A Crise da música ― Parte 1/3 | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Na minha opinião...
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
>>> Quem Resenha as Resenhas de Som?
>>> Um Lobo nada bobo
>>> MUQUIFU
Mais Recentes
>>> La Tectonique des Sentiments de Eric Emmanuel Schmitt pela Albin Michel (2008)
>>> Negócios Internacionais de Ana Lucia Guedes pela Thomson Pioneira (2007)
>>> New Headway Intermediate Teachers Book de John Soars pela Oxford (1996)
>>> Desventuras de Frauzio 2: as Sementes da Goiabeira de Marcatti pela Pro-c (2003)
>>> Mitologia Lovecraftiana: a Totalidade pelo Horror de Caio Bezarias pela Sebo Clepsidra (2021)
>>> Através do Espelho de Isa Mara Lando; Jostein Gaarder pela Companhia das Letras (1998)
>>> Memória - 3ª Edição de Ivan Izquierdo pela Artmed (2018)
>>> Cbc e Cbdc Apresentam: o Cinema de Amanha de Geraldo Moraes (org.) pela Cbc (2008)
>>> Diversidade Animal de Earl D. Hanson pela Edgar Blucher (1988)
>>> Bocas do Tempo de Eduardo Galeano pela L&pm Pocket (2018)
>>> Héliopolis de Ernest Jünger pela Le Livre de Poche (1978)
>>> O Historiador de Elizabeth Kostova pela Suma de Letras Brasi (2005)
>>> O Banco de 3 Lugares de Maria de Lourdes Teixeira pela Melhoramentos (1975)
>>> Acordando para a Vida de Eliana Barbosa pela Novo Seculo (2009)
>>> Sangue Bom de Liber Matteucci pela Prumo (2011)
>>> Dentes ao Sol de Ignácio de Loyola Brandão pela Codecric (1980)
>>> Numa Fria de Charles Bukowski pela L&pm Pocket (2020)
>>> The American Profile de Morton Borden pela D. C Heath (1970)
>>> Michelangelo entre Florença e Roma de MASP pela Artificio Edizione (1997)
>>> Yoga e Seus Benefícios para a Mulher de Nossos Dias de Isolde Altmann pela Connection Books (2001)
>>> Super Sub Técnica Segurança no Mergulho Aptidão Fisica Historias Botos de Americo Santarelli pela Cobra Sub (1983)
>>> The Bikini Book de Mike Evans pela Universe (1996)
>>> A Arte de Andar Nas Ruas do Rio de Janeiro de Rubem Fonseca; Zeca Fonseca pela Agir (2009)
>>> A Boa Educação - o Rei Bronco de Rosemary Lima pela Salvat (2011)
>>> Diario de Dan: Dane-se! de Dan Kirchner pela Planeta Jovem (2012)
COLUNAS >>> Especial Crise

Quarta-feira, 25/3/2009
A Crise da música ― Parte 1/3
Rafael Fernandes

+ de 11500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Não é de hoje que o mercado da música está em crise. Se há alguns anos o papo era "salvar" a indústria, hoje já se vê que não há salvação ― ao menos para a forma como a conhecíamos. Agora a pergunta é: ainda é possível fazer a música gerar dinheiro? A resposta provável: sim. O problema é como e quanto ganhar. Em busca de caminhos, conceitos como permissão, facilitação e disseminação cada vez ganham mais força. Fazer com que as pessoas conheçam a música e achem com facilidade o que querem, com poucas restrições.

Também é preciso oferecer ao consumidor uma saída de compra legalizada, facilitada ― sem qualquer tipo de complicação ou entrave ― e a um preço atrativo. O iTunes conseguiu isso unido um hardware "cool" a uma compra segura e rápida. Recentemente avançou e baniu o DRM, esse absurdo que agride o comprador legítimo. Punir o usuário legal, seja com DRM ou proteção anticópia é uma estupidez sem tamanho. Castigam quem devia ser premiado.

A internet é tida como vilã, mas é preciso lembrar que com as rádios e TV dominadas pelo jabá e pelo comercialesco, a Web ajuda os amantes da música que querem novas opções. Parece também ser necessário oferecer vários tipos de serviço, diversificá-lo, como compra avulsa e assinatura, e em vários formatos, como premium ou até mesmo free. Dar várias opções para que o consumidor escolha o que é melhor para ele. O streaming é a palavra do momento, já que há a tendência de as pessoas fazerem menos downloads, privilegiando o consumo diretamente online, como no MySpace, YouTube, Last.fm e outros.

A ruptura de um modelo
O modelo anterior quase simplório de gravar músicas e vender cópias de discos está acabando como padrão de venda em massa. Não há um caminho certo para a atuação do novo mercado da música. O antigo padrão está ruindo há tempos e o novo apenas no início de sua construção, ainda de maneira difusa. Vejo muitas reclamações de gente da música ― músicos, compositores, empresários ― à procura de um "modelo" para a indústria. Estão com medo do imponderável, já que esse tal modelo não existe ― ele precisa ser construído. E acho difícil que seja uma forma única de atuação, como um dia foi. Para alguns, a saída é via leis de incentivo à cultura, para outros, a base de fãs, ou venda de produtos diversos (CD, livro, vinil, camisetas etc.), sincronização (disponibilizar músicas em filmes, TV etc.), micropagamentos, turnês, publicidade on-line, patrocínio direto, venda de faixas avulsas, edições especiais etc., ou tudo isso junto, ou o que ninguém conhece, ou, porque não, o colapso total.

As rupturas no mercado música vieram também com ruptura de comportamento. Não vejo grandes rupturas musicais no momento. Não que não hajam grandes artistas ― eles existem. Podem não estar tocando em rádio, ou aparecendo na TV, mas estão aí. Mas não há nada realmente novo e existe uma enxurrada de repetição. A mudança brusca é de comportamento, e é mais que um pé na porta. São comportas de hidrelétricas se abrindo. Que é a possibilidade de qualquer um gravar e se lançar, trocando músicas via internet. Não é algo de hoje, mas atualmente se evidencia. É como a possibilidade do leitor interagir com um jornalista, de escrever em seus blogs e comunidades, de publicar seu vídeo, de fazer seu site pessoal, criar frases no Twitter, produzir mash-ups, colocar as fotos no Flickr, uma declaração no Gengibre, enviar um design ao deviantART etc. Todo mundo faz tudo. É o que estamos vendo agora, de camarote: o amador e o profissional se confundem.

Excesso de oferta
É claro que isso gera um excesso de oferta, uma confusão com muitos artistas e "n" produtos. A música fica com características de commodity, com músicos e músicas muito parecidos e consequente perda de valor. Alguém pode clamar que para um amante da música, um artista não tem o mesmo valor que o outro. Concordo. Comigo acontece isso. Mas não importa. Na hora da compra, eles vão competir. E cada vez as maiores opções de nomes e produtos vão acirrar a competição pelo mercado e na escolha do consumidor, que num dado mês vai ter que optar por gastar R$ 200,00 num show do Radiohead, R$ 30,00 no novo CD do Lenine ou R$ 40,00 na biografia do Tim Maia. Para um real apreciador da música, multiplique essa conta por várias compras ao mês. Mais ainda, como afirmei (e reafirmo) numa coluna anterior, a competição não é só entre a música. É entre os artistas em si, com um filme no cinema ou em DVD, um jantar, um jogo de videogame, uma viagem, um eletroeletrônico, manutenção de um hobby etc.

E o excesso também gera, claro, o aparecimento de uma enxurrada de gente sem talento, critério, proposta nem preparo. Nos deparamos com a exaltação de idiotas como ídolos e o excesso de informação. Por outro lado, nos libertamos da prisão do funil de gravadoras. No passado, a única chance de alguém despontar era assinar com uma grande gravadora, com as suas regras. E muitas vezes, com exceções, o que imperava nas escolhas eram as regras do mercado e a moda do momento. Acho que não tem preço a possibilidade de os músicos (de talento) poderem criar por criar e andar com seus passos. O momento ainda é confuso, mas creio que os grandes saberão o que fazer. A música mudou, seu valor mudou e até diminuiu. Mas estamos numa nova era da música. Diferente e dispersa, mas prefiro enxergar e trabalhar as possibilidades a abraçar o pessimismo lembrando de um passado idealizado.

O trabalho dos músicos
Talvez seja uma tendência, talvez seja assim que a música funciona hoje e paciência. Mas não posso deixar de observar, mesmo que soe "datado", quase uma lamúria, que nessa nova era há um grande desprestígio ao trabalho da música, ao preparo, ao labor de composição e criação. Poucas pessoas sabem o que realmente acontece entre o "nada" antes da composição até o lançamento de um disco, de um registro em estúdio. Ou melhor, de um disco bem feito. Do trabalho de talhar e burilar uma canção e depois desenvolver seu arranjo. O que é um engenheiro de som e qual seu papel ― idem o produtor musical. A banalização dos métodos de gravação, ainda que permita o aparecimento de uma nova leva de profissionais e artistas, gera registros pouco criteriosos. Raros são os que entendem o que é mixagem e a executam de maneira apropriada ― idem com a masterização. Está havendo uma perda na qualidade das gravações e os consumidores nem têm se importado. Ou eu estou enganado e é uma prova do valor da música, que está em todos lugares possíveis: num grande estúdio e no quarto de um garoto. E, por outro lado, se a música perdeu parte do seu valor, é função de cada artista achar uma forma de revalorizá-la, dentro dos novos padrões do mercado.

Mas há um certo cinismo, mesmo, em especial da geração abaixo dos 25, quase um descaso em relação ao trabalho alheio. Sebastian Bach recentemente reclamou disso. Se não dá pra negar que agora o mercado é assim, também fica difícil não concordar com ele. Um grande músico brasileiro, Sergio "Serj" Buss, passou algo parecido com seu ótimo disco Liquid Piece of Me: preparou com carinho, por conta própria e por anos esse trabalho. Antes de lançá-lo foi bajulado por muita gente que dizia querer comprar o disco. Quando lançou, a decepção: mesmo se contarmos que ele atua num mercado de nicho e com pouca divulgação, que usualmente são poucos que compram em relação aos que se manifestam, a vendagem foi decepcionante. Aqueles que falavam estar ansiosos pelo lançamento ou sumiram ou vieram com desculpas esfarrapadas pela não compra do produto ― e pegaram na internet, de graça, claro. Pior, alguns ainda tentaram inverter o ônus da questão, "argumentando" de forma ridícula de que um artista deveria só fazer algo pela arte, não pelo retorno financeiro ― como se gravar algo não envolvesse custos. Novamente: talvez seja assim que o consumidor da música se comporte hoje, mas não dá pra deixar de lado essa faceta perniciosa. Repito: é função de quem trabalha com música reverter essa situação. Mas não com repressão nem pensando como antigamente, mas sim procurando novas e criativas alternativas ― como está fazendo o próprio Serj.

Nota do Autor
Em breve a parte 2 deste texto.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 25/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Considerações sobre Michael Jackson de Julio Daio Borges
02. Henry Moore: o Rodin do século XX de Luis Eduardo Matta


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
04. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


Mais Especial Crise
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/3/2009
23h07min
Muitas vezes as rádios são de um mau gosto incrível. Parece que há jabá no mercado... Fazer música não é gritar e mandar todo mundo levantar os bracinhos. É ter respeito por nossos ouvidos. Quanto aos produtores, os profundos conhecedores, é preciso seguir a tendência de quem deseja ouvir música e não barulhos. Do contário, vou ouvir sons de serralherias, é muito melhor.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
11/4/2009
17h32min
Caro Rafael: Até 1964, compositores e cantores dependiam da boa vontade das Rádios para divulgar as suas obras. Uma ou outra iniciativa de promoção das músicas, tipo Vitrola Mágica, da Rádio Bandeirantes, eram muito bem vistas. Foi quando a TV Excelsior organizou o primeiro Festival da Canção. Grande sacada, pois atendia tanto à divulgação das obras bem feitas, quanto à competição da qual tanto dependemos. Em 68 a peça "Roda Viva", do Chico, funcionou como uma espécie de profecia do que ocorreu com a nossa música, e que coincide com a queixa maior do seu texto. Sendo assim, por que não se tenta organizar Festivais da Canção pela Net? Claro que os compositores inscreveriam apenas uma precária execução, salva em MP3. Isso já bastaria para se avaliar Letra e Melodia. Uma vez classificadas para a Final Virtual, a composição seria bem disputada pelos músicos, que se ofereceriam aos compositores, que aceitariam ou não os arranjos. É tão absurda assim esta ideia? Pense nisso.
[Leia outros Comentários de Dalton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Alegria de Viver
Laurinda Alves
Gente
(2005)



Mario Quintana - poeta, caminhante e sonhador
Vera Regina Morganti (ed.)
Instituto Estadual do Livro
(2006)



Para Viver Juntos. Matemática 6
Vários Autores
Sm
(2015)



Liberte-se do Medo
Carlos G. Valles
Paulinas
(1996)



Filhos e Soldados
Bruce Henderson
Crítica
(2018)



Iaiá Garcia
Machado de Assis
Círculo do Livro



Formacao pela Pesquisa
Robinson M. Tenorio e José Albertino Lordêlo
Edufba
(2008)



Quels Pères? Quels Fils?
Evelyne Sullerot
Fayard
(1992)



Diário Madras 2016/2017
Wagner Veneziani Costa
Madras



Código de Processo Civil; Interpretado
Cristiano Imhof
Atlas
(2014)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês