A universalidade de Anish Kapoor | Simone Oliveira | Digestivo Cultural

busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 3/4/2007
A universalidade de Anish Kapoor
Simone Oliveira

+ de 7300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

De família indiana e judia, Anish Kapoor visa a universalidade em suas obras. Começou a ganhar visibilidade nos anos 80 e atualmente tem realizado obras em localidades como Londres, Milão, Zurique, Nova York e Chicago - que gastou cerca de US$ 23 milhões na peça Cloude Gate, onde o artista demorou cinco anos para fazer o polimento, e é considerada a obra pública mais cara do mundo, afetuosamente apelidada pela população de "feijão", pela semelhança com o vegetal.

Hoje, aos 52 anos, Anish Kapoor é uma celebridade no circuito de arte pública internacional e muitos países e prefeituras ao redor do mundo competem ferozmente para ostentar em praças, uma criação sua.

Com intervenções públicas gigantescas, Anish Kapoor pensa grande, e dentro dessa grandeza, visa despertar pensamentos e sensações inusitadas, seja pelo impacto de suas obras num primeiro momento, seja pelas sensações transcendentais que elas causam. Sem querer "definir em palavras" suas obras, Anish afirma que "como artista não tem nada a dizer sobre elas; caso contrário, seria jornalista"; ou seja, o assunto de sua obra nada mais é do que o espaço que ela ocupa. Para Kapoor, a experiência física com suas obras é indispensável a tal ponto que nenhuma palavra pode traduzi-la.

Se ele "não define em palavras suas obras", as obras criadas por ele definem-se por si próprias. Dotadas de uma grande presença física, a mostra Ascension - no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo, de 27 de janeiro a 1º de abril - reuniu oito peças do artista entre instalações, vídeos e esculturas, além da obra gigantesca instalada no Vale do Anhangabaú e que leva o nome da exposição no CCBB-SP.

"Ascension" é uma caixa preta de grandes dimensões, que possui uma entrada em espiral levando ao centro da obra, onde se pode encontrar uma coluna de fumaça branca que nasce do chão, sendo sugada para cima em alta velocidade de aspiração, em que a "imaterialidade da fumaça" ganha vida, formas; é como se quisesse vencer a realidade bruta e impositiva da cidade.

Com curadoria de Marcello Dantas, a exposição montada em SP consistiu de esculturas que aparentemente se apresentam de forma simples, como forma, mas cada uma delas esconde uma estonteante complexidade de elementos de natureza técnica, estética e acabamento. As obras polidas, polimento intensivo, traduzem um pouco do conceito de inversão, elas destacam o corpo do espectador de seu ambiente e de forma absoluta o engolem e o revertem para uma imagem destorcida daquilo que somos e nunca vimos. Essa é a característica mais marcante de sua obra: revelar o avesso, inverter o dentro e o fora, mostrar a face oculta da forma. Esse avesso que nos unifica. Sua matéria-prima não é a matéria, mas o tempo, ou melhor, a desaceleração do tempo, invocada pelo impacto de sua arte. Ascension separa o terreno do ilusional.

Relatos e impressões da visitação
A exposição aconteceu no térreo, primeiro, segundo e terceiro andares do prédio do Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo.

Terceiro andar: a obra que ali encontrei é intitulada de Quando estou grávido (2005, em fibra de vidro e tinta). Consiste de uma sala toda branca com duas protuberâncias, uma para dentro, recolhendo-se; outra para fora, lançando-se, expondo-se. A obra causa uma certa tensão, uma sensação vertiginosa e desconfortável que à primeira impressão, os olhos nada vêem, para em seguida, as duas imagens se sobressaírem. A alusão ao título também abriga a mesma tensão parida. A contração que retraí para expelir. O côncavo na junção com o convexo, os avessos que se completam e não se anulam. Muito interessante.

No segundo andar havia três obras: a primeira delas é Sem título (2004, em madeira, acrílico e luz), trata-se de uma forma côncava, tendo seu interior completamente iluminado por uma luz vermelha, como se desejasse assinalar, nascer, pontuar. Também traz em si uma certa vertigem enigmática, como se quisesse por si só nos revelar sua intrínseca essência. A segunda obra: Espelho duplo (1998, em aço inox), compõe-se de dois grandes espelhos posicionados em paredes opostas - frente a frente - refletindo o espectador em formas invertidas, largas, finas, estreitas, enfim, múltiplas formas da nossa mesma imagem ou de tudo o que se põe frente a eles, como se quisessem nos lembrar que o que vemos, também é o outro, e ainda, tantos outros. A tensão aqui também é presente, junto com a vertigem. A terceira obra deste andar, intitulada Dividir (1996), trata-se de uma divisória de 11 metros de comprimento, que divide, comprime e releva o esforço brutal para vencer a resistência da cera e da estrutura. Serve como evidência ao ato fundamental, mas extremamente difícil de exercer a divisão.

No primeiro andar estava a série "echo" (1996), onde há algumas esculturas com "forma de sino, forma de ovo, forma cúbica, forma cônica e rocha"; lembrando-nos das inúmeras possibilidades das formas. Ainda havia neste andar uma vídeo-projeção intitulada Feridas e objetos ausentes (1998), onde mostra o "nascimento" das cores no seu momento vertiginoso de transformar-se em outras cores, uma após a outra, repetidamente; num movimento de retenção e contração, com um som de fundo que lembra mar em dias de tempestade. Parece, num momento, que tudo se inicia ali, nessa expansão que gera o mundo, as cores e as formas. Que se abre e se fecha, que repele e reverte o que se lançou. Mistura-se para dentro. Mistura-se para fora. Assim seria a "imagem de Deus", se ela existir?

E no térreo havia duas obras, uma delas Sem título (1999) uma peça de bronze polida, alta, com uma cavidade central e que também reflete inúmeras formas distorcidas; e a última, intitulada de Pillar (2003, de aço e laca), traz um círculo que não se fecha, com uma entrada que, ao acessarmos, nossa própria forma se transforma, numa distorção tão grande que o desconforto e a vertigem são extremamente intensos, chegando a ser nauseante ficar ali por mais de alguns segundos.

Assim definida sua mostra em São Paulo, Ascension parece não esgotar-se em si e em suas sensações. Ao nos depararmos com essas obras, algo "de dentro", oculto e inato parece ser revelado, distorcido, gerado. As sensações causadas são várias e variáveis, como se cada um saísse dali com uma revelação de si nas mãos, e assim, mudasse também não só o "de dentro", mas os olhos "de fora". Um momento em que voltamos os olhos para a cidade e percebemos que, definitivamente, algo mudou. Ascension revela, reitera, pergunta e responde, e Anish Kapoor faz jus a todo esse reconhecimento que um artista contemporâneo pode receber.


Simone Oliveira
São Paulo, 3/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
02. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait
03. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo de Jardel Dias Cavalcanti
04. Um Ano Feliz (!) de Ricardo de Mattos
05. Senhores turistas, apressem-se! de Carla Ceres


Mais Simone Oliveira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/4/2007
23h47min
O artista faz jus ao reconhecimento e você consegue transmitir perfeitamente toda essa sensibilidade das formas. A Arte de distorcer o que pensamos não estar distorcido. A ilusão de achar que o louco é aquele que vê o que não podemos enxergar. Ótima exposição das formas, perfeita descrição das sensações, Simone.
[Leia outros Comentários de Elaine Poppelbaum]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DE DIREITO COMERCIAL 8ª EDIÇÃO
WALDO FAZZIO JUNIOR
ATLAS
(2007)
R$ 40,00



ENSINANDO A CUIDAR DE CRIANÇA
NÉBIA MARIA A. DE FIGUEIREDO
DIFUSÃO ENFERMAGEM
(2003)
R$ 16,00



O BRASIL TEM CURA
RACHEL SHEHERAZADE
MUNDO CRISTÃO
(2015)
R$ 10,00



AQUARELA BRASILEIRA
BETH CANÇADO
CORTE
(1995)
R$ 10,00



FISISCA SER PROTAGONISTA BOX- VL. UNICO
ADRIANA BENETTI MARQUES VALIO E OUTRO
SM
(2016)
R$ 220,00



TEATRO CUBANO: TEATRO CUBANO ACTUAL
ADYS GONZALO DE LA ROSA (ED.)
ALCALÁ
(2003)
R$ 22,00



FILOSOFIA NA ANTIGUIDADE - SÓCRATES E PLATÃO
RÉGIS FERNANDES DE OLIVEIRA
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2012)
R$ 28,00



MARKETING ESSENCIAL: CONCEITOS, ESTRATÉGIAS E CASOS
PHILIP KOTLER
PRENTICE HALL BRASIL
(2013)
R$ 50,00



O LIVRO DO PENDULO
SIG LONEGREN
BERTRAND
(1997)
R$ 20,00



A TERAPIA MAIS BREVE POSSÍVEL - AVANÇOS EM PRÁTICAS PSICANALÍTICAS
SOPHIA ROZZANNA CARACUSHANSKY
SUMMUS
(1990)
R$ 50,00





busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês