Três e Dez para Yuma | David Donato | Digestivo Cultural

busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Verklärte Nacht
>>> Ser intelectual dói
>>> Vivísimo vs. Google
>>> A conversa
>>> Ciclistas na Paulista ontem
>>> Entre as cordas, os contos são contundentes
>>> Um bom começo
>>> Das construções todas do sentir
>>> Gullar no Ofício
>>> Qualidade de vida
Mais Recentes
>>> Direitos Humanos e Mulheres Encarceradas de Caroline Howard pela Pastoral Carcerária (2006)
>>> 101 Maneiras de Ser Bom para Você Mesmo de Donna S. Watson pela Mandarim (2000)
>>> A Menina Que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> A Inteligência dos Cães Tudo Sobre o Qi e as Habilidades dos Cachorros de Stanley Coren pela Ediouro (1996)
>>> Filosofando - Introdução à Filosofia de Maria Lúcia de A. Aranha-maria Helena P. Martins pela Moderna (2000)
>>> Histórias do Mar da Póvoa de José de Azevedo pela Póvoa de Varzim (2008)
>>> A Hospedeira de Stephenie Meyer pela Intríseca (2009)
>>> O amor é um cão dos diabos - Livro de Bolso de Charles Bukowski pela L&PM Pocket (2021)
>>> Diário de um Banana - Livro 1 de Jeff Kinney pela V&R (2007)
>>> As Vantagens de ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco Jovens Leitores (2007)
>>> A Primeira Vista - Edição Simples de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Amy & Matthew de Cammie McGovern pela Galera (2015)
>>> A proposta de Katie Ashley - Livro 1 pela Pandorga (2012)
>>> O Dom de Sabedoria na Mente Vida e Obra Volume V de João Scognamiglio Clá Dias pela Não Encontrada (2016)
>>> Como Viver Eternamente de Sally Nicholls pela Geração Editorial (2008)
>>> Metrô 2033 de Dmitry Glukhovsky pela Planeta (2010)
>>> Olhe por Onde Você Anda - Calçadas de Porto Alegre de Airton Cattani, Armindo Trevisan e Sandra Pesavento pela Ufrgs (2007)
>>> O Imperador Vol. 2 - A Morte dos Reis de Conn Iggulden pela Record (2006)
>>> Desejo, Mercado E Religião (LIV00745) de Jung Mo Sung pela Vozes (1998)
>>> Tradução e Comunicação Revista Brasileira de Tradutores de Unibero/centro Universitário pela Unibero/centro Universitário (2001)
>>> Resumo de topografia tomo. 1 e tomo. 2 (vol. 1) de Departamento de publicidade do c. a. horacio lane pela Mackenzie (1951)
>>> Teoria Geral Setenta Anos Depois Ensaios Sobre Keynes de Fernando Ferrari Filho pela Ufrgs (2006)
>>> Resumo de topografia tomo. 1 e tomo. 2 (vol. 2) de Departamento de publicidade do c. a. horacio lane pela Mackenzie (1951)
>>> Revolução Constitucionalista de Marcos Aurélio Pereira pela Do Brasil (1989)
>>> Noturno de Guillermo del Toro e Chuck Hogan pela Rocco (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 5/2/2008
Três e Dez para Yuma
David Donato

+ de 2800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

As distribuidoras de filmes no Brasil parecem se preocupar bastante com os títulos dos filmes que vêm para as telas do país. Preocupação compreensível, diga-se de passagem (afinal, o produto tem que ser vendido, nem que seja por um maldito subtítulo explicativo como O contador de histórias ou O oitavo passageiro), mas, sinceramente, acho que eles exageram na maioria das vezes. Uma escola muito louca, Um maluco no pedaço ou qualquer combinação cafona de "Artigo + Substantivo + Advérbio de Intensidade + Adjetivo" torna a vida mais difícil para quem procura um pouco mais do que gastar duas horas comendo pipoca. O título do filme é como qualquer outro título. Serve para dar uma idéia do conteúdo da obra, e ao mesmo tempo provocar um mínimo de curiosidade.

Somos mais felizes na literatura, onde não se traduz 1984 para Um homem contra o sistema, nem Moby Dick para O caçador de baleias. Mas no cinema, O som da música parece não ser suficiente para dizer que estamos falando de uma noviça que vai contra as regras da sociedade e muda a vida das pessoas ao redor. Quem vai ao cinema para ver O recém-formado (ou O Universitário, O Graduado, como queiram) não tem como saber (pobre alma!) que está prestes a assistir um filme que (entre tantas outras coisas) fala da primeira noite de um homem.

A lista é interminável: Mulholland Drive (Cidade dos sonhos), Ocean's Eleven (Onze homens e um segredo), All about Eve (A Malvada), The Godfather (O poderoso chefão)... O meu preferido (ou preterido) é Annie Hall, que transmutou em Noivo neurótico, noiva nervosa, seguindo uma lógica ainda desconhecida para o resto da humanidade. "Mas o público não vai entender e não vai comprar!" deve ser o argumento principal. E o público de língua inglesa, entende que Jaws é um filme sobre ataque de tubarão só pelo título? Deixam de ir ao cinema por isso?

Claro que alguns títulos são mesmo difíceis de se traduzir, seja pela referência a uma expressão cultural, seja por não fazerem muito sentido mesmo. 3:10 to Yuma é difícil. O horário do trem que vai levar o assassino para a prisão de Yuma parece pouco para dar nome ao filme que trata de temas clássicos do western ― honra, amizade, coragem ― e do tema mor do cinema americano, a redenção. Na época do lançamento do filme original, em 1957, auge das traduções esdrúxulas (High Noon ― Bater ou morrer), 3:10 to Yuma foi trazido ao Brasil com o pomposo título de Galante e sanguinário, referência ao vilão do filme, Ben Wade, um cruel assaltante especializado em cargas da ferrovia Southern Pacific, mas que recita trechos da Bíblia, é culto, capaz de seduzir a todos e é até um sensível desenhista. Galante, sem dúvida. Sua contraparte é Dan Evans, fazendeiro, veterano da Guerra Civil, honesto e trabalhador, mas, essencialmente, um fracassado. Sem dinheiro para sustentar a família (que pouco o respeita), ele se oferece para escoltar o bandido até outra cidade para o trem das 3:10, mesmo tendo o bando de Wade em seu encalço.

Premissa dada, vejamos: o filme de 1957 é um clássico do gênero, dirigido por Delmer Daves com Glenn Ford no papel do charmoso vilão. James Mangold (Johnny e June ― no original, Walk the line ―, Garota, interrompida) é o responsável pelo cuidadoso remake que estréia agora nos cinemas. Nada de câmera tremida ou planos ultra-rápidos. A montagem é absolutamente clássica, com um ótimo ritmo. O visual é bonito, mesmo sem o uso extensivo de lentes grande-angulares. A música (recém-indicada ao Oscar) não aparece mais que o filme e o roteiro é interessante, apesar de ter sido acusado de inverossímil (não pode?).

Todos esses pontos positivos fazem um filme bom. O que torna o filme realmente ótimo são as atuações de Russel Crowe e Christian Bale. Crowe, como o vilão, apesar de longe de superar a si próprio de O Informante e de Los Angeles ― Cidade proibida, está, para encurtar, fascinante. Ele faz com que o poder de persuasão do personagem seja completamente crível, e que, mesmo algemado, ele sempre pareça ter o controle da situação. Já Bale, que fez até o Batman ficar real, não faz por menos e traz credibilidade para cada motivação do personagem.

Destaque para Ben Foster (X-Men 3), que faz o braço direito de Ben Wade, Charlie, e que só não rouba a cena por causa da dupla fortíssima de protagonistas, e para o eterno Easy Rider, Peter Fonda.

Curioso destacar que, ao melhor estilo Sergio Leone, são estrangeiros que fazem esse western legitimamente americano. Russel Crowe é da Nova Zelândia e Christian Bale é inglês. 3:10 to Yuma pode não ser o filme que trouxe o western de volta (como quase fez Clint Eastwood com Os Imperdoáveis), mas sem dúvida não faz feio para o gênero.

A distribuidora brasileira, inclusive, pegou carona no título de Os Imperdoáveis (ele mesmo um tanto mal traduzido, já que o original é Unforgiven, Imperdoável, em referência ao passado do protagonista, e/ou às atitudes do vilão) e deu para 3:10 to Yuma o singelo título de Os Indomáveis. Não tem necessariamente nada a ver com o filme, mas vale a pena guardar, nem que seja para comprar o ingresso no cinema.


David Donato
São Paulo, 5/2/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O retalho, de Philippe Lançon de Wellington Machado
02. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
03. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
04. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo
05. Èpa Bàbá Oxalá! na Nota de Real de Duanne Ribeiro


Mais David Donato
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/1/2008
17h51min
No livro "De Hitchcock a Greenaway pela História da Filosofia", de Julio Cabrera, o último capítulo "Os brutos também traduzem" traz uma bem-humorada lista de títulos de filmes traduzidos para o português em confronto com o nome original, mostrando o quanto os nossos "tradutores" acertam ou deturpam o entendimento de uma obra cinematográfica e trata especificamente da renomeação, não da tradução. O que se pretende mostrar é que os brutos também renomeiam e criam títulos absurdos e desvinculados do original.
[Leia outros Comentários de Antônio do Amaral ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Questionário Básico de Trabalho de Campo Linguístico
Mônica Rector (org)
Fund Casa de Rui Barbosa
(1983)



Tecnologia e Politica na Sociedade Engenheiros, Revindicação E
Lili Kawamura
Brasiliense (sp)
(1986)



O Curral das Bestas
Magnus Mills
Asa (porto Portugal)
(1999)



Como Progredir na Vida
Hans Holzer
Record
(1980)



O Segredo da Flor
F. Anselmo Fracasso
Vozes
(1971)



Poemas do Tempo - Autografado
Ninfa Parreiras
Paulinas
(2009)



O Analista de Bagé - 100ª Edição
Luis Fernando Veríssimo
L&pm (porto Alegre)
(1995)



Hepatology a Clinical Textbook
Stefan Mauss
Flying
(2010)



Instituições de Direito Civil II - Teoria Geral das Obrigações
Caio Mário da Silva Pereira
Forense
(2009)



Não seja vazio
Ronaldo Pazini, Douglas de Matteu
Literare Books International
(2019)





busca | avançada
81347 visitas/dia
2,7 milhões/mês