Alguém aí reconhece um poeta? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Two lost souls living in a fish bowl
>>> Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> A agonia das semanais nos EUA
>>> Entre a simulação e a brincadeira
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Iron Maiden com Clive Burr
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
Mais Recentes
>>> A fuga de João Goulart de Hélio Silva pela Três (1998)
>>> A Majestade do Xingu de Moacyr Scliar pela Deagostini (2004)
>>> Memórias Sentimentais de João Miramar de Oswald de Andrade pela José Olympio (1973)
>>> Noventa e Três de Victor Hugo pela Otto (1980)
>>> A Queda de Albert Camus pela Circulo do Livro (1986)
>>> Você - A idéia mais fantástica de Deus de Max Lucado pela Thomas Nilson (2007)
>>> The abolition of the Brazilian slave trade de Leslie Bethell pela Cambridge University Press (2009)
>>> O processo de Franz Kafka pela Globo (1997)
>>> A brincadeira de Milan Kundera pela Circulo do Livro (1967)
>>> Vôo Noturno de A. de Saint - Exupery pela Circulo do Livro (1985)
>>> A Segunda Dama de Irving Wallace pela Circulo do Livro (1980)
>>> O RETRATO DE dORIAN gray de Oscar Wilde pela Circulo do Livro (1975)
>>> Os Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Ufjf (2006)
>>> Imaginologia e radiologia odontológica - 4D de Plauto Watanabe pela GEN Guanabara Koogan (2013)
>>> Ten Cate Histologia oral - 4D de Antonio Nanci pela Elsevier (2013)
>>> sturdevant arte e ciência da dentística operatória - 4C de Harald pela Elsevier (2013)
>>> O Folclore da Caixa = Contos de Gil Gouvêa Macieira pela Dupligráfica (1984)
>>> Craig Materiais Dentários Restauradores - 3C de Ronald L. Powers, John M.^Sakaguchi pela Elsevier (2012)
>>> Curso de Folclore Musical Brasileiro de José Teixeira D'Assumpção pela Livraria Freitas Bastos (1967)
>>> Como Desenhar Mangá Método Profissional de Produção Nobu Chinen / Daniel de Rosa pela Escala (2009)
>>> Danças Folclóricas da Europa de Maria Amalia Corrêa Giffoni pela Melhoramentos (1974)
>>> A Linguagem Secreta dos Relacionamentos de Gary Goldschneider; Joost Elffers pela Elsevier (2000)
>>> Aquela Canção de Vários autores pela Publifolha (2005)
>>> Histologia veterinária de Dellmann - 3C de Jo Ann Eurell pela Manole (2012)
>>> Terapia assistida por animais - 3D de Marie Odile Monier Chelini pela Manole (2015)
>>> Manual Saunders Terapia Veterinaria - Pequenos E Grandes Animais - 6B de Mark G. Papich pela Elsevier (2012)
>>> Comportamento e bem-estar de animais domésticos - 6D de D. M. Broom pela Manole (2010)
>>> Cirurgia de Pequenos Animais - 7C de Theresa Theresa Fossum pela GEN Guanabara Koogan (2014)
>>> ...E Nossos Filhos Cantam as Mesmas Canções 8800 de Malcolm Montgomery pela Integrare (2008)
>>> ...E o Mundo Silenciou de Ben Abraham pela Wg Comunicações (1972)
>>> ...E Quem Quiser Que Conte Outra de Tatiana Belinky pela Imprensa Oficial (2007)
>>> ...Uma Proposta Irrecusável de Jill Manselll pela Novo Conceito (2011)
>>> 1, 2... Feijão Com Arroz - Educação Alimentar de Maria José Paes Leme & Maria da Luz F. Perim pela Mercado das Letras (1997)
>>> 1. 000 Perguntas e Respostas de Direito Internacional Público e Privad de José Cretella Júnior / José Cretella Neto pela Forense (2002)
>>> 1° Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro 2008 de Vários Autores pela Gráfica Minister (2008)
>>> 10 Minutos de Exercício por Dia - 10385 de Jacqueline Lysycia pela Texto Editores (2005)
>>> 10 Questões Sobre a Educação Inclusiva da Pessoa Com Deficiência de Cláudia Prioste / Darcy Raiça e Maria Luiza Gomes pela Avercamp (2006)
>>> 100 Anos de Arte na Alemanha 1885-1985 de Patrícia Rochard pela Boehringer Ingelheim (1985)
>>> 100 Anos de República de 1889 a 1989 - 10 Volumes de Diversos pela Nova Cultural (1989)
>>> 100 Comentários de Eduardo Palmerio (camarada Lorotoff) - 8902 pela José Olympio (1949)
>>> 100 Dicas Infalíveis para Emagrecer e Se Manter Em Forma de Dr. Fred A. Stutman pela Sextante (2010)
>>> 100 Escovadas Antes de Ir para a Cama de Melissa Panarello pela Objetiva (2004)
>>> 100 Músicas Inesquecíveis - Letras das Músicas de Vários Autores pela Europa (1997)
>>> 100 Problemas de Fé de P. C. Landucci pela Paulinas (1969)
>>> 1000 Faces do Homem Leitura das Linhas Faciais e da Estrutura Corporal de Ahron Lev Ari pela Maptone (1991)
>>> 1000 Maiores Esportistas do Século 20 - 6736 de Diversos pela Isto É
>>> 1000 Perguntas Direito das Coisas 3ª Edição de Laerson Mauro pela Forense Universitária (1992)
>>> 1000 Que Fizeram 100 Anos de Cinema - 5214 de Diversos pela Isto É
>>> 1000 Que Fizeram o Século 20 - 3716 de Diversos pela Isto É
>>> 1001 Cervejas para Beber Antes de Morrer - 10844 de Neil Morrissey pela Sextante (2011)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/7/2006
Alguém aí reconhece um poeta?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Como é que alguém reconhece um poema? Boa pergunta. Como é que alguém começa a escrever poesia? Por que alguém acha que sabe quando um texto é poesia e quando ele não é? E aquelas pessoas que dizem que você "está no caminho certo"? Que trajeto é esse? Quando começa e onde se estabiliza?

Um dia a professora ensinou o que era rima. Disse que ão rimava com ão. A classe inteira entendeu. Depois ela disse que poema era um texto escrito em verso. Era só escrever a frase e terminá-la em duas ou três linhas diferentes. Junte-se isso à rima e será provável acontecer um poema. Certo? Errado.

Mais adiante, um toque de métrica. Todos os exemplos de bons poetas. Olavo Bilac, uma máquina de calcular. Para ficar mais moderno, Chico Buarque. Não o músico, mas o poeta. Dizia Leibniz: "O prazer que obtemos da música vem da contagem, mas da contagem inconsciente. A música nada mais é do que aritmética inconsciente". Ai, meu Deus, eu nem sabia disso. Se soubesse, não teria gostado de música. Agora é tarde.

Mais adiante, outra professora mandou ler Manuel Bandeira. Aí alguém descobriu que nem sempre rima, nem sempre verso, nem sempre palavras bonitas. Poesia era o clima. Leminski ainda nem havia nascido.

Mas o trajeto acaba aí, quando alguém tem que ler os livros do vestibular e estudar para a prova. O trajeto só não acaba quando alguém resolve pegar um caminho paralelo. Vai lá, faz as próprias escolhas e avança pela direita. Não tem mais prova, nem múltipla escolha e nem "redija um pequeno texto". Só tem vontade e ritmo. E vai treinando, vai experimentando, livre para gostar e para detestar. Pega emprestado, compra, aluga. Vê o filme e lê o livro. Edição e reimpressão. Apresentação, prefácio, posfácio. Lê mais um. Um desconhecido. Poeta brasileiro, empreendedor. Edição própria, edição de bolso. Até que a poesia se instala. Como se fosse um software? Mais ou menos. Um reconhecedor de poetas apita quando um texto é poesia. E engraçado: não precisa ter gostado. Alguém separa quando é gosto e quando é fato. Certos poetas são poetas, mesmo que eu não goste do que eles fazem na sua sesmaria de papel. Não é problema meu. Mas há poetas que não o são. Como é que alguém sabe?

Maior dificuldade do mundo é explicar para alguém, um aluno, que seja, que literatura não é qualquer coisa. Não é juntar palavras bonitas e soltar assim, num desarranjo calculado. Nem é estilhaçar os sentidos e deixar tudo meio flutuante. Nem mesmo pode ser picar as frases em versos de 12 sílabas.

Literatura não é, necessariamente, o conteúdo. Não é suficiente, para ser literatura, que se conte uma boa história. Digo esta literatura de arte. Há outras, claro. Mas não basta arranjar um mote sensacional. Faça o teste: distribua a boa idéia por uns 5 escritores e veja no que dão. Uns mais, outros menos. Uns nada. Uns fazem da boa história uma nuvem. Outros, capturam minotauros com ela. Há quem a deixe do mesmo jeitinho que encontrou. Não aumentam nela sequer uma característica.

Há outro exercício: dê aos 5 escritores uma história ruim. Veja lá o que acontece, de novo. Quem sabe fazer bonito arranja para a história outra beleza. Se a história não é boa, o texto é. Tanta coisa é assim. Clarice Lispector, meu exemplo preferido, tinha por hábito inventar (ou não) histórias banais e fazer delas textos lindos e emocionais. Ou vão me dizer agora que é bárbaro saber de um cego mascando chicletes?

Já Gabriel García Marquez conta histórias boas e movimenta o mundo com elas. Ainda por cima são belas se forem só letras. Literatura. E como se explica isso a alguém?

E se o alguém começa a escrever e pede: dá uma olhadinha? Ai, posso aqui matar um santo. Vou dizer que não é, mas pode ser. O texto é ruim, a história costuma ser também. Então é o texto que salva a história, quando o conjunto é literatura. Percebe? Se a história é ruim, mas a alma é literária, então está tudo bem. Mas se o texto for ruim, nem a boa idéia se salva. Tudo por água abaixo.

Mas volto ao problema: como explicar isso a alguém? É possível ensinar a ver? Não gosto de tratar do mundo como se tudo fosse questão de dom. Não gosto. Parece coisa divina. Divina, mesmo, só a transformação. Senão não dava nem vontade de continuar.

Se alguém me chega com um poema ruim, eu digo: ainda não. Não quer dizer que um dia não possa vir a ser. Pegue esse poema ruim e mande um poeta (mesmo) tratá-lo. Num lifting de texto, ganha o poema ares de arte. Mesmo se a idéia for fraca, como vela. E às vezes não é palavra aqui, substitui, corta, cola. Não. Às vezes só o poeta engolindo e vomitando tudo de novo.

Como explicar a alguém que literatura é uma forma de usar a linguagem? São as mesmas palavras que estão no dicionário. Em qualquer um deles. São as mesmas pontuações que aparecem nas gramáticas. Mas por que elas não parecem as mesmas? Como se aprende a dar nelas uma liga poética? É o inesperado, diria o diabo. Confio.

Literatura é linguagem carregada de significado. Noutras palavras, disse isso o sábio Ezra Pound. Depois disse que era significado à máxima potência. Meio Leibniz, parecia matemática. De repente, é. Fazer o quê? Literatura é uma espécie de poção que você faz com as palavras da sua língua, com os temperos do seu estilo e as intimidades que você tem com o seu idioma. Essas intimidades é que são o segredo. Intimidades que as moças da vida dão, e só elas. Porque se você ficar muito cheio de pudores, não sai mais do que uma combinação burocrática de palavras do dicionário.

Mas como é que alguém faz isso? Não nasce. Não nasce, insisto. Todo mundo nasce podendo. Inclusive qualquer coisa. É fazendo exercício, atividade, tentativa. É assim que alguém percebe o gosto que as palavras têm quando os textos são literários. Lendo, relendo, achando bonito. Achar bonito já é outro problema. Achar bonito também não é para qualquer um que não tenha tentado. Achar bonito tem que ter olhos. Tem que ler e achar bonito. Quando alguém lê e pensa: como pode? Não é só a história, mas é o jeito dela. É assim. Como é que explica isso a alguém? Não sei. O jeito é fazer junto. Pegar alguém pela mão e tocar a fazer as coisas. Como as hortas, como os bolos, como os cultivos, de maneira geral.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 26/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Garota do Livro: uma resenha de Heloisa Pait
02. Depois do chover de Elisa Andrade Buzzo
03. Nem cobra, nem aranha: peçonhenta é a burocracia de Adriana Baggio
04. Uísque ruim, degustador incompetente de Ana Elisa Ribeiro
05. Barba e bigode de Guga Schultze


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2006
02h01min
Fique tranquila, Ana. Você explicou tudinho :)
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
27/7/2006
11h41min
Humm... achei bonito seu texto. E me parece que é assim mesmo. Tentar, rasgar folhas, começar outra vez, de outro jeito... ter a idéia, mas não ter tempo de colocar no papel. Bater a cabeça na parede de raiva por ter perdido a idéia. Depois ter outra idéia, desta vez com papel e caneta ao alcance. Escrever, ler, reler, ficar satisfeito. Ou de novo... Não é pra muitos. Mas quando se alcança, é muito bom. Dá uma sensação de "eu posso, eu faço". Eu não sei se sou. Dizem por aí que sim. Eu gosto, ao menos, de tentar ser. Obrigado!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
28/7/2006
01h28min
Mais que uma boa pergunta. Talvez seja a pergunta fundamental da literatura. O que é poesia, afinal? Ana Elisa responde, em parte, algumas questões. O que já é muito. No entanto só o desejo de ser poeta não faz o poeta; nem disciplina ou esforço contínuo produzem, necessáriamente, boa poesia. Na verdade não produzem poesia nenhuma. O bom escritor pode simular, inteligentemente, um procedimento poético, mas nada é mais avesso à simulação do que um poema. Aquela história de 90 por cento de transpiração, 10 de inspiração, não serve pra poesia; que precisa de mais de 100 por cento de pura inspiração, os 90 de suor, mais uns 157 de dedicação, uns 415 de resignação... e por aí vai. Milhares de pessoas utilizam a forma poética em textos de toda ordem mas, repito, os poetas não são tantos assim. Ainda bem. Essa coluna da Ana Elisa, além de ótima, dá o que pensar.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
2/8/2006
14h51min
O mais legal é não dar rótulos... porque tem tanta poesia que não está em verso... e por outro lado tanta prosa versificada. Acho que esse é o barato de quem sabe lidar com a língua, com as infinitas possibilidades que as palavras abrem. Abraços
[Leia outros Comentários de Matheus]
4/8/2006
16h32min
Escrever, escrever, pra escrever tem que sangrar, sentir a dor do mundo e inspirar o mundo a partir da posia... viva poesia!!! Ana Elisa Ribeiro, seu texto faz pensar e dá uma vontade danada de sair escrevendo versos, verbos que servem a versos, verborragir versaria infindável. Valeu!
[Leia outros Comentários de andré Balbino ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SABEDORIA POPULAR PROVÉRBIOS E ALGUNS DITOS
FERNANDA COSTA FRANCO
TAVIRA
(1995)
R$ 16,75



ENTRE APARTES E QUIPROCOS : TEATRO E MALANDRAGEM NA CAPITAL DO IMPÉRIO
RENATA SILVA ALMENDRA
HINTERLÂNDIA
(2009)
R$ 9,80



SURGICAL TREATMENT OF ANAL INCONTINENCE SECOND EDITION
CHARLES V. MANN E RICHARD E. GLASS
SPRINGER
(1997)
R$ 200,00



INTERAÇÕES REVISTAS DO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA
UNIMARCO
UNIMARCO
(2004)
R$ 10,00



A FÁBRICA DOS SONHOS
JANET LEIGH
BEST SELLER
(2002)
R$ 5,90



O PÊNDULO DE FOUCAULT ( II )
UMBERTO ECO
RECORD/ALTAYA
(1989)
R$ 8,90



NOVOS HORIZONTES DA PSICOLOGIA
P. C. DODWELL
IBRASA
(1979)
R$ 12,00



REVISTA LÍNGUA PORTUGUESA Nº 60 A ARTE DE CONVENCER
VÁRIOS
SEGMENTO
(2010)
R$ 12,90



COMO SE RELACIONAR BEM NO TRABALHO...
DONALD WEISS
NOBEL
(1994)
R$ 10,00



AS CORES DO NATAL
URSULA RITTER
PAULINAS
(1998)
R$ 9,80





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês