Necrófilos da vanguarda roqueira | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sou diabético
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
Mais Recentes
>>> Por Onde Andou Meu Coração de Maria Helena Cardoso pela Nova Fronteira/ RJ. (1984)
>>> O Brasileiro Perplexo de Rachel de Queiroz pela Edautor (1963)
>>> Se a Memória não Me Falha de Sylvia Orthof/ Ilustrações: Tato pela Nova Fronteira/ RJ. (1987)
>>> João Miguel de Rachel de Queiroz pela Siciliano/ SP. (1992)
>>> Maria Ruth de Ruth Escobar/ Prefácio: Hélio Pellegrino pela Guanabara/ RJ. (1986)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> voce Tem Personalidade? de Pedro Bloch pela Bloch editores (1979)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> O Menino Mágico de Rachel de Queiroz/ Ilustrações: Gian Calvi pela Livr. José Olympio Edit. (1982)
>>> Um Nome pra Matar (Prêmio Walmap) de Maria Alice Barroso/ Prefácio: Antonio Olinto pela Bloch editores (1967)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Uma cidade Fora do mapa de Eliane Ganem pela Livr. José Olympio Edit. (1987)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Luana Adolescente, Lua Crescente de Sylvia Orthof: Texto e Ilustrações pela Nova Fronteira (1994)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia- Roza pela Record/ RJ. (2001)
>>> Contos de Amor Rasgados de Marina Colasanti pela Rocco/ RJ. (1986)
>>> Uma Ideia Toda Azul (Sem manuseio) de Marina Colasanti pela Global/ SP. (2013)
>>> O Verde Brilha no Poço de Marina Colasanti/ Ilustr: Rogério Borges pela Melhoramentos (1990)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1986)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> E Por Falar em Amor de Marina Colasanti pela Rocco (1985)
>>> Brava Gente Brasileira (Sem uso) de Marcio Moreira Alves pela Nova Fronteira/ RJ. (2001)
>>> O Milionario Instantaneo de Carolina Caires Coelho; Mark Fisher pela Figurati (2014)
>>> Scrum - a Arte de Fazer o Dobro na Metade do Tempo de Jeff Sutherland & J. J. Sutherland pela Leya (2014)
>>> Como Fracassar Em Quase Tudo e Ainda Ser Bem Sucedido de Scott Adams pela Figurati (2016)
>>> Contagem Regressiva de Alice Klesck; Alan Weisnan pela Leya (2014)
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
COLUNAS

Terça-feira, 18/11/2008
Necrófilos da vanguarda roqueira
Diogo Salles

+ de 8200 Acessos
+ 11 Comentário(s)

No rock, existem bandas que sabem respeitar sua própria história; outras, não. Simples assim. Nesse início de século XXI, diante da indigência do rock atual e da ausência de renovação no gênero, escrevi aqui ― em tom de regozijo, confesso ― que os dinossauros voltaram da pré-história para ocupar o vazio que indiegentes e emorróidas não conseguiram preencher. Porém, cometi um grande erro ao omitir que essa vanguarda roqueira também tem o seu lado infame. E alguns beiram o grotesco, violando túmulos de roqueiros imortais. O bom senso diz que é preciso ter muito cuidado ao mexer na história de uma banda, principalmente se ela for um ícone de uma era. Mas, à revelia de tudo isso, algumas bandas preferiram ignorar todas as profecias dos deuses do rock e jogar suas biografias na lata do lixo.

Não falo aqui de reuniões "caça-níqueis", como muitos acusam, até porque acredito que esse termo é usado de forma equivocada. Genesis e The Police, por exemplo, se reuniram em turnês muito bem-sucedidas e brindaram seus fãs porque era exatamente essa a proposta. Além das reuniões terem sido com os integrantes originais (ou remanescentes), era apenas uma turnê. E só. Alguns artistas são ainda mais cautelosos na hora de revirar seu baú, como foi o caso do Led Zeppelin, que se reuniu para uma única apresentação, no final de 2007. O show aguçou tanto o apetite dos fãs e dos promoters de shows que Robert Plant já não agüenta mais responder se fará ou não a turnê... Aliás, aproveito aqui o espaço para engrossar o coro.

Mas ainda existem bandas que conseguem ressurgir das cinzas para compor material novo. Se os discos não soam brilhantes como antigamente ― até porque os tempos são outros ―, pelo menos, os músicos respeitaram suas biografias e não fizeram feio frente aos fãs e à crítica, caso recente de Whitesnake, Extreme e Asia. Melhor ainda são aquelas que nunca deixaram a peteca cair e, mesmo entre um ou outro disco irregular, ainda mostram grande capacidade para se reiventar e lançar ótimos trabalhos, como fizeram recentemente Rush e AC/DC.

Ao longo dos anos as baixas em bandas de rock foram inevitáveis, dado o excesso de seus integrantes. Todas as perdas foram traumáticas, mas algumas são irreparáveis para a sonoridade da banda. O que seria, por exemplo, dos Stones sem Mick Jagger ou Keith Richards? Eles superaram muito bem a morte de Brian Jones e se viraram melhor ainda quando o baixista Bill Wyman decidiu deixar a banda, mas, sem Mick ou Keith, simplesmente não há Rolling Stones. No caso do Led Zeppelin, o vitimado foi o baterista John Bonhan. A despeito de sua genialidade, ele foi dignamente substituído pelo seu próprio filho, Jason. Aqui, além do gene do pai, existe um legado que foi respeitado. Além disso, um novo disco de estúdio nunca chegou a ser cogitado.

Substituir bateristas e baixistas certamente é menos traumático em termos musicais. Mas a corrente vocalista-guitarrista, quando quebrada, causa uma seqüela irreversível ao som da banda e poucos (pouquíssimos, na verdade) foram bem-sucedidos ao correr esse risco. Com isso, as maiores vítimas foram mesmo as bandas que perderam seus vocalistas ao longo da jornada ― principalmente quando o vocalista era a alma da banda. Responda rápido: existe U2 sem Bono? Pois é, deve ter gente que acha isso possível, mas esquecem que, quando se perde a alma, qualquer tentativa de reencontrá-la será inócua.

Olhando pelo lado dos músicos, chega a ser compreensível, já que os shows tributo não chegam a saciar o apetite de quem já se viu em grandes e longas turnês e conviveu com a fama. Porém, isso não serve como desculpa para que seus remanescentes manchem a história da banda e a memória de quem ajudou a construí-la.

É o que aconteceu com o The Doors. Em 2001, ressurgiram sob o pretexto de fazer um tributo a Jim Morrison, com vários vocalistas convidados. Mas logo decidiriam remontar a banda tendo Ian Astbury (The Cult) nos vocais, que até se mostrou competente. Uma turnê bastava, mas o The Doors of the 21st Century ― que depois virou Riders on the Storm ― preferiu diluir Jim Morrison, se aventurando em turnês que, se deixar, podem ir até o século XXII. Pelo menos Ray Manzarek e Robby Krieger tiveram a sensibilidade de perceber que um novo disco de inéditas seria um completo desastre. Esse erro, eles já tinham cometido lá nos anos 1970, mas que, felizmente, não se repetiu nessa nova encarnação... Ainda.

Algumas bandas conseguem fazer ainda pior, quando resolvem ser cover de si mesmas. Caso do Creedence Clearwater, que virou "Revisited", já que os únicos membros originais são o baixista e o baterista. Outro detalhe sórdido é que a "turnê" deles começou em 1995 e até hoje não acabou. Mas ninguém se expôs tanto ao ridículo quanto o INXS. Quando Michael Hutchence morreu enforcado em circunstâncias obscuras em 1997, a banda sinalizava que encerraria suas atividades, mas seguiu com vocalistas temporários. Até que, em 2004, eles atingiriam o pináculo da venalidade: encontrar um vocalista através do reality show Rock Star. Depois que este foi vencido por um certo J. D. Fortune, era evidente que o que viria depois seria sumariamente ignorado pela grande maioria dos fãs.

Eis que o Queen anunciou sua volta com o vocalista Paul Rodgers (ex-Free e Bad Company) no lugar de Freddie Mercury. Estranho, para dizer o mínimo. John Deacon, o baixista, previu o pior e não embarcou nessa canoa, dizendo que uma reunião só funcionaria com George Michael nos vocais ― opinião compartilhada por boa parte dos fãs da banda. George Michael não é roqueiro e é muito inferior a Freddie Mercury em todos os aspectos, mas seu timbre vocal é o que mais se assemelha ao de Freddie. Sua interpretação para "Somebody to love" no famoso tributo de 1992 mostrou isso e, vendo a turnê atual, fica a impressão de que John Deacon talvez tivesse razão.

Não que Paul Rodgers seja de todo ruim. No palco ele ainda mostra vitalidade do alto de seus quase sessenta anos e mostra reverência e humildade ao ocupar o lugar que já foi do maior front-man da história do rock. O problema maior é achar que essa história pode ser continuada. É achar que lançar um novo disco de inéditas e colocar o nome "Queen" na capa vai atrair os fãs como uma manada de búfalos.

Essa excêntrica união de forças chamada Queen+Paul Rodgers errou logo na escolha do nome. E errou feio. Se eles se lançassem com um outro nome e um outro conceito que passasse ao largo de tudo o que remotamente lembrasse Queen, a recepção seria muito mais simpática. Mas como eles insistiram em misturar as estações e estão tocando músicas novas na atual turnê ― que passará por aqui na semana que vem (dias 26 e 27 em São Paulo e dia 29 no Rio) ―, o novo disco tinha a difícil (ou seria impossível?) missão de trazer um material à altura...

Muito aquém de um Bad Queen
O primeiro erro que se pode cometer ao ouvir The Cosmos Rocks é tentar compará-lo ao Queen original. Não é exatamente um exercício fácil, já que a estranha junção de dois estilos tão diferentes poderia parecer um "Bad Queen" à primeira vista. Mas vamos nos ater apenas ao Queen+Paul Rodgers, como eles preferiram chamar. Depois que me despi de todos os pré-conceitos, me preparei para a audição. O disco abre com "Cosmos rockin" e a realidade vem logo à tona... Mau presságio para uma banda com a petulância de ter "Queen" em seu nome. Meus ouvidos já acusavam um pastiche de Bad Company, mas ainda era cedo para julgar e fui em frente. "Still burnin" tenta manter uma pegada rock, mas "Small" mergulha num clima bucólico e introspectivo e dá mostras de que o pior ainda está por vir.

Em "We believe", a mensagem pacifista é de uma rara ingenuidade e tenta (sem sucesso) se adequar aos tempos politicamente corretos de hoje. O resultado é uma caricatura tardia de "We are the world". Esse não é o único momento que beira o constrangedor. Em "Call me" o refrão chiclete ("Call me if need my love, baby") tem a profundidade de um pires e poderia ser dada para algum cantor cucaracha de reality show. E por falar em reality shows, "C-lebrity" entra no mundo das pseudocelebridades e faz uma crítica ao showbizz ― o problema é que esqueceram de fazer uma autocrítica antes.

Para consumar a tragédia, fechamos com uma trinca de baladas patéticas: "Some things that glitter", "Through the night" e "Say it's not true"... De deixar ruborizado até Bryan Adams em seus pesadelos mais molhados. Nem mesmo Brian May foi capaz de se salvar do naufrágio. Guitarrista talentoso, ele até tem bons momentos ― como em "Surf's up... School's out" ― mas muito pouco para um músico de seu brilho.

O resultado final é uma banda desfigurada e anacrônica, com tiozões tentando fazer um "hype", no melhor (ou pior) estilo papai-garotão. Quem diria... Minhas definições pré-conceituosas do início ficaram inverossímeis, pois se mostraram esperançosas demais. O que começou como "Bad Queen" e logo sinalizava para um Bad Company pasteurizado, mostrou, ao final, que The Cosmos Rocks é um disco solo de Paul Rodgers (fraco, por sinal) com uma banda de luxo apoiando-o. Caça-níqueis? Sim, aqui o termo se aplica. Freddie Mercury não merecia isso. E o pior é que ele não estava lá para evitar que seus ex-bandmates cometessem esse cósmico equívoco.

Nota do Editor
Leia também "O fundamentalismo headbanger".


Diogo Salles
São Paulo, 18/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
02. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
03. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
04. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
05. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2008
01. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
02. Preconceitos - 8/1/2008
03. Caricaturas ao vivo - 8/7/2008
04. Voto obrigatório, voto útil... voto nulo - 12/8/2008
05. 1998 ― 2008: Dez anos de charges - 23/12/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/11/2008
02h42min
Putz, essa coluna foi certeira. E na qualidade de um fãzaço do Queen (o verdadeiro), que foi a banda que me fez gostar de música pra valer, me sinto tão ultrajado que tenho vontade de encontrar Roger Taylor e Brian May na frente de algum hotel paulistano para alvejá-los com alguns ovos podres. Consegui escutar apenas 3 faixas do álbum e chega a doer de tão constrangedor. O Paul Rodgers não tem culpa, está fazendo o que era de se esperar. A vergonha e o peso dessa profanação cabem inteiramente a May e Taylor. Também partilho da opinião de que, já que é pra cometer essa heresia de botar o nome Queen em algo sem Freddie Mercury, que o escolhido fosse o George Michael. Salve Freddie e salve John Deacon! Belo texto! Longa vida ao verdadeiro Queen!
[Leia outros Comentários de Francisco Del Rio]
18/11/2008
21h51min
Exatamente, Diogo. Se o artista não tem mais nada a dizer, melhor que se cale e pressinta com isto a dignidade do silêncio em hora precisa. É o gesto majestoso do homem que conhece seu limite, de um servidor sem senhores que sai de cena antevendo o desejo do público, evitando o constrangimento de ser retirado pelo gancho. Saber quando falar é quase tão importante quanto saber quando calar.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
19/11/2008
11h40min
Bom... Não comentarei o seu artigo, pois discordo em quase tudo o que você escreveu. Apenas faço uma correção: John Deacon se aposentou em 92, depois do show Tributo ao Freddie Mercury, e fez isso pois a vida de Rock Star não combinava com ele. Desde então, ele não participou de nada relacionado à banda, e nem de nada relacionado a música. E outra: Deacon NUNCA, JAMAIS disse preferir George Michael! Me mostra onde ele disse isso, que só você leu. Concordo que a perfomance de George Michael no tributo foi primorosa, e é a minha interpretação de Somebody To Love favorita. Mas Deacon nunca disse isso. Ah! Só por informação, se Roger e Brian usam o nome Queen e tocam músicas do Queen nos shows atuais (inclusive o filho pródigo de John, Another One Bites The Dust), é porque John Deacon deu o seu aval pra que eles fizessem isso, assim como os retentores dos direitos de Freddie Mercury. Então, de uma certa forma, Deacon está SIM relacionado ao projeto Queen + Paul Rodgers.
[Leia outros Comentários de Shirley Anizio]
19/11/2008
21h45min
Caro Diogo, adorei seu texto. Sobre ouvir o CD ou ver o show desta nova formação do Queen, adoto uma antiga frase de um amigo meu: "Não posso deixar de perder!". Constrangedor, melancólico... São apenas alguns adjetivos que me vêm à cabeça sobre este assunto. Triste é ver dois músicos históricos se prestarem a este papel. Abraços!
[Leia outros Comentários de Luiz Augusto Lima]
19/11/2008
22h10min
A voz de George Michael é bem vinda em qualquer banda, até no Queen.
[Leia outros Comentários de mere dos santos]
20/11/2008
16h15min
Shirley (#3), sempre achei que os fanáticos soubessem absolutamente tudo sobre seus ídolos, já que eles sempre adoram cercear e corrigir cada palavra que blasfemam contra seus "deuses". Acho que eu estava errado, mas tudo bem - o Deacon é um cara recluso e deve ter falado poucas vezes sobre o George Michael. Enfim, aqui vamos nós... Jornal da Tarde, dia 5/10/2008: "Não é à toa que John Deacon, baixista da primeira formação do grupo e compositor de sucessos como 'Another One Bites the Dust' e 'I Want to Break Free', não deu as caras no projeto. Deacon só aceitaria o retorno da banda com George Michael nos vocais". Tive o cuidado de checar essa informação com o jornalista, autor a matéria, e ele me confirmou que leu essa declaração numa entrevista do Deacon a uma revista gringa. Você pode discordar à vontade de mim. Só tome cuidado com o "NUNCA" e o "JAMAIS". São palavras perigosíssimas - principalmente quando usadas assim, em letras garrafais.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
24/11/2008
19h08min
Caro Diogo, concordo com tudo que você disse. Contudo, sobre a sua resposta ao questionamento da Shirley, você há de convir que citar uma afirmação de alguém, que outro alguém leu em "alguma revista gringa", não dá lá muita credibilidade à informação, né? Eu também tenho lá minhas dúvidas quanto a essa preferência pelo George Michael e à veracidade da afirmação do John Deacon. Sem falar que duvido muito que com o GM nos vocais a "volta do Queen" fosse muito melhor do que essa turnê mediocre... Abraço!
[Leia outros Comentários de Eduardo Savanachi ]
26/11/2008
19h43min
Eduardo, é certo que o Deacon deu pouquíssimas entrevistas (ainda mais depois que o Freddie Mercury morreu), senão não suscitaria tanta dúvida. Mas não foi algo que "alguém-que-disse-contou-para-alguém-que-leu-não-sei-onde", como você sugeriu. Entendo seu ponto, e eu até teria a mesma dúvida quanto à veracidade disso, se eu não conhecesse tão bem o jornalista que escreveu a matéria. E ele tampouco se baseou em algum comentário en passant que "alguém falou" - foi ele próprio quem leu a entrevista e, ainda por cima, escreveu isso no JT. Quanto ao George Michael no Queen (caso ocorresse), acho pouco provável que eles iriam apostar num disco de inéditas e ainda mais improvável que se arriscassem a tocar "Wake Me Up Before You Go-Go" ou "I Want Your Sex" nos shows. Acho que seria apenas o repertório do Queen, num formato turnê-tributo. Quanto à sua performance nessa turnê imaginária, concordo com você: seria mesmo uma incógnita.
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
28/11/2008
03h48min
Concordo com o seu texto, mas acho que essa volta do smile com nome de QUEEN nâo é apenas uma turnê caça-níquel, representa também uma frustaçâo do brian may que sempre soube que o coraçâo e a alma do QUEEN era o FREDDIE, e por isso todos os holofotes estavam direcionados a ele. brian may na certa quer ser reconhecido como o "novo líder" do QUEEN... Ou seria smile? Ou cover do QUEEN? Para mim o QUEEN é uma banda única, que sempre vai ser reconhecida pela sua sonoridade inconfundível e, principalmente, pelo talento e carisma de seu extraordinário vocalista (original).
[Leia outros Comentários de Fred Adriâo]
14/5/2009
16h48min
O Queen acabou em 1991, quando Freddie Mercury morreu. Tudo o que veio depois foi só tributo e ninguém em sã consciência duvidaria disso. E só para que fique registrado, eis a prova de que essa caricatura de Queen não ia durar muito. Sim, Paul Rodgers acaba de anunciar sua separação do "Queen" para se juntar novamente ao Bad Company. O que estarão pensando os fãs que tanto defenderam o tal do "Queen+Paul Rodgers"? Talvez eles devam sugerir ao Brian May e ao Roger Taylor fazer como o INXS e criar um reality show para encontrar um novo vocalista...
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
6/7/2009
14h16min
Diogo, excelente análise, parabéns!
[Leia outros Comentários de Rodrigo Borges]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRATÉGIA, CULTURA E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS
ALBERTO DE FREITAS
ELSEVIER
(2016)
R$ 56,00



VARIÁVEIS COMPLEXAS
MURRAY R. SPIEGEL
MCGRAW HILL DO BRASIL
(1972)
R$ 69,00



REVISTA CAPIXABA DE FILOSOFIA E TEOLOGIA - A. 6 Nº10 (681)
DIVERSOS
IFTAV/FSV
(2008)
R$ 18,00



AVALIAÇÃO E APRENDIZAGEM COM O MOODLE
ANA JÚLIA VIAMONTE
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00



CULTURA E DEMOCRACIA VOLUME 2
CELSO DE RUI BEISIEGEL E OUTROS
FUNARTE
(2001)
R$ 16,28



SELEÇÕES DO READERS DIGEST ABRIL DE 1954
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1954)
R$ 10,00



SANTOS
RICARDO LUIZ DE SOUZA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



CABEÇA DE HUGO CHAVEZ
FLAVIO BRAGA (APRESENTAÇÃO LUIZ COSTA LIMA)
ROCCO
(2011)
R$ 10,00



O EVANGELHO DE COCO CHANEL
KAREN KARBO E CHESLEY MCLAREN
SEOMAN
(2010)
R$ 20,00
+ frete grátis



GRAMÁTICA DA LÍNGUA PORTUGUÊSA - CURSO SUPERIOR
SILVEIRA BUENO
SARAIVA
(1963)
R$ 5,00





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês