A ambição de poder (também na internet) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
>>> E aí...
>>> Goodbye, virtual. Hello, new.
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
Mais Recentes
>>> Budapeste de Chico Buarque pela Companhia das Letras (2003)
>>> Sábado de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2008)
>>> Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1999)
>>> Redes Sociais -Twitter,Orkut e Facebook -Oque é certo e errado nas redes sociais de Revista exame pela Abril (2013)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Objetivo (2000)
>>> Quincas Borba -Texto Completo de Machado de Assis pela Avenida (2000)
>>> Mojo The Collectors´ Series de Led Zeppelin 1968 - 1973 pela Bauer Media (2020)
>>> O Cortiço [Coleção Vestibular] de Aluisio Azevedo pela Klick (2000)
>>> Psicologia Para A Vida Familiar – Uma Abordagem Situacional de Paul Hersey e Kenneth H. Blanchard pela Epu (1986)
>>> Julio Cesar de William Shakespeare de William Shakespere pela Ediouro (2015)
>>> Personalidade de Dante Moreira Leite pela Nacional (1967)
>>> He – A Chave do Entendimento da Psicologia Masculina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> O Cão de Baskerville -uma aventura de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela Lpm pocket (2015)
>>> Introdução à Psicologia das Relações Humanas de Irene Mello Carvalho pela Fundação Getúlio Vargas (1964)
>>> A Arte do Aconselhamento Psicológico de Rollo May pela Vozes (1987)
>>> Entre o sertão e Sevilha - de Joao Cabral de Melo Neto pela Ediouro (1997)
>>> Maturidade Psicológica de Angela Maria La Sala Batà pela Pensamento (1983)
>>> Um olhar sobre as serviçais domésticas na literatura portuguesa de Sonia Mara Ruiz Brown pela Brazil Publishing (2020)
>>> o Feiticeiro da Montanha de Fogo - de Steve Jackson pela Jambo (2010)
>>> A definição da psicologia de Fred S.Keller pela E.p.u (1975)
>>> CD Gaúcho da fronteira de Warner music Brasil pela Chantêcler Sonopress (1994)
>>> A inteligência aprisionada de Alicia Fernández pela Artmed (1991)
>>> Veja 25 anos - Reflexões para o Futuro de Diversos pela Abril (1990)
>>> O Enorme livro dos pensamentos de Casseta volume 2 - de Casseta&Planeta pela Record (2012)
>>> Uma Teoria da Justiça de John Rawls pela Presença (2016)
>>> "Encaramujado" ,uma viagem de Kombi pelo Brasil - n de Antoio Lino pela Creative Commons (2011)
>>> Para Leer El Capital - Biblioteca Del Pensamiento Socialista de Louis Althusser; Etienne Balibar pela Siglo Veintiuno (1977)
>>> Aa 500 Melhores coisas de ser pai . de Sérgio Franco pela Matrix (2009)
>>> Três Sombras - em quadrinhos de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos na Companhia (2009)
>>> A Arte de ser leve de Leila Ferreira pela Globo (2010)
>>> Construindo uma Vida de Roberto Justus pela Larousse (2007)
>>> Espaço de G. Carmo pela Ibrasa (1984)
>>> Senha: "Coragem ! " de John Castle pela Flamboyant (1965)
>>> Don Quixote Americano de Richard Powell pela Nova Fronteira (2003)
>>> As Duas Vidas de Audrey Rose de Frank de Fellita pela Circulo do Livro (1975)
>>> O Duelo de Roger Pla pela Brasileira (1951)
>>> Freud e o Desejo de Marie Cariou pela Imago (1978)
>>> O Ponto da Virada de Malcolm Gladwell pela Sextante (2009)
>>> Passeando Pela Vida Lições de Filosofia de Lúcio Packter pela Garapuvu (1999)
>>> A vulnerabilidade do ser de Claudia Andujar pela Cosac Naif (2005)
>>> A Relação ao Outro em Husserl e Levinas de Marcelo Luiz Pelizzoli pela Edipucrs (1994)
>>> O Pensamento Vivo de Teilhard de Chardin de José Luiz Archanjo pela Martin Claret (1988)
>>> Revista Brasileira de Filosofia – Volume XLVI – Fascículo 190 de Vários Autores pela Instituto Brasileira de Filosofia (1998)
>>> Grandes Tendências na Filosofia do Século XX e Sua Influência no Brasil de Urbano Zilles pela Educs (1987)
>>> Descartes – Os Pensadores de Rene Descartes pela Abril Cultural (1983)
>>> O mistério da estrela cadente de Vários Autores pela Ftd (1996)
>>> Lydia e Eu de Dimia Fargon pela Literis (2010)
>>> Na saga dos anos 60 de Carlos Olavo da Cunha Pereira pela Geração (2013)
>>> O paraíso dos desafortunados de Amanda Hernández Marques pela Chiado (2013)
>>> Madamme C 05 de Vinícius Ulrich pela Rocco (2000)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/5/2009
A ambição de poder (também na internet)
Julio Daio Borges

+ de 4800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Ultimamente, foi significativo o mea-culpa de alguns blogueiros importantes, que confessaram estar aumentando artificialmente seu número de seguidores no Twitter. Suas justificativas não me interessam tanto, até porque não vou fazer, aqui, nenhum julgamento do comportamento deles. Minha motivação é outra: entender por que a ambição desmedida sempre volta, mesmo em ambientes onde a competição, em tese, não deveria mais fazer tanto sentido ― na internet, quero dizer.

O desejo de controlar a internet é quase antigo já ― de tão velho ― e, pelo visto, não deve morrer tão cedo (se é que alguém não vencerá a batalha final pelo controle... o Google?). Desde que conheço a internet ― e eu já a conheço há quase 15 anos ―, alguém está tentando se apropriar dela, como se fosse uma nova corrida do ouro.

Vale lembrar a tentativa da AOL, nos EUA ― que, de um provedor de internet, queria passar a dona da internet, fechando seus clientes no que chamaram de "walled garden" ("jardim murado", em tradução livre). E a sua imitação, no Brasil: o UOL. Se o Universo Online parece hoje quase inofensivo ― perto do Google ―, não acredito que isso seja por causa da "benevolência" das famílias Frias e Civita (fundadoras do portal), mas simplesmente porque o UOL tentou replicar um negócio (obsoleto) de jornais e revistas, investindo menos em tecnologia do que deveria.

E a Microsoft, naturalmente, tentou controlar a internet desde o começo ― e, mesmo com a ascensão do Google, não parece disposta a desistir da briga. Outro dia, o Tim O'Reilly lembrou a "Microsoft Network", que deu nome ao "nosso" MSN, mas que, muito antes disso, foi uma tentativa de construir uma rede paralela ― isso mesmo, paralela à internet. A Microsoft achava que entendia muito mais de redes do que esses "amadores" que estavam montando servidores em suas casas ― fornecendo uma plataforma muito mais "confiável" e "segura". (Vocês conhecem esse discurso de algum lugar?) Mais uma vez: lutando contra a Web... quem venceu?

Aqui no Brasil, na virada do milênio, lançaram o iG. O portal mudou de nome algumas vezes desde então, mas "iG", originalmente, respondia por "Internet Grátis". O GP, assessorado por Nizan Guanaes, bolou uma estratégia "matadora", de marketing (e de guerrilha): enquanto todos os outros provedores de acesso estavam cobrando para conectar as pessoas à internet, o iG oferecia conexão de graça ― bastaria se inscrever, criar um login e uma senha. Funcionou e foi um sucesso. Seria, na verdade, um sucesso muito maior se a bolha de internet não tivesse estourado bem naquele momento. O plano deles ― se você ainda não adivinhou ― era se tornar o maior provedor e o maior portal ao mesmo tempo, abrindo capital na bolsa e pagando a conta da "internet grátis" lá do começo.

Para não ficar a impressão de que os brasileiros não souberam fazer grandes negócios na internet pré-bolha, eu conheci duas histórias de bastante sucesso. E da mesma pessoa (bem-sucedida duas vezes). Era um colega meu, de escola, que era estrangeiro e que parecia "revoltado" com a situação do País, reclamando sempre dos colegas e com pontos de vista bastante firmes sobre algumas matérias. Nunca fui muito próximo dele, apesar de ele ser da mesma turma que conversava sobre computador (nem todo mundo tinha computador no final dos anos 80) ―, e perdi contato logo que entrei na faculdade.

Ouvi falar dele, novamente, quando estava me formando. Ele se tornara dono de uma das maiores BBSs (pré-provedores de acesso) do Brasil e tinha ficado rico enquanto a gente, às vésperas da formatura, ainda estava ingressando no mercado de trabalho... Outro colega, de faculdade, inclusive, tinha começado a trabalhar com ele, na aurora da tal BBS, mas desistiu... "porque não estava conseguindo conciliar com a faculdade" (repetiria esse bordão com arrependimento muitas vezes). Mas essa é apenas a primeira história de sucesso (ele, naturalmente, vendeu a BBS para um grupo estrangeiro).

Não satisfeito em ter feito um dos melhores negócios pré-internet BR, esse meu colega de escola montou outro grupo (depois da venda da BBS), e lançou o que chamaram de "Geocities brasileiro": um endereço onde os internautas poderiam hospedar suas páginas gratuitamente (quando a blogosfera ainda era incipiente nos EUA e o Orkut nem era projeto). Dessa vez, encontrei outro colega de escola num shopping, que trabalhava com ele, mas que, sigiloso, evitou todo tipo de aproximação... ― afinal, eles estavam "dominando o mundo".

O "Geocities brasileiro", por oferecer hospedagem de páginas gratuitamente (quando todo mundo cobrava para hospedar qualquer HTML), ia assumindo, mês a mês, a liderança entre os portais brasileiros. Eu lia mensalmente uma revista de internet (isso existia, no início dos anos 2000) e lá estava o "Geocities brasileiro", disputando, cabeça a cabeça, com iG e UOL. O iG já tinha desistido de faturar alto na bolsa, mas ainda queria a liderança e ― adivinhe? ― comprou o "Geocities brasileiro", do meu colega de escola e do grupo dele, tornando-se, por uns tempos, líder de audiência, em cima do todo-poderoso UOL... (Em nenhum dos dois casos, iG e UOL, liderança significou controle e, mesmo dominando a audiência da internet BR momentaneamente, eles, ainda assim, permitiram a entrada de Google, Yahoo, Terra e até AOL.)

Tangenciei a história de ambição do Google aqui, porque ela é bem conhecida já. Resumo em um parágrafo. Dominando as buscas como nenhum outro mecanismo ― em cima do moribundo AltaVista e do longevo Yahoo ― o Google tornou-se um dos maiores portais (embora, a rigor, não seja um portal). Mas seu crescimento, tentacular, só ocorreu porque seu modelo de publicidade (de venda de palavra-chave) foi um sucesso tão estrondoso quanto seu mecanismo de busca. Conclusão: o Google cresceu mais rápido do que qualquer outra empresa na história do capitalismo. E o Google não quer perder sua liderança na internet, quer?

O maior calcanhar de aquiles do Google, quase todo mundo sabe, são surpreendentemente esses mesmos dois componentes de seu sucesso: o mecanismo de busca e a venda de palavras-chave. Afinal, depois que o Google abriu seu capital na bolsa de valores (há alguns anos), analistas de mercado questionam o fato de a empresa, embora gigantesca, ter um único negócio rentável. Desde então ― ou confirmando essa suspeita ―, o Google se meteu em todo tipo de coisa aparentemente inovadora. E mesmo com o sucesso crescente ― do seu mecanismo de busca e da sua venda de palavras-chave ― ainda não encontrou nada tão lucrativo no horizonte...

Eu não torço contra o Google porque não sou burro (dependo bastante dele), mas, ao contrário dos analistas de Wall Street (hoje é fácil ser contra eles), não acho que Larry Page, Sergey Brin e Eric Schimdt deveriam procurar outro negócio além do mecanismo de buscas e das vendas de palavras-chave. Para quê? A Microsoft caiu do cavalo quando descuidou de seu software e se meteu a fabricar hardware (até com sucesso, algumas vezes, mas descuidando de seu core business). A AOL tropeçou na sua ânsia de dominação, quando adquiriu a Time Warner. As majors, do mundo off-line, combateram o download, quando deveriam ter antecipado o iTunes e aderido a ele. E o mainstream das empresas de mídia ― estamos assistindo a isto, neste momento ― está ruindo, nos EUA, porque quis cobrar por conteúdo, insistir em suportes obsoletos e denegrir a imagem de "amadores" e afins. Se você lutar contra a Web... o que acontece mesmo?

Antes da ascensão do Twitter, o mundo da internet parecia estar dividido entre Google, Yahoo, Microsoft (que tentou abocanhar o Yahoo) e Facebook (que crescia exponencialmente e era uma "rede fechada"). E a Amazon, que prefere não entrar, abertamente, na disputa. O Google tentou conter o crescimento do Facebook com o Orkut, mas este só "pegou", mesmo, no Brasil. Depois o Google tentou, em seguida, minar a "exclusividade" da rede social de Mark Zuckerberg, lançando uma ferramenta que "importava" dados do Facebook, despejando-os novamente na "internet aberta" (Google Friend Connect). Mas Zuckerberg voltou atrás, não aceitou "abrir" o Facebook, e foi uma grita. Enquanto isso, a Microsoft não conseguiu entrar num acordo com Jerry Yang, fundador do Yahoo, num momento em que até o Google anunciava que, se isso acontecesse, seria o fim da competitividade na internet... (Não cito a venda do MySpace para a News Corporation, porque o MySpace, embora tenha pago o investimento, não é, exatamente, um player como o Facebook e, atualmente, o Twitter.)

Na segunda metade dos anos 2000, Evan Williams e seus amigos Jack Dorsey e Biz Stone tinham, como única ambição, manter sua iniciativa no ar, o Odeo (diretório de podcasts). Os investidores estavam cobrando resultados e o Odeo... nada de entregar. Resolveram montar grupos de brainstorm, subdividindo os funcionários da empresa, durante um piquenique, quando alguém surgiu com uma ideia... Foi Jack, que já havia esboçado a mesma em seu caderno, no início dos anos 2000... Era uma ferramenta para informar o que você andava fazendo, para a sua rede de amigos, instantaneamente (via celular) ― era o Twitter.

O resto da história é relativamente conhecido. O Twitter domina o noticiário nos últimos tempos e cresce, naturalmente, na mesma proporção. Já surgiram boatos de que o Facebook tentou comprá-lo (mas dizem que eles não aceitaram receber parte do pagamento em ações do Facebook) e, também, de que o Google tentou comprá-lo (mas, segundo analistas, seria um erro de estratégia e ninguém confirmou a real intenção). Mais recentemente, o mesmo Facebook lançou uma ferramenta própria, onde troca a pergunta do Twitter ("O que você está fazendo?") por outra parecida ("What's on your mind?"). Então subitamente, no Brasil, nossos amigos, blogueiros, querem ser os eternos reis da mídias sociais...

Ninguém quer ficar ultrapassado. Nem eu. Nem mesmo os jornalistas de papel. Mas a ambição de controle parece que não combina com a internet. Pelo menos, enquanto conseguirmos manter a internet desse jeito: aberta, inovadora e fluida. São os mesmos defeitos que os críticos apontam na internet: ela é aberta para todo mundo ("qualquer pessoa pode entrar"); ela é volúvel nas suas invenções ("na internet nada dura"); e ela é um caos, aparentemente, incontrolável ("sujeita a crimes e fraudes incessantes"). Às vezes eu penso que vamos sentir saudades de quando a internet era "uma bagunça", qualquer ideia poderia crescer e frutificar, e, como o Twitter, começar tudo de novo. Até lá, vamos aproveitar... enquanto este tempo dura! Mas sem ânsia de dominação, tá?


Julio Daio Borges
São Paulo, 8/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Disperso Alberto Moravia de Urariano Mota


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2009
01. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb - 4/12/2009
02. Lendo Dom Quixote - 2/10/2009
03. Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana - 5/6/2009
04. Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais - 29/5/2009
05. O Free, de Chris Anderson - 16/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/4/2009
10h46min
Na mosca! Esse suposto monopólio do Google tem pernas fracas. É mais improvável eles dominarem a internet do que os que tentaram antes. Aliás, sou antigo o suficiente para lembrar da internet antes das tentativas de monopólio... Quando a rede era uma coisa acadêmica, antes dos browsers se espalharem. Ficou mais divertido agora, que a gente pode assistir aos gigantes se batendo, sem chance de ganharem.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
6/1/2010
12h07min
Voltando para essa conversa, alguém ainda lembra qual era a questão do monopólio da Microsoft, browsers, Netscape, essas coisas? Se lembrar não me conte, porque já esqueci.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRINCIPLES AND PRACTICE OF INFECTIOUS DISEASES VOLUME 1
GERALD L MANDELL
CHURCHILL
(1979)
R$ 39,90



O MERCADO NA ECONOMIA MODERNA
JAN S. HOGENDORN
ZAHAR
(1975)
R$ 18,00



MUITO BARULHO POR NADA
WILLIAM SHAKESPEARE
LELLO & IRMÃO
(1955)
R$ 20,00
+ frete grátis



MARKETING E COMUNICAÇÃO EM TEMPO REAL
SCOTT, DAVID MEERMAN
EDITORA ÉVORA
(2011)
R$ 89,90



EXPLOSÃO URBANA NA AMÉRICA LATINA
GLENN H. BEYER (CAPA DURA)
VICTOR PUBLICAÇÕES (RJ)
(1969)
R$ 27,00



O PEREGRINO
JOHN BUNYAN
PRINCIPIS
(2019)
R$ 15,00



DICIONÁRIO TÉCNICO DE AGRICULTURA
BERND KURT HASELOFF
GIRASSOL
(1975)
R$ 12,24



VOL 2 - 14ª EDIÇÃO - CURSO DE DIREITO COMERCIAL
RUBENS REQUIÃO
SARAIVA
(1995)
R$ 5,00



NUVENS E CALMARIAS
WALDIR CARTOLA
CARTHAGO
(1999)
R$ 12,00



ANUÁRIO DELTA UNIVERSAL 1991 VOL. 2
EDITORA DELTA
DELTA
(1991)
R$ 14,90





busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês