Os gastos da família brasileira com cultura | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
>>> O Sol é Para Todos
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
Mais Recentes
>>> Almas de lama e de aço de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> Civilização E Barbárie N'Os Sertões: Entre Domingo Faustino Sarmiento E Euclides Da Cunha de Miriam V Gárate pela Fapesp (2001)
>>> Herois E Bandidos - Os Cangaceiros Do Nordeste de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> O Cabeleira de Franklin Távora pela Abc (2021)
>>> Recados da Vida de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1983)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo Livros (2013)
>>> Novas Mensagens de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1987)
>>> Bellini e o Demônio de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Problema do Ser, do Destino e da Dor de Léon Denis pela Feb (1999)
>>> Energia Elétrica e Integração na América do Sul de Ligia Maria Martins Cabral pela Centro da Memória da Eletric (2004)
>>> Sylvio Pinto. 55 anos de pintura de José Maria Carneiro pela Rbm (1993)
>>> Jornal Nacional - Modo de Fazer de William Bonner pela Globo (2008)
>>> Design sem Fronteiras: a Relação Entre o Nomadismo e a Sustentabilidade de Lara Leite Barbosa pela Edusp (2012)
>>> Dicionário de sociologia: Guia prático da linguagem sociológica de Allan Johnson pela Jorge Zahar (1997)
>>> Quando fui outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> Português Alemão Português Vocabulário Básico de Curso de Idiomas Globo pela Globo (1991)
>>> Os espiões de Luis Fernando Verissimo pela Alfaguara (2009)
>>> Minidicionário Alemão Português Portugues Alemão de Erich Ronald Zwickau pela Edelbra
>>> Dicionário Inglês Português - Português Inglês de Liege Maria de Souza Marucci pela Bicho Esperto (2012)
>>> Morrer de Prazer de Ruy Castro pela Foz (2013)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Par Ou Ímpar - Vivendo a Matemática de José Jakubovic pela Scipione (1992)
>>> The Brothers Karamazov de Fyodor Dostoyevsky pela University of Chicago (1989)
>>> Capítulos de História Colonial 1500-1800 de J. Capistrano de Abreu pela Publifolha (2000)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/12/2006
Os gastos da família brasileira com cultura
Marcelo Maroldi

+ de 7000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Na última semana, o IBGE divulgou o resultado de uma pesquisa que mapeou as despesas, por categoria, das famílias brasileiras em 2003. Embora o assunto tenha sido noticiado em praticamente todos os jornais, portais, etc., não creio que ele tenha recebido uma cobertura que se iguale a sua relevância, nem que tenham sido discutidos ou analisados estes dados (em especial nos quesitos "Cultura" e "Educação", itens que mais interessariam aos leitores deste Digestivo). Claro, os números em si não podemos questionar (e estes é que foram divulgados), mas não li absolutamente nada que discutisse, ainda que minimamente, os motivos que geraram esses números, se estes são satisfatórios ou não, se são explicáveis, se refletem algum setor da economia, se isso afeta a produção intelectual nacional (e de que forma), etc., e, em seguida, sugeridas ações e iniciativas para incrementar esses números no futuro. Não vi tal discussão...

No nosso país pobre, quase miserável (embora o Mainardi discorde disso), os gastos familiares com "Cultura" assumem o quarto ou sexto lugares na lista, dependendo da categoria em que enquadremos o item "Telefonia" (aliás, internet até pode ser "Cultura", mas Telefone certamente é destruidor de cultura, não tenho dúvida alguma...). Se considerarmos "Telefonia" (que engloba telefone fixo, celular e internet) no quesito "Cultura", a família brasileira coloca esse item em quarto lugar na lista (atrás de "Habitação", "Alimentação" e "Transporte") com (pasmem!) 7,88% da renda mensal, isto é, cerca de inesgotáveis e impactantes R$ 115,00. Se não consideramos "Telefonia" em "Cultura", os gastos limitam-se a singelos 4,4%, ou R$ 64,00, e o item despenca para o discreto sexto lugar da lista (e perderia, então, posições para "Saúde" e "Vestuário"). Até aí, diria eu, não há nada de anormal, afinal, não é um disparate nem uma loucura uma família gastar mais com os itens que estão a frente da lista e menos com "Cultura". As pessoas precisam comer, precisam morar, comprar remédio, etc., para viverem, e "Cultura" não é fundamental para sobrevivência (porque é o que boa parte da população nacional faz: sobrevive (apenas)).

O nosso país tem políticas culturais precárias (para não dizer inexistentes), a renda per capta é baixíssima, a economia não cresce, o número de analfabetos é alto, as vagas em terceiro grau escassas, o número de bibliotecas insuficiente, e por aí vai. Portanto, eu fico é surpreso com este item estar (na minha opinião) tão bem classificado! Por que um pai de família gastaria mais que 60 reais com "Cultura" se o dinheiro é curto e ele possui outras prioridades?, além disso não leva a lugar algum! (numa outra reportagem, dias depois, li que os profissionais que vivem de "Cultura" no Brasil recebem em média 800 reais por mês de salário e são cerca de 6 milhões de pessoas). A cultura não enche a barriga, só a alma, mas a alma não sente fome e nem precisa vestir sapato, ela pode ficar com a sobra do orçamento!

Bom, em primeiro lugar, importantíssimo dizer que se considera gasto com "Cultura" a compra de eletrodomésticos ligados a cultura (como TV, DVD e rádio), além de festas, por exemplo. É claro que isto não deixa de ser "Cultura", não posso dizer que não é, mas, cadê os gastos com livros, com teatro, museu, shows? É claro que isso foi apenas uma pequena ironia deste colunista, o povo brasileiro nem sabe o que é isso (e somente uns poucos sortudos é que sabem). Ninguém gasta nada com isso porque o povo não tem dinheiro para gastar e tampouco interesse para consumir essas coisas. Mesmo entre os que têm mais dinheiro, não há um "clima cultural" (nunca vi, por exemplo, nenhum amigo meu comprando livro que não seja para presente de aniversário de alguém, ou visitando museus, indo a exposições... nunca vi.). Não há um sentimento de quão importante é investir em cultura (e quando se tem essa consciência, não se tem amor por esta... parece que está sempre faltando algo, uma motivação para esse consumo). Além disso, as pessoas jamais vinculam cultura com diversão e entretenimento. Eles enxergam essas coisas de maneiras desconexas, assuntos que, para eles, nem sempre são ligados. Diversão é ir ao show, cultura é ir ao museu, coisas assim...

Outro dado interessante da pesquisa: os brancos gastam mais que os negros e os pardos com "Cultura". Claro, óbvio! Os brancos brasileiros recebem, segundo o censo, mais dinheiro, na média, que os negros e os pardos, logo, gastam mais. O dia em que todo mundo ganhar um salário parecido é que veremos se alguma raça gosta mais de gastar com cultura do que outra, antes disso não dá pra dizer nada. Ademais, os brancos alcançam mais as universidades (onde supostamente se consome mais produtos culturais) que os negros e os pardos e inserem-se mais no mercado profissional (e em melhores posições) dos que os outros grupos. Além desse dado, verificou-se que a família que tem como pessoa de referência alguém com ensino superior, gasta dez vezes mais com cultura do que uma família que possui a pessoa de referência sem instrução alguma (R$ 33,00 contra elevados R$ 391,00). Aqui sim temos um indício forte de que instrução (ou seja, educação) está diretamente ligada a aquisição e consumo de cultura pelas pessoas. Eu ousaria dizer que alguém instruído e com cultura ao menos mediana consome algumas revistas, jornais, um ou outro livro (mesmo que de auto-ajuda), vai ao cinema (esse item sem dúvida puxa a fila do gasto com cultura!), etc. e, assim, gasta mais. E, claro, não esquecer que, segundo o IBGE quem tem nível de escolaridade mais alto ganha salário mais alto (e, assim, gasta mais porque também tem mais). Em outras palavras, tem a faca e o queijo na mão (dinheiro para gastar e vontade de consumir).

Por fim, mencionarei a posição do item "Educação" na pesquisa (eu juro que nem queria fazê-lo!). Sétimo lugar, isso mesmo, sétimo. As escolas brasileiras são tão boas e o governo cede todo o material escolar dos estudantes, de modo que a querida família brasileira nem precisa gastar com isso, não é verdade? Ah, isso é na Coréia, confundi. No Brasil é diferente mesmo: as crianças estão fora da escola ou em escolas públicas que não as ensinam a ler e nem a escrever, e o governo está resolvendo tudo isso dando a magnífica bolsa-família... Será que ninguém pensou que para se gastar com cultura a pessoa tem que ser melhor educada?, e como não se educa nunca, nunca irá consumir?! Quem é que está correndo atrás do próprio rabo, afinal? (Eu já nem sei mais... minha cabeça está queimando com esse assunto maldito, ah, eu deveria voltar aos meus textos de amor, caríssimos...)

Qualquer iniciativa de melhorar esses percentuais apresentados (só os percentuais, pois ganhar posições é quase impossível) resultará, em algum momento mais breve ou menos breve, em discutir apenas duas coisas: como distribuir melhor a renda no nosso país e como imprimir na população a sensação de que a cultura e a educação são necessárias para o bem-estar e crescimento econômico, social e, principalmente, pessoal. Distribuir a renda não tenho a mínima idéia de como conseguir (nada de crescer o bolo para depois dividi-lo, por favor!), não sou economista (ainda bem), mas provavelmente isso é conseguido através da igualdade de acesso a escola e a faculdade, o que resultará em acesso a empregos no médio prazo, e nunca através de políticas medíocres e populistas como tem sido. Para conseguir fazer as pessoas entenderem que é importante estudar, ter acesso a arte e a cultura (e então as incorporar em suas vidas e consumi-las), é somente através da educação (básica principalmente, quando o menino poderá perceber que sem isso ele será um excluído socialmente e, pior, um ser humano paupérrimo de conteúdo), do despertar do gosto artístico, do interesse pelo conhecimento, por respostas, por aprofundamento ideológico, cultural. Infelizmente é assim. Depois disso, se nada de errado acontecer, as famílias daqui 50 anos gastarão mais com cultura e os reflexos serão evidentes na nossa sociedade.

Marcelo Maroldi
São Paulo, 7/12/2006



Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2006
01. Receita para se esquecer um grande amor - 3/8/2006
02. Dos amores possíveis - 20/3/2006
03. A educação atual de nossas crianças - 27/2/2006
04. A crise dos 28 - 30/1/2006
05. Orkut way of life - 13/2/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/12/2006
15h40min
Ainda sobre essa pesquisa do IBGE, em todas as classes sociais as famílias informaram gastar mais indo a boates, danceterias e discotecas do que com cinemas, teatros ou shows. E também os gastos com festas, como aniversários e casamentos, foram muito superiores aos gastos com outras atividades de lazer cultural. Quer dizer, só muita educação mesmo para mudar essa realidade. Enquanto isso, vai ser difícil o povo brasileiro entender a importância de alimentar a alma com cultura.
[Leia outros Comentários de Rose Peixer]
7/12/2006
20h38min
Concordo com Marcelo e Rose; só mesmo com Educação, e (infelizmente) a longo prazo, a situação irá melhorar neste nosso país. Exemplos lá fora não faltam; aqui dentro só vemos iniciativas individuais (o pai/mãe instruídos dão acesso à instrução/educação a seus filhos). Cadê uma iniciativa séria e comprometida do governo para mudar isso? E cadê uma atitude de continuidade de políticas sérias que estão dando certo, sem pensar em quem é o "pai da criança", ou quem vai ficar com a fama? É, precisamos evoluir muito ainda... enquanto isso, cada um de nós faz a sua parte (na medida do possível). Quanto ao que é cultura... isso depende de quem "lê" os dados. Uma abraço, Cristine
[Leia outros Comentários de Cristine]
7/12/2006
21h33min
Marcelo, gostei de seu "desabafo". Um país como o nosso, onde a raiz profunda do eterno "jeitinho" nunca é tocada para ser mudada, não se deve esperar só por 50 anos. Triste isto. Enquanto isto... vamos andar geraçoes e mais geraçoes atrás dos paises desenvolvidos. O orçamento, que vira a menina dos olhos de quem governa de fato por aqui, já está dando o que falar sobre cortes, e acredito que vá sobrar para a educação... Pior que isto, se temos um presidente que se gaba de ser ignorante, só podemos assistir pela lógica que esperteza tem mais significado que educação e cultura. Lastimável. Parabéns pela matéria e pelo questionamento.
[Leia outros Comentários de Liza]
8/12/2006
13h12min
O IBGE confundiu a pesquisa, o mesmo vinculou consumo de aparelhos celulares, internet, cursos de informática, como se isso fosse consumo cultural. Se o IBGE quer publicar essa espécie de pesquisa, em minha opinião ele deveria procurar investigar qual o gasto mensal que os brasileiros tem com livros, interesses em irem em exposições, teatro, dança, shows, cinema, etc., ainda que seja uma parte pequena da sociedade. Inclusive, qual perfil de público que gasta ou freqüenta esses segmentos culturais. Em meu modo de ver, isso é uma pesquisa relacionada a cultura, pois, até hoje, nós, Produtores de Eventos Culturais, estamos aguardando essa espécie de divulgação do IBGE. Lamentavel, aliás, essa divulgação do IBGE. Melhor seria que ele não tivesse gastado nosso dinheiro com essa espécie de pesquisa.
[Leia outros Comentários de Alvaro Augusto]
10/12/2006
09h51min
É preocupante o desvio de interesse do brasileiro na área cultural. Sempre procuramos um culpado, porém o que fazer diante de uma TV que privilegia o besteirol, que aliena e que apresenta um padrão de sucesso? Esta TV é feita por pessoas que têm amplo acesso à cultura, no entanto orquestra a alienação. Está presente nos lares de todas as classes sociais, tem elevado poder de persuasão e deixa quase inaudível a voz daqueles que tentam acordar a sociedade para a realidade cultural. Sempre foi assim e a tendência é piorar. A notícia, a imagem, a música que vende é a que mais aliena e estas viram moda. Bom seria se fosse criada uma lei de quotas para mensagens culturais a ser aplicada em todos os programas televisivos, como condição para a permanência da concessão do espaço. Fica a idéia. Com certeza seria como mexer em casa de marimbondos. Enquanto isto, todos os envolvidos diretamente com cultura ou os simpatizantes (incluo-me neste), temos que assumir a postura de missionários da cultura...
[Leia outros Comentários de Edna Queiroz]
15/12/2006
10h48min
Muito elucidativo este seu texto, concordo em muita coisa do que escreveu, é muito triste perceber o qto as pessoas não se interessam pela cultura (que está presente num livro, numa peça de teatro, e por aí vai)... Digo isto daquelas pessoas que têm acesso a isso e não têm interesse, já que há tb aqueles que por condições financeiras não sabem o que é isso.... E agora percebemos esta falsa idéia de que os brasileiros estão aumentando os seus gastos com cultura.
[Leia outros Comentários de Shirley]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aprendiz do Futuro Cidadania Hoje e Amanha
Gilberto Dimenstein
Ática
(1997)



Sonata ao Luar
Álvaro Cardoso Gomes
Quinteto
(1995)



Liberte-se das Velhas Ideias
Patrick Lencioni
Elsevier
(2010)



O Vento e a tempestade - Volume I
Francisco Dirceu Barros
Consullex
(2021)
+ frete grátis



A Questão Nacional em Porto Rico: o Partido Nacionalista 1922-1954
Kátia Gerab Baggio
Anna Blume
(1998)



Não Existe Vitória sem Sacrifício
Diego Hypolito
Benvirá
(2019)



Português e Literatura
Aires da Mata Machado Filho
Santa Maria S/a
(1955)



Francisco de Asís (em Espanhol) - 3 Ex.
João Nunes Maia / pelo Espírito Miramez
Fonte Viva
(1998)



Tenho Diabetes Tipo 1, E Agora
Mark Barone
All Print
(2010)



Conexões: de George Washington a Compadre Washington
George Washington a Compadre / Superinteressante
Abril
(2016)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês