A universalidade de Anish Kapoor | Simone Oliveira | Digestivo Cultural

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> Livro Literatura Estrangeira Seis Contos da era do Jazz de F. Scott Fitzgerald pela José Olympio (1995)
>>> Livro Psicologia Libertando o Coração Espiritualidade e Psicologia Junguiana Coleção Estudos de Psicologia Junguiana Por Analistas Juinguianos de Lawrence W. Jaffe pela Cultrix (1990)
>>> Livro Poesia Chão de Vento de Flora Figueiredo pela Geração (2011)
>>> História Universal dos Algarismos 2 Tomos de Georges Ifrah pela Nova Fronteira (1997)
>>> Educação Psicocinética de Bruno Edgar Ries; Jacintho P. Targa; Luiz Settineri pela Sulina (1979)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Coleção Obra-Prima de Cada Autor 98 Macbeth de William Shakespeare pela Martin Claret (2002)
>>> Livro Literatura Estrangeira Contos Volume 1 de H. P. Lovecraft pela Martin Claret (2017)
>>> As Aventuras Dos Filhotes de Vários Autores pela Todolivro (2004)
>>> Maturação Psicomotoro no Primeiro Ano de Vida da Criança de Lydia F. Coriat pela Cortez & Moraes (1977)
>>> O Que Einstein Disse a Seu Cozinheiro de Robert L. Wolke pela Jorge Zahar (2003)
>>> Livro Pedagogia Sobre Educação (Diálogos) de Paulo Freire; Sérgio Guimarães pela Paz e Terra (1982)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (1998)
>>> Livro Literatura Estrangeira Canibais e Missionários de Mary Mccarthy pela Nova Fronteira (1980)
>>> Livro Ensino de Idiomas The Canterville Ghost and Other Stories Level 4 de Oscar Wilde pela Pearson English Readers (2008)
>>> Anedotário Geral da Academia Brasileira de Josué Montello pela Francisco Alves (1980)
>>> Dudu E O Plástico-bolha de Stela Greco Loducca pela Companhia Das Letrinhas (2022)
>>> Livro Literatura Brasileira Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Livro de Bolso Literatura Estrangeira Possessing the Secret of Joy de Alice Walker pela Pocket Star Books (1992)
>>> Livro Literatura Brasileira Urupês Ml de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1997)
>>> Livro Mega Histórias 2 Em 1 Piratas E Dinossauros de Culturama pela Culturama (2016)
>>> Livro Culinária Alimentação Light de Ro Kupfer pela Ícone (1992)
>>> Grafite, Pichação & Cia de Célia Maria Antonacci Ramos pela Annablume (1994)
>>> Marquês de Sade - o Filósofo Libertino de Donald Thomas pela Civilizacao Brasileira (1992)
>>> Livro de Bolso Auto Ajuda Você é Insubstituível de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Comunicação Sem Complicação de Gustavo Gomes de Matos pela Campus
COLUNAS

Terça-feira, 3/4/2007
A universalidade de Anish Kapoor
Simone Oliveira
+ de 9000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

De família indiana e judia, Anish Kapoor visa a universalidade em suas obras. Começou a ganhar visibilidade nos anos 80 e atualmente tem realizado obras em localidades como Londres, Milão, Zurique, Nova York e Chicago - que gastou cerca de US$ 23 milhões na peça Cloude Gate, onde o artista demorou cinco anos para fazer o polimento, e é considerada a obra pública mais cara do mundo, afetuosamente apelidada pela população de "feijão", pela semelhança com o vegetal.

Hoje, aos 52 anos, Anish Kapoor é uma celebridade no circuito de arte pública internacional e muitos países e prefeituras ao redor do mundo competem ferozmente para ostentar em praças, uma criação sua.

Com intervenções públicas gigantescas, Anish Kapoor pensa grande, e dentro dessa grandeza, visa despertar pensamentos e sensações inusitadas, seja pelo impacto de suas obras num primeiro momento, seja pelas sensações transcendentais que elas causam. Sem querer "definir em palavras" suas obras, Anish afirma que "como artista não tem nada a dizer sobre elas; caso contrário, seria jornalista"; ou seja, o assunto de sua obra nada mais é do que o espaço que ela ocupa. Para Kapoor, a experiência física com suas obras é indispensável a tal ponto que nenhuma palavra pode traduzi-la.

Se ele "não define em palavras suas obras", as obras criadas por ele definem-se por si próprias. Dotadas de uma grande presença física, a mostra Ascension - no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo, de 27 de janeiro a 1º de abril - reuniu oito peças do artista entre instalações, vídeos e esculturas, além da obra gigantesca instalada no Vale do Anhangabaú e que leva o nome da exposição no CCBB-SP.

"Ascension" é uma caixa preta de grandes dimensões, que possui uma entrada em espiral levando ao centro da obra, onde se pode encontrar uma coluna de fumaça branca que nasce do chão, sendo sugada para cima em alta velocidade de aspiração, em que a "imaterialidade da fumaça" ganha vida, formas; é como se quisesse vencer a realidade bruta e impositiva da cidade.

Com curadoria de Marcello Dantas, a exposição montada em SP consistiu de esculturas que aparentemente se apresentam de forma simples, como forma, mas cada uma delas esconde uma estonteante complexidade de elementos de natureza técnica, estética e acabamento. As obras polidas, polimento intensivo, traduzem um pouco do conceito de inversão, elas destacam o corpo do espectador de seu ambiente e de forma absoluta o engolem e o revertem para uma imagem destorcida daquilo que somos e nunca vimos. Essa é a característica mais marcante de sua obra: revelar o avesso, inverter o dentro e o fora, mostrar a face oculta da forma. Esse avesso que nos unifica. Sua matéria-prima não é a matéria, mas o tempo, ou melhor, a desaceleração do tempo, invocada pelo impacto de sua arte. Ascension separa o terreno do ilusional.

Relatos e impressões da visitação
A exposição aconteceu no térreo, primeiro, segundo e terceiro andares do prédio do Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo.

Terceiro andar: a obra que ali encontrei é intitulada de Quando estou grávido (2005, em fibra de vidro e tinta). Consiste de uma sala toda branca com duas protuberâncias, uma para dentro, recolhendo-se; outra para fora, lançando-se, expondo-se. A obra causa uma certa tensão, uma sensação vertiginosa e desconfortável que à primeira impressão, os olhos nada vêem, para em seguida, as duas imagens se sobressaírem. A alusão ao título também abriga a mesma tensão parida. A contração que retraí para expelir. O côncavo na junção com o convexo, os avessos que se completam e não se anulam. Muito interessante.

No segundo andar havia três obras: a primeira delas é Sem título (2004, em madeira, acrílico e luz), trata-se de uma forma côncava, tendo seu interior completamente iluminado por uma luz vermelha, como se desejasse assinalar, nascer, pontuar. Também traz em si uma certa vertigem enigmática, como se quisesse por si só nos revelar sua intrínseca essência. A segunda obra: Espelho duplo (1998, em aço inox), compõe-se de dois grandes espelhos posicionados em paredes opostas - frente a frente - refletindo o espectador em formas invertidas, largas, finas, estreitas, enfim, múltiplas formas da nossa mesma imagem ou de tudo o que se põe frente a eles, como se quisessem nos lembrar que o que vemos, também é o outro, e ainda, tantos outros. A tensão aqui também é presente, junto com a vertigem. A terceira obra deste andar, intitulada Dividir (1996), trata-se de uma divisória de 11 metros de comprimento, que divide, comprime e releva o esforço brutal para vencer a resistência da cera e da estrutura. Serve como evidência ao ato fundamental, mas extremamente difícil de exercer a divisão.

No primeiro andar estava a série "echo" (1996), onde há algumas esculturas com "forma de sino, forma de ovo, forma cúbica, forma cônica e rocha"; lembrando-nos das inúmeras possibilidades das formas. Ainda havia neste andar uma vídeo-projeção intitulada Feridas e objetos ausentes (1998), onde mostra o "nascimento" das cores no seu momento vertiginoso de transformar-se em outras cores, uma após a outra, repetidamente; num movimento de retenção e contração, com um som de fundo que lembra mar em dias de tempestade. Parece, num momento, que tudo se inicia ali, nessa expansão que gera o mundo, as cores e as formas. Que se abre e se fecha, que repele e reverte o que se lançou. Mistura-se para dentro. Mistura-se para fora. Assim seria a "imagem de Deus", se ela existir?

E no térreo havia duas obras, uma delas Sem título (1999) uma peça de bronze polida, alta, com uma cavidade central e que também reflete inúmeras formas distorcidas; e a última, intitulada de Pillar (2003, de aço e laca), traz um círculo que não se fecha, com uma entrada que, ao acessarmos, nossa própria forma se transforma, numa distorção tão grande que o desconforto e a vertigem são extremamente intensos, chegando a ser nauseante ficar ali por mais de alguns segundos.

Assim definida sua mostra em São Paulo, Ascension parece não esgotar-se em si e em suas sensações. Ao nos depararmos com essas obras, algo "de dentro", oculto e inato parece ser revelado, distorcido, gerado. As sensações causadas são várias e variáveis, como se cada um saísse dali com uma revelação de si nas mãos, e assim, mudasse também não só o "de dentro", mas os olhos "de fora". Um momento em que voltamos os olhos para a cidade e percebemos que, definitivamente, algo mudou. Ascension revela, reitera, pergunta e responde, e Anish Kapoor faz jus a todo esse reconhecimento que um artista contemporâneo pode receber.


Simone Oliveira
São Paulo, 3/4/2007

Mais Simone Oliveira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/4/2007
23h47min
O artista faz jus ao reconhecimento e você consegue transmitir perfeitamente toda essa sensibilidade das formas. A Arte de distorcer o que pensamos não estar distorcido. A ilusão de achar que o louco é aquele que vê o que não podemos enxergar. Ótima exposição das formas, perfeita descrição das sensações, Simone.
[Leia outros Comentários de Elaine Poppelbaum]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Travessia 395
William P. Young
Arqueiro
(2012)



Livro Biografias Não Há Silêncio Que Não Termine Meus Anos de Cativeiro na Selva Colombiana
Ingrid Betancourt
Companhia das Letras
(2010)



Comer, Rezar, Amar
Elizabeth Gilbert
Objetiva
(2008)



A Tres a Gente Sempre Sabe da Verdade e Salve o Casamento
Vand Grand
Oriom
(2008)



Architecture in Detail Diseño de Espacios Comerciales
Architecture in Detail Diseño de Espacios Comerciales
IJb



Um Acordo de Cavalheiros
Lucy Vargas
Bertrand Brasil
(2017)



Imaginação Criadora
Roy Eugene Davis
Seicho no Ie
(1978)



Efeito Borboleta -um Simples Gesto, um Mundo de Diferença
Glenn Packiam
Garimpo
(2010)



As 5 Coisas Que Não Podemos Mudar
David Richo
Arx
(2006)



Um Sábado que Não Existiu
Renato Modernell
Mackenzie





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês