A revolução de saber das coisas | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 20/3/2009
A revolução de saber das coisas
Marta Barcellos

+ de 2300 Acessos

Uma amiga, de 24 anos, estranhou quando lhe contei ter evitado as palavras "ditadura" e "golpe" ao entrevistar alguns velhinhos para um livro. A nossa conversa, vale ressaltar, aconteceu antes da "ditabranda", infeliz expressão cunhada pela Folha de São Paulo em um editorial, que serviu pelo menos para presenciarmos uma reação dos sempre calados intelectuais brasileiros.

Pois bem. No meu caso, a intenção não era polemizar ou opinar sobre a ditadura. Ao contrário, eu apenas pretendia entrevistar senhores que imaginava serem bem conservadores naqueles anos, e a política servia como mero pano de fundo do assunto principal ― o mercado de capitais da época. Intuitivamente, expliquei à amiga, busquei um termo mais neutro, "regime militar", para formular minhas perguntas, sem que isso representasse um problema para mim nem um risco para o andamento da entrevista. Como ela é recém formada, e eu já tenho uns bons anos de estrada, falei da importância de o jornalista se "mimetizar" em determinadas situações ― defendi que vale apelar para a indumentária, usar jargões, enfim, buscar uma identificação que quebre o "gelo" ou a resistência do entrevistado.

― Mas eu não conseguiria jamais usar a expressão "revolução", porque aí seria demais para mim ― ressaltei. Se o diálogo acontecesse algumas semanas depois, teria brincado que "ditabranda" eu não falaria nem sob tortura.

O fato é que quando mencionei "revolução", o espanto da minha amiga me chocou: ela nunca soube que o golpe militar foi chamado assim por seus idealizadores. Muito menos que a palavra ainda é usada por alguns militares e velhinhos conservadores. Aprendeu nos livros de história todos os detalhes do golpe, e ponto final. Vou falar o quê? Os livros estão corretíssimos, a discussão "golpe ou revolução" tornou-se completamente obsoleta com a vitória final da democracia, mas mesmo assim fiquei pensando se seus professores não deveriam ter destacado a tentativa semântica de dar um cunho popular à ação tramada dentro dos quartéis.

Afinal, essa é a diferença entre ter 24 ou 43 anos, conformei-me. A proximidade temporal de um fato que se tornou histórico nos traz uma sabedoria difícil de ser assimilada em registros formais, como livros de história. A semântica, por exemplo, acaba relegada a segundo plano, quando pode estar nela a chave para a compreensão dos sentimentos de uma geração. Naquele dia, decidi usar o ensinamento no livro, e não desprezar detalhes das entrevistas que pudessem ser ricos de significados. Hoje, escrevendo este texto, fico imaginando qual será a idade do editorialista que batucou "ditabranda" no editorial da Folha, ou que espécie de livros o distanciou tanto assim dos fatos ocorridos na ditadura militar brasileira.

Minha preocupação é com a arrogância dos que julgam dominar um assunto por conhecer a cronologia dos fatos, ou ter lido meia dúzia de versões superficiais, e parciais, sobre eles. Nas pesquisas escolares, por exemplo, a garotada corre para o Google, sem que lhe ocorra a alternativa de travar uma conversa com os mais velhos sobre o assunto. Em uma boa prosa com os avós, saberiam que o vizinho defensor da "revolução" era temido pelos que sofriam com a violência da ditadura. E nunca mais esqueceriam o tom emocionado daquele relato.

Se não houver gente mais velha e experiente por perto (sempre há, só que eles não são mais notados), a literatura é sempre uma alternativa segura para se adquirir um pouco desse conhecimento verdadeiro, encharcado de sentimento. Eu própria acabei de viver uma situação assim: do alto de meus 40 e poucos anos, imaginava entender a tal revolução sexual dos anos 60. Burocraticamente, poderia assinalar como marco a invenção da pílula anticoncepcional, falar das conquistas femininas, do movimento hippie.

Mas a verdade é que a minha ficha sobre o que a revolução sexual representou de fato para a vida das pessoas caiu outro dia. Por acaso, li consecutivamente dois romances ambientados nos anos 50, um na Inglaterra e outro nos Estados Unidos. Em Na praia, de Ian McEwan, fui a mulher privilegiada que podia acompanhar, com olhos pós-revolução, a confusão de sentimentos de dois personagens perdidamente apaixonados e fatalmente afastados pela repressão sexual que impossibilitava qualquer comunicação entre eles. Emocionei-me pensando em quantos amores naufragaram assim, antes da liberdade conquistada nos anos 60.

Em Rua da revolução (traduzido para um esquecível Foi apenas um sonho), de Richard Yates, a sensação de asfixia parece ser causada apenas pela superficialidade e pela monotonia do estilo de vida nos subúrbios americanos. Afinal, isso não mudou muito com a revolução sexual. Mas a repressão sexual também está presente. Para o casal protagonista, a tragédia se deu pelo engessamento dos papéis reservados a homens e mulheres naquele tempo. Ele acabou se resignando; ela, não. Para piorar, não havia a pílula. Claro que eu sempre "soube" que as mulheres sofriam tendo pencas de filhos indesejados. Mas só ali, imersa naquela história, pude vivenciar o sofrimento de não ter opção, de abortar sonhos, de desistir da própria vida (às vezes, pela dos filhos). E o drama não era só dela: no livro, ao contrário do filme, fica claro que ele também não deseja o terceiro filho, apesar de usá-lo para justificar sua rendição ao "sistema".

Depois do que vivi, graças aos fabulosos McEwan e Yates, não ousaria minimizar a importância da revolução sexual, dizer que pouco mudou, só para ser engraçadinha ou marcar posição, como muitos fazem por aí com assuntos sérios. Aliás, sempre prefiro me calar sobre o que não sei. Para saber mais, posso ler. Ou apenas seguir o conselho de Nelson Rodrigues: "Envelheçam".

Nota do editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha de leite.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 20/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
02. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
03. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
04. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
05. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2009
01. Gostar de homem - 25/9/2009
02. Simplesmente feliz - 24/4/2009
03. Escrever pode ser uma aventura - 3/7/2009
04. Palavras que explodem no chão - 19/6/2009
05. Fim dos jornais, não do jornalismo - 3/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




RESUMO DE DIREITO TRIBUTÁRIO
MAXIMILIANUS C, AMÉRICO FÜHRER
MALHEIROS
(1998)
R$ 6,00



EXAME DE ORDEM - NOVO 45 EDIÇÃO
MARCELO AQUAROLI
MADRAS
(2016)
R$ 74,90



O LIVRO NEGRO DA CORRUPÇÃO
PAULINO ROLIM DE MOURA
DO AUTOR
(1967)
R$ 15,00



BRASIL PAÍS DO PRESENTE
AUGUSTO ARISTON & JESUS CHEDIAK
PALAVRA E IMAGEM
(2001)
R$ 8,82



GALILEU Nº 137 OS EVANGELHOS PROIBIDOS
VÁRIOS AUTORES
ED. GLOBO
(2002)
R$ 6,50



COMO CRIAR MENINAS FELIZES E CONFIANTES
ELIZABETH HARTLEY-BREWER
ELSEVIER
(2004)
R$ 30,00



PIADAS PARA SEMPRE
VISCONDE DA CASA VERDE
L&PM POCKET
(2011)
R$ 10,00



UN EDUCAZIONE ALLA FELICITÀ
FLAVIA ARZENI
RIZZOLI
(2008)
R$ 90,00



SIM CAMARADA!
MANUEL RUI
EDIÇÕES 70
(1977)
R$ 80,00



THE OVERCOMING LIFE
D. L. MOODY
MOODY PRESS
(1994)
R$ 4,20





busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês