Novos autores: literatura, autonomia e mercado | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Os Estertores da Razão
Mais Recentes
>>> Revista Dialética do Direito Tributário de Fernando Durão pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Plt 367 Contabilidade Gerencial de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas Anhanguera (2011)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Franscisco Baratti pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Le droit à la paresse de Paul Lafargue pela Mille et une nuits (1994)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Patricia Calmon pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Transcendentes de Luciana Alves da Costa;outros pela Sementes (2000)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de César Romero pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Services Marketing de Christopher H. Lovelock pela Prentice Hall (1996)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Alê Prade pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> África Em Cores de Ana Cristina Lemos pela Htc (2011)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Selma Daffré pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Duílio Ramos pela Oliveira Rocha (2010)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Iles de France Vues Du Ciel de M. Cotinaud; Dominique Cortesi; Entre Outros pela Chêne (1991)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> A Poética de Aristóteles - Mímese e Verossimilhança de Lígia Militz da Costa pela Ática (1992)
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Quinta-feira, 25/5/2006
Novos autores: literatura, autonomia e mercado
Adriana Baggio
+ de 10100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Quando se pretende abordar o assunto "novos autores", é complicado não falar em internet. Se hoje existe uma percepção de uma categoria específica dentro da literatura, que engloba escritores novos e novos escritores, é porque surgiu uma maneira de se conhecer uma produção diferente do que vinha sendo feita no mercado editorial brasileiro.

Eu poderia falar em "cenário editorial", mas a palavra "mercado" tem mais a ver com esse fenômeno. Os autores que despontam são chamados de novos em relação a uma geração de escritores já consagrados, com lugar fixo nas prateleiras das livrarias. Gente que consegue viver de literatura, alguns até muito bem, mesmo dependendo de um público leitor muito restrito. Por conta da dificuldade de manter a rentabilidade do negócio, as editoras arriscam muito pouco. Portanto, autores novos, com propostas novas, sempre tiveram dificuldade em fazer o manuscrito virar impresso. Havia uma produção, mas não existia distribuição ou divulgação. Quando os blogs tornaram a publicação na internet muito mais fácil e acessível, uma quantidade enorme de gente passou a divulgar seus textos para todo mundo, sem a intermediação de uma editora. Não haveria escritores na web se não houvesse público. E, de repente, escritores cujos romances, contos e poemas nunca tiveram a oportunidade de freqüentar uma livraria, passaram a ter milhares de leitores fiéis, através da internet.

A percepção desse movimento, de que havia um burburinho sobre esses escritores e a classificação deles como "novos autores", deve ter despertado o interesse das editoras tradicionais. Acredito que, se não houvesse uma espécie de movimento, de categorização, estes autores continuariam sendo lidos somente no ambiente virtual. A partir do momento em que eles despontam como algo que tem a chancela da novidade, quase como se já embalados em uma coleção, passam a ser interessantes enquanto produtos para o mercado editorial.

Não é ruim ser produto. Aliás, imagino que este seja o status que muitos escritores almejam. Ser publicado, distribuído e divulgado, na lógica do mercado editorial, é ser considerado bom, capaz de despertar o interesse do leitor, capaz de gerar lucro. Assim, por mais que muitos dos novos escritores se criem e desenvolvam na web, é quando são publicados em papel que eles se realizam.

Meio x qualidade x quantidade
A qualidade intrínseca do texto não depende do meio em que é disponibilizado. No entanto, a percepção de qualidade, pelo menos para a grande massa, está relacionada à lógica do mercado. Se as editoras só publicam o que as pessoas gostam, o que vende, um autor que consegue ser publicado pela editora escreve bem, escreve algo que pode ser vendido. Com certeza existem autores maravilhosos que nunca conseguirão isso. Da mesma maneira, muito lixo é embalado em capa bonita e colocado à venda. Me parece, porém, que o autor do "lixo" tem mais chances de se dar bem (porque está publicado em livro, com preço indicado na etiqueta) do que o bom autor de textos virtuais (porque sua produção está no ambiente virtual e pode ser lida de graça). Evidentemente, existem exceções à regra. Mas acredito que o juízo de valor monetário ainda suplanta o de valor estético, mesmo entre os próprios escritores.

Apesar de toda a dificuldade, o movimento de "novos autores" oriundos da web chama a atenção para a quantidade de textos que são disponibilizados em blogs e em publicações virtuais. Alguns acham ótimo porque isso representa uma democratização da escrita e da leitura. Outros acham que é preciso avaliar com cuidado, porque existe muita confusão entre escrever e fazer literatura.

A polaridade de opiniões materializa um paradoxo da própria escrita. Escrever é algo que, a princípio, está ao alcance de todos. Existe uma concepção da escrita apenas como código de comunicação. Se ela comunica, está cumprindo seu papel, ainda que seja como fala de índio em filme de faroeste: "mim querer", "mim fazer". Nesse nível, escrever é uma habilidade praticamente universal entre pessoas alfabetizadas. É diferente, por exemplo, de conhecer matemática, física ou química. Tive uma aluna, certa vez, que não conseguia encontrar a média simples a partir das notas de três provas, mas tornava perfeitamente compreensíveis seus desaforos por e-mail, mesmo sem usar as regras mas básicas de concordância e sintaxe. No outro extremo, ser escritor também é visto como algo acessível somente a talentos iluminados, cujo dom vem do berço. Representando esses dois pólos, estão as pessoas que escrevem na web e se acham escritoras somente porque ajuntam uma palavra atrás da outra, e aquelas que não admitem que um ser comum possa produzir boa literatura.

Mas, afinal, o que é (boa) literatura?
O que determina a qualidade de um texto, além da lógica do mercado? Questões como essas rondam muitas outras facetas da expressão humana, como a música e a arte, por exemplo. Os parâmetros em relação aos quais se estabelecem juízos de valor podem ser bastante claros, como os aspectos formais, ou completamente difusos, como a subjetividade do crítico. No meio do caminho, existem outros pontos que "atestam" a obra. O caráter institucional é um deles. Assim como uma obra de arte pode ser considerada como tal por estar dentro do museu, um texto pode ser literatura se for assim classificado por uma editora ou por alguma outra instituição. A editora tem sido, durante muito tempo, uma instituição representativa para a chancela literária. Mas como ela não dá conta de tudo que vem sendo produzido e como seus critérios não cabem no modo de distribuição virtual, outras instâncias surgem para dar conta da tarefa. Uma delas é a universidade. Agora, além de analisar a literatura, já se pode aprender a fazê-la, com direito a diploma e tudo.

Um curso superior de Formação de Escritores e Agentes Literários vai ser oferecido a partir da metade do ano pela Unisinos, uma universidade localizada na região metropolitana de Porto Alegre. Parece lógico que a proposta venha do Rio Grande do Sul. Tenho a sensação de que o estado, hoje, é um dos maiores celeiros de novos autores, tanto de web quanto de livro. Uma hipótese confirmada pelo coordenador do curso, o poeta e escritor Fabricio Carpinejar, que lista os autores, as editoras, os eventos e blogs, enfim, toda uma "cadeia afetiva" gaúcha, que chama a atenção nacionalmente e que está pronta para compartilhar suas experiências.

No contexto do curso superior, o aluno aspirante a escritor vai encontrar diversos parâmetros para o julgamento da sua produção, que será chancelada pelos professores, pelas notas, pela instituição. Daí vão surgir novos critérios de avaliação, que talvez privilegiem mais os aspectos formais. Afinal, enquanto alunos universitários, os escritores deverão ter nota suficiente para passar de ano e obter o diploma. E para dar nota, é preciso critério. A editora pode recusar um manuscrito com desculpas vagas. Um professor precisa deixar claros os objetivos de um trabalho e avaliar com base neles. São regras que, aplicadas a esta atividade, acabam parecendo muito subjetivas. Para neutralizar as ambigüidades, o caminho menos áspero é valorizar os aspectos formais, que podem ser estabelecidos e cobrados com mais objetividade. Se o curso "legitimar a profissionalização e a seriedade que já são praticadas no estado", como acredita Carpinejar, é possível que os parâmetros da universidade passem a contar na distinção entre o que é ou não literatura.

Profissão: escritor
A vantagem de um curso como este é que um dos paradoxos da escrita, a mitologização do escritor, cai por terra quando se presume que ela pode ser ensinada e aprendida. Quando perguntei ao Fabricio qual sua resposta às possíveis críticas por parte dos puristas, dos que acreditam na literatura como uma atividade de escolhidos, ele respondeu com uma lógica de quem tem batalhado para se dar bem no jogo do mercado editorial, de quem possui uma visão realista sobre o assunto: "há uma idealização romântica que apenas distancia e isola as pessoas da sua arte e do convívio. A universidade qualificará autores. A iniciativa quebra alguns tabus intelectuais, ensinando o best-seller e dando espaço para o livro didático".

Parece haver um alinhamento claro entre a proposta acadêmica do curso e as demandas do mercado, diminuindo o fosso que normalmente existe entre essas duas instâncias. A Unisinos em si é uma universidade que procura preservar a credibilidade de uma instituição tradicional, ao mesmo tempo em que percebe a dependência que o segmento educacional tem do mercado de trabalho. Uma olhada nos cursos oferecidos pela Unisinos mostra que, ao lado das opções clássicas, estão outras mais alinhadas às profissões da moda ou às necessidades das indústrias da região do Vale do Rio dos Sinos. O curso de Formação de Escritores é mais uma tática dessa estratégia. O aluno vai se sentir atraído por um curso novo, que leva a uma profissão glamourosa. O pai do aluno vai perceber que existe uma preocupação da universidade em encaminhar o futuro escritor ao mercado de trabalho, mesmo que seja em outras atividades menos nobres, que o programa do curso denomina, de forma abrangente, de "produção de textos".

Ao assumir a orientação para o mercado, a proposta do curso de formação de escritores talvez mostre uma tendência mais realista de encarar o ofício. Reconhecer o poder e a mecânica da indústria cultural não significa uma perda de autonomia para a literatura. Manter a indepedência criativa e conquistar espaço nas prateleiras é um jogo dinâmico, que envolve tanto o escritor e a editora quanto o leitor. Nos anos 60, Andy Warhol conseguiu ser respeitado como artista mesmo trazendo para seus quadros a antítese da arte - os produtos e a mecânica do consumo e da produção em série. No entanto, essa inclusão não teve nada a ver com uma submissão. Ao contrário: Warhol acabou por estabelecer uma reflexão sobre o sistema justamente pela forma de representá-lo. Mesmo o filósofo alemão Theodor Adorno, talvez o maior crítico da indústria cultural (em que a lógica produção literária também se insere), reconhece: "o caráter mercantil da arte se desfaz ao se realizar completamente". Será que a literatura também pode se entregar ao mercado sem perder sua autonomia?


Adriana Baggio
Curitiba, 25/5/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alguém para correr comigo, de David Grossman de Julio Daio Borges
02. A volta de Paulo Polzonoff Jr
03. Para além da coleção de receitas de Daniela Sandler


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/6/2006
12h26min
Excelente e lúcido artigo!
[Leia outros Comentários de Mauro Mendes]
5/7/2006
23h48min
Adriana, só li esse artigo hoje, mas não podia deixar de parabenizá-la. Ficou de fato excelente! Um dos melhores artigos do Especial Autores novos.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Odisseia
Ruth Rocha
Salamandra
(2011)



Centenário do Hospital Nossa Senhora das Dores de Ponte Nova
Desconhecido
Imprensa Oficial
(1973)



Um Estranho no Ninho
Ken Kesey
Best Bolso
(2013)



Frauen der liebe Hortense Von Beauharnais
Freundin des Zaren Alexandres I
Druck und Verlag



Não se apega, não
Isabela Freitas
Intrínseca
(2014)



Guia de Conversação Langenscheidt - Italiano
Monica Stahel
Martins Fontes
(1999)



Operations Research
Wayne Winston
Thomson Brooks Cole
(2004)



Virus Clans
Michael Kanaly
Ace Charter
(1998)



Volumes 1, 2, 3 e 4: Grandes Fatos do Século XX vinte
Barnabé Medeiros Filho et al
RioGráfica



Livro Literatura Estrangeira Moon Palace
Paul Auster
Penguin Books
(1990)





busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês