Alguém para correr comigo, de David Grossman | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/2/2006
Alguém para correr comigo, de David Grossman
Julio Daio Borges

+ de 7200 Acessos
+ 1 Comentário(s)


David Grossman por Vardi Kahana

"Se uma pessoa, não importa quem, resolve se colocar dentro de uma couraça e proteger sua alma, somente durante algum tempo, para conseguir cumprir uma missão difícil, não importa o quê, será que depois de cumprida a missão ela será capaz de voltar a ser de novo ela mesma, exatamente como era antes?"

É óbvio, existem escritores e escritores. Segundo Oscar Wilde, livros bons e livros ruins - é o que importa. Já segundo George Orwell, livros de que gostamos e livros de que não gostamos. Depois, tentamos explicar por quê - mais isso já é racionalização... David Grossman então, Alguém para correr comigo então, é um autor, é um livro, que não te pega logo na primeira página, mas que vai te pegando, te pegando... Até o ponto em que você se apaixona pela heroína, pelo herói, pela história, pelos demais personagens. Não tem uma explicação racional; simplesmente acontece (ou não). Mas eu vou ensaiar aqui, claro, uma explicação.

É vício de escritor: quando a mágica acontece, ou à medida que ela vai acontecendo, você, que escreve, tenta entender qual é a manha do escritor. Ele usa palavras difíceis ou fáceis? Ele usa frases longas ou curtas? Eu ia lendo o David Grossman e ia pensando nessas coisas... Aparentemente, não havia nada de mais nas suas palavras - eram palavras normais. Nenhum vocabulário de não sei quantos mil vocábulos. Nenhum Shakespeare, portanto. Suas construções eram simples, sua ordem era direta - não requeria, como diz o ditado, prática nem tampouco habilidade.

Não havia outras referências literárias. Em Alguém para correr comigo, ninguém lia ou citava outros autores. Não, diretamente. Não eram pessoas normais, no entanto, as do livro - eram pessoas encantadas. Mas não porque lessem, ou porque fossem intelectuais ou coisa parecida. Mas pelo simples fato de serem jovens e de terem, ainda, alguns ideais. Não necessariamente jovens de corpo; mas "jovens" no sentido de lutar por alguns sonhos. Alguns. Em alguns momentos - não o tempo todo. Na duração do livro, apenas.

O bonito é que David Grossman, apesar de ser judeu, não está falando, em nenhuma hora, de crenças religiosas, nem políticas - como é tão comum hoje em dia. O discurso corrente é que se não há ideologia, ou se não há religião, não existem outros sentimentos pelos quais valha a pena viver. Logo "religiosidade" e "patriotismo", segundo George Orwell (de novo), dois impulsos tão primitivos... A beleza da história de Alguém para correr comigo reside na crença, aparentemente banal, de que o ser humano vale a pena. O outro vale a pena.

Eu queria poder transmitir todo o brilho do livro sem contar a história que ele encerra, mas não vou conseguir. São mais de 400 páginas e - eu espero que você não se assuste com essa revelação -, terminado o volume, acabamos acostumados com as presenças de Tamar, Assaf , Dinka, Shai, Teodora, Léa e os demais, como deve ser com todo grande romance. Por mais que você siga atentamente o enredo e o desenrolar da história, há reviravoltas espantosas. Então eu queria narrar um pouco aqui, mas sem estragar a sua surpresa. Que inveja de você que, pela primeira vez, vai embarcar nessa saga...

David Grossman, com aquelas palavras simples e com aquelas estruturas aparentemente ao alcance de qualquer pessoa, é um sujeito muito habilidoso. Um dos grandes temas do livro é o encontro de Tamar e Assaf, os dois protagonistas. Grossman alterna suas histórias à medida que o livro vai avançando. O elo entre os dois é Dinka. Assaf é um jovem que trabalha na prefeitura e que, de repente, se vê incumbido da missão de encontrar a dona de Dinka, uma cachorra. Dinka vai levando-o até as pessoas... Até as amizades de Tamar. Tamar é a sua dona.

Tamar, por sua vez, está imbuída de outra missão: resgatar Shai. Não, não posso dizer aqui qual é a ligação entre Tamar e Shai, porque, senão, estragaria tudo. É uma das grandes surpresas de Alguém para correr comigo. Basta lembrar uma das passagens mais bonitas do livro, uma das que me fez chorar, de Shai sobre Tamar: "Ela é tudo que tenho no mundo". Você já chorou ao ler alguma coisa similar? Pois vai chorar.

Adivinhe o que acontece então? Assaf, conduzido por Dinka - a cachorra que é também apaixonante -, à medida que vai se aproximando de Tamar, vai conhecendo-a através das outras pessoas, e vai se apaixonando por ela (como nós). Cada pessoa lhe conta um pouco de Tamar. Cada uma lhe conta sobre o quão especial é Tamar: sobre o quão bonita, inteligente, atenciosa, intensa, viva... é Tamar. E junto com as pessoas, Assaf vai topando com as coisas de Tamar. Com a mochila de Tamar, com o diário de Tamar. Assaf lê o diário de Tamar! Assaf tem de encontrar Tamar a qualquer custo. Tamar, quando sabe, quase não o perdoa...

E Tamar, pelo seu lado, tem de traçar um plano mirabolante para encontrar Shai, para ser levada até Shai, para salvar Shai. Tamar canta na rua, porque Shai tocava na rua, porque ela quer ser levada até onde ele está - para convencê-lo a voltar, para resgatá-lo, para devolver-lhe sua liberdade. Shai toca divinamente, mas está viciado em heroína. Shai toca para sustentar seu vício. Shai está preso, fisica e psicologicamente - mas Tamar acredita que vale a pena lutar por Shai.

Assaf corre com Dinka pra baixo e pra cima, até que encontram Shai e Tamar. Nós, leitores, ficamos torcendo para que eles logo se encontrem, mas não podemos fazer nada a não ser torcer e esperar. Na torcida e na espera, porém, vamos nos apaixonando também por Assaf - esse rapaz tão sensível, destemido e obstinado. Embora seu objetivo seja devolver Dinka a Tamar, Assaf sofre, fisica e psicologicamente, por causa de Tamar - a ponto de nós nos perguntarmos por que, para ele, encontrá-la se torna tão fundamental... Ao contrário dos sentimentos de Tamar, que estão expressos, desde o início, em tudo o que ela pensa, diz ou faz, os sentimentos de Assaf não nos são diretamente revelados - Assaf demonstra, Assaf faz escolhas, Assaf segue um caminho. Tamar se constrói, para nós, através do que externa de sua personalidade. Já Assaf, pelo que internaliza. Tamar é mulher. Assaf é homem. Nós não sabemos ainda, mas já desconfiamos em que isso vai dar...

Na Flip do ano passado, David Grossman disse que o livro é um pouco sobre como os jovens, hoje, são obrigados a se desfazer, desde cedo, das suas ilusões. No mundo como está, acredita Grossman, as crenças logo são esmagadas pela realidade, mesmo numa fase em que é saudável acreditar; em que faz parte, inclusive, do amadurecimento querer, por exemplo, mudar o mundo. David Grossman pareceu sinceramente triste em constatar que, com ameaças como atualmente as do terrorismo, da miséria, da guerra, até do individualismo, a juventude tenha perdido a única chance de cultivar ainda alguns sonhos. A juventude tenha deixado de ser juventude, em resumo.

Felizmente, há uma contradição entre sua fala e sua realização. Alguém para correr comigo é uma linda resposta a um mundo aparentemente descrente e cheio de pessoas para quem o sonho não diz mais qualquer coisa. Porque, por mais que David Grossman acredite, realmente, que estamos num beco sem saída, em termos de ideais, seus personagens são críveis, vivem numa era que é a nossa, compartilham da mesma atmosfera e - ainda assim - sonham, e realizam. Tamar e Assaf, obviamente, são estranhos num universo que não os aceita, que os persegue, que os rejeita - mas sobrevivem a ele, não só fisica mas espiritualmente. Alguém para correr comigo, na pior das hipóteses, é a afirmação de que existem pessoas diferentes no mundo. Pessoas como Tamar, como Assaf. Como Dinka. Pessoas como David Grossman - antes de escritor, um ser humano.

"Como se sempre alguém tivesse de se sacrificar(...), para que os outros pudessem começar algo novo..."

Para ir além







Julio Daio Borges
São Paulo, 17/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
03. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
04. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges
05. O Trovador, romance de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/2/2006
21h15min
Belíssimo o seu artigo, sobre um autor diferente e um livro que a gente, agradecida, fica louca pra ler... imediatamente. Um abraço feliz.
[Leia outros Comentários de Gisele lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O INCRÍVEL TESTAMENTO DE DOM AGAPITO
HÉLDER MOURA
CHIADO
(2012)
R$ 27,00



L´HOMME DE LONDRES
GEORGES SIMENON
PRESSES DE LA CITÉ
(2004)
R$ 40,00
+ frete grátis



MAYA
JOSTEIN GAARDER
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 12,00



PRODUÇÃO DE TEXTOS E USOS DA LINGUAGEM - CURSO DE REDAÇÃO
SAMIRA YOUSSEFF CAMPEDELLI E JESUS BARBOSA SOUZA
SARAIVA
(1999)
R$ 6,95



GÊMEOS NÃO SE AMAM
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1976)
R$ 4,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE JUNHO DE 1964
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1964)
R$ 7,00



A CRIANÇA ALUCINADA
RENÉ JEAN CLOT
PAZ E TERRA
(1989)
R$ 21,82



A ARANHA, A DOR DE CABEÇA E OUTRAS MALES QUE ASSOLAM O MUNDO
FERNANDA LOPES DE ALMEIDA
ÁTICA
(2005)
R$ 8,70



BALAS DE ESTALO E CRITICA
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
R$ 5,00



THE GREEN CITY INDEX: A SUMMARY OF THE GREEN CITY INDEX RESEARCH SERIE
SIEMENS AIG
SIEMENS
(2012)
R$ 25,82





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês