A revolução de saber das coisas | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/3/2009
A revolução de saber das coisas
Marta Barcellos
+ de 3100 Acessos

Uma amiga, de 24 anos, estranhou quando lhe contei ter evitado as palavras "ditadura" e "golpe" ao entrevistar alguns velhinhos para um livro. A nossa conversa, vale ressaltar, aconteceu antes da "ditabranda", infeliz expressão cunhada pela Folha de São Paulo em um editorial, que serviu pelo menos para presenciarmos uma reação dos sempre calados intelectuais brasileiros.

Pois bem. No meu caso, a intenção não era polemizar ou opinar sobre a ditadura. Ao contrário, eu apenas pretendia entrevistar senhores que imaginava serem bem conservadores naqueles anos, e a política servia como mero pano de fundo do assunto principal ― o mercado de capitais da época. Intuitivamente, expliquei à amiga, busquei um termo mais neutro, "regime militar", para formular minhas perguntas, sem que isso representasse um problema para mim nem um risco para o andamento da entrevista. Como ela é recém formada, e eu já tenho uns bons anos de estrada, falei da importância de o jornalista se "mimetizar" em determinadas situações ― defendi que vale apelar para a indumentária, usar jargões, enfim, buscar uma identificação que quebre o "gelo" ou a resistência do entrevistado.

― Mas eu não conseguiria jamais usar a expressão "revolução", porque aí seria demais para mim ― ressaltei. Se o diálogo acontecesse algumas semanas depois, teria brincado que "ditabranda" eu não falaria nem sob tortura.

O fato é que quando mencionei "revolução", o espanto da minha amiga me chocou: ela nunca soube que o golpe militar foi chamado assim por seus idealizadores. Muito menos que a palavra ainda é usada por alguns militares e velhinhos conservadores. Aprendeu nos livros de história todos os detalhes do golpe, e ponto final. Vou falar o quê? Os livros estão corretíssimos, a discussão "golpe ou revolução" tornou-se completamente obsoleta com a vitória final da democracia, mas mesmo assim fiquei pensando se seus professores não deveriam ter destacado a tentativa semântica de dar um cunho popular à ação tramada dentro dos quartéis.

Afinal, essa é a diferença entre ter 24 ou 43 anos, conformei-me. A proximidade temporal de um fato que se tornou histórico nos traz uma sabedoria difícil de ser assimilada em registros formais, como livros de história. A semântica, por exemplo, acaba relegada a segundo plano, quando pode estar nela a chave para a compreensão dos sentimentos de uma geração. Naquele dia, decidi usar o ensinamento no livro, e não desprezar detalhes das entrevistas que pudessem ser ricos de significados. Hoje, escrevendo este texto, fico imaginando qual será a idade do editorialista que batucou "ditabranda" no editorial da Folha, ou que espécie de livros o distanciou tanto assim dos fatos ocorridos na ditadura militar brasileira.

Minha preocupação é com a arrogância dos que julgam dominar um assunto por conhecer a cronologia dos fatos, ou ter lido meia dúzia de versões superficiais, e parciais, sobre eles. Nas pesquisas escolares, por exemplo, a garotada corre para o Google, sem que lhe ocorra a alternativa de travar uma conversa com os mais velhos sobre o assunto. Em uma boa prosa com os avós, saberiam que o vizinho defensor da "revolução" era temido pelos que sofriam com a violência da ditadura. E nunca mais esqueceriam o tom emocionado daquele relato.

Se não houver gente mais velha e experiente por perto (sempre há, só que eles não são mais notados), a literatura é sempre uma alternativa segura para se adquirir um pouco desse conhecimento verdadeiro, encharcado de sentimento. Eu própria acabei de viver uma situação assim: do alto de meus 40 e poucos anos, imaginava entender a tal revolução sexual dos anos 60. Burocraticamente, poderia assinalar como marco a invenção da pílula anticoncepcional, falar das conquistas femininas, do movimento hippie.

Mas a verdade é que a minha ficha sobre o que a revolução sexual representou de fato para a vida das pessoas caiu outro dia. Por acaso, li consecutivamente dois romances ambientados nos anos 50, um na Inglaterra e outro nos Estados Unidos. Em Na praia, de Ian McEwan, fui a mulher privilegiada que podia acompanhar, com olhos pós-revolução, a confusão de sentimentos de dois personagens perdidamente apaixonados e fatalmente afastados pela repressão sexual que impossibilitava qualquer comunicação entre eles. Emocionei-me pensando em quantos amores naufragaram assim, antes da liberdade conquistada nos anos 60.

Em Rua da revolução (traduzido para um esquecível Foi apenas um sonho), de Richard Yates, a sensação de asfixia parece ser causada apenas pela superficialidade e pela monotonia do estilo de vida nos subúrbios americanos. Afinal, isso não mudou muito com a revolução sexual. Mas a repressão sexual também está presente. Para o casal protagonista, a tragédia se deu pelo engessamento dos papéis reservados a homens e mulheres naquele tempo. Ele acabou se resignando; ela, não. Para piorar, não havia a pílula. Claro que eu sempre "soube" que as mulheres sofriam tendo pencas de filhos indesejados. Mas só ali, imersa naquela história, pude vivenciar o sofrimento de não ter opção, de abortar sonhos, de desistir da própria vida (às vezes, pela dos filhos). E o drama não era só dela: no livro, ao contrário do filme, fica claro que ele também não deseja o terceiro filho, apesar de usá-lo para justificar sua rendição ao "sistema".

Depois do que vivi, graças aos fabulosos McEwan e Yates, não ousaria minimizar a importância da revolução sexual, dizer que pouco mudou, só para ser engraçadinha ou marcar posição, como muitos fazem por aí com assuntos sérios. Aliás, sempre prefiro me calar sobre o que não sei. Para saber mais, posso ler. Ou apenas seguir o conselho de Nelson Rodrigues: "Envelheçam".

Nota do editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 20/3/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O feitiço do tempo de Renato Alessandro dos Santos
02. Zuza Homem de Mello (1933-2020) de Julio Daio Borges
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait
04. O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus de Humberto Pereira da Silva
05. Minhas caixas de bombons de Adriana Carvalho


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009
05. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Alexandre e Outros Heróis
Graciliano Ramos
Record
(1978)



Livro Esoterismo Planets in Aspect Understanding Your Inner Dynamics
Robert Pelletier
Whitford Press
(1974)



Os Três Anos de Vigência do Novo Código de Processo Civíl
Mattos Filho
Do Autor
(2019)



The Burnt House
Faye Kellerman
Harper
(2007)



Mistério e magia do amor
Krishan Chopra
Larousse
(2008)



Comunicação/incomunicação no Brasil
José Marques de Melo
Loyola
(1976)



Livro História do Brasil Pesquisas e Depoimentos para a História Reconquista do Brasil Nova Série Volume 60
Tobias Monteiro
Itatiaia
(1982)



Tudo aquilo que nunca foi dito
Marc Levy
Suma
(2008)



Perfis Problemas na Literatura Brasileira
Eduardo Portella e Outros
Tempo Brasileiro
(1985)



Livro Infanto Juvenis
Júlio Verne
Ftd
(2007)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês