453 – São Paulo para gregos e troianos | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O jornalismo que dá nojo
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Útil paisagem
>>> O Brasil da inovação
>>> A terra das oportunidades
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Two lost souls living in a fish bowl
>>> Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Almanaque Total sagitário de André De Biasi pela Três
>>> Obra Imatura de Mário de Andrade pela Agir (2009)
>>> Plotinus - ennead ii, v.2 de Plotino; A. Hilary Armstrong pela Loeb (1966)
>>> A Vida dos Grandes Compositores de Harold C. Schonberg pela Novo Século (2012)
>>> Não Há Silêncio Que Não ermine de Ingrid Betancourt pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Almirante Nelson -0 O Homem que derrotou Napoleão de Armando Vidigal pela Contexto (2012)
>>> No ser DIOS - Una Autobiografía a Cuatro Manos de Gianni Vattimo e Piergiorgio Paterlini pela Paidós Entornos 7 (2008)
>>> Pilares para uma Vida Saudável de Mohamad Barakat pela Vital (2017)
>>> Anticâncer Prevenir e vencer usando nossas defesas naturais de David Servan-Schreiber pela Fontanar (2008)
>>> A Marca da Vitória de Phil Knight pela Sextante (2016)
>>> O Grande Livro da Saúde Natural - 73 Segredos da Cura Sem Remédios de Jolovi Natural Health pela Jalovi Natural (2018)
>>> Slapstick Lonesome no more! de Kurt Vonnegut pela Dell (1976)
>>> Relatos de uma Quarentena de Acioli Junior pela Promove (2020)
>>> Les Fiançailles D'Imogène de Exbrayat pela Champs - Elysees (1971)
>>> Ce Jésus Qu'on Applle Christ de Jacques Loew pela Fayard-Mame (1970)
>>> The Enciclopedia of Reality - A Guide to the New Age de Kalinka Matson pela Granada (1979)
>>> The New Yorker de Owen Smith pela Condé Nast (2020)
>>> A Cada Um o Seu de Leonardo Sciascia pela Objetiva (2007)
>>> Rolling Stone Magazine April 2020 de Greta Thunberg pela Penske (2020)
>>> Wire Magazine 432 February 2020 de The Wire pela The Wire Magazine (2020)
>>> Songlines 107 May 2020 de Moonlight benjamin pela Ma (2020)
>>> Prog Magazine 110 June 2020 de Rick Wakeman pela Future (2020)
>>> Prog Magazine 107 March 2020 de Yes pela Future (2020)
>>> Playboy Magazine Fall 2019 de Kylie Jenner pela Playboy (2019)
>>> Downbeat Magazine April 2020 de Gregory Porter pela Db (2020)
>>> Le Coté de Guermantes de Marcel Proust pela Gllimard (1945)
>>> House & Garden July/August 2020 de Where the Hearts pela Condé Nast (2020)
>>> Uncut Magazine July 2020 de Bob Marley pela Bandlab (2020)
>>> Drogas e Álcool no Local de Trabalho de Drusilla Campbell e Marilyn Graham pela Nórdica (1991)
>>> Uncut Magazine June 2020 de Prnce pela Bandlab (2020)
>>> Uncut Magazine May 2020 de George Harrison pela Bandlab (2020)
>>> Os Deuses subterrâneos de Cristovam Buarque pela Record (2005)
>>> Uncut Magazine December 2019 de Bob Dylan pela Bandlab (2019)
>>> O livro da sabedoria dos pais de Edward Holffman pela Dcl (2010)
>>> O prazer da produção científica de Israel Belo de Azevedo pela Unimep (1998)
>>> O leque de Oxum de Vasconcelos Maia pela Ponte da Memória (2006)
>>> O mar, o Marujo de Mauro a. L. Hespanhol pela Chiado (2012)
>>> Os 4 pilares da lucratividade de Leslie H. Moeller; Edward C. Landry pela Campus (2010)
>>> A fuga de João Goulart de Hélio Silva pela Três (1998)
>>> A Majestade do Xingu de Moacyr Scliar pela Deagostini (2004)
>>> Memórias Sentimentais de João Miramar de Oswald de Andrade pela José Olympio (1973)
>>> Noventa e Três de Victor Hugo pela Otto (1980)
>>> A Queda de Albert Camus pela Circulo do Livro (1986)
>>> Você - A idéia mais fantástica de Deus de Max Lucado pela Thomas Nilson (2007)
>>> The abolition of the Brazilian slave trade de Leslie Bethell pela Cambridge University Press (2009)
>>> O processo de Franz Kafka pela Globo (1997)
>>> A brincadeira de Milan Kundera pela Circulo do Livro (1967)
>>> Vôo Noturno de A. de Saint - Exupery pela Circulo do Livro (1985)
>>> A Segunda Dama de Irving Wallace pela Circulo do Livro (1980)
>>> O RETRATO DE dORIAN gray de Oscar Wilde pela Circulo do Livro (1975)
COLUNAS

Segunda-feira, 29/1/2007
453 – São Paulo para gregos e troianos
Verônica Mambrini

+ de 8700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Ou minha pequena contribuição para amar uma cidade tão detestável

Todo mundo sabe que São Paulo era só uma vilinha à toa, jogada no meio do nada, servindo de missão jesuítica, primeiro, e depois, de entreposto comercial. Mesmo os ciclos do ouro e do café não mudaram tanto o jeitão pacato e interiorano de São Paulo de Piratininga. Mas de repente, um lugarejo perdido na mata atlântica virou um monstro de conurbações e ferocidade asfaltada. Começou com a vinda dos imigrantes italianos, em fins do século XIX, seguiu com café e indústria; daí, o trem descarrilou. Deixo os detalhes para vocês lerem aqui. O que importa é que eu nasci na cidade mais urbanizada e difícil do País, e que na última semana fez aniversário - 453 anos.

São Paulo é praticamente um "poço de lixo", já que a barreira natural da Serra do Mar não deixa a poluição massiva gerada aqui se dispersar. A rotatividade da mão-de-obra é uma das maiores do Brasil. Se isso é um problema grave para quem já está enraizado na cidade há gerações, para quem vem de fora concretiza a imagem perfeita da "terra das oportunidades". Isso traz uma infinidade de conseqüências, como crescimento desenfreado, violência urbana, insuficiência na infra-estrutura, e por aí vai. A lista de motivos para fugir de São Paulo é enorme. Mas Sampa continua crescendo, absorvendo pessoas, tendências, mudanças. Essa receptividade toda, junto com os contrastes econômicos, culturais e sociais esculpiram a relação de amor e ódio pela cidade tão típica de quem vive aqui.

Nesse aniversário, a cidade está bem caidinha. Um dos marcos que está abrilhantando a efeméride, de mãos dadas com o atual governo, é a inauguração da nova Avanhandava, rua do centro de São Paulo que acaba de passar por uma reforma completa. O restauranteur Walter Mancini (que já tinha três casas na rua e aproveitou a oportunidade para inaugurar mais três) fez um belo trabalho urbanístico, investindo pesado em conjunto com a operadora de cartão de crédito Visa e com a prefeitura. Mas - inevitável nesse tipo de consórcio - as benfeitorias giram em torno do consumo. Caso semelhante aconteceu com a rua Oscar Freire. Se é bom que a iniciativa privada se responsabilize pela conservação e urbanismo do seu entorno, é perigoso que o poder público concentre seus investimentos onde há interesse de capital privado. Caetano Veloso já matou a charada faz tempo: é "a força da grana que ergue e destrói coisas belas". A depender desse tipo de parceria, não havendo interesses comerciais, as regiões mais pobres da cidade continuam sem os investimentos necessários.

Essa questão - a do espaço público - é um dos problemas estruturais de São Paulo que mais me incomodam. Aqui, a coisa pública não está intrinsecamente ligada ao interesse coletivo. A classe média se satisfaz com shoppings centers e a classe alta cria seus bunkers, com lazer e segurança inclusos na taxa de manutenção do condomínio. Não há praças, parques e centros culturais pulverizados pelos bairros, de forma a atender a demanda de todos os estratos sociais da população. Para a maioria esmagadora dos paulistanos, não há onde praticar esportes, namorar, passear, conviver, sem precisar consumir. Minha avó, nascida e criada no Cambuci (bairro meio esquecido pela especulação imobiliária, ainda com suas vilinhas operárias italianadas por estreitos sobradinhos), é descendente de italianos e de espanhóis. Ela conta que conheceu meu avô no footing, costume antigo de passear com os amigos em alguma praça, geralmente perto de casa mesmo. Assim se construía a malha social, num espaço de todos e mais democrático.

Talvez por essa falta de espaços públicos de qualidade os cariocas que vêm parar por essas plagas fiquem tão perdidos. Solte um carioca em São Paulo e ele perde o chão. Além se desorientar com a falta de mar, a própria configuração da cidade conspira pela solidão. Não tem o contraste da natureza estonteantemente bela e sobretudo da praia, que democratiza a felicidade. No Rio de Janeiro, o sofá da sala de estar fica virado para a janela, para a paisagem. É o contrário de São Paulo, cidade de interiores, onde tudo se volta para dentro. Desse defeito nasce também uma qualidade inequívoca (ajudada pela imigração de gente do mundo todo para cá): a variedade da gastronomia que se encontra na cidade. Mais um clichê para engrossar a lista: programa de paulistano é sair para jantar. A bem da verdade, no Brasil, São Paulo é o paraíso para quem gosta de comer bem. Dá para achar restaurantes de todos os níveis e tipos, para todos gostos e bolsos. Além de a padaria e mais ainda, a pizzaria, serem verdadeiras instituições paulistanas. Basta dar uma olhada em qualquer guia turístico: a maioria das atrações de Sampa City vêm acompanhadas de garfo e faca.

São Paulo bate sim, em quem vem para cá. Mas é uma relação rodrigueana, um tapa seguido de carícias. E mesmo que essa receptividade seja meio torta, todo mundo acaba se encaixando aqui de um jeito ou de outro (com exceção, talvez, dos cariocas), porque a cidade é tão esquizofrênica, comporta tantas cidadelas se sobrepondo celeremente, que em alguma delas a pessoa se há de ajustar. Daí, São Paulo é tantas cidades que não é nenhuma. Sempre fica um buraco, um pedaço faltando - possivelmente seja isso que dê um mínimo sentido de integração. Parafraseando Tom Jobim, viver em São Paulo é uma merda mas é bom. Fora daqui, é bom, mas é uma merda. Nada resta aos paulistanos senão sermos doentes por essa cidade.

Nota do Editor
Leia também "Para amar São Paulo"


Verônica Mambrini
São Paulo, 29/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. No palco da vida, o feitiço do escritor de Cassionei Niches Petry
02. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
03. Meu Caderno de Poemas de Ricardo de Mattos
04. O desempenho da China no desenvolvimento de costas de Vicente Escudero
05. Suicídio on-line põe internet no banco dos réus de Marcelo Spalding


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/1/2007
19h13min
Verônica, muito pertinente seu texto. O aniversário dessa cidade não poderia passar batido neste DC. Acho que aqui, quando se chega, ou se coloca o rabo entre as pernas e volta rapidinho pra casa ou se apaixona de vez... Um abraço, Maroldi
[Leia outros Comentários de Marcelo Maroldi]
26/6/2007
21h53min
Verô, parabéns pelo texto! Você soube escrever parte do que sinto pela cidade. É aquele sentimento de quando se está longe e não vê a hora de chegar aqui para matar a saudade! Beijos!!!
[Leia outros Comentários de Nilson]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MISTÉRIO NA MORADA DO SOL
ISA SILVEIRA LEAL
MODERNA
(1983)
R$ 5,00



EVANGELHO ETERNO E ORAÇÕES PRODIGIOSAS
OSVALDO POLIDORO
ASSAHI
(2006)
R$ 7,50



ANDROPAUSA
JUAN CARLOS KUSNETZOFF
GENTE
(1997)
R$ 6,90



TÁBUA DE LOGARITMOS 4ª EDIÇÃO
ALBERTO NUNES SERRÃO
FENAME
(1963)
R$ 5,00



SOCIOLOGIA PARA O ENSINO MÉDIO
NELSON DACIO TOMAZI
SARAIVA
(2010)
R$ 59,90



O HOMEM É DEUS QUANDO CRIA
RENATO EZEQUIEL
ARMAZÉM DE IDÉIAS
(2002)
R$ 6,00



JAPONÊS O MELHOR GUIA DE CONVERSAÇÃO
JOSEPH R. MORGAN
VINTE UM
(2005)
R$ 14,00



CE JÉSUS QU'ON APPLLE CHRIST
JACQUES LOEW
FAYARD-MAME
(1970)
R$ 17,00



THE PROFESSIONALS BOOK OF SKILLS AND TACTICS (FUTEBOL)
KEN JONES E PAT WELTON (CAPA DURA)
MARSHALL CAVENDISH (LONDRES)
(1973)
R$ 48,82



O FATOR RENOVAÇÃO
ROBERT H. WATERMAN JR.
HARBRA
(1989)
R$ 7,00





busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês