A fila sempre anda | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
>>> Dirty Dancing - Ritmo Quente
Mais Recentes
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Nariz Detetive de Stella Carr/ Ilustrações: Avelino Guedes pela Scipione (2019)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> A Filha da Noite de Marion Zimmer pela Imago/ Rio de Janeiro (1986)
>>> Família e Mudança: O Familismo Numa Sociedade Arcaica em Transformação de C. A. Medina pela Vozes/ Ceris (1974)
>>> Quando Meu Pai Perdeu o Emprego de Wagner Costa pela Moderna/ SP. (1993)
>>> Fernão Lopes: Suas Crónicas Perdidas e a Crônica Geral do Reino... de A. de Magalhães Basto pela Livr. Progredir/ Lisboa (1943)
>>> Decifrar pessoas de Jo-Ellan Dimitrius e Mark Mazzarella pela Alegro (2000)
>>> Como fazer sabões e artigos de toucador de Ribeiro de mello pela Icone (1987)
>>> Pokémon extreme Batalha épica no mundo de dentro de Venom Extreme pela Sextante (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 30/10/2001
A fila sempre anda
Rafael Lima

+ de 2100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Domingo mereceu música dos Titãs em homenagem, mas é a sexta-feira que todo mundo espera chegar - tanto que não precisa ter uma música só para ela. Quando recebi o convite por e-mail - ou melhor, o release, porque jornalista não faz convite, faz release de festa - nem pensei duas vezes, apesar de uma resistente dor de garganta. A programação prometia (não sei se para bem ou mal, mas prometia): às 21h00, show de Baia e os Rock Boys, depois discotecagem do DJ Dodô, fechando com show de forró. Pode até enganar trouxa, mas eu já aprendi a ler essas coisas nas entrelinhas. Friômetro, como chamo: o meu detector de roubada.

Por exemplo, nunca tinha ido a um show de Baia e os Rock Boys, mas não é preciso ser muito esperto para sacar o tipo de música que uma banda com esse nome toca. André Forastieri disse uma vez que quem ouve o disco inteiro para fazer crítica é amador; profissional ouve a primeira faixa e olhe lá; às vezes escreve só em cima do que está na capa. Eu, que não sou profissional, aprendi a aplicar essa técnica a cartazes e trailers de filmes e já sabia o que me esperava: era torcer para ser curto. Dodô é um ótimo DJ com o péssimo hábito de entrar na empolgação do público e tocar o que deixa a pista cheia, o que acaba terminando invariavelmente em Lulu Santos. Quanto ao forró, basta dizer que o Trio Forrozão, o mais famoso conjunto do ritmo arretado por aqui, era composto por 4 pessoas. No convite não dizia nem o nome do grupo. Agora, o mais engraçado era o seguinte: no release dizia que não tinha flyer - esse substituto cibernético do convite - nem nome na porta - a versão pós-moderna da carteirada - era só chegar lá e dizer que se estava indo para o aniversário do Mochilinha. Pensei em quantas cervejas eu ia ter que beber para dizer: "Escuta, eu vim aí para o aniversário do mochilinha..." como se fosse a coisa mais normal do mundo, e ser recebido com igual ar blasé sem ficar nem um pouco espantado com o ridículo da situação, lá dentro. É que o troço todo era uma festa temática - como tudo hoje em dia o é (e o que não é temático é conceitual) - de lançamento do site do estúdio de webdesign do tal Mochilinha e seu sócio, cujos nomes reais descobri visitando a, digamos assim, versão demo do site. Ô língua ruim essa que a gente fala. Tempos estranhos esses em que website tem versão demo e qualquer um pode ter identidade secreta, e não só super-herói. Pronto, já podia dizer que conhecia o respeitável senhor Júnior Simões, o que pode não ser muito original, mas melhor do que Mochilinha é. O nome do site era Tangerina alguma coisa. Na entrada do site apareciam os dois sócios cada um segurando um... caju.

Aprendi o melhor trajeto para se chegar de carro até lá, um antigo casarão em Botafogo, com um amigo que não dirige, e engasguei um pouco na porta ao dizer que tinha vindo para o aniversário do Júlio, quer dizer, do Júnior, o que não acabou não rendendo maiores problemas. Lógico que atrasar em uma hora e meia foi pouco, porque nem o tal Baia havia saído da respectiva para passar o som, nem a minha amiga tinha chegado. Pedi uma cerveja para esperar. Como tudo parecia demorar, e o local estava vazio, mais uma. Alguns casais denunciavam o gosto pelo forró nas saias hippies e sapatilhas nas mulheres e alpargatas para homens, mas também tinha a turma do cabelo laranja e piercing, e bastante mulher. Aos poucos, fui me animando com a sequencia emendada pelo DJ, que sem necessidade de colocar o povo para sacudir o esqueleto mandava um sequência de clássicas que comportava até Cole Porter. Quando tocou Walk on the Wild Side decidi que era hora de cumprimentá-lo pessoalmente.

Nisso, finalmente chega a minha amiga, que também conhece o DJ, e ele prontamente se dispõe a tocar meu pedido: Ms. Robinson. Estava ficando bom quando a música foi cortada no meio para a entrada no palco do tal Baia - os rock boys devem ter seus friômetros melhor calibrados do que ele e ficaram em casa - se auto-acompanhando com violão e gaita. Tocava um rock nordestino na linha Raul Seixas ou Zé Ramalho pré-misticismo, que te deixa pensando se o cara é assim mesmo ou se está forçando o sotaque para fazer tipo. Parece que a segunda alternativa é a correta, porque em 3 músicas já estou irritado. O sentimento não parece ser só meu, apesar das 4 pessoas na boca do palco que estão gostando, dançando e até cantando acompanhado algumas músicas. Acho que essas 4 pessoas são contratadas para fazerem coro em todos os shows ruins da cidade. É para essas 4 que o tal Baia continua tocando nos próximos infindáveis 50 minutos (psicológicos, se não cronológicos), apesar dos resmungos e ameaça de levar uma lata na testa. Aliás, o sentimento contra é tão generalizado que falar mal dele torna-se uma ótima maneira de puxar um papo com qualquer um.

Resolvi recuar e ficar no fundo batendo papo com o DJ, a minha amiga e amigas dela. Uma delas expõe uma teoria antropológica muito interessante fazendo uso de uma imagem doméstica para se referir à infidelidade masculina: a fila anda. A fila sempre anda. Pode demorar um pouco mais, pode empacar, às vezes você tem que trocar de fila como em caixa de supermercado, mas a fila sempre anda. Discutiu-se ainda como os ascendentes em umbanda determinam as características da personalidade, assim como na astrologia funciona com planetas. E o Baia arretado lá, nada de sair do palco. As cervejas já faziam seu efeito.

Finalmente o Baia se mancou, agradeceu e saiu do palco, e o Dodô pôde atacar, mas não com fúria, porque alguém da casa impedia som alto, área residencial etc. Voltamos para a rodinha, o que se há de fazer. Muita gente circulando por ali, mas a minha impressão é de que na pista só a gente, naquele arremedo de sacolejo arrítmico que um povo aí chama de dançar. Dirigir para mim é mais fácil do que dançar porque aquilo eu consigo fazer depois de umas e outras, e isso, não. Nada mais de 4 músicas depois os donos do estúdio Tangerina (e da festa) subiram no palco e abriram uma tela de projeção, parece que para apresentar o alguma coisa. Alguém tinha me falado que ia rolar um "institucional do site", mas eu me neguei levar a sério até ver os dois ali em cima. O que leva alguém a trabalhar 10 horas por dia com internet e na festa de sexta de noite ainda ficar falando de Java e HTML? O fato é que eles estavam maravilhados, Pigmaleões em transe com suas Galatéas. Rodaram a apresentação em flash vááááárias vezes, animada com musiquinha de fundo. Lá pelas tantas chamaram um cara com um violão para cantar o que seria uma espécie de hino, ou jingle do site, que era assim: "Não tem mamão, não tem melancia, não tem laranja, não tem tangerina, não tem melão, eu só quero é tangeriiiiiiiina....", e outras estrofes nessa linha. A coisa estava tão feia que as meninas por perto já suplicavam por um forró, pelamordedeus o forró. Comecei a sentir dor de cabeça e fui tomar um guaraná.

Depois de muita insistência, finalmente alguém tomou-lhes o martelo com que, qual Michelangelos ensandecidos, golpeavam o joelho daquele Moisés, que, se pudesse, provavelmente não só já teria falado, como teria gritado e esperneado, contanto que parassem de bater. Mas não deu tempo do DJ invadir, porque banda de forró invadiu o palco antes. Aliás, a essas alturas o Dodô já tinha se refastelado e estava achando a pilastra de madeira muito confortável no papel de travesseiro. A menina da teoria da fila jogou a toalha e foi embora. Meio entre o perdido e o exasperado, fiquei ali por perto das outras meninas esperando o forró começar, naquele clima da expectativa de que pior, não pode vir por aí. Uma delas identificou a minha camisa de Morro de São Paulo e mostrou para um cara que tinha voltado de lá semana passada, encabeçando um papo. Socializava-me.

Até que o forró começou, o forró mais mal tocado que me lembro. Qualquer forró quando começa faz logo aquele estrondo de zabumba que acorda quem está dormindo e sacode quem está acordado. Menos aquele. Nem as meninas que estavam ali por perto, pedindo para serem tiradas faziam cara de muita vontade. Recuei, fui procurar algum alento - e me deparei com o Dj. Dormindo. Eu, morrendo de vergonha por não ter a menor condição de dar dois passos de forró naquela altura. A dor de cabeça aumentava e já estava a ponto de ir embora e fazer um proposta bem vagabunda do tipo "conheço um lugar super legal etc." para a primeira que manifestasse interesse. Me despedi não sem ouvir um "você já vai embora?". Hm. Aí chega o Hiro, e acabam as dúvidas. Quando o Hiro chega é hora de ir embora.

Epílogo: meia hora de dor de consciência antes de dormir por não ter feito a proposta. Se tivesse sido "fica mais um pouco" ao invés "você já vai embora?" provavelmente ia ser uma hora...



Rafael Lima
Rio de Janeiro, 30/10/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
02. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
03. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
04. São Paulo e o medo no cinema de Elisa Andrade Buzzo
05. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/11/2001
08h48min
excelente para ser lido pois foi elaborado com muito espírito jocoso, o que torna a leitura bem ligt
[Leia outros Comentários de maria lucia puty]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MESTRES DA INTERCOIFFURE MODA, ESSA ESPECIE DE VIRUS, MUTANTE FUGAZ
FERNANDO NATIVIDADE
ORANGE STAR
(2005)
R$ 30,00



REDES MÓVEIS - TECNOLOGIAS E ESPECTRO DE FREQÜENCIAS
VINÍCIUS OLIVEIRA CARAM GUIMARÃES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



A DAMA E O UNICÓRNIO
TRACY CHEVALIER
BERTRAND BRASIL
(2006)
R$ 15,00



QUERIDO DIÁRIO OTÁRIO 8 - NÃO É MINHA CULPA SE EU SEI DE TUDO
JIM BENTON
FUNDAMENTO
(2015)
R$ 34,00



PENSADORES
MARIO VITOR SANTOS
REALEJO
(2015)
R$ 54,90



BIBLIOTECA DA MATEMÁTICA MODERNA - VOLUME 5
ANTÔNIO MARMO DE OLIVEIRA E AGOSTINHO SILVA
LISA
(1976)
R$ 15,00



UM CERTO SUICÍDIO
PATRICIA HIGHSMITH
BEST SELLER
R$ 15,00



POLUIÇÃO DO AR: SAMUEL MURGEL BRANCO, EDUARDO MURGEL
SAMUEL MURGEL BRANCO; EDUARDO MURGEL
MODERNA
(1995)
R$ 8,00



MEMÓRIAS DE ADRIANO
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 4,90



OBSTETRÍCIA VOLUME 1 - DIAGNÓSTICO DE GRAVIDEZ
EQUIPE MEDCURSO
MEDCURSO
(2012)
R$ 4,99





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês