A fila sempre anda | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 30/10/2001
A fila sempre anda
Rafael Lima

+ de 2200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Domingo mereceu música dos Titãs em homenagem, mas é a sexta-feira que todo mundo espera chegar - tanto que não precisa ter uma música só para ela. Quando recebi o convite por e-mail - ou melhor, o release, porque jornalista não faz convite, faz release de festa - nem pensei duas vezes, apesar de uma resistente dor de garganta. A programação prometia (não sei se para bem ou mal, mas prometia): às 21h00, show de Baia e os Rock Boys, depois discotecagem do DJ Dodô, fechando com show de forró. Pode até enganar trouxa, mas eu já aprendi a ler essas coisas nas entrelinhas. Friômetro, como chamo: o meu detector de roubada.

Por exemplo, nunca tinha ido a um show de Baia e os Rock Boys, mas não é preciso ser muito esperto para sacar o tipo de música que uma banda com esse nome toca. André Forastieri disse uma vez que quem ouve o disco inteiro para fazer crítica é amador; profissional ouve a primeira faixa e olhe lá; às vezes escreve só em cima do que está na capa. Eu, que não sou profissional, aprendi a aplicar essa técnica a cartazes e trailers de filmes e já sabia o que me esperava: era torcer para ser curto. Dodô é um ótimo DJ com o péssimo hábito de entrar na empolgação do público e tocar o que deixa a pista cheia, o que acaba terminando invariavelmente em Lulu Santos. Quanto ao forró, basta dizer que o Trio Forrozão, o mais famoso conjunto do ritmo arretado por aqui, era composto por 4 pessoas. No convite não dizia nem o nome do grupo. Agora, o mais engraçado era o seguinte: no release dizia que não tinha flyer - esse substituto cibernético do convite - nem nome na porta - a versão pós-moderna da carteirada - era só chegar lá e dizer que se estava indo para o aniversário do Mochilinha. Pensei em quantas cervejas eu ia ter que beber para dizer: "Escuta, eu vim aí para o aniversário do mochilinha..." como se fosse a coisa mais normal do mundo, e ser recebido com igual ar blasé sem ficar nem um pouco espantado com o ridículo da situação, lá dentro. É que o troço todo era uma festa temática - como tudo hoje em dia o é (e o que não é temático é conceitual) - de lançamento do site do estúdio de webdesign do tal Mochilinha e seu sócio, cujos nomes reais descobri visitando a, digamos assim, versão demo do site. Ô língua ruim essa que a gente fala. Tempos estranhos esses em que website tem versão demo e qualquer um pode ter identidade secreta, e não só super-herói. Pronto, já podia dizer que conhecia o respeitável senhor Júnior Simões, o que pode não ser muito original, mas melhor do que Mochilinha é. O nome do site era Tangerina alguma coisa. Na entrada do site apareciam os dois sócios cada um segurando um... caju.

Aprendi o melhor trajeto para se chegar de carro até lá, um antigo casarão em Botafogo, com um amigo que não dirige, e engasguei um pouco na porta ao dizer que tinha vindo para o aniversário do Júlio, quer dizer, do Júnior, o que não acabou não rendendo maiores problemas. Lógico que atrasar em uma hora e meia foi pouco, porque nem o tal Baia havia saído da respectiva para passar o som, nem a minha amiga tinha chegado. Pedi uma cerveja para esperar. Como tudo parecia demorar, e o local estava vazio, mais uma. Alguns casais denunciavam o gosto pelo forró nas saias hippies e sapatilhas nas mulheres e alpargatas para homens, mas também tinha a turma do cabelo laranja e piercing, e bastante mulher. Aos poucos, fui me animando com a sequencia emendada pelo DJ, que sem necessidade de colocar o povo para sacudir o esqueleto mandava um sequência de clássicas que comportava até Cole Porter. Quando tocou Walk on the Wild Side decidi que era hora de cumprimentá-lo pessoalmente.

Nisso, finalmente chega a minha amiga, que também conhece o DJ, e ele prontamente se dispõe a tocar meu pedido: Ms. Robinson. Estava ficando bom quando a música foi cortada no meio para a entrada no palco do tal Baia - os rock boys devem ter seus friômetros melhor calibrados do que ele e ficaram em casa - se auto-acompanhando com violão e gaita. Tocava um rock nordestino na linha Raul Seixas ou Zé Ramalho pré-misticismo, que te deixa pensando se o cara é assim mesmo ou se está forçando o sotaque para fazer tipo. Parece que a segunda alternativa é a correta, porque em 3 músicas já estou irritado. O sentimento não parece ser só meu, apesar das 4 pessoas na boca do palco que estão gostando, dançando e até cantando acompanhado algumas músicas. Acho que essas 4 pessoas são contratadas para fazerem coro em todos os shows ruins da cidade. É para essas 4 que o tal Baia continua tocando nos próximos infindáveis 50 minutos (psicológicos, se não cronológicos), apesar dos resmungos e ameaça de levar uma lata na testa. Aliás, o sentimento contra é tão generalizado que falar mal dele torna-se uma ótima maneira de puxar um papo com qualquer um.

Resolvi recuar e ficar no fundo batendo papo com o DJ, a minha amiga e amigas dela. Uma delas expõe uma teoria antropológica muito interessante fazendo uso de uma imagem doméstica para se referir à infidelidade masculina: a fila anda. A fila sempre anda. Pode demorar um pouco mais, pode empacar, às vezes você tem que trocar de fila como em caixa de supermercado, mas a fila sempre anda. Discutiu-se ainda como os ascendentes em umbanda determinam as características da personalidade, assim como na astrologia funciona com planetas. E o Baia arretado lá, nada de sair do palco. As cervejas já faziam seu efeito.

Finalmente o Baia se mancou, agradeceu e saiu do palco, e o Dodô pôde atacar, mas não com fúria, porque alguém da casa impedia som alto, área residencial etc. Voltamos para a rodinha, o que se há de fazer. Muita gente circulando por ali, mas a minha impressão é de que na pista só a gente, naquele arremedo de sacolejo arrítmico que um povo aí chama de dançar. Dirigir para mim é mais fácil do que dançar porque aquilo eu consigo fazer depois de umas e outras, e isso, não. Nada mais de 4 músicas depois os donos do estúdio Tangerina (e da festa) subiram no palco e abriram uma tela de projeção, parece que para apresentar o alguma coisa. Alguém tinha me falado que ia rolar um "institucional do site", mas eu me neguei levar a sério até ver os dois ali em cima. O que leva alguém a trabalhar 10 horas por dia com internet e na festa de sexta de noite ainda ficar falando de Java e HTML? O fato é que eles estavam maravilhados, Pigmaleões em transe com suas Galatéas. Rodaram a apresentação em flash vááááárias vezes, animada com musiquinha de fundo. Lá pelas tantas chamaram um cara com um violão para cantar o que seria uma espécie de hino, ou jingle do site, que era assim: "Não tem mamão, não tem melancia, não tem laranja, não tem tangerina, não tem melão, eu só quero é tangeriiiiiiiina....", e outras estrofes nessa linha. A coisa estava tão feia que as meninas por perto já suplicavam por um forró, pelamordedeus o forró. Comecei a sentir dor de cabeça e fui tomar um guaraná.

Depois de muita insistência, finalmente alguém tomou-lhes o martelo com que, qual Michelangelos ensandecidos, golpeavam o joelho daquele Moisés, que, se pudesse, provavelmente não só já teria falado, como teria gritado e esperneado, contanto que parassem de bater. Mas não deu tempo do DJ invadir, porque banda de forró invadiu o palco antes. Aliás, a essas alturas o Dodô já tinha se refastelado e estava achando a pilastra de madeira muito confortável no papel de travesseiro. A menina da teoria da fila jogou a toalha e foi embora. Meio entre o perdido e o exasperado, fiquei ali por perto das outras meninas esperando o forró começar, naquele clima da expectativa de que pior, não pode vir por aí. Uma delas identificou a minha camisa de Morro de São Paulo e mostrou para um cara que tinha voltado de lá semana passada, encabeçando um papo. Socializava-me.

Até que o forró começou, o forró mais mal tocado que me lembro. Qualquer forró quando começa faz logo aquele estrondo de zabumba que acorda quem está dormindo e sacode quem está acordado. Menos aquele. Nem as meninas que estavam ali por perto, pedindo para serem tiradas faziam cara de muita vontade. Recuei, fui procurar algum alento - e me deparei com o Dj. Dormindo. Eu, morrendo de vergonha por não ter a menor condição de dar dois passos de forró naquela altura. A dor de cabeça aumentava e já estava a ponto de ir embora e fazer um proposta bem vagabunda do tipo "conheço um lugar super legal etc." para a primeira que manifestasse interesse. Me despedi não sem ouvir um "você já vai embora?". Hm. Aí chega o Hiro, e acabam as dúvidas. Quando o Hiro chega é hora de ir embora.

Epílogo: meia hora de dor de consciência antes de dormir por não ter feito a proposta. Se tivesse sido "fica mais um pouco" ao invés "você já vai embora?" provavelmente ia ser uma hora...



Rafael Lima
Rio de Janeiro, 30/10/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio
02. Brasil em novo tempo de cinema de Humberto Pereira da Silva
03. A herança e a partilha de Ana Elisa Ribeiro
04. Rotina, por que não? de Ana Elisa Ribeiro
05. As revoluções e suas histórias de Tatiana Mota


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/11/2001
08h48min
excelente para ser lido pois foi elaborado com muito espírito jocoso, o que torna a leitura bem ligt
[Leia outros Comentários de maria lucia puty]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REIKI ESSENCIAL
DIANE STEIN
PENSAMENTO
(2005)
R$ 50,00



ESTATÍSTICA BÁSICA PARA PLANIFICAÇÃO
ARTURO NUNES DEL PRADO
FORUM
(1973)
R$ 5,90



APRENDA A FALAR INGLÊS EM APENAS 90 DIAS" - SPEAK ENGLISH START LEARN!
FABIO KATAOKA(EDITOR)
ESCALA
R$ 14,00



A PAIXAO MEDIDA
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
JOSÉ OLYMPIO
(1981)
R$ 8,91



SCHEINIA - A HISTÓRIA DE SONIA
SONIA SWIRSKI
IMAGO
(2009)
R$ 26,82



MENSAGENS DE PAZ
MALAQUIAS AGUIAR DUMONT
CUATIARA
(1989)
R$ 10,00



ESTRADAS DA ITALIA
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2011)
R$ 55,00



O FATOR HUMANO
GRAHAM GREENE
RECORD
(1978)
R$ 6,00



ENSAIOS DE SEMIÓTICA 6 CADERNO DE LINGUÍSTICA E TEORIA DA LITERATURA
MARIA HELENA RABELO CAMPOS E NANCY MARIA MENDES
FACULDADE DE LETRAS UFMG
R$ 16,00



OS FUNDAMENTOS SOCIAIS DA CIÊNCIA
IRINEU RIBEIRO DOS SANTOS
POLIS
(1979)
R$ 7,90





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês