Machado de Assis: assassinado ou esquecido? | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Machado de Assis

Segunda-feira, 2/6/2008
Machado de Assis: assassinado ou esquecido?
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Machado de Assis tem servido para tudo, menos para ser comentado por seu valor maior: o de literato, de escritor, de artista. Não adianta fugir de uma questão: Machado é amplamente estudado nas universidades e, pior para ele, até em departamentos que não têm nada a ver com literatura, mas discutido sempre de pontos de vista irrelevantes. Estes estudos, na sua maioria, têm servido para explicar tudo, menos o caráter literário de sua obra. Na verdade, essas análises não servem para nada, se não para nos desviar do essencial de Machado.

Conhecer um escritor deste porte exige leitores amplamente qualificados, no caso de leitores acadêmicos, que sejam, no mínimo, informados pela vasta cultura que alimentou o próprio Machado. Isso, afinal, é para poucos. Exigiria uma vasta cultura sobre obras literárias, nacional e estrangeira, sobre teorias literárias e sobre o Bruxo do Cosme Velho. Exigiria tempo e envolvimento de uma ordem que o tempo mercadológico/profisisonalizante de uma tese não daria jamais conta.

Depois dos estudos de Roberto Schwarz sobre Machado, Ao vencedor as batatas e Um mestre na periferia do capitalismo e as pesquisas de outros historiadores e sociólogos menos inteligentes, Machado de Assis acabou servindo de álibi para se explicar as "contradições da sociedade brasileira", e menos, insisto em dizer, sua literalidade, seu valor enquanto obra de arte. A contaminação sociológico-histórica não tem fim e estudantes desavisados sobre o que é arte numa obra de arte têm cometido o que eu chamaria, com certa delicadeza, de "o assassinato de Machado de Assis".

Sim, exatamente isso que falei acima, assassinato. Condenar um escritor genial como Machado de Assis a ser lido apenas por este viés superficial é denegrir seu aspecto mais rico, mais instigante, mais sólido, mais eterno: sua qualidade artística. E esta qualidade não tem nada a ver com o fato de que pode haver em sua obra referências a contextos históricos. O contexto é apenas a superfície, a arte é o oceano profundo. Quem mergulharia como bom nadador neste mar sem fim de ousadas construções literárias, que de miméticas não têm nada?

Quantas gerações de estudantes contaminados pelo sociologismo e historicismo vagabundos serão necessárias para, depois de pisotear o Bruxo do Cosme Velho, enterrá-lo de uma vez por todas? Melhor do que ler Machado como documento histórico é não lê-lo, eu sugiro. Para quem quer conhecer História do Brasil, há tratados que dão conta do recado melhor do que o nosso amado escritor. Agora, usar um escritor de qualidade única apenas como documento histórico é simplesmente lamentável, é burrice, é esquizofrenia intelectual.

Sabemos que, de uma forma geral, historiadores não entendem patavina de arte, salve-se raros casos, evidentemente. Sociólogos muito menos. Isso porque na base de suas intenções e interesses tudo pode ser desejado, menos a compreensão do fato estético em si mesmo. Para essa turminha o que interessa é o acontecimento histórico, mesmo que seja um acontecimento histórico de merda, desprezível, insignificante. Qualquer realidadezinha medíocre tem mais valor para eles que um memorável fato estético.

Dito isso, o que fazer diante da complexidade de uma obra de arte? Colocar uma confortável (?) camisa-de-força teórica sobre ela, amordaçar suas subterraneidades metafóricas e suas potencialidades subjetivas que falam da vida numa instância onde a racionalidade verbal de um pensamento descritivo e razo não conseguem dar conta, e matar sua intenção primária que é a de ser um fato plástico/estético e não um discurso sobre a realidade?

Entendam de uma vez por todas: uma obra de arte é uma realidade tanto quanto tudo o que vocês chamam de realidade. Uma obra de arte é um organismo tanto quanto nós somos organismos. Uma obra de arte tem vida própria, respira por seus próprios órgãos e mesmo que se relacione com outros órgãos não perde os seus próprios movimentos e muito menos sua vida. E sua vida, a chama que a alimenta, se chama "fato estético".

Uma obra de arte é uma realidade de uma natureza diferente e que se acrescenta à nossa realidade, se assim o quisermos. A realidade da obra de arte é mais rica que nossa banal e corriqueira realidade, justamente por ser outra e ser de ordem não corriqueira. Como dizia Fassbinder, a obra de arte é mais quente que a vida. Quem já experimentou, sabe disso.

Por isso, salvemos o Machado de Assis destes rasteiros pensadores que só conseguem ver na obra de um gênio o reflexo banal de uma realidade que se parece mais com seus próprios cérebros do que com outra coisa.

Machado é maior porque é melhor literatura do que qualquer outra coisa. Não percam tempo com interpretações, a vida é curta e o melhor é curtir diretamente toda a obra de Machado. O conhecimento que advém disso é um conhecimento de uma ordem que palavra alguma daria conta.

É no silêncio gritante das páginas de Machado que ele se encontra. Fora disso, a vida continua... banal.


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 2/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
02. Nos brancos corredores de Mercúrio de Elisa Andrade Buzzo
03. A grama do vizinho de Adriane Pasa
04. Você vem sempre aqui? de Ana Elisa Ribeiro
05. Tua melhor palavra ou teu melhor silêncio de Verônica Papoula Mendes


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


Mais Especial Machado de Assis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/6/2008
16h10min
Você tocou num ponto que sempre, sempre, me incomoda. A avaliação da arte literária sob todas as óticas, menos a artística. Sociologismo e historicismo, aquele mais que este, são absurdos quando limitados por seus, digamos, limites epistemológicos (e esses limites geralmente se impõem, sei lá por quê). Infelizmente, esse é um traço própria do nosso meio intelectual: se for literatura, o que menos importa é a estética e o que mais importa é o contexto.
[Leia outros Comentários de Guilherme Montana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PARA SEMPRE - SÉRIE OS IMORTAIS VOLUME 1
ALYSON NOËL
INTRINSECA
(2009)
R$ 16,00



A DERRAMA CONTEMPORÂNEA
FLÁVIO ROCHA
TOPBOOKS
(1992)
R$ 5,00



ÀRE
MARCOS SANTILLI
SVER & BOCCATO
(1987)
R$ 12,00



DECIDE & DELIVER FIVE STEPS TO BREAKTHROUGH PERFORMANCE IN YOUR ...
MARCIA W. BLENKO / MICHAEL C. MANKINS PAUL ROGERS
BAIN & COMPANY
(2010)
R$ 90,00



THE KNOWLEDGE BOOK: EVERYTHING YOU NEED TO KNOW TO GET BY IN THE 21ST
NATIONAL GEOGRAPHIC
NATIONAL GEOGRAPHIC
(2009)
R$ 50,00



O ROMANCE DESASTROSO DE JOSIANO E MARIANA OU A GESTA DO BOI MENINO
FERNANDO LONA
MCGRAW-HILL
(1977)
R$ 24,00
+ frete grátis



ENSAIOS DE HISTORIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO
FRANCISCO DA SILVA COELHO; TAMAS SZMERECSANYI
ATLAS
(2007)
R$ 60,00



NOSSAS RAINHAS
AYMARA ARREAZA RODRÍGUEZ
ID
(2010)
R$ 30,00



O PLANETA DESCONHECIDO
PETER KOLOSIMO
MELHORAMENTOS
(1973)
R$ 17,00



CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE POR VIA DE AÇÃO
DIRCÊO TORRECILLAS RAMOS
WVC
R$ 12,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês