Os gastos da família brasileira com cultura | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/12/2006
Os gastos da família brasileira com cultura
Marcelo Maroldi

+ de 6600 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Na última semana, o IBGE divulgou o resultado de uma pesquisa que mapeou as despesas, por categoria, das famílias brasileiras em 2003. Embora o assunto tenha sido noticiado em praticamente todos os jornais, portais, etc., não creio que ele tenha recebido uma cobertura que se iguale a sua relevância, nem que tenham sido discutidos ou analisados estes dados (em especial nos quesitos "Cultura" e "Educação", itens que mais interessariam aos leitores deste Digestivo). Claro, os números em si não podemos questionar (e estes é que foram divulgados), mas não li absolutamente nada que discutisse, ainda que minimamente, os motivos que geraram esses números, se estes são satisfatórios ou não, se são explicáveis, se refletem algum setor da economia, se isso afeta a produção intelectual nacional (e de que forma), etc., e, em seguida, sugeridas ações e iniciativas para incrementar esses números no futuro. Não vi tal discussão...

No nosso país pobre, quase miserável (embora o Mainardi discorde disso), os gastos familiares com "Cultura" assumem o quarto ou sexto lugares na lista, dependendo da categoria em que enquadremos o item "Telefonia" (aliás, internet até pode ser "Cultura", mas Telefone certamente é destruidor de cultura, não tenho dúvida alguma...). Se considerarmos "Telefonia" (que engloba telefone fixo, celular e internet) no quesito "Cultura", a família brasileira coloca esse item em quarto lugar na lista (atrás de "Habitação", "Alimentação" e "Transporte") com (pasmem!) 7,88% da renda mensal, isto é, cerca de inesgotáveis e impactantes R$ 115,00. Se não consideramos "Telefonia" em "Cultura", os gastos limitam-se a singelos 4,4%, ou R$ 64,00, e o item despenca para o discreto sexto lugar da lista (e perderia, então, posições para "Saúde" e "Vestuário"). Até aí, diria eu, não há nada de anormal, afinal, não é um disparate nem uma loucura uma família gastar mais com os itens que estão a frente da lista e menos com "Cultura". As pessoas precisam comer, precisam morar, comprar remédio, etc., para viverem, e "Cultura" não é fundamental para sobrevivência (porque é o que boa parte da população nacional faz: sobrevive (apenas)).

O nosso país tem políticas culturais precárias (para não dizer inexistentes), a renda per capta é baixíssima, a economia não cresce, o número de analfabetos é alto, as vagas em terceiro grau escassas, o número de bibliotecas insuficiente, e por aí vai. Portanto, eu fico é surpreso com este item estar (na minha opinião) tão bem classificado! Por que um pai de família gastaria mais que 60 reais com "Cultura" se o dinheiro é curto e ele possui outras prioridades?, além disso não leva a lugar algum! (numa outra reportagem, dias depois, li que os profissionais que vivem de "Cultura" no Brasil recebem em média 800 reais por mês de salário e são cerca de 6 milhões de pessoas). A cultura não enche a barriga, só a alma, mas a alma não sente fome e nem precisa vestir sapato, ela pode ficar com a sobra do orçamento!

Bom, em primeiro lugar, importantíssimo dizer que se considera gasto com "Cultura" a compra de eletrodomésticos ligados a cultura (como TV, DVD e rádio), além de festas, por exemplo. É claro que isto não deixa de ser "Cultura", não posso dizer que não é, mas, cadê os gastos com livros, com teatro, museu, shows? É claro que isso foi apenas uma pequena ironia deste colunista, o povo brasileiro nem sabe o que é isso (e somente uns poucos sortudos é que sabem). Ninguém gasta nada com isso porque o povo não tem dinheiro para gastar e tampouco interesse para consumir essas coisas. Mesmo entre os que têm mais dinheiro, não há um "clima cultural" (nunca vi, por exemplo, nenhum amigo meu comprando livro que não seja para presente de aniversário de alguém, ou visitando museus, indo a exposições... nunca vi.). Não há um sentimento de quão importante é investir em cultura (e quando se tem essa consciência, não se tem amor por esta... parece que está sempre faltando algo, uma motivação para esse consumo). Além disso, as pessoas jamais vinculam cultura com diversão e entretenimento. Eles enxergam essas coisas de maneiras desconexas, assuntos que, para eles, nem sempre são ligados. Diversão é ir ao show, cultura é ir ao museu, coisas assim...

Outro dado interessante da pesquisa: os brancos gastam mais que os negros e os pardos com "Cultura". Claro, óbvio! Os brancos brasileiros recebem, segundo o censo, mais dinheiro, na média, que os negros e os pardos, logo, gastam mais. O dia em que todo mundo ganhar um salário parecido é que veremos se alguma raça gosta mais de gastar com cultura do que outra, antes disso não dá pra dizer nada. Ademais, os brancos alcançam mais as universidades (onde supostamente se consome mais produtos culturais) que os negros e os pardos e inserem-se mais no mercado profissional (e em melhores posições) dos que os outros grupos. Além desse dado, verificou-se que a família que tem como pessoa de referência alguém com ensino superior, gasta dez vezes mais com cultura do que uma família que possui a pessoa de referência sem instrução alguma (R$ 33,00 contra elevados R$ 391,00). Aqui sim temos um indício forte de que instrução (ou seja, educação) está diretamente ligada a aquisição e consumo de cultura pelas pessoas. Eu ousaria dizer que alguém instruído e com cultura ao menos mediana consome algumas revistas, jornais, um ou outro livro (mesmo que de auto-ajuda), vai ao cinema (esse item sem dúvida puxa a fila do gasto com cultura!), etc. e, assim, gasta mais. E, claro, não esquecer que, segundo o IBGE quem tem nível de escolaridade mais alto ganha salário mais alto (e, assim, gasta mais porque também tem mais). Em outras palavras, tem a faca e o queijo na mão (dinheiro para gastar e vontade de consumir).

Por fim, mencionarei a posição do item "Educação" na pesquisa (eu juro que nem queria fazê-lo!). Sétimo lugar, isso mesmo, sétimo. As escolas brasileiras são tão boas e o governo cede todo o material escolar dos estudantes, de modo que a querida família brasileira nem precisa gastar com isso, não é verdade? Ah, isso é na Coréia, confundi. No Brasil é diferente mesmo: as crianças estão fora da escola ou em escolas públicas que não as ensinam a ler e nem a escrever, e o governo está resolvendo tudo isso dando a magnífica bolsa-família... Será que ninguém pensou que para se gastar com cultura a pessoa tem que ser melhor educada?, e como não se educa nunca, nunca irá consumir?! Quem é que está correndo atrás do próprio rabo, afinal? (Eu já nem sei mais... minha cabeça está queimando com esse assunto maldito, ah, eu deveria voltar aos meus textos de amor, caríssimos...)

Qualquer iniciativa de melhorar esses percentuais apresentados (só os percentuais, pois ganhar posições é quase impossível) resultará, em algum momento mais breve ou menos breve, em discutir apenas duas coisas: como distribuir melhor a renda no nosso país e como imprimir na população a sensação de que a cultura e a educação são necessárias para o bem-estar e crescimento econômico, social e, principalmente, pessoal. Distribuir a renda não tenho a mínima idéia de como conseguir (nada de crescer o bolo para depois dividi-lo, por favor!), não sou economista (ainda bem), mas provavelmente isso é conseguido através da igualdade de acesso a escola e a faculdade, o que resultará em acesso a empregos no médio prazo, e nunca através de políticas medíocres e populistas como tem sido. Para conseguir fazer as pessoas entenderem que é importante estudar, ter acesso a arte e a cultura (e então as incorporar em suas vidas e consumi-las), é somente através da educação (básica principalmente, quando o menino poderá perceber que sem isso ele será um excluído socialmente e, pior, um ser humano paupérrimo de conteúdo), do despertar do gosto artístico, do interesse pelo conhecimento, por respostas, por aprofundamento ideológico, cultural. Infelizmente é assim. Depois disso, se nada de errado acontecer, as famílias daqui 50 anos gastarão mais com cultura e os reflexos serão evidentes na nossa sociedade.

Marcelo Maroldi
São Paulo, 7/12/2006



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Eleitos, de Tom Wolfe de Jorge Wagner


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2006
01. Receita para se esquecer um grande amor - 3/8/2006
02. Dos amores possíveis - 20/3/2006
03. A educação atual de nossas crianças - 27/2/2006
04. A crise dos 28 - 30/1/2006
05. Orkut way of life - 13/2/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/12/2006
15h40min
Ainda sobre essa pesquisa do IBGE, em todas as classes sociais as famílias informaram gastar mais indo a boates, danceterias e discotecas do que com cinemas, teatros ou shows. E também os gastos com festas, como aniversários e casamentos, foram muito superiores aos gastos com outras atividades de lazer cultural. Quer dizer, só muita educação mesmo para mudar essa realidade. Enquanto isso, vai ser difícil o povo brasileiro entender a importância de alimentar a alma com cultura.
[Leia outros Comentários de Rose Peixer]
7/12/2006
20h38min
Concordo com Marcelo e Rose; só mesmo com Educação, e (infelizmente) a longo prazo, a situação irá melhorar neste nosso país. Exemplos lá fora não faltam; aqui dentro só vemos iniciativas individuais (o pai/mãe instruídos dão acesso à instrução/educação a seus filhos). Cadê uma iniciativa séria e comprometida do governo para mudar isso? E cadê uma atitude de continuidade de políticas sérias que estão dando certo, sem pensar em quem é o "pai da criança", ou quem vai ficar com a fama? É, precisamos evoluir muito ainda... enquanto isso, cada um de nós faz a sua parte (na medida do possível). Quanto ao que é cultura... isso depende de quem "lê" os dados. Uma abraço, Cristine
[Leia outros Comentários de Cristine]
7/12/2006
21h33min
Marcelo, gostei de seu "desabafo". Um país como o nosso, onde a raiz profunda do eterno "jeitinho" nunca é tocada para ser mudada, não se deve esperar só por 50 anos. Triste isto. Enquanto isto... vamos andar geraçoes e mais geraçoes atrás dos paises desenvolvidos. O orçamento, que vira a menina dos olhos de quem governa de fato por aqui, já está dando o que falar sobre cortes, e acredito que vá sobrar para a educação... Pior que isto, se temos um presidente que se gaba de ser ignorante, só podemos assistir pela lógica que esperteza tem mais significado que educação e cultura. Lastimável. Parabéns pela matéria e pelo questionamento.
[Leia outros Comentários de Liza]
8/12/2006
13h12min
O IBGE confundiu a pesquisa, o mesmo vinculou consumo de aparelhos celulares, internet, cursos de informática, como se isso fosse consumo cultural. Se o IBGE quer publicar essa espécie de pesquisa, em minha opinião ele deveria procurar investigar qual o gasto mensal que os brasileiros tem com livros, interesses em irem em exposições, teatro, dança, shows, cinema, etc., ainda que seja uma parte pequena da sociedade. Inclusive, qual perfil de público que gasta ou freqüenta esses segmentos culturais. Em meu modo de ver, isso é uma pesquisa relacionada a cultura, pois, até hoje, nós, Produtores de Eventos Culturais, estamos aguardando essa espécie de divulgação do IBGE. Lamentavel, aliás, essa divulgação do IBGE. Melhor seria que ele não tivesse gastado nosso dinheiro com essa espécie de pesquisa.
[Leia outros Comentários de Alvaro Augusto]
10/12/2006
09h51min
É preocupante o desvio de interesse do brasileiro na área cultural. Sempre procuramos um culpado, porém o que fazer diante de uma TV que privilegia o besteirol, que aliena e que apresenta um padrão de sucesso? Esta TV é feita por pessoas que têm amplo acesso à cultura, no entanto orquestra a alienação. Está presente nos lares de todas as classes sociais, tem elevado poder de persuasão e deixa quase inaudível a voz daqueles que tentam acordar a sociedade para a realidade cultural. Sempre foi assim e a tendência é piorar. A notícia, a imagem, a música que vende é a que mais aliena e estas viram moda. Bom seria se fosse criada uma lei de quotas para mensagens culturais a ser aplicada em todos os programas televisivos, como condição para a permanência da concessão do espaço. Fica a idéia. Com certeza seria como mexer em casa de marimbondos. Enquanto isto, todos os envolvidos diretamente com cultura ou os simpatizantes (incluo-me neste), temos que assumir a postura de missionários da cultura...
[Leia outros Comentários de Edna Queiroz]
15/12/2006
10h48min
Muito elucidativo este seu texto, concordo em muita coisa do que escreveu, é muito triste perceber o qto as pessoas não se interessam pela cultura (que está presente num livro, numa peça de teatro, e por aí vai)... Digo isto daquelas pessoas que têm acesso a isso e não têm interesse, já que há tb aqueles que por condições financeiras não sabem o que é isso.... E agora percebemos esta falsa idéia de que os brasileiros estão aumentando os seus gastos com cultura.
[Leia outros Comentários de Shirley]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BESOURO E PRATA
ANA MARIA MACHADO
ÁTICA
(1994)
R$ 12,00



BRASIL ANO 2000 O FUTURO SEM FANTASIA
JOSÉ ITAMAR DE FREITAS
ED. MONTERREY
(1969)
R$ 5,00



A SELEÇÃO BRASILEIRA DE TODOS OS TEMPOS
REALIDADE
ABRIL
(1970)
R$ 25,00
+ frete grátis



INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
A GUILHERME GALLIANO
HARBRA
(1981)
R$ 23,92



EXPEDIÇÕES GEOGRÁFICAS 8
MELHEM ADAS, SÉRGIO ADAS
MODERNA
(2011)
R$ 25,00



ENCICLOPÉDIA FAÇA VOCÊ SOZINHO ENCANAMENTOS E ALVENARIA
SANTIAGO PEY ESTRANY
HEMUS
(1979)
R$ 7,90



CURSO DE FÍSICA BÁSICA VOLUME 4 - ÓTICA, RELATIVIDADE E FÍSICA QUÂNTICA
H. MOYSES NUSSENZVEIG
EDGARD BLÜCHER
(2004)
R$ 45,00



LA GALLINA, EL INFINITO Y EL LIBRE ALBEDRIO
MARCELO A. CROTTI
EDITORIAL DUNKEN
(2009)
R$ 39,90



SINCERAMENTE CARTER
WHITNEY GRACIA
UNIVERSO DOS LIVROS
(2017)
R$ 29,23



VIDAS MARCADAS
RACHEL LEE
BEST SELLER
(2002)
R$ 15,00





busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês