A universalidade de Anish Kapoor | Simone Oliveira | Digestivo Cultural

busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
>>> Campanha Sonhar o Mundo traz diversificada programação elaborada pelos museus paulistas
>>> Homenagem ao Pianista Nelson Freire, Grátis, 5/12, no Morumbi
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
>>> Chris Cornell
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Contra os intelectuais
Mais Recentes
>>> O Espelho dos Nomes de Marcos Bagno pela Ática (2005)
>>> A Concretização da Constituição Ecológica (lacrado) de Lucas de Faria Rodrigues pela Lumen Juris (2015)
>>> As Viagens de Marco Polo de Esther Mesquita pela Brasiliense (1957)
>>> O Índio e a Conquista Portuguesa (lacrado) de Luiz Koshiba pela Atual (2019)
>>> O Direito do Trabalho Penitenciário (lacrado) de Laura Machado de Oliveira pela Lumen Juris (2017)
>>> Curso de Química 1 de Ronaldo Henriques da Silva Edson Braga da Silva pela Harbra
>>> Aventura de um Petroleiro Clássicos da Literatura Juvenil de Richard Armstrong; Edgar Magalhães pela Abril Cultural (1972)
>>> The Jacket de Andrew Clements pela Scholastic (2009)
>>> Moderna Plus Biologia 2 Biologia dos Organismos Parte II de Gilberto Rodrigues Martho pela Moderna (2015)
>>> História dos Quartos (lacrado) de Michelle Perrot pela Paz e Terra (2011)
>>> Viva as Coisas Essenciais da Vida de Anderson Cavalcante pela Gente (2004)
>>> Lucratividade pela Inovação de Rubens da Costa Santos, Nelson Barrizzelli pela Campus (2005)
>>> O Enigma de Qaf de Alberto Mussa pela Record (2013)
>>> O Amor Não Tem Bons Sentimentos de Raimundo Carrero pela Iluminuras (2007)
>>> Administração - 4ª Edição de Richard I. Daft pela Ltc (1999)
>>> Dois Mundos, um Só Destino (lacrado) de Yuri Chalon da Rosa Gonçalves pela Clube de Autores (2019)
>>> A Carícia do Vento de Janet Dailey pela Circulo do Livro
>>> A Reinvenção do Automóvel de Lawrence D. Burns, William J. Mitchell pela Alaúde (2010)
>>> Dimensões do Direito Público (novo) de Adhemar Ferreira Maciel pela Del Rey (2000)
>>> Os Sonhos do Lenhador de Malba Tahan pela Galerinha Record (2013)
>>> Ponto e Arte - Tudo Sobre Crochê de Globo pela Globo (1991)
>>> Diálogo e Conflito (lacrado) de Ana Maria do Vale pela Cortez (2002)
>>> Tutancâmon e Sua Tumba Cheia de Tesouros de Michael Cox pela Seguinte (2015)
>>> A Corporação Virtual - Lições das Empresas Mais Avançadas do Mundo... de William H. Davidow e Michael S. Malone pela Pioneira
>>> Centúria de Giorgio Manganelli pela Iluminuras (1995)
COLUNAS

Terça-feira, 3/4/2007
A universalidade de Anish Kapoor
Simone Oliveira

+ de 8000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

De família indiana e judia, Anish Kapoor visa a universalidade em suas obras. Começou a ganhar visibilidade nos anos 80 e atualmente tem realizado obras em localidades como Londres, Milão, Zurique, Nova York e Chicago - que gastou cerca de US$ 23 milhões na peça Cloude Gate, onde o artista demorou cinco anos para fazer o polimento, e é considerada a obra pública mais cara do mundo, afetuosamente apelidada pela população de "feijão", pela semelhança com o vegetal.

Hoje, aos 52 anos, Anish Kapoor é uma celebridade no circuito de arte pública internacional e muitos países e prefeituras ao redor do mundo competem ferozmente para ostentar em praças, uma criação sua.

Com intervenções públicas gigantescas, Anish Kapoor pensa grande, e dentro dessa grandeza, visa despertar pensamentos e sensações inusitadas, seja pelo impacto de suas obras num primeiro momento, seja pelas sensações transcendentais que elas causam. Sem querer "definir em palavras" suas obras, Anish afirma que "como artista não tem nada a dizer sobre elas; caso contrário, seria jornalista"; ou seja, o assunto de sua obra nada mais é do que o espaço que ela ocupa. Para Kapoor, a experiência física com suas obras é indispensável a tal ponto que nenhuma palavra pode traduzi-la.

Se ele "não define em palavras suas obras", as obras criadas por ele definem-se por si próprias. Dotadas de uma grande presença física, a mostra Ascension - no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo, de 27 de janeiro a 1º de abril - reuniu oito peças do artista entre instalações, vídeos e esculturas, além da obra gigantesca instalada no Vale do Anhangabaú e que leva o nome da exposição no CCBB-SP.

"Ascension" é uma caixa preta de grandes dimensões, que possui uma entrada em espiral levando ao centro da obra, onde se pode encontrar uma coluna de fumaça branca que nasce do chão, sendo sugada para cima em alta velocidade de aspiração, em que a "imaterialidade da fumaça" ganha vida, formas; é como se quisesse vencer a realidade bruta e impositiva da cidade.

Com curadoria de Marcello Dantas, a exposição montada em SP consistiu de esculturas que aparentemente se apresentam de forma simples, como forma, mas cada uma delas esconde uma estonteante complexidade de elementos de natureza técnica, estética e acabamento. As obras polidas, polimento intensivo, traduzem um pouco do conceito de inversão, elas destacam o corpo do espectador de seu ambiente e de forma absoluta o engolem e o revertem para uma imagem destorcida daquilo que somos e nunca vimos. Essa é a característica mais marcante de sua obra: revelar o avesso, inverter o dentro e o fora, mostrar a face oculta da forma. Esse avesso que nos unifica. Sua matéria-prima não é a matéria, mas o tempo, ou melhor, a desaceleração do tempo, invocada pelo impacto de sua arte. Ascension separa o terreno do ilusional.

Relatos e impressões da visitação
A exposição aconteceu no térreo, primeiro, segundo e terceiro andares do prédio do Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo.

Terceiro andar: a obra que ali encontrei é intitulada de Quando estou grávido (2005, em fibra de vidro e tinta). Consiste de uma sala toda branca com duas protuberâncias, uma para dentro, recolhendo-se; outra para fora, lançando-se, expondo-se. A obra causa uma certa tensão, uma sensação vertiginosa e desconfortável que à primeira impressão, os olhos nada vêem, para em seguida, as duas imagens se sobressaírem. A alusão ao título também abriga a mesma tensão parida. A contração que retraí para expelir. O côncavo na junção com o convexo, os avessos que se completam e não se anulam. Muito interessante.

No segundo andar havia três obras: a primeira delas é Sem título (2004, em madeira, acrílico e luz), trata-se de uma forma côncava, tendo seu interior completamente iluminado por uma luz vermelha, como se desejasse assinalar, nascer, pontuar. Também traz em si uma certa vertigem enigmática, como se quisesse por si só nos revelar sua intrínseca essência. A segunda obra: Espelho duplo (1998, em aço inox), compõe-se de dois grandes espelhos posicionados em paredes opostas - frente a frente - refletindo o espectador em formas invertidas, largas, finas, estreitas, enfim, múltiplas formas da nossa mesma imagem ou de tudo o que se põe frente a eles, como se quisessem nos lembrar que o que vemos, também é o outro, e ainda, tantos outros. A tensão aqui também é presente, junto com a vertigem. A terceira obra deste andar, intitulada Dividir (1996), trata-se de uma divisória de 11 metros de comprimento, que divide, comprime e releva o esforço brutal para vencer a resistência da cera e da estrutura. Serve como evidência ao ato fundamental, mas extremamente difícil de exercer a divisão.

No primeiro andar estava a série "echo" (1996), onde há algumas esculturas com "forma de sino, forma de ovo, forma cúbica, forma cônica e rocha"; lembrando-nos das inúmeras possibilidades das formas. Ainda havia neste andar uma vídeo-projeção intitulada Feridas e objetos ausentes (1998), onde mostra o "nascimento" das cores no seu momento vertiginoso de transformar-se em outras cores, uma após a outra, repetidamente; num movimento de retenção e contração, com um som de fundo que lembra mar em dias de tempestade. Parece, num momento, que tudo se inicia ali, nessa expansão que gera o mundo, as cores e as formas. Que se abre e se fecha, que repele e reverte o que se lançou. Mistura-se para dentro. Mistura-se para fora. Assim seria a "imagem de Deus", se ela existir?

E no térreo havia duas obras, uma delas Sem título (1999) uma peça de bronze polida, alta, com uma cavidade central e que também reflete inúmeras formas distorcidas; e a última, intitulada de Pillar (2003, de aço e laca), traz um círculo que não se fecha, com uma entrada que, ao acessarmos, nossa própria forma se transforma, numa distorção tão grande que o desconforto e a vertigem são extremamente intensos, chegando a ser nauseante ficar ali por mais de alguns segundos.

Assim definida sua mostra em São Paulo, Ascension parece não esgotar-se em si e em suas sensações. Ao nos depararmos com essas obras, algo "de dentro", oculto e inato parece ser revelado, distorcido, gerado. As sensações causadas são várias e variáveis, como se cada um saísse dali com uma revelação de si nas mãos, e assim, mudasse também não só o "de dentro", mas os olhos "de fora". Um momento em que voltamos os olhos para a cidade e percebemos que, definitivamente, algo mudou. Ascension revela, reitera, pergunta e responde, e Anish Kapoor faz jus a todo esse reconhecimento que um artista contemporâneo pode receber.


Simone Oliveira
São Paulo, 3/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Regras da Morte de Alexandre Ramos


Mais Simone Oliveira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/4/2007
23h47min
O artista faz jus ao reconhecimento e você consegue transmitir perfeitamente toda essa sensibilidade das formas. A Arte de distorcer o que pensamos não estar distorcido. A ilusão de achar que o louco é aquele que vê o que não podemos enxergar. Ótima exposição das formas, perfeita descrição das sensações, Simone.
[Leia outros Comentários de Elaine Poppelbaum]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Magia do Caminho Real
Anna Sharp
Rosa dos Tempos
(1994)



A Educação do Coração
H. Pradel
Paulinas
(1967)



Plantas, Flores & Jardins Nº3
Escala
Do Autor



As Ilhas da Corrente
Ernest Hemingway
Nova Fronteira
(1970)



Freud - livro 1 Cinco lições de psicanálise - contribuições à psicologia do amor
James Strachey (comentários e notas)
Imago
(1973)



Emilia no País da Gramática
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1954)



Goosebumps 14 - Ovos Monstruosos Vindos de Marte (2007)
R. L Stine
Fundamento
(2007)



Relacionamentos Positivos
Lourdes Possatto
Lúmen
(2013)



Segredos de Família
Barbara Taylor Bradford
Record
(2005)



Lobo do Mar no Supermercado
Julieta de Godoy Ladeira
Scipione





busca | avançada
71417 visitas/dia
1,9 milhão/mês