaciona. (Minimamente.) É gente obsessiva que, de repente, pode ver você — no Orkut — e pode se apaixonar por você, e pode, no instante seguinte, odiar você e querer acabar com você. Existe esse tipo de gente. Eu já encontrei... Vááárias vezes. Não existe camisa de força para os louquinhos da Net. Como não existem barreiras — felizmente — para gente diferente, que, em outros ambientes, sofreria preconceito. (E, graças a Deus, eu encontrei mais gente desse último tipo do que do primeiro...) Na internet, às vezes parece que você está nas mãos dos loucos — mas, com o tempo, você aprende a se defender. Os loucos — por mais "loucos" que se pretendam — sempre se comportam da mesma maneira. E você aprende a reconhecê-los. (No Orkut, também.)

Assim, resumindo a ópera, eu obviamente não acho que o Orkut seja um mal em si. É apenas mais uma ferramenta. Como eu, evidentemente, não acho que a internet seja um mal em si. (Hoje eu posso afirmar sem medo: é burro que diz isso; ou não tem experiência o suficiente para saber...) Por isso, com toda a sua superficialidade, com toda a sua mediocridade, eu dou importância ao Orkut no Brasil. A humanidade, em grande parte, é superficial e medíocre. Porque seria diferente numa mídia de plena democracia, como a internet? Como entusiasta da Grande Rede, aliás, eu acho que as pessoas têm mais é que se expor e sofrer as conseqüências. Para amadurecer as suas idéias sobre internet. Já que, a meu ver, a internet é, fundamentalmente, uma experiência. Não é como a caixa passiva da televisão; não é como os jornais e as revistas que, no máximo, você amassa e joga fora. A internet é um pouco de você também. E você — seja através do Orkut, seja através de outra ferramenta — tem de aprender a conviver.

Para ir além
Leia também "Ensaio de interpretação do Orkut".


Julio Daio Borges
São Paulo, 3/2/2006

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Rindo de nossa própria miséria de Guilherme Conte
02. David Foster Wallace e Infinite Jest de Adrian Leverkuhn
03. Quente e aromática tradição de Arcano9


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
03. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. O náufrago, de Thomas Bernhard - 4/8/2006


Mais Especial Orkut
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/2/2006
12h07min
Olá Júlio, seu artigo é muito bom e muito verdadeiro. Não só através do Orkut, mas a internete é uma novidade onde as pessoas se mostram de uma forma que nunca fizeram antes. Até para namorar é diferente. Ninguém na vida real abordaria uma outra pessoa falando tudo o que fala na internete. Falar como um anônimo abre as câmaras de censura! (Será que é isso?) Fui uma das pioneiras em colocar textos literários na internete através do site da Hotbook. Adorei a experiência! Os textos que eu tinha na gaveta, de repente, foram pichados e aplaudidos, mas foram notados. Como todas as novidades, a internete e a experiência Orkut aos poucos vão se "normalizando". E, já que é tudo virtual, os louquinhos vão ficando mais louquinhos!
[Leia outros Comentários de Vera Carvalho Assump]
8/2/2006
12h38min
Julio, desculpe-me se não tenho mais a dizer sobre este texto. É que ele está soberbo. É isso. Um abraço!!!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
1/3/2006
20h21min
Gosto muito das histórias relacionadas ao orkut. Vários amigos(as) já sairam por causa de ciúmes de namoradas(os). Há também uma história sobre uma pessoa que começou a apagar todos os scraps depois de ser perseguida por extraterrestres que a encontraram através do orkut, entre outras!
[Leia outros Comentários de Saulo Arruda]
4/10/2006
12h54min
Julio, excelente texto. É curioso que a crítia mais comum aos dias de hoje seja ao individualismo, e aí quando aparecem ferramentas que, de uma forma ou de outra, promovem uma certa participação pública, elas são criticadas como prejudiciais à privacidade. Acredito que a internet, e ferramentas como o Orkut, p. ex., sejam os avatares de uma nova democracia. Talvez essa democracia não seja mais inteligente mas, pelo menos, será mais participativa. É bom lembrar também que ferramentas não são boas nem más, não adianta dizer que as facas são ruins porque cortam: elas são ruins porque tem um imbecil que as seguram, ou boas porque tem uma dona de casa tirando a pele do bife com elas.
[Leia outros Comentários de Rafael Britto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Worterbuch Franzosisch Deutsch
Vários Autores
Neuer Honos Verlag



O Que é Política 345
Wolfgang Leo Maar
Brasiliense
(1982)



Bombaim: Cidade Máxima
Suketu Mehta
Companhia das Letras
(2011)



Livro Gibis Wolverine um Demônio Contra os X-men Volume 85 Daken: Wolverine Sombrio
Marvel
Panini Comics
(2011)



O Máscara De Ferro
Alexandre Dumas
Melhoramentos



Senhor dos Anéis mulheres na obra de J.R.R. Tolkien
Rosana Rios
Devir
(2005)



Pluralidade Sindical e Democracia
Rodolfo Pamplona
Ltr
(1997)



Nicarágua Revolução Em Família
Shirley Christian
Record
(1985)



A Cura da Alma
Wagner Fiengo
Era Branca
(2020)



Administração Universitária
Amélia Silveira; Nelson Colossi; Claudia Gonçalves
Insular
(1998)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês