Alguém para correr comigo, de David Grossman | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição A Tragédia do Holocausto
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> Controlando o acesso à Web
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
Mais Recentes
>>> 4 Vols. Elric - Navegante nos Mares do Destino de Michael Moorcock; Roy Thomas; M. Gilbert pela Abril (1991)
>>> África, Missão Possível: Uma Fantástica Aventura Missionária Pelos Países Da Janela 10/40 de Davi Tavares; Ângela Tavares pela Paradigma (2013)
>>> Victor Hugo - Poèmes de Isabelle Jan, Emmanuel Fraisse pela Nathan (1985)
>>> Talvez Agora de Colleen Hoover pela Galera (2023)
>>> Relações Étnico-raciais Para o Ensino da Identidade e da Diversidade Cultural Brasileira de Mario Sergio Michaliszyn pela InterSaberes (2014)
>>> The postal history research magazine 13 - Chinese de Varios Autores pela Chinesa (1910)
>>> Livro Literatura Brasileira Um Exu Em Nova York de Cidinha da Silva pela Pallas (2018)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Do fracasso ao sucesso na arte de vender de Frank Bettger pela Ibrasa (1978)
>>> Livro Administração A Nova Gestão na era do Conhecimento Visão 16 Mentes Influentes de Marcello Beltrand - Coord. pela Leader (2016)
>>> Bibliocollège - Andromaque, Racine de Jean Racine pela Hachette (2000)
>>> Livro Medicina Laboratorial Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar de Adagmar Andriolo pela Manole (2005)
>>> Direito e Justiça Em Terras D El Rei na São Paulo Colonial 1709 - 1822 de Adelto Gonçalves pela Imprensa Oficial (2015)
>>> Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter de Sarah Maclean pela Arqueiro (2016)
>>> Livro Administração Building Public Trust the Future of Corporate Reporting de Samuel A. Dipiazza Jr. & Robert G. Eccles pela John Wiley & Sons (2002)
>>> Maior Espetaculo Da Terra, O: 30 Anos De Sambodromo de Luiz Carlos Prestes Filho pela Lacre (2015)
>>> Miles Morales: Homem - Aranha Cai dentro! de Ahmed Garron pela Panini Comics
>>> Esthétique du Cinéma de Gerard Betton pela Presses Universitaires De France (1994)
>>> Livro Administração Fazer Acontecer de Júlio Ribeiro pela Cultura Editores Associados (1994)
>>> Livro Literatura Brasileira Memorial de Maria Moura de Rachel de Queiroz pela Siciliano (1992)
>>> As Coisas Que Nunca Superamos de Lucy Score pela AltaNovel (2023)
>>> O Paciente de Jasper DeWitt pela Planeta Minotauro (2021)
>>> Spy Dog - Volume 2 de Andrew Cope pela Fundamento
>>> Reverbero constitucional fluminense edição fac-similar 1821-1822 3 Volumes de N/a pela Biblioteca Nacional
>>> Livro Literatura Estrangeira O Lado Bom da Vida de Matthew Quick; Alexandre Raposo pela Intrinseca (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/2/2006
Alguém para correr comigo, de David Grossman
Julio Daio Borges
+ de 9200 Acessos
+ 1 Comentário(s)


David Grossman por Vardi Kahana

"Se uma pessoa, não importa quem, resolve se colocar dentro de uma couraça e proteger sua alma, somente durante algum tempo, para conseguir cumprir uma missão difícil, não importa o quê, será que depois de cumprida a missão ela será capaz de voltar a ser de novo ela mesma, exatamente como era antes?"

É óbvio, existem escritores e escritores. Segundo Oscar Wilde, livros bons e livros ruins - é o que importa. Já segundo George Orwell, livros de que gostamos e livros de que não gostamos. Depois, tentamos explicar por quê - mais isso já é racionalização... David Grossman então, Alguém para correr comigo então, é um autor, é um livro, que não te pega logo na primeira página, mas que vai te pegando, te pegando... Até o ponto em que você se apaixona pela heroína, pelo herói, pela história, pelos demais personagens. Não tem uma explicação racional; simplesmente acontece (ou não). Mas eu vou ensaiar aqui, claro, uma explicação.

É vício de escritor: quando a mágica acontece, ou à medida que ela vai acontecendo, você, que escreve, tenta entender qual é a manha do escritor. Ele usa palavras difíceis ou fáceis? Ele usa frases longas ou curtas? Eu ia lendo o David Grossman e ia pensando nessas coisas... Aparentemente, não havia nada de mais nas suas palavras - eram palavras normais. Nenhum vocabulário de não sei quantos mil vocábulos. Nenhum Shakespeare, portanto. Suas construções eram simples, sua ordem era direta - não requeria, como diz o ditado, prática nem tampouco habilidade.

Não havia outras referências literárias. Em Alguém para correr comigo, ninguém lia ou citava outros autores. Não, diretamente. Não eram pessoas normais, no entanto, as do livro - eram pessoas encantadas. Mas não porque lessem, ou porque fossem intelectuais ou coisa parecida. Mas pelo simples fato de serem jovens e de terem, ainda, alguns ideais. Não necessariamente jovens de corpo; mas "jovens" no sentido de lutar por alguns sonhos. Alguns. Em alguns momentos - não o tempo todo. Na duração do livro, apenas.

O bonito é que David Grossman, apesar de ser judeu, não está falando, em nenhuma hora, de crenças religiosas, nem políticas - como é tão comum hoje em dia. O discurso corrente é que se não há ideologia, ou se não há religião, não existem outros sentimentos pelos quais valha a pena viver. Logo "religiosidade" e "patriotismo", segundo George Orwell (de novo), dois impulsos tão primitivos... A beleza da história de Alguém para correr comigo reside na crença, aparentemente banal, de que o ser humano vale a pena. O outro vale a pena.

Eu queria poder transmitir todo o brilho do livro sem contar a história que ele encerra, mas não vou conseguir. São mais de 400 páginas e - eu espero que você não se assuste com essa revelação -, terminado o volume, acabamos acostumados com as presenças de Tamar, Assaf , Dinka, Shai, Teodora, Léa e os demais, como deve ser com todo grande romance. Por mais que você siga atentamente o enredo e o desenrolar da história, há reviravoltas espantosas. Então eu queria narrar um pouco aqui, mas sem estragar a sua surpresa. Que inveja de você que, pela primeira vez, vai embarcar nessa saga...

David Grossman, com aquelas palavras simples e com aquelas estruturas aparentemente ao alcance de qualquer pessoa, é um sujeito muito habilidoso. Um dos grandes temas do livro é o encontro de Tamar e Assaf, os dois protagonistas. Grossman alterna suas histórias à medida que o livro vai avançando. O elo entre os dois é Dinka. Assaf é um jovem que trabalha na prefeitura e que, de repente, se vê incumbido da missão de encontrar a dona de Dinka, uma cachorra. Dinka vai levando-o até as pessoas... Até as amizades de Tamar. Tamar é a sua dona.

Tamar, por sua vez, está imbuída de outra missão: resgatar Shai. Não, não posso dizer aqui qual é a ligação entre Tamar e Shai, porque, senão, estragaria tudo. É uma das grandes surpresas de Alguém para correr comigo. Basta lembrar uma das passagens mais bonitas do livro, uma das que me fez chorar, de Shai sobre Tamar: "Ela é tudo que tenho no mundo". Você já chorou ao ler alguma coisa similar? Pois vai chorar.

Adivinhe o que acontece então? Assaf, conduzido por Dinka - a cachorra que é também apaixonante -, à medida que vai se aproximando de Tamar, vai conhecendo-a através das outras pessoas, e vai se apaixonando por ela (como nós). Cada pessoa lhe conta um pouco de Tamar. Cada uma lhe conta sobre o quão especial é Tamar: sobre o quão bonita, inteligente, atenciosa, intensa, viva... é Tamar. E junto com as pessoas, Assaf vai topando com as coisas de Tamar. Com a mochila de Tamar, com o diário de Tamar. Assaf lê o diário de Tamar! Assaf tem de encontrar Tamar a qualquer custo. Tamar, quando sabe, quase não o perdoa...

E Tamar, pelo seu lado, tem de traçar um plano mirabolante para encontrar Shai, para ser levada até Shai, para salvar Shai. Tamar canta na rua, porque Shai tocava na rua, porque ela quer ser levada até onde ele está - para convencê-lo a voltar, para resgatá-lo, para devolver-lhe sua liberdade. Shai toca divinamente, mas está viciado em heroína. Shai toca para sustentar seu vício. Shai está preso, fisica e psicologicamente - mas Tamar acredita que vale a pena lutar por Shai.

Assaf corre com Dinka pra baixo e pra cima, até que encontram Shai e Tamar. Nós, leitores, ficamos torcendo para que eles logo se encontrem, mas não podemos fazer nada a não ser torcer e esperar. Na torcida e na espera, porém, vamos nos apaixonando também por Assaf - esse rapaz tão sensível, destemido e obstinado. Embora seu objetivo seja devolver Dinka a Tamar, Assaf sofre, fisica e psicologicamente, por causa de Tamar - a ponto de nós nos perguntarmos por que, para ele, encontrá-la se torna tão fundamental... Ao contrário dos sentimentos de Tamar, que estão expressos, desde o início, em tudo o que ela pensa, diz ou faz, os sentimentos de Assaf não nos são diretamente revelados - Assaf demonstra, Assaf faz escolhas, Assaf segue um caminho. Tamar se constrói, para nós, através do que externa de sua personalidade. Já Assaf, pelo que internaliza. Tamar é mulher. Assaf é homem. Nós não sabemos ainda, mas já desconfiamos em que isso vai dar...

Na Flip do ano passado, David Grossman disse que o livro é um pouco sobre como os jovens, hoje, são obrigados a se desfazer, desde cedo, das suas ilusões. No mundo como está, acredita Grossman, as crenças logo são esmagadas pela realidade, mesmo numa fase em que é saudável acreditar; em que faz parte, inclusive, do amadurecimento querer, por exemplo, mudar o mundo. David Grossman pareceu sinceramente triste em constatar que, com ameaças como atualmente as do terrorismo, da miséria, da guerra, até do individualismo, a juventude tenha perdido a única chance de cultivar ainda alguns sonhos. A juventude tenha deixado de ser juventude, em resumo.

Felizmente, há uma contradição entre sua fala e sua realização. Alguém para correr comigo é uma linda resposta a um mundo aparentemente descrente e cheio de pessoas para quem o sonho não diz mais qualquer coisa. Porque, por mais que David Grossman acredite, realmente, que estamos num beco sem saída, em termos de ideais, seus personagens são críveis, vivem numa era que é a nossa, compartilham da mesma atmosfera e - ainda assim - sonham, e realizam. Tamar e Assaf, obviamente, são estranhos num universo que não os aceita, que os persegue, que os rejeita - mas sobrevivem a ele, não só fisica mas espiritualmente. Alguém para correr comigo, na pior das hipóteses, é a afirmação de que existem pessoas diferentes no mundo. Pessoas como Tamar, como Assaf. Como Dinka. Pessoas como David Grossman - antes de escritor, um ser humano.

"Como se sempre alguém tivesse de se sacrificar(...), para que os outros pudessem começar algo novo..."

Para ir além







Julio Daio Borges
São Paulo, 17/2/2006

Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
03. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. O náufrago, de Thomas Bernhard - 4/8/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/2/2006
21h15min
Belíssimo o seu artigo, sobre um autor diferente e um livro que a gente, agradecida, fica louca pra ler... imediatamente. Um abraço feliz.
[Leia outros Comentários de Gisele lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Ensino de Idiomas Cambridge Primary English Learners Book 4
Sally Burt and Debbie Ridgard
Cambridge University Press
(2015)



Livro O fim da procrastinação Como parar de adiar o que precisa ser feito
Petr Ludwig
Sextante
(2020)



Casos do prof. Pável: Reflexões de vida
Edson Pável Bastos
Instituto Maria
(1987)



Gestão do Conhecimento - PLT 245
Hirotaka Takeuchi Ikujiro
Bookman
(2014)



Horta Completa em espaços Pequenos
Horta Completa em espaços Pequenos
Publifolha
(2017)



A Menina que não sabia ler
John Harding
Leya
(2010)



Terapia Financeira
Reinaldo Domingos
Dsop
(2012)



Livro Pedagogia A Matemática na Escola Primária uma Observação do Cotidiano
Maria Lucia Fraga
Epu
(1988)



Citologia Básica
Junqueira & Carneiro
Guanabara Koogan
(1973)



Estilhaços
Marcelo Backes
Record
(2006)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês