Machado de Assis: assassinado ou esquecido? | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Mais Recentes
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
COLUNAS >>> Especial Machado de Assis

Segunda-feira, 2/6/2008
Machado de Assis: assassinado ou esquecido?
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Machado de Assis tem servido para tudo, menos para ser comentado por seu valor maior: o de literato, de escritor, de artista. Não adianta fugir de uma questão: Machado é amplamente estudado nas universidades e, pior para ele, até em departamentos que não têm nada a ver com literatura, mas discutido sempre de pontos de vista irrelevantes. Estes estudos, na sua maioria, têm servido para explicar tudo, menos o caráter literário de sua obra. Na verdade, essas análises não servem para nada, se não para nos desviar do essencial de Machado.

Conhecer um escritor deste porte exige leitores amplamente qualificados, no caso de leitores acadêmicos, que sejam, no mínimo, informados pela vasta cultura que alimentou o próprio Machado. Isso, afinal, é para poucos. Exigiria uma vasta cultura sobre obras literárias, nacional e estrangeira, sobre teorias literárias e sobre o Bruxo do Cosme Velho. Exigiria tempo e envolvimento de uma ordem que o tempo mercadológico/profisisonalizante de uma tese não daria jamais conta.

Depois dos estudos de Roberto Schwarz sobre Machado, Ao vencedor as batatas e Um mestre na periferia do capitalismo e as pesquisas de outros historiadores e sociólogos menos inteligentes, Machado de Assis acabou servindo de álibi para se explicar as "contradições da sociedade brasileira", e menos, insisto em dizer, sua literalidade, seu valor enquanto obra de arte. A contaminação sociológico-histórica não tem fim e estudantes desavisados sobre o que é arte numa obra de arte têm cometido o que eu chamaria, com certa delicadeza, de "o assassinato de Machado de Assis".

Sim, exatamente isso que falei acima, assassinato. Condenar um escritor genial como Machado de Assis a ser lido apenas por este viés superficial é denegrir seu aspecto mais rico, mais instigante, mais sólido, mais eterno: sua qualidade artística. E esta qualidade não tem nada a ver com o fato de que pode haver em sua obra referências a contextos históricos. O contexto é apenas a superfície, a arte é o oceano profundo. Quem mergulharia como bom nadador neste mar sem fim de ousadas construções literárias, que de miméticas não têm nada?

Quantas gerações de estudantes contaminados pelo sociologismo e historicismo vagabundos serão necessárias para, depois de pisotear o Bruxo do Cosme Velho, enterrá-lo de uma vez por todas? Melhor do que ler Machado como documento histórico é não lê-lo, eu sugiro. Para quem quer conhecer História do Brasil, há tratados que dão conta do recado melhor do que o nosso amado escritor. Agora, usar um escritor de qualidade única apenas como documento histórico é simplesmente lamentável, é burrice, é esquizofrenia intelectual.

Sabemos que, de uma forma geral, historiadores não entendem patavina de arte, salve-se raros casos, evidentemente. Sociólogos muito menos. Isso porque na base de suas intenções e interesses tudo pode ser desejado, menos a compreensão do fato estético em si mesmo. Para essa turminha o que interessa é o acontecimento histórico, mesmo que seja um acontecimento histórico de merda, desprezível, insignificante. Qualquer realidadezinha medíocre tem mais valor para eles que um memorável fato estético.

Dito isso, o que fazer diante da complexidade de uma obra de arte? Colocar uma confortável (?) camisa-de-força teórica sobre ela, amordaçar suas subterraneidades metafóricas e suas potencialidades subjetivas que falam da vida numa instância onde a racionalidade verbal de um pensamento descritivo e razo não conseguem dar conta, e matar sua intenção primária que é a de ser um fato plástico/estético e não um discurso sobre a realidade?

Entendam de uma vez por todas: uma obra de arte é uma realidade tanto quanto tudo o que vocês chamam de realidade. Uma obra de arte é um organismo tanto quanto nós somos organismos. Uma obra de arte tem vida própria, respira por seus próprios órgãos e mesmo que se relacione com outros órgãos não perde os seus próprios movimentos e muito menos sua vida. E sua vida, a chama que a alimenta, se chama "fato estético".

Uma obra de arte é uma realidade de uma natureza diferente e que se acrescenta à nossa realidade, se assim o quisermos. A realidade da obra de arte é mais rica que nossa banal e corriqueira realidade, justamente por ser outra e ser de ordem não corriqueira. Como dizia Fassbinder, a obra de arte é mais quente que a vida. Quem já experimentou, sabe disso.

Por isso, salvemos o Machado de Assis destes rasteiros pensadores que só conseguem ver na obra de um gênio o reflexo banal de uma realidade que se parece mais com seus próprios cérebros do que com outra coisa.

Machado é maior porque é melhor literatura do que qualquer outra coisa. Não percam tempo com interpretações, a vida é curta e o melhor é curtir diretamente toda a obra de Machado. O conhecimento que advém disso é um conhecimento de uma ordem que palavra alguma daria conta.

É no silêncio gritante das páginas de Machado que ele se encontra. Fora disso, a vida continua... banal.


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 2/6/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês de Jardel Dias Cavalcanti
02. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges
03. Modelos plus size: as novas mulheres irreais de Pati Rabelo
04. A batalha perdida do pastor de Diego Viana
05. Kindle, iPad ou Android? de Vicente Escudero


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


Mais Especial Machado de Assis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/6/2008
16h10min
Você tocou num ponto que sempre, sempre, me incomoda. A avaliação da arte literária sob todas as óticas, menos a artística. Sociologismo e historicismo, aquele mais que este, são absurdos quando limitados por seus, digamos, limites epistemológicos (e esses limites geralmente se impõem, sei lá por quê). Infelizmente, esse é um traço própria do nosso meio intelectual: se for literatura, o que menos importa é a estética e o que mais importa é o contexto.
[Leia outros Comentários de Guilherme Montana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VOCÊ DIZ QUE SABE MUITO BORBOLETA SABE MAIS
RICARDO AZEVEDO
MODERNA
(2007)
R$ 20,00



O GRANDE SOL DE MERCÚRIO
ISAAC ASIMOV
HEMUS
R$ 25,00



O TESOURO DO TEMPLO
ELIETTE ABÉCASSIS
EDIOURO
(2003)
R$ 13,50



UM MODELO PREDITIVO DE PROVISIONAMENTO DE CRÉDITO COM REDE NEURAL
FRANCISCO JACKSON DOS SANTOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



PROCESSAMENTO DE BLENDAS PET/LCPS: PROPRIEDADES E ORIENTAÇÃO MOLECULAR
LUCINEIDE BALBINO DA SILVA UND ROSARIO E. S. BRETAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 419,00



11 : 11 - INSIDE THE DOORWAY
SOLARA
STAR BORNE
(1992)
R$ 25,00



MICHAELIS DICIONÁRIO ESCOLAR ESPANHOL/PORTUGUÊS - PORTUGUÊS/ESPANHOL
EQUIPE MELHORAMENTOS
MELHORAMENTOS
(2009)
R$ 49,00



VOCÊ PODE CONQUISTAR TUDO O QUE SEMPRE QUIS...
ADRIAN CALABRESE
UNIVERSO DOS LIVROS
(2009)
R$ 9,90



BRASÍLIA 3° LIVRO PRIMÁRIO
DAISY BRÉSCIA
LIVRARIA FRANCISCO ALVES
(1971)
R$ 20,00



BUSH NA BABLÔNIA.
TARIQ ALI
RECORD
(2003)
R$ 29,90
+ frete grátis





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês