Orkut Ano Dois | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Um Recital para Ariano - com Antônio Nóbrega
>>> Coletiva de Arte Naïf | Galeria Jacques Ardies
>>> Cia O Grito evoca os fantasmas do teatro em nova peça
>>> Meu Reino por um Cavalo faz temporada online a partir de 2 de dezembro
>>> Rosas Periféricas apresenta espetáculos sobre memórias e histórias do Parque São Rafael
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As novas estantes virtuais
>>> Minha história com Philip Roth
>>> O momento do cinema latino-americano
>>> Jovens blogueiros, envelheçam
>>> Escritor e Fisiculturista
>>> Aforismos com juízo
>>> Encontros (e desencontros) com Daniel Piza
>>> Quando uma moto se apaixona
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> A Serbian Film: Indefensável?
Mais Recentes
>>> Know-how (lacrado) de Ram Charan pela Campus (2019)
>>> 100 Textos de Historia Chinesa de Andre Bueno pela União da Vitoria (2011)
>>> Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários a Prática Educativa de Paulo Freire pela Paz & Terra (2019)
>>> A Guerra Particular de Lenin (lacrado) de Lesley Chamberlain pela Record (2008)
>>> Para uma Nova Ciência de Steven Rose pela Gradiva (1989)
>>> A Rede de Amigos de Stefan Zweig - Sua Última Agenda de Alberto Dines, Israel Beloch Kristina Michaelles pela Memoria Brasil (2014)
>>> Principes Mathematiques de La Philosofihe Naturelle 2vol de Issac Newton pela Albert Blanchard (1966)
>>> Educação e Emancipação de Theodor W. Adorno pela Paz & Terra (2008)
>>> Filosofia e Literatura - o Trágico de Hans U. Gumbrecht e Outros pela Jorge Zahar (2001)
>>> Empresas Fora de Série (lacrado) de Rosabeth Kanter pela Alta Books (2017)
>>> O Problema do Populismo : Teoria, Política e Mobilização de Felipe Ziotti Narita pela Paco (2019)
>>> Épouvante et Surnaturel En Littérature de Hp Lovecraft / Trad Bernard da Cost pela Christian Bourgois (1969)
>>> Religião e Sociedade (volume 21 - Número 1 de Vários Autores pela Iser (1977)
>>> A Experiencia da Lei e a Lei da Experiencia - Ensaios Sobre Práticas de Mériti de Souza - Autografado pela Revan (1999)
>>> Governança Democratica e Poder Local de Sergio de Azevedo e Outros pela Revan (2004)
>>> O Liberalismo na Península Ibérica-século XIX de Estudos de História Contemporânea Portuguesa pela Sa da Costa (1981)
>>> Mechanics in the Seventeenth Century de Rene Dugas pela Griffon (1958)
>>> Entretien Entre D Alembert et Diderot de Denis Diderot pela Flamarion (1965)
>>> Impiedosas de Sara Shepard pela Rocco (2012)
>>> L Ethique et La Vie de France Quere pela Points (1991)
>>> A Manha do Barão (lacrado) de Ipojuca Pontes pela Girafa (2008)
>>> Ensayo de una Nueva Teoria de La Vision de Berkeley pela Aguilar (1973)
>>> A Teoria do Delito e o Código Penal Brasileiro de Ronaldo Tanus Madeira pela Liber Juris (1994)
>>> Bioética de Claudio Cohen pela Edusp (1995)
>>> O Homem, os Espíritos e o Espiritismo de Stela de Oxumarê, Ricardo do Oxossi pela Sulina (1997)
COLUNAS >>> Especial Orkut

Sexta-feira, 3/2/2006
Orkut Ano Dois
Julio Daio Borges

+ de 15000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Talvez como nenhum outro site antes, o Orkut é uma realidade para os brasileiros hoje. A importância que eu vejo no Orkut transcende qualquer julgamento moral (do comportamento das pessoas lá dentro) e qualquer opinião editorial (do que é publicado lá nas páginas). A importância que eu vejo no Orkut está no fato de que, para muitas pessoas, ele foi a primeira grande experiência — real e profunda — de "virtualidade". A primeira experiência (traumática), marcante, com a internet. A primeira experiência de se colocar na Rede, de fazer parte Dela — e de sofrer as conseqüências.

Porque existe uma diferença enorme entre ser um usuário passivo e um usuário ativo de internet. O passivo é aquele que lê, que timidamente reage, que até envia um e-mail de vez em quando. Já o ativo não se conforma em assistir à cena e vaiar ou bater palmas, ele se sente instado pelo que encontra na WWW e quer participar da sua construção. O usuário passivo não corre praticamente nenhum risco: ele quase não se expõe, ele não pode ser encontrado, ele olha para o abismo mas o abismo não olha de volta pra ele. Já o usuário ativo sabe que, depois de um certo tempo, tudo é possível: ele deixou uma parcela considerável de si mesmo na Grande Rede, ele não é mais um anônimo que pode se esconder Dela, ele está exposto e ele descobre, da melhor ou da pior maneira, que outras pessoas vão reagir...

Eu estou na internet desde 1998-99 — como usuário ativo — e não me espantam, em absoluto, as histórias tristes que ouço por aí de "orkuticídio". É típico, e todo mundo, que tem uma relação adulta com a World Wide Web, passa por isso. O espaço da internet é público e qualquer pessoa que coloque lá a sua "cara", vai estar suscetível ao escrutínio — e às opiniões nem sempre favoráveis — de outros internautas. Os seres humanos, em geral, são egoístas, mesquinhos, invejosos, maldosos e até bastante agressivos. E não só no Orkut. Acontece que o Orkut é talvez a única experiência possível de "mídia" ao alcance de muitas pessoas; é a única experiência de, subitamente, estar em praça pública. (Prepare-se para receber xingamentos, tomates, ovos podres e até uma certa dose de cuspe.)

Existem graus de envolvimento com a internet e cada grau implica em conseqüências, mais ou menos graves, para a vida real. O e-mail, por exemplo. Quem nunca brigou por e-mail? Ou pior: quem nunca sofreu linchamento virtual por e-mail (quando, por exemplo, dentro de uma lista de discussão, você dá uma opinião mais controversa e um monte de gente cai de pau em você)? O próximo estágio é um fórum constituído ou um grupo. No mundo corporativo, por exemplo. Eu lembro das respostas (ou mensagens) bombásticas, com cópia para virtualmente todo mundo, em que alguém (ou mais gente) era humilhado(a) publicamente. Acontecia no fórum, no grupo, na corporação, mas as conseqüências ultrapassavam os limites do PC. Quem não passou por isso alguma vez? O terceiro estágio talvez seja a publicação na internet, que é a Rede Mundial de Computadores (não podemos esquecer) — através de um site ou blog, e, para quem não tem acesso a (ou paciência para com) esses meios, através do Orkut.

A diferença da internet, para a vida real, talvez seja, justamente, uma diferença de meio. Pois, na vida social, ou profissional, você certamente encontra pessoas que não gostam de você, que simplesmente não simpatizam com você, mas as regras de convivência (ou de boa educação) não permitem que alguém te apedreje na rua toda vez que você passar. A pessoa que te detesta vai se conter. (E até a pessoa que te adora vai se conter, dependendo da ocasião...) Agora, imagine um ambiente em que essas regras, de politesse — digamos assim —, não existem (ou não estão bem estabelecidas). Ou pior: imagine um "lugar" onde alguém possa te apedrejar anonimamente, como aquele chute no traseiro que você recebe mas não sabe, exatamente, de onde veio. É a internet. E na internet, em princípio, não existe polícia pra te defender. (Defender você dos loucos, principalmente...)

Porque na internet, além dessas questões todas, existe um outro fenômeno acontecendo. Na vida real, você tende a circular nos meios em que as pessoas são mais ou menos iguais a você: têm, mais ou menos, os mesmos valores; reagem, mais ou menos, da mesma maneira a determinadas situações; não vão, normalmente, surpreender você (para o mal ou para o bem). Na internet, isso necessariamente não acontece. Mesmo que você descubra os sites ("locais", em inglês) que a sua turma freqüenta... Na internet, não funciona assim: em geral, na Web não existem espaços "fechados" pra ninguém. Não há as tradicionais "barreiras" que, na vida social, limitam o acesso a pessoas muito diferentes de você — seja pelo dinheiro, seja pela idade, seja pela cor ou raça, seja pela educação, seja pelo currículo, seja pelo que for. Ou alguém — para voltar ao nosso exemplo — é "barrado" no Orkut porque é pobre, velho (ou muito moço), preto (ou pele vermelha), analfabeto, desempregado ou feio?

Então, na internet, você encontra gente de todo tipo. E gente doente. Por quê? Por que parece que, na internet, existe mais gente doente do que em outros meios? Ora, porque essa gente — doente —, que você vê na internet, raramente iria te abordar na vida real — é gente com problemas, inseguranças, traumas e defeitos. Não é gente que entra, senta e cumprimenta. É gente que não se relaciona. (Minimamente.) É gente obsessiva que, de repente, pode ver você — no Orkut — e pode se apaixonar por você, e pode, no instante seguinte, odiar você e querer acabar com você. Existe esse tipo de gente. Eu já encontrei... Vááárias vezes. Não existe camisa de força para os louquinhos da Net. Como não existem barreiras — felizmente — para gente diferente, que, em outros ambientes, sofreria preconceito. (E, graças a Deus, eu encontrei mais gente desse último tipo do que do primeiro...) Na internet, às vezes parece que você está nas mãos dos loucos — mas, com o tempo, você aprende a se defender. Os loucos — por mais "loucos" que se pretendam — sempre se comportam da mesma maneira. E você aprende a reconhecê-los. (No Orkut, também.)

Assim, resumindo a ópera, eu obviamente não acho que o Orkut seja um mal em si. É apenas mais uma ferramenta. Como eu, evidentemente, não acho que a internet seja um mal em si. (Hoje eu posso afirmar sem medo: é burro que diz isso; ou não tem experiência o suficiente para saber...) Por isso, com toda a sua superficialidade, com toda a sua mediocridade, eu dou importância ao Orkut no Brasil. A humanidade, em grande parte, é superficial e medíocre. Porque seria diferente numa mídia de plena democracia, como a internet? Como entusiasta da Grande Rede, aliás, eu acho que as pessoas têm mais é que se expor e sofrer as conseqüências. Para amadurecer as suas idéias sobre internet. Já que, a meu ver, a internet é, fundamentalmente, uma experiência. Não é como a caixa passiva da televisão; não é como os jornais e as revistas que, no máximo, você amassa e joga fora. A internet é um pouco de você também. E você — seja através do Orkut, seja através de outra ferramenta — tem de aprender a conviver.

Para ir além
Leia também "Ensaio de interpretação do Orkut".


Julio Daio Borges
São Paulo, 3/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um safra de documentários de poesia e poetas de Elisa Andrade Buzzo
02. Bruxas no banheiro de Marta Barcellos
03. As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen de Ricardo de Mattos
04. Até eu caí nessa de Marta Barcellos
05. Em busca de cristãos e especiarias de Carla Ceres


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


Mais Especial Orkut
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/2/2006
12h07min
Olá Júlio, seu artigo é muito bom e muito verdadeiro. Não só através do Orkut, mas a internete é uma novidade onde as pessoas se mostram de uma forma que nunca fizeram antes. Até para namorar é diferente. Ninguém na vida real abordaria uma outra pessoa falando tudo o que fala na internete. Falar como um anônimo abre as câmaras de censura! (Será que é isso?) Fui uma das pioneiras em colocar textos literários na internete através do site da Hotbook. Adorei a experiência! Os textos que eu tinha na gaveta, de repente, foram pichados e aplaudidos, mas foram notados. Como todas as novidades, a internete e a experiência Orkut aos poucos vão se "normalizando". E, já que é tudo virtual, os louquinhos vão ficando mais louquinhos!
[Leia outros Comentários de Vera Carvalho Assump]
8/2/2006
12h38min
Julio, desculpe-me se não tenho mais a dizer sobre este texto. É que ele está soberbo. É isso. Um abraço!!!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
1/3/2006
20h21min
Gosto muito das histórias relacionadas ao orkut. Vários amigos(as) já sairam por causa de ciúmes de namoradas(os). Há também uma história sobre uma pessoa que começou a apagar todos os scraps depois de ser perseguida por extraterrestres que a encontraram através do orkut, entre outras!
[Leia outros Comentários de Saulo Arruda]
4/10/2006
12h54min
Julio, excelente texto. É curioso que a crítia mais comum aos dias de hoje seja ao individualismo, e aí quando aparecem ferramentas que, de uma forma ou de outra, promovem uma certa participação pública, elas são criticadas como prejudiciais à privacidade. Acredito que a internet, e ferramentas como o Orkut, p. ex., sejam os avatares de uma nova democracia. Talvez essa democracia não seja mais inteligente mas, pelo menos, será mais participativa. É bom lembrar também que ferramentas não são boas nem más, não adianta dizer que as facas são ruins porque cortam: elas são ruins porque tem um imbecil que as seguram, ou boas porque tem uma dona de casa tirando a pele do bife com elas.
[Leia outros Comentários de Rafael Britto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tendencias Atuais da Linguistica e Filologia no Brasil
Anthony Julius Naro / J Mattoso Camara e Outros
Francisco Alves
(1976)



Contos Com Monstros
Antonio (padre) Vieira
Globo
(2001)



Eles Encontram a Felicidade e Você?
Pe. Alberto Gambarini
Ágape



Inocêncio e o Início da Jornada
Valdi Ercolani
Selene
(2011)



Lacrimosa
Helton Cenci
Novo Século
(2010)



Palavras de Amor
Antologia Literaria
Casa do Novo Autor
(2000)



Temas de Filosofia
Maria Lucia de Arruda Aranha & Maria Helena Pires
Moderna
(1997)



Vitimas do Silencio
Edson Fontes
Universo dos Livros
(2009)



Dor psíquica, dor corporal. Uma abordagem multidisciplinar
Victoria Regina Béjar (organizadora)
Blucher
(2017)



Amar Pode Dar Certo
Roberto Shinyashiki
Gente
(2006)





busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês