O novo Tarantino | Marília Almeida | Digestivo Cultural

busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 6/11/2007
O novo Tarantino
Marília Almeida

+ de 3100 Acessos

Após três longos anos desde Kill Bill (2004), Quentin Tarantino está de volta com sua ótima trilha sonora e ainda mais egocêntrico em À prova de morte (Death Proof, EUA, 2007), filme que fez parte da Seleção Oficial do Festival de Cannes, foi exibido na 31ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e está previsto para chegar aos cinemas brasileiros em março.

À primeira vista, para os desavisados, ele parece muito curto e um tanto "solto". A história de produção do filme é essencial para compreendê-lo. Inicialmente, À prova de morte foi lançado em um projeto nomeado Grindhouse e exibido em conjunto com o filme de Robert Rodriguez, Planeta Terror (Planet Terror, EUA, 2007), o mesmo diretor de Sin City — A cidade do pecado. Porém, o projeto foi um fracasso nas bilheterias americanas e diversos críticos alertaram para a diferença de qualidade entre ambos. Como consequencia, a produtora Miramax/Dimension Films resolveu separar e exibi-los independentemente em versões mais longas na Europa. A versão americana tem somente 90 minutos, enquanto a européia tem 127 e inclui cenas que já se tornaram famosas entre os fãs, como a dança sensual de Vanessa Ferlito para o personagem protagonista.

Mas, afinal, por que o tema? Basta lembrarmos que o diretor sempre foi fã declarado de filmes B e Grindhouse é o nome dado aos programas dedicados a esses filmes da década de 70 nos grindhouses theaters, que exibiam, geralmente, dois rolos com o mesmo tema, que eram sinônimos de horror e diversão. Eles existiram em cidades como Nova York e Paris e, em seu intervalo, havia os falsos trailers, vinhetas que brincam com o próprio cinema. Produzidas por Rob Zombie (ele mesmo, o vocalista do White Zombie), o diretor apaixonado por filmes de horror Eli Roth e o também diretor Edgar Wright, elas foram retiradas das versões independentes do projeto, para o descontentamento de muitos fãs. Porém, ainda podem ser vistas no YouTube.

À prova de morte é dividido em duas partes e, entre elas, passam-se quatorze meses. Quem as une é o dublê de cinema Stuntman Mike (Kurt Russel) e sua "caixa da morte", um carro indestrutível com o qual atuou em filmes desconhecidos. Esse personagem misterioso e um tanto caricato tem uma queda por mulheres bem resolvidas e é interpretado com eficiência por Russel. Logo no início, vemos Jungle Julia (Sydney Tamiia Poitier), DJ sexy de um programa de rádio da cidade de Austin, no Texas, se levantar como uma diva moderna. Ela irá encontrar amigas como Butterfly, papel no qual Ferlito consegue levar seu sex appeal ao extremo, para conversarem sobre homens e sexo (e aí aparecem novamente os longos diálogos tarantinescos), beberem em bares toscos e, depois, encontrarem os garotos. Porém, Mike aparece no caminho para mudar seus planos.

O filme pula então para a segunda parte e, dessa vez, o dublê de cinema "machão" encontrará Rosario Dawson, no papel da figurinista Albernathy, além de Tracie Thoms e Mary Elisabeth Winstead, que também falam de homens e sexo, mas também de cinema. E esta é a maior característica que vai diferi-las das primeiras heroínas. Apesar de ser pouco mais que um ano, notamos uma modernização das personagens, mais ligadas à moda e provenientes de grandes cidades.

O diretor, após Jackie Brown (1997) e Kill Bill, volta a fazer com que seus filmes sejam protagonizados por mulheres fortes e decididas. Os freqüentes closes em bundas e pernas de fora, a superficialidade dos diálogos e até a espera por "aquele telefonema" podem, à primeira vista, parecerem machistas e enfadonhas, como, afinal, são os antigos filmes que Tarantino tenta retratar hoje, mas a segunda parte reserva surpresas. Ação mesmo, há pouca. Mas, a que existe, é mais que suficiente e hiper violenta.

O filme contém diversas referências, tão características de um diretor que já declarou fazer cinema por pura diversão e uma herança da Nouvelle Vague francesa, principalmente com relação aos numerosos posters e citações de filmes que inspiraram o diretor. Por exemplo, Zoe Bell, que dublou Uma Thurman em Kill Bill, não quis dublês na principal e perigosa cena de ação do filme e, portanto, fez o papel dela mesma. Há outras curiosidades: a primeira parte de A Prova da Morte se passa em Austin, uma homenagem do diretor a uma cidade que tem um festival de cinema com seu nome. E, religiosamente, Tarantino faz sua ponta como o dono do bar da primeira história. A jukebox do ambiente é dele, assim como a seleção de músicas. O close no pé de Rosario Dawson lembra o fetiche por pés de Tarantino e aquela drámatica cena de Uma Thurman em Kill Bill (a propósito, os guardas do filme estão de volta com um diálogo tão impagável quanto o anterior).

O objetivo, segundo o próprio diretor, foi fazer um filme de terror para adolescentes, como os antigos programas dos teatros undergrounds. Mas prepare-se para se surpreender: um filme de Tarantino não é somente uma cópia dos gostos pessoais de um cinéfilo inveterado, mas se inspira em antigas regras para, logo depois, invertê-las e criar um filme com estilo próprio. A brincadeira com o antigo e o novo, os desgastes propositais da película, a mudança radical e realista de cores e dos ângulos tradicionais da câmera, além dos dublês transformados em protagonistas, fazem de À prova de morte um metafilme e, de Tarantino, um diretor que faz — e seus filmes anteriores mostram que continuará a fazer — o novo cinema.

À prova de morte é menor do que seus outros filmes, é verdade, e revela até um grande contraste com o último, o épico duplo que conta a saga da Noiva, exatamente porque carece de uma maior estruturação, tanto na narrativa como nos personagens, apesar do cenário impecável. Mas, definitivamente, não é menos revolucionário e surpreendente. E atinge as expectativas porque segue as parcas regras que seu diretor se impõe, já conhecidas por todos e que traduzem a liberdade pós-moderna do cinema. Ame-a ou odeie-a.


Marília Almeida
São Paulo, 6/11/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
02. Vinicius de Julio Daio Borges
03. Elon Musk de Julio Daio Borges
04. O Jagunço degolado de Wellington Machado
05. Era uma vez de Carina Destempero


Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2007
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007
05. Cinema é filosofia - 28/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS DEZ MANDAMENTOS - PRINCÍPIOS DIVINOS PARA MELHORAR SEUS...
LORON WADE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2007)
R$ 7,80



O MUNICÍPIO COMO SISTEMA POLÍTICO
ANA MARIA BRASILEIRO
FGV
(1973)
R$ 9,99



A MULHER EM ISRAEL
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
ORGANIZAÇÃO DAS PIONEIRAS
(1975)
R$ 5,00



DIGITAL CASH COMMERCE ON THE NET
PETER WAYNER
AP PROFESSIONAL
(1997)
R$ 22,36



DIÁRIO DE UMA SONHADORA
FRANCISCA A. CASTRO CORRÊA
EDIÇÃO DO AUTOR
R$ 7,00



AUTODEFESA PSIQUICA - 1ª EDIÇÃO
DION FORTUNE
PENSAMENTO
(2015)
R$ 27,00



ESTRELA DA NOITE OS IMORTAIS VOLUME 5
ALYSSON NOEL
ÍNTRISECA
(2013)
R$ 7,00



TEMPO DE EPIGRAMA
ROLANDO ROQUE DA SILVA
EDIPE ARTES GRÁFICAS
(1979)
R$ 10,00



PRISIONEIROS DO INVERNO
JENNIFER MCMAHON; ANA CAROLINA MESQUITA
RECORD
(2014)
R$ 18,00



BRIGA DE CASAL LIÇÕES DE AMOR
JOSE ANGELO GAIARSA
GENTE
(1997)
R$ 22,00





busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês