Nosso Lar | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
46257 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Domingo, 19, 17h, tem 'Canta Teresa' - Roda Cultural com os rappers Ramonzin e Emitê OG
>>> HOJE E AMANHÃ - JÁ ESTAMOS BEM - IMPROVISO DE DANÇA ABORDA ADOECIMENTO HUMANO E PLANETÁRIO
>>> Selvageria synth pop no Pantera Clube
>>> Explorando o Universo das Janelas: A Arte de Elvis Mourão na Galeria Alma da Rua I
>>> Noite Maranhense abre o final de semana da Virada Cultural em SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Por Que Impeachment?
>>> Songs in the Key of Steve
>>> Sou diabético
>>> Pousada Bromélias em Parati
>>> A literatura de ficção morreu?
>>> Martins Pena: sonhando com o romance brasileiro
>>> 22 de Agosto #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Atlas de Anatomia de Anne M. Gilroy - Brian R. Mac Pherson - Lawren pela Gen - Guanabara - Estácio (2008)
>>> Livro Matemática Financeira Aplicada de Nelson Pereira Castanheira e Luiz Roberto de Macedo pela Ibpex (2008)
>>> Livro Estatística Aplicada A Todos Os Níveis de Nelson Pereira pela Ibpex (2008)
>>> Revista Trip Monica Iozzi - Louise DTuani e Eduardo Sterblitch - n 283 de Sem Autor pela Trip
>>> Revista GQ Brasil - Rodrigo Hilbert - Vida em Portugal - n 136 de Sem Autor pela Globo Conde Nast
>>> Revista do Consumidor Carro Corsa Minivan - n 101 de Sem Autor pela Plural
>>> Revista Figurino Artes Domésticas - Trabalhos Manuais - n 6 de Sem Autor pela Vecchi (1972)
>>> Revista Pro Games Minecraft - Dicas Truques Segredos Tutoriais - Pingentes e Broches - n 4 de Sem Autor pela On line
>>> Revista Coleção Viva Saúde Especial Diabetes Controle o Açúcar no Sangue de Sem Autor pela Escala
>>> Revista Saúde é Vital Especial Animal Proteja Seu Pet - n 446 de Sem Autor pela Abril
>>> Revista Viva Saúde O Preço da Obesidade - n 210 de Sem Autor pela Escala
>>> A Meditação ao Alcance de Todos de Ven. Henepola Gunarátana pela Ibrasa (1994)
>>> Revista Corpo a Corpo Eliana - 12kg mais magra - n 294 de Sem Autor pela Escala (2013)
>>> Revista Photo Magazine Fotografia é arte flying houses - n 50 de Sem Autor pela Photos (2013)
>>> O Sexo Além da Morte de R. A. Ranieri pela Eco
>>> Primeiros Acordes ao Violão - Método Prárico de Othon G. R. Filho pela Irmãos Vitale (2008)
>>> Guardiões Do Carma - A Missão Dos Exus Na Terra de Wamderley Oliveira; Pai João de Angola pela Dufaux (2017)
>>> Umbanda Pe No Chao de Norberto Peixoto pela Do Conhecimento (2008)
>>> O Dia Do Curinga de Jostein Gaarder pela Cia. Das Letras (1996)
>>> O Iniciado de Élcio Souto pela Madras (2001)
>>> Punk - Anarquia Planetária e a Cena Brasileira de Silvio Essinger pela 34 (1999)
>>> Glee: Anuário do Colégio William Mckinley de Debra Moston Zakarin pela Madras (2012)
>>> Ramayana de William Buck pela Circulo do Livro (1992)
>>> Fazendo Música no Computador de Luciano Alves pela Campus (2002)
>>> Música Sacra Paulista de Régis Duprat pela Arte e Ciência (1999)
COLUNAS

Segunda-feira, 20/9/2010
Nosso Lar
Gian Danton
+ de 6400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Nosso Lar é um dos grandes best-seller brasileiros. Escrito pelo espírito André Luiz, através do médium Chico Xavier, popularizou a literatura espírita com a história de um médico em uma colônia espiritual. Publicado em 1944, o livro já vendeu mais de 2 milhões de exemplares e gerou uma versão cinematográfica assinada por Wagner de Assis (A Cartomante).

Bastante conhecido, o enredo do livro inicia com o narrador chegando ao Umbral após a sua morte. O relato lembra muito as descrições do inferno católico, com o protagonista assediado por formas diabólicas de expressões animalescas. Ele sofre ali por oito anos, até finalmente ser levado para a colônia espiritual de Nosso Lar. A grande falta do médico, que o leva ao Umbral, é o ceticismo e o orgulho, que fazem com que ele demore tanto a pedir ajuda.

Uma vez na colônia, André Luiz é iniciado nos mistérios da vida espiritual, da cura, da comunicação com os vivos etc. Há, em todo o livro, um excesso de adjetivos que atrapalha a leitura: o aposento é confortador; as luzes, cariciosas. Mas essa característica, hoje considerada um vício de linguagem, era comum na maioria dos autores antigos. Fora isso, o livro passaria tranquilamente por uma boa obra de ficção científica da primeira metade do século XX.

A linguagem antiquada foi facilmente resolvida na versão cinematográfica com uma bem pensada atualização. Mas a história apresentava um outro problema: um certo caráter de"diário de viagem", que torna difícil sua adaptação para a sétima arte. Um filme precisa ter uma trama, com conflitos e uma estrutura narrativa que caminha na direção da resolução do conflito.

Em Nosso Lar, todos são bons demais e não existe uma possível figura de vilão. Da mesma forma, não há um destino que represente o conflito, já que os personagens gozam de livre-arbítrio. Em suma: não há quase nenhum conflito visível na obra original. Como transportar isso para o cinema sem que o resultado seja duas horas de sono?

O diretor Wagner de Assis optou por focar a narrativa no conflito interno dos personagens (apenas sugerida no livro), especialmente André Luiz e Eloísa, uma moça que aparece rapidamente no livro se lamentando de ter morrido antes de casar e de saber que seu noivo encontrou uma nova esposa.

André Luiz luta contra a arrogância, o egoísmo e o ceticismo (e, no final do filme, contra o ciúme), e Eloísa quer a todo momento voltar para seu noivo. Boa parte da narrativa se sustenta nessa sustentação. André será capaz de ultrapassar seus conflitos internos, e, dessa forma, ajudar a moça, fazendo com a que a trama paralela se una à principal num roteiro bem costurado.

Ou seja: o diretor optou por uma inteligente estrutura narrativa, que prende o espectador exatamente pela identificação. Alguns talvez se identifiquem com André, outros com Eloísa.

Se o roteiro é competente e enxuto, a direção é outro ponto forte. Os efeitos especiais são grandiosos (o filme custou 20 milhões de reais, boa parte deles gastos com efeitos), mas usados em favor da narrativa. Não há efeitos apenas pelo efeito, como Hollywood muitas vezes tem feito. Entretanto, muitos que assistiram à fita comentaram que gostaram de ver esse nível de efeitos num filme nacional de FC ou fantasia.

O diretor também trabalha muito bem a imagem, em ótimas cenas sem diálogos, como no reencontro de André Luiz com sua esposa. Com pouquíssimas falas, toda a tensão da situação é repassada aos espectadores.

Há algumas cenas que chamam a atenção dos mais atentos: quando começa a II Guerra Mundial, a colônia espiritual recebe centenas de desencarnados. A maioria deles usando a estrela de Davi (judeus), mas há também pessoas com outros símbolos usados em campos de concentração, o que se relaciona com os ensinamento de Chico Xavier de que o sofrimento liberta. A mesma cena traz um conteúdo de tolerância religiosa que se reflete também na cena da sala do governador, cujas paredes ostentam símbolos das principais religiões terrenas.

Sobre a questão da II Guerra, Chico conta, no livro, que os nazistas, ao morrerem na guerra, fugiam dos que iam resgatá-los, chamando-os de "fantasmas da cruz". Esse ponto, no entanto, não foi explorado pelo filme.

Outro aspecto curioso da versão cinematográfica é inverter o paradigma convencional do ser humano com relação à dualidade vida-morte. Em Nosso Lar, vemos personagens chorando e lamentando a partida de entes queridos que vão reencarnar. Nesse ponto o roteiro foi particularmente eficiente ao mostrar que vida e morte são apenas dois lados da mesma moeda em um ciclo de reencarnações. Chega, inclusive, a brincar com isso, como na cena em que uma senhora reclama que o marido estava sempre muito doente, "Mas morrer que é bom, nada!".

Nosso Lar conta com uma equipe internacional: o fotógrafo suíço Ueli Steiger (O dia depois de amanhã, Godzilla, 10.000 a.C), os canadenses da Intelligent Creatures para os efeitos especiais (Watchmen), a diretora de arte brasileira Lia Renha (A muralha, Hoje é dia de Maria, Auto da Compadecida), e o músico Philip Glass (As horas, O ilusionista).

É um filme que irá agradar tanto aos espíritas quanto aos não espíritas ou simples simpatizantes da doutrina. Mesmo aqueles que forem assisitir Nosso Lar apenas como um filme de ficção científica provavelmente irão gostar. Prova disso é que apenas 5 dias após o lançamento ele já ultrapassou a marca de um milhão de espectadores.


Gian Danton
Macapá, 20/9/2010

Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2010
01. Os dilemas da globalização - 8/11/2010
02. Glauco: culpado ou inocente? - 29/3/2010
03. Maria Erótica e o clamor do sexo - 25/10/2010
04. 2009: intolerância e arte - 4/1/2010
05. As fronteiras da ficção científica - 3/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/9/2010
11h57min
Uma resenha correta e sem partidarismos. Será o nosso futuro compartilhar tudo o que é considerado bom, mesmo vindo de diferentes doutrinas? Parabéns.
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois Daquela Noite
Karin Slaughter
Harper Collins
(2023)



Love In A Bottle
Antal Szerb
Pushkin Collection
(2010)



Viva Você Sem Peixes No Muro
Davi Urias Vidigal
Nova Letra
(2006)



O Assassinato no Trem - As Irmãs Mitford Investigam
Jessica Fellowes
Record
(2020)



Em Segredo
Georges Chevrot
Quadrante
(1991)



Benefício na Morte
Robin Cook
Record
(2015)



Themen Neu 1 - Arbeitsbuch
Heiko Bock / Karl-heinz Eisfeld / Outros
Max Hueber Verlag
(1997)



Livro Sociologia Onde Erramos? Quando a Droga Invade a Família
Klaus H. G. Rehfeldt
Epu
(2009)



Razões de Estado
Noam Chomsky
Record
(2008)



Cachorrinho Mágico - Um Novo Comerço
Sue Blentley
Fundamento
(2010)





busca | avançada
46257 visitas/dia
2,4 milhões/mês