A ambição de poder (também na internet) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
79550 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clássico de Charles Dickens retrata as misérias sociais da industrialização inglesa
>>> Clube latino-americano de Jazz por streaming terá transmissão gratuita no Brasil
>>> Fora da Casinha realizará apresentações circenses virtuais voltadas para toda família
>>> As Clês narram as vozes femininas do mundo
>>> Programa DIVERSAS estreia na Rádio USP dia 11 de março
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Guerra Fria entre o Cinema e o streaming
>>> Aberta a temporada de caça
>>> A importância de ser prudente e outras peças, de Oscar Wilde
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior
>>> O Hobbit - A Desolação de Smaug
>>> Itinerário de leituras off-line
>>> Paying debt to karma
>>> O Riso dos Outros
>>> Brazil, por Django Reinhardt
Mais Recentes
>>> O Mito da Beleza de Naomi Wolf pela Rocco (1992)
>>> Pra que serve Matemática ? Geometria de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Mário Pedrosa, Retratos do Exílio de Carlos Eduardo de Senna Figueiredo pela Antares (1982)
>>> Pra Que Serve Matemática ? Semelhança de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Equação do 2º Grau de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Álgebra de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1972)
>>> Harry Potter e a Ordem da Fênix de J. K. Rowling pela Rocco (2003)
>>> O Sorriso do Lagarto de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (1989)
>>> As 10 Mulheres Que Você Vai Ser Até os 35 de Alison James pela Best Seller (2009)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Martin Claret (2001)
>>> Cascata de Luz de Irene Pacheco Machado pela Recanto
>>> O Amanhã a Deus Pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2006)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Rio Gráfica
>>> Sheila Levine Está Morta e Vivendo Em Nova York de Gail Parent pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Espelho Meu de Edgar J. Hyde pela Ciranda Cultural (2010)
>>> A 2ª Morte de R a Ranieri pela Edifrater (1997)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Cem Melhoramentos Crônicas (que, na Verdade, São 129) de Mario Prata pela Planeta (2007)
>>> Pare de Sofrer de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1997)
>>> Harmonização de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Mulheres Alteradas 1 de Maitena pela Rocco
>>> Vernon God Little de Dbc Pierre pela Record (2004)
>>> Seja Líder de Si Mesmo de Augusto Cury pela Sextante (2004)
>>> Crônicas para Gostar de Ler Volume 5 de Carlos Drummond de Andrade pela Atica
COLUNAS

Sexta-feira, 8/5/2009
A ambição de poder (também na internet)
Julio Daio Borges

+ de 4900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Ultimamente, foi significativo o mea-culpa de alguns blogueiros importantes, que confessaram estar aumentando artificialmente seu número de seguidores no Twitter. Suas justificativas não me interessam tanto, até porque não vou fazer, aqui, nenhum julgamento do comportamento deles. Minha motivação é outra: entender por que a ambição desmedida sempre volta, mesmo em ambientes onde a competição, em tese, não deveria mais fazer tanto sentido ― na internet, quero dizer.

O desejo de controlar a internet é quase antigo já ― de tão velho ― e, pelo visto, não deve morrer tão cedo (se é que alguém não vencerá a batalha final pelo controle... o Google?). Desde que conheço a internet ― e eu já a conheço há quase 15 anos ―, alguém está tentando se apropriar dela, como se fosse uma nova corrida do ouro.

Vale lembrar a tentativa da AOL, nos EUA ― que, de um provedor de internet, queria passar a dona da internet, fechando seus clientes no que chamaram de "walled garden" ("jardim murado", em tradução livre). E a sua imitação, no Brasil: o UOL. Se o Universo Online parece hoje quase inofensivo ― perto do Google ―, não acredito que isso seja por causa da "benevolência" das famílias Frias e Civita (fundadoras do portal), mas simplesmente porque o UOL tentou replicar um negócio (obsoleto) de jornais e revistas, investindo menos em tecnologia do que deveria.

E a Microsoft, naturalmente, tentou controlar a internet desde o começo ― e, mesmo com a ascensão do Google, não parece disposta a desistir da briga. Outro dia, o Tim O'Reilly lembrou a "Microsoft Network", que deu nome ao "nosso" MSN, mas que, muito antes disso, foi uma tentativa de construir uma rede paralela ― isso mesmo, paralela à internet. A Microsoft achava que entendia muito mais de redes do que esses "amadores" que estavam montando servidores em suas casas ― fornecendo uma plataforma muito mais "confiável" e "segura". (Vocês conhecem esse discurso de algum lugar?) Mais uma vez: lutando contra a Web... quem venceu?

Aqui no Brasil, na virada do milênio, lançaram o iG. O portal mudou de nome algumas vezes desde então, mas "iG", originalmente, respondia por "Internet Grátis". O GP, assessorado por Nizan Guanaes, bolou uma estratégia "matadora", de marketing (e de guerrilha): enquanto todos os outros provedores de acesso estavam cobrando para conectar as pessoas à internet, o iG oferecia conexão de graça ― bastaria se inscrever, criar um login e uma senha. Funcionou e foi um sucesso. Seria, na verdade, um sucesso muito maior se a bolha de internet não tivesse estourado bem naquele momento. O plano deles ― se você ainda não adivinhou ― era se tornar o maior provedor e o maior portal ao mesmo tempo, abrindo capital na bolsa e pagando a conta da "internet grátis" lá do começo.

Para não ficar a impressão de que os brasileiros não souberam fazer grandes negócios na internet pré-bolha, eu conheci duas histórias de bastante sucesso. E da mesma pessoa (bem-sucedida duas vezes). Era um colega meu, de escola, que era estrangeiro e que parecia "revoltado" com a situação do País, reclamando sempre dos colegas e com pontos de vista bastante firmes sobre algumas matérias. Nunca fui muito próximo dele, apesar de ele ser da mesma turma que conversava sobre computador (nem todo mundo tinha computador no final dos anos 80) ―, e perdi contato logo que entrei na faculdade.

Ouvi falar dele, novamente, quando estava me formando. Ele se tornara dono de uma das maiores BBSs (pré-provedores de acesso) do Brasil e tinha ficado rico enquanto a gente, às vésperas da formatura, ainda estava ingressando no mercado de trabalho... Outro colega, de faculdade, inclusive, tinha começado a trabalhar com ele, na aurora da tal BBS, mas desistiu... "porque não estava conseguindo conciliar com a faculdade" (repetiria esse bordão com arrependimento muitas vezes). Mas essa é apenas a primeira história de sucesso (ele, naturalmente, vendeu a BBS para um grupo estrangeiro).

Não satisfeito em ter feito um dos melhores negócios pré-internet BR, esse meu colega de escola montou outro grupo (depois da venda da BBS), e lançou o que chamaram de "Geocities brasileiro": um endereço onde os internautas poderiam hospedar suas páginas gratuitamente (quando a blogosfera ainda era incipiente nos EUA e o Orkut nem era projeto). Dessa vez, encontrei outro colega de escola num shopping, que trabalhava com ele, mas que, sigiloso, evitou todo tipo de aproximação... ― afinal, eles estavam "dominando o mundo".

O "Geocities brasileiro", por oferecer hospedagem de páginas gratuitamente (quando todo mundo cobrava para hospedar qualquer HTML), ia assumindo, mês a mês, a liderança entre os portais brasileiros. Eu lia mensalmente uma revista de internet (isso existia, no início dos anos 2000) e lá estava o "Geocities brasileiro", disputando, cabeça a cabeça, com iG e UOL. O iG já tinha desistido de faturar alto na bolsa, mas ainda queria a liderança e ― adivinhe? ― comprou o "Geocities brasileiro", do meu colega de escola e do grupo dele, tornando-se, por uns tempos, líder de audiência, em cima do todo-poderoso UOL... (Em nenhum dos dois casos, iG e UOL, liderança significou controle e, mesmo dominando a audiência da internet BR momentaneamente, eles, ainda assim, permitiram a entrada de Google, Yahoo, Terra e até AOL.)

Tangenciei a história de ambição do Google aqui, porque ela é bem conhecida já. Resumo em um parágrafo. Dominando as buscas como nenhum outro mecanismo ― em cima do moribundo AltaVista e do longevo Yahoo ― o Google tornou-se um dos maiores portais (embora, a rigor, não seja um portal). Mas seu crescimento, tentacular, só ocorreu porque seu modelo de publicidade (de venda de palavra-chave) foi um sucesso tão estrondoso quanto seu mecanismo de busca. Conclusão: o Google cresceu mais rápido do que qualquer outra empresa na história do capitalismo. E o Google não quer perder sua liderança na internet, quer?

O maior calcanhar de aquiles do Google, quase todo mundo sabe, são surpreendentemente esses mesmos dois componentes de seu sucesso: o mecanismo de busca e a venda de palavras-chave. Afinal, depois que o Google abriu seu capital na bolsa de valores (há alguns anos), analistas de mercado questionam o fato de a empresa, embora gigantesca, ter um único negócio rentável. Desde então ― ou confirmando essa suspeita ―, o Google se meteu em todo tipo de coisa aparentemente inovadora. E mesmo com o sucesso crescente ― do seu mecanismo de busca e da sua venda de palavras-chave ― ainda não encontrou nada tão lucrativo no horizonte...

Eu não torço contra o Google porque não sou burro (dependo bastante dele), mas, ao contrário dos analistas de Wall Street (hoje é fácil ser contra eles), não acho que Larry Page, Sergey Brin e Eric Schimdt deveriam procurar outro negócio além do mecanismo de buscas e das vendas de palavras-chave. Para quê? A Microsoft caiu do cavalo quando descuidou de seu software e se meteu a fabricar hardware (até com sucesso, algumas vezes, mas descuidando de seu core business). A AOL tropeçou na sua ânsia de dominação, quando adquiriu a Time Warner. As majors, do mundo off-line, combateram o download, quando deveriam ter antecipado o iTunes e aderido a ele. E o mainstream das empresas de mídia ― estamos assistindo a isto, neste momento ― está ruindo, nos EUA, porque quis cobrar por conteúdo, insistir em suportes obsoletos e denegrir a imagem de "amadores" e afins. Se você lutar contra a Web... o que acontece mesmo?

Antes da ascensão do Twitter, o mundo da internet parecia estar dividido entre Google, Yahoo, Microsoft (que tentou abocanhar o Yahoo) e Facebook (que crescia exponencialmente e era uma "rede fechada"). E a Amazon, que prefere não entrar, abertamente, na disputa. O Google tentou conter o crescimento do Facebook com o Orkut, mas este só "pegou", mesmo, no Brasil. Depois o Google tentou, em seguida, minar a "exclusividade" da rede social de Mark Zuckerberg, lançando uma ferramenta que "importava" dados do Facebook, despejando-os novamente na "internet aberta" (Google Friend Connect). Mas Zuckerberg voltou atrás, não aceitou "abrir" o Facebook, e foi uma grita. Enquanto isso, a Microsoft não conseguiu entrar num acordo com Jerry Yang, fundador do Yahoo, num momento em que até o Google anunciava que, se isso acontecesse, seria o fim da competitividade na internet... (Não cito a venda do MySpace para a News Corporation, porque o MySpace, embora tenha pago o investimento, não é, exatamente, um player como o Facebook e, atualmente, o Twitter.)

Na segunda metade dos anos 2000, Evan Williams e seus amigos Jack Dorsey e Biz Stone tinham, como única ambição, manter sua iniciativa no ar, o Odeo (diretório de podcasts). Os investidores estavam cobrando resultados e o Odeo... nada de entregar. Resolveram montar grupos de brainstorm, subdividindo os funcionários da empresa, durante um piquenique, quando alguém surgiu com uma ideia... Foi Jack, que já havia esboçado a mesma em seu caderno, no início dos anos 2000... Era uma ferramenta para informar o que você andava fazendo, para a sua rede de amigos, instantaneamente (via celular) ― era o Twitter.

O resto da história é relativamente conhecido. O Twitter domina o noticiário nos últimos tempos e cresce, naturalmente, na mesma proporção. Já surgiram boatos de que o Facebook tentou comprá-lo (mas dizem que eles não aceitaram receber parte do pagamento em ações do Facebook) e, também, de que o Google tentou comprá-lo (mas, segundo analistas, seria um erro de estratégia e ninguém confirmou a real intenção). Mais recentemente, o mesmo Facebook lançou uma ferramenta própria, onde troca a pergunta do Twitter ("O que você está fazendo?") por outra parecida ("What's on your mind?"). Então subitamente, no Brasil, nossos amigos, blogueiros, querem ser os eternos reis da mídias sociais...

Ninguém quer ficar ultrapassado. Nem eu. Nem mesmo os jornalistas de papel. Mas a ambição de controle parece que não combina com a internet. Pelo menos, enquanto conseguirmos manter a internet desse jeito: aberta, inovadora e fluida. São os mesmos defeitos que os críticos apontam na internet: ela é aberta para todo mundo ("qualquer pessoa pode entrar"); ela é volúvel nas suas invenções ("na internet nada dura"); e ela é um caos, aparentemente, incontrolável ("sujeita a crimes e fraudes incessantes"). Às vezes eu penso que vamos sentir saudades de quando a internet era "uma bagunça", qualquer ideia poderia crescer e frutificar, e, como o Twitter, começar tudo de novo. Até lá, vamos aproveitar... enquanto este tempo dura! Mas sem ânsia de dominação, tá?


Julio Daio Borges
São Paulo, 8/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dezembros Selvagens, de Edna O'Brien de Ricardo de Mattos
02. Giuseppe Ungaretti e a alegria do náufrago de Martim Vasques da Cunha


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2009
01. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb - 4/12/2009
02. Lendo Dom Quixote - 2/10/2009
03. Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana - 5/6/2009
04. Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais - 29/5/2009
05. O Free, de Chris Anderson - 16/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/4/2009
10h46min
Na mosca! Esse suposto monopólio do Google tem pernas fracas. É mais improvável eles dominarem a internet do que os que tentaram antes. Aliás, sou antigo o suficiente para lembrar da internet antes das tentativas de monopólio... Quando a rede era uma coisa acadêmica, antes dos browsers se espalharem. Ficou mais divertido agora, que a gente pode assistir aos gigantes se batendo, sem chance de ganharem.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
6/1/2010
12h07min
Voltando para essa conversa, alguém ainda lembra qual era a questão do monopólio da Microsoft, browsers, Netscape, essas coisas? Se lembrar não me conte, porque já esqueci.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Copo de Cólera - Edição Comemorativa - 1ª Edição
Raduan Nassar
Companhia das Letras
(2013)
R$ 49,95



300 Clientes Habituais
Carla de Almeida
Landscape
(2006)
R$ 5,00



Os Mistérios de Jerusalém
Marek Halter
Ediouro
(2000)
R$ 7,90



O melhor de mim
Nicholas Sparks
Arqueiro
R$ 15,00



Funções do Direito Penal: Legitimação Versus Deslegitimação Do
Paulo de Souza Queiroz
Del Rey
(2001)
R$ 44,82



El Cuarto Protocolo
Frederick Forsyth
Plaza e Janés
(1984)
R$ 5,00



Education for Sustainability. A Contribution to the Decade of Education for Sustainable Development
Moacir Gadotti
Instituto Paulo Freire
(2009)
R$ 16,00



Revista de Patologia Tropical Vol. 4 Nº 2 Abril - Junho
Sociedade Revista de Patologia Tropical
Sociedade Revista de Patolo
(1975)
R$ 11,73



Oto - Rino - Laringologia Prática 4ª Edição
Paulo Mangabeira Albenaz
Científica
(1946)
R$ 25,68



Lembranças e Saudades
Benedicta Pires Duarte
Sul Minas
(2002)
R$ 20,00





busca | avançada
79550 visitas/dia
2,1 milhões/mês