A revolução de saber das coisas | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
>>> Arte é entropia
>>> Amor fati
>>> 50 anos da língua de Riobaldo
Mais Recentes
>>> A Salamandra de Morris West pela Circulo do Livro (1974)
>>> Fundamentos do Sucesso Empresarial de John Kay pela Campus (1996)
>>> Desenvolva a Sua Inteligência Emocional de Travis Bradberry e Jean Greaves A3B6 2007 pela Sextante (2007)
>>> Livro - Terapia Financeira - Realize Seus Sonhos Com Educação Financeira de Reinaldo Domingos pela Dsop (2012)
>>> A Solução Para Não Envelhecer de Vicent Giampapa e outros A11B4 2005 pela Cultrix (2005)
>>> O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Suma (2008)
>>> A Revolução do Amor: por uma espiritualidade laica de Luc Ferry; Vera Lucia dos Reis (Trad.) pela Objetiva (2012)
>>> Livro - O Sucesso Ainda É Ser Feliz de Roberto Shinyashiki pela Gente (2012)
>>> Poder Cerebral Plano de Jogo de Cynthia R. Green A3B8 2011 pela Madras (2011)
>>> Livro de bolso - A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do Livro (2023)
>>> Pontos de Vista crítica Literária 372 de Wilson Martins pela Tag (1991)
>>> Brasil, O Gigante Dourado de Irmão X/José Tadeu Silva pela Casa do Caminho (2013)
>>> Livro de bolso - Mecanismos da Mediunidade de Francisco Candido Xavier pela Feb (2002)
>>> O Reino de Campbell de Hammond Innes pela Itatiaia (1969)
>>> Transformando suor em ouro 372 de Bernardinho pela Sextante (2006)
>>> Idade Verdadeira de Michael F. Roizen A13B3 1999 pela Campus (1999)
>>> Livro de bolso - O Poder da Kabbalah: 13 Princípios para Superar Desafios e Alcançar a Plenitude de Berg; Yehuda pela Kabbalah Publishing (2011)
>>> 23 Coisas que não nos contaram seobre o capitalismo 372 de Ha-Joon Chang pela Cultrix (2013)
>>> Livro de bolso - Drácula de Bram Stoker pela L&pm Pocket (1998)
>>> Ginástica Facial Isométrica de Marguerite Petkova C13B4 2ed 1989 pela Agora (1989)
>>> Como dar um Gás no seu Relacionamento de Trina Dolenz pela Lua de Papel (2012)
>>> Oscar Niemeyer 360º - Minhas Obras Favoritas / My Favorite Works de Luiz Claúdio Lacerda pela Trezentos e Sessenta Graus (2006)
>>> Sociologia - Ciência e Vida - Ano 2 ed 30 - 2010 - Vida Moderna de Vários pela Escala (2010)
>>> Auto Engano 37 de Eduardo Giannetti pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Grande Livro das Coisas Horríveis: a crônica definitiva da história das 100 piores atrocidades de Matthew White pela Rocco (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/3/2009
A revolução de saber das coisas
Marta Barcellos
+ de 2800 Acessos

Uma amiga, de 24 anos, estranhou quando lhe contei ter evitado as palavras "ditadura" e "golpe" ao entrevistar alguns velhinhos para um livro. A nossa conversa, vale ressaltar, aconteceu antes da "ditabranda", infeliz expressão cunhada pela Folha de São Paulo em um editorial, que serviu pelo menos para presenciarmos uma reação dos sempre calados intelectuais brasileiros.

Pois bem. No meu caso, a intenção não era polemizar ou opinar sobre a ditadura. Ao contrário, eu apenas pretendia entrevistar senhores que imaginava serem bem conservadores naqueles anos, e a política servia como mero pano de fundo do assunto principal ― o mercado de capitais da época. Intuitivamente, expliquei à amiga, busquei um termo mais neutro, "regime militar", para formular minhas perguntas, sem que isso representasse um problema para mim nem um risco para o andamento da entrevista. Como ela é recém formada, e eu já tenho uns bons anos de estrada, falei da importância de o jornalista se "mimetizar" em determinadas situações ― defendi que vale apelar para a indumentária, usar jargões, enfim, buscar uma identificação que quebre o "gelo" ou a resistência do entrevistado.

― Mas eu não conseguiria jamais usar a expressão "revolução", porque aí seria demais para mim ― ressaltei. Se o diálogo acontecesse algumas semanas depois, teria brincado que "ditabranda" eu não falaria nem sob tortura.

O fato é que quando mencionei "revolução", o espanto da minha amiga me chocou: ela nunca soube que o golpe militar foi chamado assim por seus idealizadores. Muito menos que a palavra ainda é usada por alguns militares e velhinhos conservadores. Aprendeu nos livros de história todos os detalhes do golpe, e ponto final. Vou falar o quê? Os livros estão corretíssimos, a discussão "golpe ou revolução" tornou-se completamente obsoleta com a vitória final da democracia, mas mesmo assim fiquei pensando se seus professores não deveriam ter destacado a tentativa semântica de dar um cunho popular à ação tramada dentro dos quartéis.

Afinal, essa é a diferença entre ter 24 ou 43 anos, conformei-me. A proximidade temporal de um fato que se tornou histórico nos traz uma sabedoria difícil de ser assimilada em registros formais, como livros de história. A semântica, por exemplo, acaba relegada a segundo plano, quando pode estar nela a chave para a compreensão dos sentimentos de uma geração. Naquele dia, decidi usar o ensinamento no livro, e não desprezar detalhes das entrevistas que pudessem ser ricos de significados. Hoje, escrevendo este texto, fico imaginando qual será a idade do editorialista que batucou "ditabranda" no editorial da Folha, ou que espécie de livros o distanciou tanto assim dos fatos ocorridos na ditadura militar brasileira.

Minha preocupação é com a arrogância dos que julgam dominar um assunto por conhecer a cronologia dos fatos, ou ter lido meia dúzia de versões superficiais, e parciais, sobre eles. Nas pesquisas escolares, por exemplo, a garotada corre para o Google, sem que lhe ocorra a alternativa de travar uma conversa com os mais velhos sobre o assunto. Em uma boa prosa com os avós, saberiam que o vizinho defensor da "revolução" era temido pelos que sofriam com a violência da ditadura. E nunca mais esqueceriam o tom emocionado daquele relato.

Se não houver gente mais velha e experiente por perto (sempre há, só que eles não são mais notados), a literatura é sempre uma alternativa segura para se adquirir um pouco desse conhecimento verdadeiro, encharcado de sentimento. Eu própria acabei de viver uma situação assim: do alto de meus 40 e poucos anos, imaginava entender a tal revolução sexual dos anos 60. Burocraticamente, poderia assinalar como marco a invenção da pílula anticoncepcional, falar das conquistas femininas, do movimento hippie.

Mas a verdade é que a minha ficha sobre o que a revolução sexual representou de fato para a vida das pessoas caiu outro dia. Por acaso, li consecutivamente dois romances ambientados nos anos 50, um na Inglaterra e outro nos Estados Unidos. Em Na praia, de Ian McEwan, fui a mulher privilegiada que podia acompanhar, com olhos pós-revolução, a confusão de sentimentos de dois personagens perdidamente apaixonados e fatalmente afastados pela repressão sexual que impossibilitava qualquer comunicação entre eles. Emocionei-me pensando em quantos amores naufragaram assim, antes da liberdade conquistada nos anos 60.

Em Rua da revolução (traduzido para um esquecível Foi apenas um sonho), de Richard Yates, a sensação de asfixia parece ser causada apenas pela superficialidade e pela monotonia do estilo de vida nos subúrbios americanos. Afinal, isso não mudou muito com a revolução sexual. Mas a repressão sexual também está presente. Para o casal protagonista, a tragédia se deu pelo engessamento dos papéis reservados a homens e mulheres naquele tempo. Ele acabou se resignando; ela, não. Para piorar, não havia a pílula. Claro que eu sempre "soube" que as mulheres sofriam tendo pencas de filhos indesejados. Mas só ali, imersa naquela história, pude vivenciar o sofrimento de não ter opção, de abortar sonhos, de desistir da própria vida (às vezes, pela dos filhos). E o drama não era só dela: no livro, ao contrário do filme, fica claro que ele também não deseja o terceiro filho, apesar de usá-lo para justificar sua rendição ao "sistema".

Depois do que vivi, graças aos fabulosos McEwan e Yates, não ousaria minimizar a importância da revolução sexual, dizer que pouco mudou, só para ser engraçadinha ou marcar posição, como muitos fazem por aí com assuntos sérios. Aliás, sempre prefiro me calar sobre o que não sei. Para saber mais, posso ler. Ou apenas seguir o conselho de Nelson Rodrigues: "Envelheçam".

Nota do editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 20/3/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A maldição da internet no celular de Gian Danton
02. E a Turma da Mônica cresceu de Marcelo Spalding
03. Os romances das ilusões de Eduardo Carvalho


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009
05. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Busca do Sentida da Vida
Augusto Cury
Planeta
(2013)



Injustiça para Todos
J. A. Jance
Nova Cultural
(1986)



No Caminho das Comunidades Segundo Volume
Centro Bíblico Verbo
Paulus
(2001)



Livro - Série Strange Angels: Traições Livro 2
Lili St Crow
Novo Século
(2011)



Livro Físico - Dragon Ball Z - Volume 6
Akira Toriyama
Conrad
(2001)



Meus Primeiros Versos - Vol. 4
Vários Autores
Nova Fronteira
(2001)



Princesinha. Não Quero Ficar Gripada!
Tony Ross
Wmf Martins Fontes
(2009)



Auditoria de Computadores (1989)
Antonio de Loureiro Gil
Atlas
(1989)



Molly Moon e a Incrível Viagem no Tempo
Georgia Byng
Record
(2005)



Somente para os Que Amam
Mathias Gonzalez
Ediouro
(1988)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês