Um homem: Klaus Klump, de Gonçalo Tavares | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto aborda riqueza da tradicional Festa da Carpição
>>> Canto dos Recuados - espetáculo musical mergulha na cultura afrobarroca
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O rei nu do vestibular
>>> Selvageria Nunca Sai de Moda
>>> Você cumpre as promessas de final de ano?
>>> A cabeça de Steve Jobs
>>> O sublime Ballet de Londrina
>>> A vida subterrânea que mora em frente
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Incubus - Circles
>>> Citizen Kane
>>> Da vitrola ao microchip
Mais Recentes
>>> Entrega total de Suma pela Suma (2021)
>>> Revolução Francesa de Frederic Bluche - Stéphane Rials - Jean Tulard pela L&pm (2009)
>>> A Loira de Concreto de Michael Connelly pela Best Seller (1994)
>>> Canaã - Série Bom Livro de Graça Aranha pela Ática (2006)
>>> Verônica e o Fantasma de Canterville de Jordi Vila Delclos - Carlos Puerto pela Ftd (2008)
>>> Planeta Meu Amor de Sylvie Girardet pela Companhia Ed Nacional (2007)
>>> Entre O Amor E As Estrelas de Letramais pela Letramais (2021)
>>> O Homem Que Sabia Demais - Alan Turing e a Invenção do Computador de David Leavitt pela Novo Conceito (2011)
>>> Em Busca do Novo Rei de Lino de Albergaria pela Atual (1993)
>>> Epistemologia Jurídica E Democracia de Unisinos pela Unisinos (2021)
>>> Liberdade Virtual - Coleção Jabuti de Sylvio Gonçalves - Vilachã pela Saraiva (1997)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand - Rubem Braga pela Scipione (2004)
>>> Empreendedoras.Coaching Dicas De Mulheres Inspiradoras de Leader pela Leader (2021)
>>> Texas fever de Kimberly Raye pela Harlequin (2005)
>>> Empreendedorismo de Leader pela Leader (2021)
>>> The Secrets of Sadie Maynard de Linda Anderson pela Pocket Star Books (1999)
>>> 9 Coisas E-mail Que Eu Odeio Em Você de Marcia Kupstas pela Ftd (2001)
>>> Em Tudo Uma Lição - Água Da Vida de Árvore da Vida pela Árvore da Vida (2021)
>>> Em Um Mar de Emoções de Vida e Consciencia pela Vida e Consciencia (2021)
>>> Enfim de Gen pela Gen (2021)
>>> Confissões de Virgínia de Júlio Emílio Braz pela Ftd (2008)
>>> Enfim, capivaras de Cia das Letras pela Cia das Letras (2021)
>>> Enlaces 3 - Español Para Jóvenes Brasileños de Ele pela Ele (2021)
>>> Descobrindo os Fenômenos Físicos de Antonio Acleto pela Cpb (2011)
>>> Dom Quixote de Principis pela Principis (2021)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/9/2009
Um homem: Klaus Klump, de Gonçalo Tavares
Ricardo de Mattos

+ de 6000 Acessos

"Não te atreves a cuspir num lobo, mas se necessário mijas para cima da cabeça de um cão." (Gonçalo Tavares)

O escritor Gonçalo Tavares nasceu em Luanda de Angola no ano de 1970. Passou sua infância em Aveiro, já em Portugal, país onde publicou em dezembro de 2001 seu primeiro trabalho, O Livro da Dança. Desde então granjeia reconhecimento no Brasil, na Itália, na França e na Sérvia, além de receber os mais importantes prêmios portugueses, como o Branquinho da Fonseca e o Grande Prêmio do Conto Camilo Castelo Branco. Sua obra alastra-se pela Europa e pelo mundo através das traduções de seus romances, contos, ensaios e poesias. É autor sofisticado que presume, à maneira de Jorge Luis Borges, que o leitor compartilhe de suas leituras. Gonçalo deixou de ser um iniciante promissor para tornar-se um jovem clássico. Assistimos sua participação em uma das "mesas" da FLIP de 2006, quando mais falava-se a respeito de sua série intitulada O Bairro, local imaginário onde os vizinhos seriam os "senhores" Valéry, Brecht e Calvino, entre outros.

Um homem: Klaus Klump (Companhia das Letras, 2007, 120 págs.) é o primeiro livro da quadrilogia O Reino, sucedido por A máquina de Joseph Walser, Jerusalém e Aprender a rezar na Era da Técnica. Este romance ― cujo título onomatopaico traz também uma aliteração ― é curto: 115 páginas preenchidas com folga. O que não significa leitura ligeira. Gasta-se pouca tinta para pintar muito, criando relatos fortes e salientando retratos. Na prateleira, faz justo par com Boa tarde às coisas aqui de baixo, de António Lobo Antunes. Irmanam-se em tema e peculiaridade da expressão. Entretanto, dos quatro volumes, Jerusalém teve maior repercussão e garantiu a Gonçalo o prêmio José Saramago.

Nascido o autor em Angola, a primeira tentação do leitor é situar a trama neste país da costa ocidental africana, lar de significativa parcela dos ancestrais de nossa própria população. Depois, supor que ele narra o presenciado na infância, antes de partir para Aveiro. O que colhemos de sua biografia, porém, não autoriza a simples imposição destas conclusões. Na década de setenta do século passado, Angola dividiu-se entre movimentos pela independência e ― alcançada esta e instalado o governo de Agostinho Neto ― a guerra civil. As facções guerrilheiras como a MPLA, a FNLA e a UNITA promoveram agressivas ações intestinas que derivaram até o presente. Anônimo o cenário bélico, o olhar centra-se no mal em si da guerra e no perverso efeito secundário que é o transtorno interior causado às pessoas. Gonçalo excede o meio, recolhe semelhanças algures e cria um texto geograficamente neutro mas de leitura universal.

Nos países de instabilidade política, há um roteiro relativamente seguro a se observar. Uma força política ou social busca a supremacia e outra resiste-lhe. Almeja-se o poder em si, não a implantação de melhorias gerais através dele. "Tudo deve mudar para continuar do jeito que está", conforme Lampedusa faz seus personagens repetirem em contexto ligeiramente diverso, mas de mesmo cinismo incômodo. Gerado o conflito, uma ganhará o poder e outra refugiar-se-á na clandestinidade, onde fomentará a insatisfação e preparará o novo confronto. A insegurança torna-se o fio que alinhava os períodos. Às pessoas cabe seguir seus partidos na alternância do poder, ou acatar a ordem do momento. Nas palavras de Gonçalo, "aprendemos novas rimas para acompanhar o nascer do dia, ou recusamos a aprendê-las". A Klaus Klump parece indiferente quem ganhará ou quem perderá, quem tem razão ou não. Seu envolvimento com a resistência objetiva, em primeiro lugar, reparar ato inicial de covardia. Klaus não é o soldado-humanista-botânico que vimos em Jünger, mas alguém caído no abismo da autopunição.

Distinguindo entre resistência e colaboracionismo, o escritor traça seus melhores perfis, como o da personagem Herthe e de seu marido Leo Vast. Pérfidos, mas não deixam de ser materializáveis. Ela entrega-se aos combatentes com maior probabilidade de êxito final. No seu casamento, não hesita em trair, num só ato, seu irmão e o novo marido. Mal casada e já viúva, une-se a Leo visando garantir o próprio conforto, bem como dos familiares. No seu Diário de uma guerra estranha, Jean-Paul Sartre questiona quase inocentemente acerca dos distúrbios que viveu há setenta anos: "Seria manipulação dos capitalistas? Mas eles nada têm a ganhar com esta guerra. Fizeram tudo para evitá-la..." Através de Leo Vast, Gonçalo acaba mostrando que há, sim, senhores para quem a Paz não é lucrativa. Aproveitando a deixa, este tema foi bem abordado pelo alemão Rolf Uesseler no livro Guerra como prestação de serviços .

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 14/9/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Relatório de compra de Ana Elisa Ribeiro
02. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
03. O poeta, a pedra e o caminho de Wellington Machado
04. A pomba gíria de Ana Elisa Ribeiro
05. Só Cronista se Explica de Joca Souza Leão


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2009
01. O delfim, de José Cardoso Pires - 19/10/2009
02. Charles Darwin (1809-2009) - 16/11/2009
03. Evolução e Adaptação da Imprensa Escrita - 23/3/2009
04. Américas Antigas, de Nicholas Saunders - 27/4/2009
05. Sobre o Islã, de Ali Kamel - 23/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Novas Palavras 1
Emília Amaral e Outros
Ftd
(2013)



Amor, Liberdade e Solitude: uma Nova Visão Sobre os Relacionamen.
Osho
Cultrix
(2019)



A Orquestra do Reich - 1ª Edição - a Filarmônica de Berlim e o Naciona
Misha Aster
Perspectiva
(2012)



Mulher 40 Graus à Sombra
Maria Lucia da Cruz Pereira
Objetiva
(1994)



Atlas Fotográfico À Cores de Anatomia Microscópica
Pietro Motta
Livraria Atheneu
(1974)



Viagens de Alice
Alice Steinbach
Benvira
(2011)



A Nação Mercantilista
Jorge Caldeira
34
(1999)



O Deus e o Imperador
Sam Meekings
Argumento
(2012)



Que Semana! a Grande Conquista
Rosie Rushton
Melhoramentos
(2006)



[email protected] Com. Br - Col. Jabuti
Telma Guimarães
Saraiva
(2009)





busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês