A fila sempre anda | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
58588 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo teatral “Odila” chega ao interior de Caxias do Sul
>>> Empresário caxiense que instalou complexo de energia em aldeia indígena no Acre lança documentário
>>> Fernanda Porto lança música e videoclipe em homenagem a Gal Costa
>>> 75% dos líderes de marketing veem a IA generativa como ferramenta criativa essencial
>>> Printed Editions Online Print Fair
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
>>> Ira! no Perdidos na Noite (1988)
>>> Legião Urbana no Perdidos na Noite (1988)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Flip 2005
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Arte sem limites
>>> BBB, 1984 e FEBEAPÁ
>>> Costume Bárbaro
>>> Infinitely Fascinating People
>>> Era uma vez um inverno
>>> A Auto-desajuda de Nietzsche
Mais Recentes
>>> Os contos de Beedle, o Bardo de J.K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> S.O.S Ong de José Alberto Tozzi pela Gente (2015)
>>> Histórias do Grande Mestre de Ellen G. White pela Cpb (2014)
>>> Trajetorias De Grandes Lideres - Carreira De Pessoas Que Fizeram A Dif de Lucinda Watson pela Negócio (2001)
>>> Everest - escalando a face norte de Matt Dickison pela Gaia (2007)
>>> A Vida do Bebê de Rinaldo de Lamare pela Agir (2014)
>>> A hora da vingança de George Jonas pela Record (2006)
>>> Google Adwords - A Arte Da Guerra de Ricardo Vaz Monteiro pela Brasport (2007)
>>> Manicômios, Prisões E Conventos de Goffman, Erving pela Perspectiva (1987)
>>> Jornada Nas Estrelas - Memorias de William Shatner pela Nova Fronteira (1993)
>>> Sete casos do detetive Xulé de Ulisses Tavares pela Saraiva (2010)
>>> Mudando o seu destino: novos instrumentos dinâmicos de astrologia e de visualização para formar o seu futuro de Richard Zarro pela Summus (1991)
>>> Como Deus cura a dor de Gabriel García Márquez pela Record (1996)
>>> Como Deus cura a dor de Mark Baker pela Sextante (2008)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Martin Claret (2008)
>>> The Landmark Dictionary - para estudantes brasileiros de inglês de Richmond pela Richmond (2008)
>>> Sherlock Holmes: Um Estudo em Vermelho de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Sherlock Holmes: O Signo dos Quatro de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Bíblia Sagrada - Ed. de Promessas de Vários pela King's Cross
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela José Olympio (2016)
>>> A Casa 7ª edição. de Ronald Claver pela Ed Lê (1998)
>>> Oferenda Lírica - Gitanjali de Rabindranath Tagore pela Coordenada (1969)
>>> Glands Our Invisible Guardians de Glands Our Invisible Guardians M. W. Kapp pela a: Grand Lodge Amorc (1954)
>>> Death in the Afternoon de Ernest Hemingway pela Scribner (2003)
>>> Look at it This Way Capa dura de Justin Cartwright pela McMillan (1990)
COLUNAS

Terça-feira, 30/10/2001
A fila sempre anda
Rafael Lima
+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Domingo mereceu música dos Titãs em homenagem, mas é a sexta-feira que todo mundo espera chegar - tanto que não precisa ter uma música só para ela. Quando recebi o convite por e-mail - ou melhor, o release, porque jornalista não faz convite, faz release de festa - nem pensei duas vezes, apesar de uma resistente dor de garganta. A programação prometia (não sei se para bem ou mal, mas prometia): às 21h00, show de Baia e os Rock Boys, depois discotecagem do DJ Dodô, fechando com show de forró. Pode até enganar trouxa, mas eu já aprendi a ler essas coisas nas entrelinhas. Friômetro, como chamo: o meu detector de roubada.

Por exemplo, nunca tinha ido a um show de Baia e os Rock Boys, mas não é preciso ser muito esperto para sacar o tipo de música que uma banda com esse nome toca. André Forastieri disse uma vez que quem ouve o disco inteiro para fazer crítica é amador; profissional ouve a primeira faixa e olhe lá; às vezes escreve só em cima do que está na capa. Eu, que não sou profissional, aprendi a aplicar essa técnica a cartazes e trailers de filmes e já sabia o que me esperava: era torcer para ser curto. Dodô é um ótimo DJ com o péssimo hábito de entrar na empolgação do público e tocar o que deixa a pista cheia, o que acaba terminando invariavelmente em Lulu Santos. Quanto ao forró, basta dizer que o Trio Forrozão, o mais famoso conjunto do ritmo arretado por aqui, era composto por 4 pessoas. No convite não dizia nem o nome do grupo. Agora, o mais engraçado era o seguinte: no release dizia que não tinha flyer - esse substituto cibernético do convite - nem nome na porta - a versão pós-moderna da carteirada - era só chegar lá e dizer que se estava indo para o aniversário do Mochilinha. Pensei em quantas cervejas eu ia ter que beber para dizer: "Escuta, eu vim aí para o aniversário do mochilinha..." como se fosse a coisa mais normal do mundo, e ser recebido com igual ar blasé sem ficar nem um pouco espantado com o ridículo da situação, lá dentro. É que o troço todo era uma festa temática - como tudo hoje em dia o é (e o que não é temático é conceitual) - de lançamento do site do estúdio de webdesign do tal Mochilinha e seu sócio, cujos nomes reais descobri visitando a, digamos assim, versão demo do site. Ô língua ruim essa que a gente fala. Tempos estranhos esses em que website tem versão demo e qualquer um pode ter identidade secreta, e não só super-herói. Pronto, já podia dizer que conhecia o respeitável senhor Júnior Simões, o que pode não ser muito original, mas melhor do que Mochilinha é. O nome do site era Tangerina alguma coisa. Na entrada do site apareciam os dois sócios cada um segurando um... caju.

Aprendi o melhor trajeto para se chegar de carro até lá, um antigo casarão em Botafogo, com um amigo que não dirige, e engasguei um pouco na porta ao dizer que tinha vindo para o aniversário do Júlio, quer dizer, do Júnior, o que não acabou não rendendo maiores problemas. Lógico que atrasar em uma hora e meia foi pouco, porque nem o tal Baia havia saído da respectiva para passar o som, nem a minha amiga tinha chegado. Pedi uma cerveja para esperar. Como tudo parecia demorar, e o local estava vazio, mais uma. Alguns casais denunciavam o gosto pelo forró nas saias hippies e sapatilhas nas mulheres e alpargatas para homens, mas também tinha a turma do cabelo laranja e piercing, e bastante mulher. Aos poucos, fui me animando com a sequencia emendada pelo DJ, que sem necessidade de colocar o povo para sacudir o esqueleto mandava um sequência de clássicas que comportava até Cole Porter. Quando tocou Walk on the Wild Side decidi que era hora de cumprimentá-lo pessoalmente.

Nisso, finalmente chega a minha amiga, que também conhece o DJ, e ele prontamente se dispõe a tocar meu pedido: Ms. Robinson. Estava ficando bom quando a música foi cortada no meio para a entrada no palco do tal Baia - os rock boys devem ter seus friômetros melhor calibrados do que ele e ficaram em casa - se auto-acompanhando com violão e gaita. Tocava um rock nordestino na linha Raul Seixas ou Zé Ramalho pré-misticismo, que te deixa pensando se o cara é assim mesmo ou se está forçando o sotaque para fazer tipo. Parece que a segunda alternativa é a correta, porque em 3 músicas já estou irritado. O sentimento não parece ser só meu, apesar das 4 pessoas na boca do palco que estão gostando, dançando e até cantando acompanhado algumas músicas. Acho que essas 4 pessoas são contratadas para fazerem coro em todos os shows ruins da cidade. É para essas 4 que o tal Baia continua tocando nos próximos infindáveis 50 minutos (psicológicos, se não cronológicos), apesar dos resmungos e ameaça de levar uma lata na testa. Aliás, o sentimento contra é tão generalizado que falar mal dele torna-se uma ótima maneira de puxar um papo com qualquer um.

Resolvi recuar e ficar no fundo batendo papo com o DJ, a minha amiga e amigas dela. Uma delas expõe uma teoria antropológica muito interessante fazendo uso de uma imagem doméstica para se referir à infidelidade masculina: a fila anda. A fila sempre anda. Pode demorar um pouco mais, pode empacar, às vezes você tem que trocar de fila como em caixa de supermercado, mas a fila sempre anda. Discutiu-se ainda como os ascendentes em umbanda determinam as características da personalidade, assim como na astrologia funciona com planetas. E o Baia arretado lá, nada de sair do palco. As cervejas já faziam seu efeito.

Finalmente o Baia se mancou, agradeceu e saiu do palco, e o Dodô pôde atacar, mas não com fúria, porque alguém da casa impedia som alto, área residencial etc. Voltamos para a rodinha, o que se há de fazer. Muita gente circulando por ali, mas a minha impressão é de que na pista só a gente, naquele arremedo de sacolejo arrítmico que um povo aí chama de dançar. Dirigir para mim é mais fácil do que dançar porque aquilo eu consigo fazer depois de umas e outras, e isso, não. Nada mais de 4 músicas depois os donos do estúdio Tangerina (e da festa) subiram no palco e abriram uma tela de projeção, parece que para apresentar o alguma coisa. Alguém tinha me falado que ia rolar um "institucional do site", mas eu me neguei levar a sério até ver os dois ali em cima. O que leva alguém a trabalhar 10 horas por dia com internet e na festa de sexta de noite ainda ficar falando de Java e HTML? O fato é que eles estavam maravilhados, Pigmaleões em transe com suas Galatéas. Rodaram a apresentação em flash vááááárias vezes, animada com musiquinha de fundo. Lá pelas tantas chamaram um cara com um violão para cantar o que seria uma espécie de hino, ou jingle do site, que era assim: "Não tem mamão, não tem melancia, não tem laranja, não tem tangerina, não tem melão, eu só quero é tangeriiiiiiiina....", e outras estrofes nessa linha. A coisa estava tão feia que as meninas por perto já suplicavam por um forró, pelamordedeus o forró. Comecei a sentir dor de cabeça e fui tomar um guaraná.

Depois de muita insistência, finalmente alguém tomou-lhes o martelo com que, qual Michelangelos ensandecidos, golpeavam o joelho daquele Moisés, que, se pudesse, provavelmente não só já teria falado, como teria gritado e esperneado, contanto que parassem de bater. Mas não deu tempo do DJ invadir, porque banda de forró invadiu o palco antes. Aliás, a essas alturas o Dodô já tinha se refastelado e estava achando a pilastra de madeira muito confortável no papel de travesseiro. A menina da teoria da fila jogou a toalha e foi embora. Meio entre o perdido e o exasperado, fiquei ali por perto das outras meninas esperando o forró começar, naquele clima da expectativa de que pior, não pode vir por aí. Uma delas identificou a minha camisa de Morro de São Paulo e mostrou para um cara que tinha voltado de lá semana passada, encabeçando um papo. Socializava-me.

Até que o forró começou, o forró mais mal tocado que me lembro. Qualquer forró quando começa faz logo aquele estrondo de zabumba que acorda quem está dormindo e sacode quem está acordado. Menos aquele. Nem as meninas que estavam ali por perto, pedindo para serem tiradas faziam cara de muita vontade. Recuei, fui procurar algum alento - e me deparei com o Dj. Dormindo. Eu, morrendo de vergonha por não ter a menor condição de dar dois passos de forró naquela altura. A dor de cabeça aumentava e já estava a ponto de ir embora e fazer um proposta bem vagabunda do tipo "conheço um lugar super legal etc." para a primeira que manifestasse interesse. Me despedi não sem ouvir um "você já vai embora?". Hm. Aí chega o Hiro, e acabam as dúvidas. Quando o Hiro chega é hora de ir embora.

Epílogo: meia hora de dor de consciência antes de dormir por não ter feito a proposta. Se tivesse sido "fica mais um pouco" ao invés "você já vai embora?" provavelmente ia ser uma hora...



Rafael Lima
Rio de Janeiro, 30/10/2001

Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/11/2001
08h48min
excelente para ser lido pois foi elaborado com muito espírito jocoso, o que torna a leitura bem ligt
[Leia outros Comentários de maria lucia puty]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sexo, Amor & Sedução
Fátima Moura
Harbra
(2006)



Demain j'arrête!
Gilles Lagardinier
Fleuve Noir
(2013)



Fundamentos de Teosofia
C. Jinarajadasa
Pensamento



Os Pilares da Terra
Ken Follett
Presença
(2007)



Coleção Educação pela Pesquisa
Cedic
Atta
(2009)



Ir e Voltar Vol. 1
José Madureira Pinto e João Queiros
Afrontamento
(2010)



O Sol de Cada Manhã
Mara Brasil
Coma Livros
(2016)



Farmacognosia - da Planta ao Medicamento
Claudia Maria Oliveira Simões e Outros...
Ufrgs
(1999)



O Brasil no Mundo Que Vem Aí
Diversos Autores
Funag
(2007)



/Entenda a Obesidade e Emagreça
Dr. Alfredo Halpern
Mg
(1994)





busca | avançada
58588 visitas/dia
1,7 milhão/mês