O bit, o papel e você no meio | Ram Rajagopal | Digestivo Cultural

busca | avançada
38458 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Publicar em papel ou não?

Segunda-feira, 28/5/2007
O bit, o papel e você no meio
Ram Rajagopal

+ de 3300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Uma discussão bastante acalorada foi levantada pelo nosso editor - que ao contrário do que aqueles que o atacam imaginam, é uma pessoa bastante tranqüila e aberta ao diálogo: será que realmente é necessário publicar em papel? A pergunta poderia ser feita assim também: será que não podemos preservar algumas árvores evitando publicar livros que não serão lidos mesmo? As pessoas têm encarado o debate, e o artigo do Júlio em especial, como impondo uma espécie de dilema entre o bit - que representa publicar on-line - e o papel. Que ele quer prever o "fim do papel", e tomar de assalto a literatura mundial com livros em PDF. Não imagino que tenha sido esta a intenção dele, e nem do debate mundial que está acontecendo ao redor do futuro das publicações impressas. Vou dar alguns exemplos de consequências práticas deste debate, para ilustrar como eu vejo esta questão.

Obviamente, o custo de publicar em papel é muito maior que o custo de publicar em bit, mas, por outro lado, a conveniência e a tradição do papel, do livro em particular, fazem dele ainda o canal que dá uma grande exposição ao autor, especialmente em países com menos acessos a recursos eletrônicos. Mas ao contrário do que muitos imaginam, o embate bit-papel, não é um embate, e sim uma colaboração. A solução que mais se observa na prática parte da idéia que bit e o papel são complementares. No entanto, isto exige editoras e autores abertos ao diálogo e as possibilidades, que no fim das contas servem para lhes aumentar o público leitor.

Aqui em Berkeley muitos professores vêem a publicação em bit como forma de difundir seus livros. Meus professores tomaram uma decisão alguns anos atrás: só publicam seus livros por editoras que aceitem disponibilizar gratuitamente a PDF do livro na Web. E, ao contrário do que se imagina, a vendagem aumentou consideravelmente. Qual a razão deste fenômeno? O livro eletrônico grátis tem um baixo custo para o usuário, e funciona como um grande atrativo. Uma vez que o usuário - seja ele um engenheiro, outro professor, ou especialmente os estudantes - se acostuma a consultar o livro eletrônico, ele se tornar cada vez mais indispensável. Até que o usuário decide que a conveniência e as facilidades do livro de papel são necessárias, e compra uma cópia, mesmo a um custo de 50 dólares! Essa é minha experiência e também a de vários amigos.

O único problema dessa abordagem: livros ruins não vendem. Mas isso é verdade de qualquer maneira, porque, hoje em dia, se seu livro não é oficialmente liberado para consumo eletrônico gratuito, alguém toma o tempo para scanear, ou para tirar xerox. Especialmente os livros populares ou aqueles adotados em cursos universitários. Eu acho que, para a maioria das pessoas, um bom livro justifica seu preço justo. Com os romances, que são consideravelmente mais baratos, ainda assim um livro é um investimento de 3 idas ao cinema, com a inconveniência de que você tem que ler para descobrir se é bom ou ruim. E se você reparar, os romances piratas disponíveis em PDF são sempre de livros populares. Ninguém vai perder seu tempo scaneando um Ulisses, exceto se tiver que usá-lo para algum curso universitário...

Novamente, por que autores e editoras em geral têm resistido a esta mudança? Porque livros ruins passam a vender absurdamente menos. Esta observação é confirmada por relatos de vários professores com quem tenho conversado sobre o assunto. Ao disponibilizar gratuitamente o livro, você incorre o risco de que o leitor se desestimule a usar seu produto, antes de se animar a pagar por ele. O livro ruim e pouco popular - ao contrário do bom livro pouco popular - só vende porque o leitor tem informação incompleta. Antes que vocês me crucifiquem por essa afirmação, deixo claro que bom e ruim é um gosto pessoal. No entanto, toda a teoria e prática econômica diz que o mercado é muito mais eficiente quando tanto aqueles que compram quanto aqueles que vendem têm acesso a informação completa. Hoje muitos autores lucram em cima da informação incompleta que provêem a seus prospectivos leitores...

Por isso que muitos destes mesmos autores temem e desvalorizam o tradicional boca-a-boca. O boca-a-boca é uma maneira de compensar esta ausência de informação completa. Você pode aprender um pouco mais sobre o livro antes de comprá-lo. Só que neste caso, você tem um problema. A informação chega a você processada por uma terceira pessoa. Não importa quantas opiniões você ouve, ainda serão as opiniões dos outros, e não a sua. E você estará usando este conjunto de informações incompletas para tomar uma decisão. Quem sai perdendo é exatamente o autor, porque ele maximiza a chance de vender um livro para você caso ele seja do seu gosto, e não caso ele seja do gosto do seu melhor amigo...

Como um aparte, isto também explica a grande importância dada nos meios editoriais para criar certas figuras cujos gostos são apresentados como tendo grande importância... A eles é dado espaço na mídia e compensações financeiras para emitir opiniões sobre os livros. Muitos são patrocinados diretamente ou indiretamente pelas editoras. Quanto mais ineficiente o mercado de livros, maior a importância destas figuras, e mais suporte eles receberão de todos aqueles que partcipam do mercado do lado vendedor (editores, autores, e livreiros).

Qual a solução? Para livros texto uma ótima solução é disponibilizar o livro gratuitamente na Web sob o formato PDF. O bom livro texto será invariavelmente comprado pelos leitores se estiver a um preço justo (se não estiver, e se não houvesse PDF, o livro invariavelmente vai para a Web via cópia pirata). O leitor compra o livro texto porque pode consultá-lo com mais facilidade, e é bem mais fácil e prazeroso ler no papel que na tela do computador. Estudos recentes indicam que artigos disponibilizados na Web sob formato PDF, acessíveis gratuitamente, são citados três vezes mais que o restante. Então, provavelmente, seu livro texto ficará bem mais popular com esta medida. Você será mais citado e, como autor, poderá ter outros benefícios econômicos imediatos além da vendagem dos livros.

Já para romances, não sei ainda exatamente qual é a solução. Imagino que disponibilizar gratuitamente o PDF na Web, mesmo do livro publicado em papel, não seja má idéia. Já li vários livros disponíveis em PDF, e quando comecei a gostar do livro fui lá e comprei, porque é muito mais fácil ler em papel. Uma outra prática talvez fosse vender cópias eletrônicas a preços módicos (5 a 10 reais, menos que um cinema), e caso o leitor deseje comprar o livro em papel, oferecer o abate do preço pago pela cópia eletrônica (que tem custo zero de reprodução). Uma terceira alternativa é oferecer uma versão resumida do livro gratuitamente (em inglês se usa o termo abridged edition). Num suspense, por exemplo, o resumo poderia conter boa parte da estória, exceto pelos capítulos finais. Editores e autores terão que experimentar para descobrir a fórmula correta.

Mas eu acredito que qualquer solução pacífica, e financeiramente efetiva, da convivência entre o bit e o papel passa por autores e editores serem mais conscientes deste problema de assimetria de informação, e procurarem ganhar dinheiro com vendas de livros não porque o leitor não conhece bem o material, mas sim porque o material é intrinsecamente bom e agrada a aquele leitor específico. Gananciosamente vender para todos, indiretamente fazendo com que aqueles que não gostem do livro a posteriori o comprem, ou vendendo o material a preços que o leitor não esteja disposto a pagar, só acarretarão perda de lucro. Cobrem o valor justo pelo seu material, e procurem vender da maneira mais honesta possível, efetivamente só cobrando daqueles leitores que gostaram do livro. Caso isto não seja feito, cópias piratas e outras abordagens mais danosas acabarão por prevalecer fazendo com que o lucro seja bem menor, ao invés de bem maior.

Post Script
Muitos escritores dizem que seus livros não são caros e, portanto, tão acessível quanto um filme. No entanto, o valor do livro será determinado por cada leitor individualmente, por cada comprador, obra a obra. O leitor irá precificar o livro relativo aos outros prazeres da sua vida. Infelizmente, é assim que funciona o mercado livre. Mas como conquistar mais leitores, então? Primeiro, escrevendo livros que desejem ser lidos. É a criação de um mercado de leitores, como defende o Luis Eduardo Matta. Segundo, é oferecendo ao leitor o maior número de oportunidades para conhecer a obra, a um custo que seja atraente para ele. Sem o primeiro, não haverá pessoas suficientes nem para experimentar a versão gratuita on-line. Sem o segundo, mesmo que hajam pessoas suficientes, poucas irão comprar a obra.

Editores, autores e livreiros devem começar a tratar nós leitores como adultos, e respeitar nossos gostos, idéias, e noções de valor. É isso que fará com que eles, editores, autores e livreiros tenham muito mais sucesso.


Ram Rajagopal
Berkeley, 28/5/2007


Mais Ram Rajagopal
Mais Acessadas de Ram Rajagopal em 2007
01. Os dez mandamentos do leitor - 16/7/2007
02. Sexo Social - 2/4/2007
03. Sete tecnologias que marcaram meu 2006 - 8/1/2007
04. Vale a pena publicar de novo - 26/2/2007
05. O bit, o papel e você no meio - 28/5/2007


Mais Especial Publicar em papel ou não?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/6/2007
14h48min
Falou, ou melhor, esceveu e disse, e eu concordo...
[Leia outros Comentários de Anna]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIDA PÚBLICA E IDENTIDADE NACIONAL
ADRIAN GURZA LAVALLE
GLOBO
(2004)
R$ 50,00



A QUEDA PARA O ALTO
HERZER
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 7,90



UM GUARDA-CHUVA PARA O CORONEL
JOEL SILVEIRA
BUP
(1968)
R$ 15,00



PÚBLICOS DA CIÊNCIA EM PORTUGAL TRAJECTOS
ANTONIO FIRMINO DA COSTA / PATRÍCIA ÁVILA / SANDRA
GRADIVA
(2002)
R$ 15,00



KARMA OU DESTINO A TRAJETÓRIA DE UMA MÃE DE- SANTO
MARLICENE FIGUEIREDO
SALAMANDRA
(1992)
R$ 12,00



ASAS DE FOGO - A PROFECIA DOS DRAGÕES - VOL.1
TUI T. SUTHERLAND
FUNDAMENTO
(2017)
R$ 44,80



X-MEN - REVISTA MENSAL PANINI - NUMERO 14
VARIOS AUTORES
PANINI
(2002)
R$ 8,01



RESPOSTAS DA CONSULTORIA LEGALMATIC - AS 100 MAIS DA ÁREA TRIBUTÁRIA
SÉRGIO CONTENTE
SOFTMATIC
(2010)
R$ 8,90



MECÂNICA DOS MATERIAIS (34)
FERDINAND P. BEER
BOOKMAN
R$ 60,00



GUIA PRÁTICO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR
ROSANA RICHTMANN
SORIAK
(2005)
R$ 29,77





busca | avançada
38458 visitas/dia
1,4 milhão/mês