O Brasil pode ser um país de leitores? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
62663 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/10/2007
O Brasil pode ser um país de leitores?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Este é o título da obra esclarecedora de Felipe Lindoso, ex-presidente da Câmara Brasileira do Livro. Com projeto gráfico simpático e tamanho "de bolso", a obra, cujo subtítulo é Política para a cultura, Política para o livro, ajuda o leitor a entender as engrenagens do mercado editorial neste nosso país. Sem exibicionismos acadêmicos e nem berros apocalípticos, Lidoso mostra, em três seções, que, sim, nós temos livros.

Começando com um pouco de história editorial, passando pela indústria do livro no século XX, sobrevoando a edição em algumas partes do Brasil e traçando panoramas críticos e políticos das ações (?) do Ministério da Cultura (e do Ministério da Educação também), Felipe Lindoso dá um quadro de nossa situação. Livro é caro? Diz ele que nem tanto. Depende do ponto de vista, não é mesmo? Mas os argumentos são bons. Para o leitor desavisado, é bom lembrar que Lindoso foi diretor de relações institucionais da Câmara Brasileira do Livro. É claro que a nota do editor/empresário é tônica em todo o discurso dele.


Para não "pegar o bonde andando", é importante ler um outro livro, desta vez traduzido por Felipe Lindoso, do crítico mexicano Gabriel Zaid. Ambas as obras são publicadas pela editora Summus, que fez um simpaticíssimo trabalho gráfico.

O livro de Zaid é Livros demais! - Sobre ler, escrever e publicar, em que se discute se livro é caro ou não, a circulação desse produto, a circulação mais específica de poesia e a eterna busca pelo leitor. Os entraves e as delícias do mercado editorial descrito por Zaid não são os brasileiros, mas o tradutor fez questão de escrever notas comparativas esclarecedoras.


Por que, ainda hoje, esta coluna trata de livros sobre mercado editorial? Porque parece que esta discussão só se inflamou mais depois da Internet e de outras formas rápidas de comunicação à distância. Nunca houve tanta discussão acalorada sobre livros, publicação e acesso à informação. E o que ocorre é que as pessoas "chutam" demais. São "chutes" sobre mercado, percepções vagas, descrições impressionistas, empolgações em preto-e-branco, apocalipses, fanatismo e deboche. Também os "críticos" propõem ações pouco esclarecidas ou não propõem nada. Muita qualificação dos meios, pouco interesse pela formação do leitor (que fica sendo preocupação de "professorinha"). Como sempre, tudo falso. As pessoas querem falar, fazer, ganha quem grita mais alto, mas, como sói ser no Brasil, ninguém estuda. Ninguém se aprofunda, ninguém faz uma incisão responsável no tema. Estas obras, embora nem sempre escritas por cientistas, podem dar ao leitor mais lentes por onde olhar. A conversa de boteco fica só para o boteco. Formar leitores é a preocupação de qualquer agente cultural. A "professorinha" é só mais um deles.

E já que falei em cientistas, duas obras têm esse caráter mais acentuado. Formando leitores de telas e textos é um livro organizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais, os professores Anderson Higino, Clarisse Barbosa e Maria Antonieta Pereira, coordenadora de um grande programa de pesquisa chamado A tela e o texto. Na obra, vários autores discutem a formação de leitores (no sentido mais amplo possível, inclusive para telas de cinema e de celular), matam a cobra e mostram o pau. Dão depoimentos sobre projetos ocorridos ou em andamento a partir do programa.


Com característica semelhante, a obra Leitura e animação cultural - Repensando a escola e a biblioteca, organizada por Tânia Rösing e Paulo Becker, mostra ações bem-sucedidas na biblioteca, no livro, no acesso ao conhecimento. O nome de Tânia Rösing lhes parece familiar? Ninguém a viu dando entrevista no Jornal Nacional? Pois tanto a obra quanto ela são parte da Jornada Literária de Passo Fundo, belíssima iniciativa de formação de leitores e mudança do valor da leitura no Sul do Brasil. Rösing e colegas tiveram essa idéia, com a verdadeira finalidade de integrar e intervir na comunidade próxima, mas acabaram alcançando o país inteiro. Muito antes da glamourosa FLIP, a Jornada de Passo Fundo já era um sucesso, só que sem tanta purpurina e sem tanta repetição do hype. Só agora é que o evento de Passo Fundo pôde ser compreendido. Pelo menos o hype ajudou a dar visibilidade a uma iniciativa de formação leitora. O Sul do pais tem seus bairrismos, mas vale a pena ler a obra (e o evento) como um bom exemplo.


A casa da invenção, sem subtítulo nem nada, é o nome da obra de Luís Milanesi, pela Ateliê Editorial. Belo livro, belo texto. O autor passa 272 páginas explicando por que as bibliotecas são tão distantes da vida cultural brasileira. Além disso, ele explica por que os "centros de cultura" são tão hype e servem tão pouco, tão desalinhados, sem objetivo e sem objeto. Moda para político se reeleger. Casas bacanas com um acervo mal-cuidado de qualquer coisa. Sobre as bibliotecas públicas, quem nunca foi atendido, em algumas delas, por um funcionário mal-humorado, chateado porque alguém tirava um livro da ordem imposta? Quem nunca se viu diante do atendente ansioso pelo dia de se aposentar, desviado de sua função normal por conta da licença médica? Onde colocá-lo? Na biblioteca, ora. Servicinho tranqüilo, fácil, pouco. Quase não aparece ninguém lá. Enquanto isso, os centros de cultura estão "bombando": instalação, café, tomates secos com orégano, performance e inauguração da "placa". Milanesi não deixa nada de fora do assunto.


Já com caráter de manual, os editores Maria Esther Mendes Perfetti e João Scortecci oferecem o Guia do Profissional do Livro, cujo subtítulo é Informações importantes para quem quer escrever e publicar um livro. Os autores fornecem ao leitor informações sobre legislação do livro, ISBN (International Standard Book Number), técnicas e tecnologias de edição e impressão, associações e entidades do livro no Brasil. Foi lendo esse livro que descobri Gabriel Zaid, que me levou a Felipe Lindoso. E quem foi que disse que, antes da Internet, o "hipertexto" não existia?


O leitor é que não podia ser tão preguiçoso. Era preciso tirar a buzanfa da cadeira e circular. Os livros acadêmicos foram descobertos em garimpagens mais cuidadosas, mas é preciso gastar energia se a meta é entender um assunto, discutir um tema, escrever uma idéia, compreender um aspecto de algo ou solucionar um problema. É preciso estudar. Talvez tenha sido isto que o Brasil ainda não entendeu direito. Com tanto noveau-rich servindo de exemplo, fica difícil convencer alguém de que ler e participar de fóruns de discussão inteligentes e bem-fundamentados seja investimento. Soa, quase sempre, perda de tempo. O bacana mesmo é fazer efeito, mesmo que seja só fachada. Estudar para quê? Ler é divertimento. Mas, quem quiser se abrir para a experiência de conhecer alguns pontos de vista e alguns discursos sobre a leitura e a formação de leitores no Brasil, esteja servido. Dei aí minhas sugestões, mas elas haverão de gastar tempo, um dos aspectos mais caros da vida contemporânea.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 26/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mais uma crise no jornalismo brasileiro de Julio Daio Borges
02. Boas interfaces. Bons leitores? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'AER' AND colunas.ano = 2007 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/10/2007
01h03min
Ana, ainda hoje estamos contando nos dedos escritores, autores e críticos que nutram algum respeito pelo leitor, que, de fato, todos somos. Falamos de livros de maneira transversal quando essencialmente a referência é o leitor. Livro, só para me repetir, são um fetiche na busca de uma relação mais autônoma com a cultura e o conhecimento. Sempre que o tema é leitura, a generalização predomina e só ouço o eco que não lemos, não sabemos ou temos vocação para ler; se escrevemos, o fazemos mal. Paradoxalmente, quem desdenha do leitor, almeja o best-seller; detratam e invejam o Paulo Coelho e intimamente cobiçam seu público leitor. Sempre que leio alguma crítica, destas mais radicais a escritores como PC, percebo que o alvo, ainda que dissimulado, seja os que o lêem. Existe um orgulho ferido, uma frustração que só este tipo de crítica/censura é capaz de expiar. Preocupação com os leitores, nenhuma, ainda que o principal leitor sejam eles mesmos. Grandes dicas num texto cheio de possibilidades.
[Leia outros Comentários de Carlos E. Oliveira]
27/10/2007
16h50min
Sinceramente, sua frase pareceu-me dura e verdadeira demais: "Muita qualificação dos meios, pouco interesse pela formação do leitor (que fica sendo preocupação de "professorinha"). Como sempre, tudo falso". Um aspecto a ser focado... Até a próxima.
[Leia outros Comentários de Ricardo Penachi ]
27/10/2007
17h42min
Ana, parabéns por levantar esse tema da leitura (e da falta de estudos sobre isso) e parabéns, também, pela fala no "A Palavra na Tela". Já gostava dos teus textos aqui; passo a tomá-los ainda mais como referências. Como tu mesmo disseste no debate, quem discute tende a olhar para si próprio, seus anseios, sua vidinha. E o Brasil não é esse cara que discute, que participa de mesa redonda e amacia o ego com isto. O Brasil rala, sua, fede e quem discute quer que ele passe perfume. Quando dizes que, aqui, "as pessoas querem falar, fazer, ganha quem grita mais alto, mas [...] ninguém estuda", isto serve para a produção científica, para os debates sobre Jornalismo (papagaiados, "apologizados", lá de fora, porque é mais "chique"), para a universidade. Foi muito boa tua contextualização histórica. Muita gente quer bancar uma de palestrante, mas não entende um mínimo do país. O bom é que, no meio disso, há alentos - como teu texto e tua fala. Parabéns e abraço!
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIOLÊNCIA SEXUAL NA CRIANÇA E NO ADOLESCENTE
ELENA DE FÁTIMA
LÉON DENIS
(2006)
R$ 8,89



MARKET LEADER INTERMEDIATE PRACTICE FILE
DAVID COTTON; DAVID FALVEY; SIMON KENT
LONGMAN DO BRASIL
(2003)
R$ 12,00



RECEITAS COM ERVAS AROMÁTICAS
NÃO INFORMADO
LIVROS DE VIDA
(1997)
R$ 22,11



APARÊNCIAS E OUTRAS CENAS DO COTIDIANO - 1ª EDIÇÃO
JÚLIO EMÍLIO BRAZ
PALLAS
(2009)
R$ 26,95



OLHAR, ESCUTAR, LER - 1ª EDIÇÃO
CLAUDE LÉVI-STRAUSS
COMPANHIA DAS LETRAS
(1997)
R$ 98,95



CURSO PRÁTICO DE ORATÓRIA
DANIEL DE LUCCAS
DANIEL DE LUCCAS
(1985)
R$ 12,00



RED LUNA - A BIBLIOTECA DO CZAR (NOVO, LACRADO)
GABRIEL MORATO MARCOS INOUE
GUTENBERG
(2013)
R$ 19,00



CLINICA ORTOMOLECULAR V. 1
EFRAIM OLSZEWER
ROCA
(2000)
R$ 66,90



ROUBO DE CORAÇÃO SABRINA
ELAINE COFFMAN
NOVA CULTURAL
(1997)
R$ 5,00



A PRIMEIRA BÍBLIA DE NATÁLIA E LUCAS
MARIA AMIN - MARIA LÚCIA
BELO HORIZONTE
(2006)
R$ 9,90





busca | avançada
62663 visitas/dia
2,6 milhões/mês